Crianças com transtorno do espectro autista em tempos de pandemia: contextos de inclusão/exclusão na educação infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1980-4512.2021.e79005

Palavras-chave:

Inclusão, Crianças, Transtorno do Espectro Autista, Pandemia

Resumo

A pandemia da COVID-19 impactou rotinas e modos de vida de bebês e crianças pequenas e suas famílias, sobretudo, em função do fechamento das instituições de educação infantil, ocasionando novas dinâmicas de sociabilidade e importantes mudanças na ação educativa. Considerando a complexidade dessas alterações e a especificidade do trabalho educativo com crianças com Transtorno do Espectro Autista, este artigo visa refletir sobre a relação de inclusão/exclusão dessas crianças, mediante análise de elementos teóricos que problematizam a ação educativa, à luz dos pressupostos teóricos da educação inclusiva. Partimos da compreensão de que crianças com TEA necessitam de atenção às suas peculiaridades, dentre elas, as de natureza interativa. Considerando que os contextos interativos dessas crianças encontram-se reduzidos aos espaços familiares, questionamos: como a ação educativa tem contemplado as crianças com TEA? Com base nas análises teóricas efetuadas, concluímos que os limites colocados pela pandemia interrogam as possibilidades educativas e apontam para a construção de estratégias metodológicas individualizadas que favoreçam o desenvolvimento dessas crianças.

Biografia do Autor

Adelaide Alves Dias, Universidade Federal da Paraíba

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Federal da Paraíba (1986), mestrado em Psicologia (Psicologia Social) pela Universidade Federal da Paraíba (1992), doutorado em Educação pela Universidade Federal Fluminense (2001) e pós-doutorado em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2013-2015). Atualmente é professora titular aposentada da Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e professora visitante da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN). É pesquisadora dos Programas de Pós-Graduação em Educação (UFPB) e em Ensino (UERN). Coordenou o Programa do PROCAD/CAPES NF 797/2010, é pesquisadora Associada do CIERS-Ed (Centro Internacional de Estudos em Representações Sociais e Subjetividade - Educação) e da Cátedra UNESCO de Profissionalização Docente. É membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos (NCDH) da Universidade Federal da Paraíba e do Fórum Estadual de Educação da Paraíba (FEE-PB). É coordenadora do Fórum de Educação Infantil da Paraíba (FEIPB) e do Núcleo de Pesquisas e Estudos sobre a Criança (NUPEC). Tem experiência nas áreas de Educação e de Psicologia, com ênfase em Educação Infantil, Desenvolvimento Humano e Educação em Direitos Humanos, atuando principalmente nos seguintes temas: infâncias, educação infantil, políticas públicas educacionais, educação em direitos humanos e educação inclusiva.

Isabelle Sercundes Santos, Universidade Federal da Paraíba

Mestre em Educação pela Universidade Federal da Paraíba – Brasil. Professora de educação infantil da rede pública municipal de João Pessoa - PB.

 

Adams Ricardo Pereira de Abreu, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Mestrando em Ensino pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte – Brasil. Professor do Atendimento Educacional Especializado da rede estadual de ensino da Paraíba.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais: DSM-5, tradução: Maria Inês Corrêa Nascimento. Revisão técnica de Aristides Volpato Cordioli et al. 5. ed. Dados eletrônicos. Porto Alegre: Artmed, 2014. Disponível em: http://www.niip.com.br/wp-content/uploads/2018/06/Manual-Diagnosico-e-Estatistico-de-Transtornos-Mentais-DSM-5-1-pdf.pdf. Acesso em 02 mai.2020.

