A educação infantil e demandas postas pela pandemia: intersetorialidade, identidade e retorno às atividades presenciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2021.e79003

Palavras-chave:

Educação Infantil, Pandemia, Intersetorialidade, Participação, Qualidade

Resumo

O artigo traz elementos relativos às exigências postas para a Educação Infantil pela pandemia da COVID-19. São evidenciadas demandas de maior coordenação e comprometimento entre as gestões dos níveis municipal, estadual e federal e de colaboração intersetorial envolvendo Educação, Assistência Social e Saúde, entre outros setores. Defendemos que, no planejamento do retorno, cada creche e pré-escola considere as crianças como prioridade e tenha como referência os princípios, conhecimentos e valores já construídos na área e expressos na legislação. Esse planejamento deve ser coletivo, para que todos contribuam e se responsabilizem pelas decisões. A clareza sobre a identidade da Educação Infantil deve guiar o diálogo com outras áreas e contribuir para a qualidade da educação de bebês, crianças bem pequenas e pequenas, garantindo os direitos desses sujeitos, de suas famílias e dos profissionais.

Biografia do Autor

Silvia Helena Vieira Cruz, Universidade Federal do Ceará

Possui graduação em Psicologia (1979), mestrado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano (1987) e também doutorado em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (1994). Fez estágio de aperfeiçoamento no Departamento de Pesquisas da Fundação Carlos Chagas durante o ano de 2005 e pós-doutorado na Universidade do Minho (Braga-Portugal) em 2007. É professora titular da Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Infantil, atuando principalmente nos seguintes temas: pesquisas com crianças pequenas, trabalho pedagógico na Educação Infantil e formação de professores.

Cristiane Martins, Universidade Federal do Ceará

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (1990), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Ceará (2000) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Ceará (2009). Atualmente é professora Adjunta da Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Psicologia Educacional e de Educação Infantil, atuando principalmente com os seguintes temas: educação infantil, pesquisa com crianças, formação de professores e brincadeira.

Rosimeire Cruz, Universidade Federal do Ceará

Professora Associada II da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Ceará. Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal do Ceará (1998), mestrado em Educação pela Universidade Federal do Ceará (2002) e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Ceará (2007). Tem experiência na área de Educação Infantil, com ênfase em rotinas de atendimento às crianças de 0 a 6 anos em creches e pré-escolas, atuando principalmente nos seguintes temas: cobertura e qualidade do atendimento, formação de professores e organização do espaço e do tempo das crianças na instituição.

Referências

APEI. Contributo para assegurar a qualidade pedagógica em creche (0-3 anos) em tempo de Covid19. Lisboa, 2020. Disponível em: http://apei.pt/upload/ficheiros/var/DocumentoAPEI_final_redux.pdf.

APEI. Contributo para assegurar a qualidade pedagógica em educação pré-escolar (3-6 anos) em tempo de Covid19. Lisboa, 2020. Disponível em: http://apei.pt/upload/ficheiros/var/COVID_final_final_redux.pdf.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira; OLIVEIRA, Zilma de Moraes Ramos de. Por que uma BNCC para a educação infantil. Desafios da Educação. 2019. Disponível em: https://desafiosd CAMPOS et al, 1992aeducacao.grupoa.com.br/bncc-na-educacao-infantil/.

BARBOSA, Maria Carmem Silveira. As especificidades da ação pedagógica com os bebês. MEC: Consultoria Pública, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2010-pdf/7154-2-2-artigo-mec-acao-pedagogica-bebes-m-carmem/file.

BARBOSA, Maria Carmen Silveira; CRUZ, Silvia Helena Vieira; FOCHI, Paulo Sérgio; OLIVEIRA, Zilma de Moraes Ramos de. Contribuição para a Consulta Pública do CNE sobre o Parecer que trata da Reorganização dos Calendários Escolares e a realização de Atividades Pedagógicas não presenciais durante o período de Pandemia da COVID-19. Brasil: 2020.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei 8.069 de 13/06/1990.

BRASIL. LDB/Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 9.394 de 26/12/1996.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Infantil. Parecer 20/09 e Resolução 05/09. Brasília: MEC/SEB, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC/SEF, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf.

CAMPOS, Maria Malta; ROSEMBERG, Fúlvia; FERREIRA, Isabel Morsoletto. Creches e Pré-escolas no Brasil. São Paulo, Cortez, 1992.

CAMPOS, Maria Malta. Educação e políticas de combate à pobreza. Revista Brasileira de Educação. Set /Out /Nov /Dez nº 24. Rio de Janeiro, 2003.

CAMPOS, Maria Malta e ROSEMBERG, Fúlvia. Critérios para um atendimento em creches que respeite os direitos fundamentais das crianças. 6.ed. Brasília: MEC, SEB, 2009.

CAMPOS, Maria Malta et al. Para um retorno à escola e à creche que respeite os direitos fundamentais das crianças, família e educadores. Brasil: 2020.

COMERLATTO, Dunia et al. Gestão de políticas públicas e intersetorialidade: diálogo e construções essenciais para os conselhos municipais. Revista katálysis [online]. 2007, vol.10, n.2, pp.265-271.

