Gestão de competências: como os empregados percebem este modelo de gestão?

Lydia Maria Pinto Brito, Maria da Graça de Oliveira Carlos, Fernando Antonio de Moura Avelino

Resumo


O estudo analisa as diretrizes orientadoras da concepção do modelo de Gestão por Competências, adotado em uma grande empresa concessionária de serviços em Fortaleza, a partir da percepção dos seus empregados. A pesquisa analisa ainda o perfil dos empregados da companhia, o grau de satisfação com a avaliação de desempenho criado pelo novo modelo, e a existência de correlação entre elementos desse perfil e a percepção. Realizou-se uma análise descritiva e quantitativa, de acordo com o modelo de Brito (2005) sobre o universo de 1.319 empregados, em maio de 2005, consultados por meio de uma survey com retorno de 683 respondentes. Os resultados revelaram a preferência da base pelo Sistema Tradicional de Gestão e apontaram também que a percepção declarada pelos empregados evidencia abertura para as novas Políticas de Gestão de Pessoas sinalizadas no novo PCCS, o que significa disposição de cada trabalhador individualmente para desenvolver competências e agregar valor à Missão, Negócio, Visão de Futuro e Estratégias da empresa. Contudo, a adesão mostra-se associada à consideração do Tempo de Serviço, e a mecanismos de valorização e progressão concreta e previsível de carreira, que possam dar segurança aos trabalhadores.

Palavras-chave


Gestão de competências; Perfil dos empregados; Plano de carreiras; Competencies management; Career progression; Employees profile

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.5007/%25x

Revista de Ciências da Administração, Universidade Federal de Santa Catarina, Departamento de Administração, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Para entrar em contato com a equipe editorial da Revista RCA, encaminhe um e-mail para rca.cse@contato.ufsc.br

ISSNe 2175-8077    ISSN 1516-3865

Licença Creative Commons
This obra is licensed under a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.