ASSUMPÇÃO JR, Francisco B.; PIMENTEL, Ana Cristina M. Autismo infantil. Rev. Bras. Psiquiatria. v.22, Supl I, p. 37-39. São Paulo, Dez. 2000.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_20dez_site.pdf. Acesso em: 30 jul. 2020.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB n. 4, de 2 de outubro de 2009. Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica. Diário Oficial da União, Brasília, 5 out. 2009.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer n. 05/2020. Reorganização do Calendário Escolar e da possibilidade de cômputo de atividades não presenciais para fins de cumprimento da carga horária mínima anual, em razão da Pandemia da COVID-19. Conselho Pleno/Conselho Nacional de Educação (CP/CNE), 2020. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=145011- pcp005-20&category_slug=marco-2020-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 12 jul. 2020.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Planalto, [on-line]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm. Acesso em: 1 ago. 2020.

BRASIL. Decreto n. 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre o atendimento educacional especializado. Brasília: Presidência da República/Casa Civil/Subchefia para Assuntos Jurídicos, 2011.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Organizado por Luiz Roberto Curia, Livia Céspedes e Juliana Nicoletti. 13. ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostragem Domiciliar Contínua Mensal, 2020. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9171-pesquisa-nacional-por-amostra- de-domicilios-continua-mensal.html?edicao=27233&t=resultados. Acesso em: 30 jul. 2020.

BRASIL. Lei n. 10.406, de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 139, n. 8, p. 1-74, 11 jan. 2002.

BRASIL. Lei n. 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Brasília, DF: 2012. Disponível em: planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm. Acesso em: 30 jul. 2020.

BRASIL. Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Estatuto da Pessoa com Deficiência. Disponível em:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 30 de jul. de 2020.

BRASIL. Leis de Diretrizes e Bases da Educação nacional - Lei nº 9.394/96. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 30 jul. 2020.

BRASIL. Medida Provisória n. 934, de 1º de abril de 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/medida-provisoria-n-934-de-1-de-abril-de-2020- 250710591. Acesso em: 29 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Sistema Educacional Brasileiro. Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF, 2008.

Disponível em: http://peei.mec.gov.br/arquivos/politica_nacional_educacao_especial.pdf. Acesso em: 30 jul. 2020.

BRUNO, Marilda Moraes Garcia. Educação Infantil: saberes e práticas da inclusão. Introdução. Secretaria de Educação Especial. 4. ed. Brasília: MEC, 2006. p. 7-8.

CAMARGO, Síglia Pimentel Höher; BOSA, Cleonice Alves. Competência social, inclusão escolar e autismo: revisão crítica da literatura. Psicologia & Sociedade, Florianópolis, v. 21, n.1, p. 65-74, 2009.

COSTA, Daniel da Silva; SCHMIDT, Carlo. Plano Educacional Individualizado para Estudantes com Autismo: revisão conceitual. Cadernos de Educação, Pelotas, n. 61, p. 102-128, 2019.

CRESPO, Renata Oliveira. Comunicação e interação social de crianças com Transtorno do Espectro do Autismo: possíveis efeitos de uma intervenção mediada por pares. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Educação.

Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2020, 93p. Disponível em: http://guaiaca.ufpel.edu.br:8080/handle/prefix/6174. Acesso em: 19 jul. 2020.

DAWSON, Geraldine; OSTERLING, Julie. Early Intervention in Autism. In: GURALNICK, Michael J. (Org.). The Effectiveness Of Early Intervention, Baltimore: Paul H. Brookes, p. 307-326. 1997.

DE VITTA, Fabiana Cristina Frigieri; SILVA, K. L. P.; MORAES, M. C. A. F. Conceito sobre a educação da criança deficiente, de acordo com professores de educação infantil da cidade de Bauru. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.10, n.1, p.43-58 jan./abr. 2004.

HOWLIN, Patricia; MAGIATI, Iliana; CHARMAN, Tony. Systematic review of early intensive behavioral interventions for children with autism. American Journal of Intellectual Development Disabilities, v. 114, n. 1, p.23-41, jan. 2009.

LAMPREIA, Carolina. A perspectiva desenvolvimentista para a intervenção precoce no autismo. Estudos de Psicologia. Campinas, v. 24, n. 1, p. 105-114, jan./mar. 2007.