CRUZ, Silvia Helena V. Brazilian research into children's perspectives on their educational experience: participation and play at risk. European Early Childhood Education Research Journal, v. 27, p. 409-419, 2019.

DANTAS, Heloysa. Emoção e ação pedagógica na infância: contribuição de Wallon. In Temas em Psicologia, São Paulo, v. 1, n º 3, p. 73-76, dez. 1993. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X1993000300010.

ECDC. COVID-19 in children and the role of school settings in COVID-19 transmission, 6 August 2020. Stockholm: ECDC; 2020. © European Centre for Disease Prevention and Control, Stockholm, 2020. Disponível em: https://www.ecdc.europa.eu/sites/default/files/documents/COVID-19-schools-transmission-August%202020.pdf.

FOCHI, Paulo Sérgio. (Orgs). O brincar heurístico na creche: percursos pedagógicos no Observatório da Cultura Infantil - OBECI. Porto Alegre: Paulo Fochi Estudos Pedagógicos, 2018.

FRIEDMANN, Adriana (org.). Escuta e observação de crianças: processos inspiradores para educadores. Centro de Pesquisa e Formação Sesc, São Paulo, 2018.

FUNDAÇÃO MARIA CECÍLIA SOUTO VIDIGAL (2020). Desafios do acesso à creche no Brasil: subsídios para o debate. Disponível em: http://www.fmcsv.org.br. Acesso em 10/08/2020.

GÓES, Flávia Temponi e MACHADO, Lucília Regina de Souza. Políticas Educativas, Intersetorialidade e desenvolvimento Local. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 38, n. 2, p. 627-648, abr./jun. 2013.

KRAMER, Sônia. Direitos da criança e o projeto político de educação infantil. In: BASÍLIO, Luiz Cavalieri.; KRAMER, Sônia. Infância, educação e direitos humanos. São Paulo: Cortez, 2003.

LEAVERS, Ferre. Fundamentos da educação experiencial: bem-estar e envolvimento na Educação Infantil. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 25, n. 58, p. 152-185, maio/ago. 2014.

MIEIB. Movimento Interfóruns de Educação Infantil do Brasil. Posicionamento público do Movimento Interfóruns de Educação Infantil do Brasil (MIEIB) relativo à proposta de parecer do Conselho Nacional de Educação (CNE) sobre reorganização dos calendários escolares e atividades pedagógicas não presenciais durante o período de pandemia da COVID-19. Disponível em http://www.mieib.org.br/wp-content/uploads/2020/04/POSICIONAMENTO-MIEIB-PARA-O-CNE-FINAL-19.04.2020.pdf.

MOSS, Peter. Introduzindo a política na creche: a Educação Infantil como prática domocrática. Psicologia USP. São Paulo, julho/setembro, 2009, 20(3), 417-436.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. Trabalho docente em tempos de pandemia. Belo Horizonte: Relatório Técnico, GESTRADO/UFMG, 2020

OLIVEIRA, Zilma de Moraes Ramos de. A Covid 19 e seu impacto na estrutura da educação infantil: análise das normatizações dos conselhos estaduais de educação. Brasil: 2020 (texto preliminar).

OLIVEIRA-FORMOSINHO, Júlia; FORMOSINHO, João. Pedagogia-em-participação: a perspectiva da Associação Criança. In: OLIVEIRA-FORMOSINHO. Júlia (org). O Espaço e o tempo na Pedagogia-em-participação. Porto Editora: Portugal, 2011.

OLIVEIRA, Rita de Cássia. Intersetorialidade entre as políticas públicas e seus efeitos na escola pública brasileira. Anais do IV Congresso Internacional de Pedagogia Social e Simpósio de Pós-Graducação (USP, UNISAL; UNICAMP; PUC-SP e Mackenzie). São Paulo, 2012.

UNICEF. Convenção sobre os direitos da criança. 1989. Nova Iorque: UNICEF. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/convencao-sobre-os-direitos-da-crianca.

ROSEMBERG, Fúlvia. Criança pequena e desigualdade social no Brasil. In: FREITAS, Marcos Cezar de (org.) Desigualdade social e diversidade cultural na infância e na juventude. São Paulo: Cortez, 2006.

SANTOS, Débora de Souza. Ações intersetoriais de educação e saúde: entre a teoria e a prática [Dissertação de Mestrado]. Campinas (SP), 2005.

SILVA, Kátia Cristina Fernandes e. As concepções de professoras e de auxiliares sobre a atuação docente promotora de práticas educativas de boa qualidade com os bebês. Tese (doutorado) – Universidade Federal do Ceará, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Fortaleza, 2020.

WERNECK, Guilherme Loureiro. (Live em 13.jul.2020) Ciranda Reflexiva - Retorno à Escola de Ed. Infantil: articulações e proposições intersetoriais. Fórum Baiano de educação infantil. Disponível em

https://www.youtube.com/watch?v=mCmXMMDhm4w.

Downloads

Publicado

2021-01-29