Educação infantil no contexto amazônico: experiências em tempos de pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2021.e78988

Palavras-chave:

Educação Infantil, Criança, Pandemia, Professores e professoras , Família

Resumo

Neste artigo, discutem-se as indagações e as experiências trazidas pela COVID-19 na Educação Infantil, no contexto do Município de Humaitá, sul do Amazonas. O texto aborda as legislações e as orientações referentes à Educação Infantil e à pandemia, as questões apresentadas pelos espaços que estudam a Educação das Crianças e as experiências desenvolvidas no município no que diz respeito ao currículo. Utilizou-se a abordagem qualitativa com questionário estruturado enviado à comunidade escolar por meio da plataforma Google Forms. Os resultados mostram que as escolas urbanas enviam atividades preparadas pelos professores e pelas professoras às crianças, por meio das redes sociais, na tentativa que a família envolva-se com o currículo escolar. Entende-se que muitos são os desafios e as reflexões nesse processo que abrange as crianças, as famílias, as atividades e os professores e as professoras; além disso, as especificidades da Educação Infantil impõem desafios próprios que exigem investimentos e esforços coletivos que rompam com as desigualdades.

Biografia do Autor

Zilda Gláucia Elias Franco, Universidade Federal do Amazonas

Professora da Universidade Federal do Amazonas, Colegiado de Pedagogia, Área da Educação Infantil.

Eulina Maria Leite Nogueira, Universidade Federal do Amazonas

Doutora. Universidade Federal do Amazonas, Colegiado de Pedagogia, Humaitá, Brasil

Welton de Araújo Prata , Universidade Federal do Amazonas

Mestrando do Programa de Pós- Graduação em Ensino de Ciências e Humanidades - PPGECH da Universidade Federal do Amazonas, Humaitá, Brasil

Referências

ANPED. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação. Educação a Distância na Educação Infantil, Não!. 2020. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/images/manifesto_anped_ead_educacao_infantil_abril_2020.pdf.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1995.

BRASIL. Lei No 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, [1990]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm#art266.

BRASIL. Lei Nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Presidência da República, Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos, [1996]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm.

BRASIL. Lei Nº 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 65, p. 1-2, 5 abr. 2013.

BRASIL. Lei Nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 120-A, edição extra, p. 1-7, 26 jun. 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2017.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros Nacionais de Qualidade da Educação Infantil. Brasília: MEC, SEB, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Educinf/eduinfparqualvol1.pdf.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Nacionais de Qualidade da Educação Infantil. Brasília: UNDIME, MEC, 2018. Disponível em: https://9ec4eda3-2bb1-4cc6-8750-d8ac2d8327a0.filesusr.com/ugd/2bfe97_7b99b49d40484d089b9cc62e7b9056ad.pdf.

BRASIL. Resolução CEB Nº 1, de 7 de abril de 1999. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF, 1999. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/resolucao_ceb_0199.pdf.

BRASIL. Resolução No 2, de 28 de abril de 2008. Estabelece diretrizes complementares, normas e princípios para o desenvolvimento de políticas públicas de atendimento da Educação Básica do Campo. Brasília: Ministério da Educação, [2008]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/resolucao_2.pdf.

BRASIL. Resolução Nº 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 242, p. 18-19, 18 dez. 2009.

CPT-ACRE. Comissão Pastoral da Terra do Acre. Dos Seringais de Ontem às Fazendas de Hoje. In: ARTICULAÇÃO das CPT’s Amazônia. (org.). Atlas de conflitos na Amazônia. Goiânia: CPT; São Paulo: Entremares, 2017. p. 33-35. Disponível em: https://cptnacional.org.br/downloads-2/send/76-publicacoes-amazonia/14066-atlas-de-conflitos-na-amazonia.

DA MATA, Adriana Santos. Práticas curriculares na Educação Infantil: a aposta na multi-idade. Revista Espaço do Currículo, v. 5, n. 1, 11. 2012.

FCC. Fundação Carlos Chagas. Educação escolar em tempo de pandemia. Informe 01: Pesquisa: Educação escolar em tempos de pandemia na visão de professoras/es da Educação Básica. 2020. Disponível em: https://www.fcc.org.br/fcc/wp-content/uploads/2020/06/educacao-pandemia-a4_16-06_final.pdf.

FRANCO, Zilda Gláucia Elias. Um olhar sobre as escolas localizadas no campo do Município de Humaitá (Sul do Amazonas): em busca da justiça curricular. 2018. Tese (Doutorado em Educação: Currículo) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2018.

GOMES. Marineide de Oliveira. Formação de professores na Educação Infantil. São Paulo: Cortez, 2009.

HAGE, Salomão Antônio Mufarrej; REIS, Maria Izabel Alves. Tempo, Espaço e conhecimento nas escolas rurais (multi)seriadas e transgressão ao modelo seriado de ensino. Em Aberto, Brasília, v. 31, n. 101, p. 77-91, jan./abr. 2018.