LEMOS, Emellyne Lima de Medeiros Dias; SALOMÃO, Nádia Maria Ribeiro; AGRIPINO- RAMOS, Cibele Shírley. Inclusão de crianças autistas: um estudo sobre interações sociais no contexto escolar. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v. 20, n. 1, p. 117-130, jan./mar. 2014.

MATTOS, Laura Kemp de; NUERNBERG, Adriano Henrique. Reflexões sobre a inclusão escolar de uma criança com diagnósticos de autismo na Educação Infantil. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 24, n. 39, p. 129-142, jan./abr. 2011.

MORI, Nerli Nonato Ribeiro; Alunos especiais inseridos em classes regulares. In: MARQUEZINI, Maria Cristina. Inclusão. Londrina. Ed. Eduel, 2003. p. 179-192.

OLIVEIRA, Bruno Diniz Castro de; FELDMAN, Clara; COUTO, Maria Cristina Ventura LIMA; Rossano Cabral. Políticas para o autismo no Brasil: entre a atenção psicossocial e a reabilitação. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 27, n.3, p. 707-726, 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. UNESCO. Declaração de Salamanca. Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais.

Salamanca, ES: 1994, [on-line]. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca. Acesso em: 02 ago. 2020.

ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DE SAÚDE (OPAS). ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE (OMS). Transtorno do espectro autista. Folha informativa, Brasil, [on-line]. Disponível em https://www.paho.org/bra/index.php?Itemid=1098. Acesso em: 10 jul. 2020.

PEREIRA, Debora Mara; NUNES, Débora Regina de Paula. Diretrizes para a elaboração do PEI como instrumento de avaliação para educando com autismo: um estudo interventivo. Revista Educação Especial, Santa Maria, v. 31, n. 63, p. 939-960, 2018.

PRIETO, Rosângela Gavioli. Atendimento escolar de alunos com necessidades educacionais especiais: um olhar sobre as políticas públicas de educação no Brasil. In: ARANTES, V. A.(org.) Inclusão escolar: pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2006. p. 31-73.

REDIG, Annie Gomes; MASCARO, Cristina Angélica Aquino de Carvalho; DUTRA, Flávia Barbosa da Silva. A formação continuada do professor para a inclusão e o plano educacional individualizado: uma estratégia formativa? Revista Diálogos e Perspectivas em Educação Especial, v.4, n. 1, p. 33-44, Edição Especial. 2017.

REICHOW, Brian. Overview of meta-analyses on early intensive behavioral intervention for young children with autism spectrum disorders. Journal of Autism and Development Disorders, v. 42, n. 4, p. 512-520, mar. 2011.

RIOS, Clarice; ORTEGA, Francisco; ZORZANELLI, Rafaela; NASCIMENTO, Leonardo Fernandes. Da invisibilidade à epidemia: a construção narrativa do autismo na mídia impressa brasileira. Interface (Botucatu), Botucatu, [on-line], vol.19, n. 53, p. 325-336, fev. 2015.

SANINI, Cláudia; SIFUENTES, Maúcha; BOSA, Cleonice Alves. Competência Social e Autismo: o papel do contexto da brincadeira com pares. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v. 29, n. 1, p. 99-105, mar. 2013.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A cruel Pedagogia do Vírus. Coimbra: ALMEDINA; São Paulo: Boitempo, 2020.

TANNÚS-VALADÃO, Gabriela; MENDES, Gonçalves Enicéia. Inclusão escolar e o planejamento educacional individualizado: estudo comparativo sobre práticas de planejamento em diferentes países. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 23, e230076, 2018, Epub. Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, SP, 2018.

ZANON, Regina Basso; BACKES, Bárbara; BOSA, Cleonice Alves. Identificação dos primeiros sintomas do autismo pelos pais. Psicologia: Teoria e Pesquisa. Brasília, v. 30, n. 1, p. 25-33, jan-mar, 2014.

Downloads

Publicado

2021-01-29