HUMAITÁ. Decreto Nº 056/2020-GAB.PREF, de 18 de março de 2020. 2020a. Disponível em: https://acriticadehumaita.com.br/coronavirus-urgente-prefeito-de-humaita-decreta-situacao-de-emergencia-no-municipio/.

HUMAITÁ. Orientações metodológicas para o desenvolvimento de atividades didáticas durante a Pandemia de Covid-19. 2020. Humaitá: SEMED, 2020b.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. 2010. Disponível em: https://censo2010.ibge.gov.br/.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Amazonas: população. 2019. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/am/panorama.

KUHLMANN JR., Moysés. Infância e educação infantil: Uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Elisa D. Afonso. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, (Temas Básicos de Educação e Ensino). 1986.

MIEIB. Movimento Interfóruns de Educação Infantil do Brasil. Posicionamento público do Movimento Interfóruns de Educação Infantil do Brasil (MIEIB) relativa à proposta de Parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE) sobre reorganização dos calendários escolares e atividades pedagógicas não presenciais durante o período de pandemia da COVID-19. MIEIB, 20 abr. 2020. Disponível em: https://www.mieib.org.br/posicionamento-publico-do-movimento-interforuns-de-educacao-infantil-do-brasil-mieib-relativa-a-proposta-de-parecer-do-conselho-nacional-de-educacao-cne-sobre-reorganizacao-dos-calendarios-escolar/.

MONTEIRO, Sandrelena da Silva. (Re)Inventar educação escolar no Brasil em tempos da COVID-19. Revista Augustus, Rio de Janeiro, v. 25, n. 51, p. 237- 254, jul./out. 2020.

MOURA, Selma. Contra o uso de apostilas na Educação Infantil. EBB, 28 jun. 2012. Disponível em: https://educacaobilingue.com/2012/06/28/apostilas/.

NOGUEIRA, Maria Eulina Leite. Currículo e diversidade cultural indígena no Amazonas: representações da escola Tenharin. 2015. Tese (Doutorado em Educação: Currículo) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2015.

NÚCLEO de Informação e Coordenação do Ponto BR. (Ed.). TIC Domicílios: Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nos domicílios brasileiros – 2018. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2019. Disponível em: https://www.cetic.br/media/docs/publicacoes/2/12225320191028-tic_dom_2018_livro_eletronico.pdf.

OEMESC. Observatório do Ensino Médio em Santa Catarina. A Educação em Tempos de Pandemia: Soluções emergenciais pelo mundo. Editorial de Abril, 2020. Disponível em: https://www.udesc.br/arquivos/udesc/id_cpmenu/7432/EDITORIAL_DE_ABRIL___Let_cia_Vieira_e_Maike_Ricci_final_15882101662453_7432.pdf.

OLIVEIRA, Zilma Moraes Ramos de. Jogo de papéis: um olhar para as brincadeiras infantis. São Paulo: Cortez, 2011.

OLIVEIRA, Zilma Moraes Ramos de. O currículo na Educação Infantil: o que propõem as novas diretrizes nacionais? 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=6674-o-curriculonaeducacaoinfantil&category_slug=setembro-2010-pdf&Itemid=30192.

PALOSCHI, Dom Roque. As violências contra os povos indígenas tornaram-se chagas institucionalizadas. In: CIMI. Conselho Indigenista Missionário. Violência contra os Povos Indígenas no Brasil – Dados de 2018. CIMI – Conselho Indígena Missionário, 2019. Disponível em: https://cimi.org.br/wp-content/uploads/2019/09/relatorio-violencia-contra-os-povos-indigenas-brasil-2018.pdf.

RNPI. Rede Nacional Primeira Infância. Carta aberta da Rede Nacional Primeira Infância dirigida ao presidente do Conselho Nacional de Educação. RNPI, 24 mar. 2020. Disponível em: http://primeirainfancia.org.br/carta-aberta-da-rede-nacional-primeira-infancia-dirigida-ao-presidente-do-conselho-nacional-de-educacao-2/.

ROSEMBERG, Fulvia; CAMPOS, Maria Malta; PINTO, Regina Pahim. Creches e pré-escolas: década da mulher. São Paulo: Nobel: Conselho Estadual da Condição Feminina, 1985.

SAINT-EXUPÉRY, Antoine de. O Pequeno Príncipe. Tradução de Dom Marcos Barbosa. 48. ed. Rio de Janeiro: Agir, 2009.

SILVA, Jéssica Freitas; FRANCO, Zilda Gláucia Elias. Educação Infantil nas Escolas do Campo: o atendimento no município de Humaitá, Sul do Amazonas. Relatório Final de PIBIC, Universidade Federal do Amazonas, 2019.

YIN, Robert K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

2021-01-29