A Formação em Administração e o Dualismo Conceitual teoria-prática no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-8077.2020.e69888

Palavras-chave:

Ensino e Pesquisa em Administração, Relação Teoria e Prática, Pragmática da Linguagem, Experiência e Saber de Experiência

Resumo

O debate recente acerca do distanciamento entre teoria e prática na formação do administrador desperta a inquietação central deste ensaio teórico. Existe certa posição de estranhamento diante da situação de limitado reconhecimento das Escolas de Administração no mundo, e no Brasil em particular, em que Lima e Wood Jr. (2014) afirmam que os benefícios da ciência administrativa no Brasil são desconhecidos e talvez insignificantes. Diante de tal problemática, o objetivo deste trabalho é avaliar o modo como a pesquisa em administração vem abordando o dualismo conceitual teoria-prática na formação dos seus membros e egressos. Nesse hiato pode residir o fato de não estar havendo a transformação fundamental, ou se estiver, pode não estar recebendo o empenho necessário por abarcar a nova concepção acerca da imbricação teoria-prática.

Biografia do Autor

Jose Lindenberg Julião Xavier Filho, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Centro Acadêmico do Agreste (CAA).

Doutor em Administração pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Mestre em Administração e Controladoria pela Universidade Federal do Ceará (UFC/2011), MBA Executivo em Gestão Estratégica Avançada de Negócios pela Universidade Federal de Alagoas (UFAL/2008) e bacharel em Administração de Empresas pela Faculdade de Ciências da Administração de Garanhuns (2006). Atualmente é Professor Adjunto da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Centro Acadêmico do Agreste (CAA - Núcleo de Gestão), lecionado em cursos de graduação e pós-graduação na área de gestão e negócios. É professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Gestão, Inovação e Consumo (PPGIC), onde atua no curso de Mestrado em Gestão, Inovação e Consumo. Ocupa atualmente a posição de editor-chefe do Journal of Perspectives in Management (JPM). Tem interesse em pesquisas com ênfase na Competitividade do Varejo, envolvendo interesses como Competitividade e Tributação no Varejo; Redes de Cooperação Interorganizacionais (Governança e Estrutura Organizacional); Uso de informações Contábeis, Ensino/Aprendizagem em Negócios. Paralelo aos esforços junto a UFPE também atual como instrutor convidado do Conselho Regional de Administração (CRA/PE) e Conselho Regional de Contabilidade (CRC/PE).

Suélen Matozo Franco, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutora em Administração pelo Programa de Pós-graduação em Administração (Propad) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Mestre em Administração pelo mesmo programa. Bacharela em Administração e em Comunicação Social com hablitação em Publicidade e Propaganda pela mesma instituição. Experiência profissional em comunicação escrita (redação e editoração textual), docência nos níveis técnico, superior e pós-graduação lato sensu.

Fernando Gomes de Paiva Junior, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (2004), Mestre em Administração pela Universidad de Deusto, País Basco, Espanha (1990) e Graduado em Administração pela Universidade Federal de Pernambuco (1985). Pós-doutorado pelo Programa Nacional de Pós-doutorado (PNPD), Universidade Federal da Paraíba. Professor Associado II da Universidade Federal de Pernambuco. Coordenador do Grupo de Pesquisa Lócus de Investigação em Economia Criativa.Áreas de interesse:Economia Criativa, Empreendedorismo cultural, Inovação, Redes de Negócio e Estudos Culturais.

Marconi Freitas da Costa, Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Centro Acadêmico do Agreste (CAA).

Professor Adjunto da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE. Doutor em Administração pela FEA/USP. Doutor em Administração pelo PROPAD/UFPE. Vice-Coordenador do Programa de Pós-Graduação em Gestão, Inovação e Consumo - PPGIC (Mestrado Acadêmico) da Universidade Federal de Pernambuco, Campus Caruaru. Professor Permanente do Programa de Pós-Graduação em Administração - PROPAD/UFPE e do Programa de Pós-Graduação em Hotelaria e Turismo - PPHTur/UFPE. Foi bolsista Fulbright para o estágio doutoral nos EUA (Julho-2014/Maio-2015), durante esse período foi Visiting Scholar na Questrom School of Business, Boston University e Audit Student na Sloan School of Management, Massachusetts Institute of Technology - MIT. Líder do Grupo de Pesquisa do Comportamento do Consumidor (GPCC) cadastrado no Diretório do CNPq. É Editor da CBR - Consumer Behavior Review. É Editor Assistente da RGSA - Revista de Gestão Social e Ambiental. Tem experiência de coordenação de curso de graduação e pós-graduação (lato sensu). É revisor e possui artigos publicados (e aceitos para publicação) em periódicos (e congressos) internacionais e nacionais, tais como: RAC (A2), RAUSP (A2), RBGN (A2), BBR (A2), Cadernos EBAPE.BR (A2), O&S (A2), Computers in Human Behavior (A2), entre outros. Possui projetos de pesquisa com fomento do CNPq, CAPES e FACEPE. Áreas de interesse: Bem-estar do consumidor, com ênfase na tomada de decisão para: consumo sustentável, saúde e alimentação, atividades turísticas e finanças pessoais, com o uso de designs experimentais e análise multivariada de dados.

Referências

ABRAHAMSEN, M. H. et al. Network picturing: an action research study of strategizing in business networks. Industrial Marketing Management, v. 59, p. 107-119, 2016.

AHUJA, V.; PURANKAR, S. Quality business school education and the expectations of the corporate: a research agenda. Procedia Computer Science, v. 139, p. 561-569, 2018.

ALCADIPANI, R.; BERTERO, C. O. Os EUA, a exportação e a expansão do ensino de Management no Brasil nas décadas de 1950 e 1960. Cadernos EBAPE.BR, v. 16, n. 1, p. 50-63, 2018.

AZUDIN, A.; MANSOR, N. Management accounting practices of SMEs: the impact of organizational DNA, business potential and operational technology. Asia Pacific Management Review, v. 23, n. 3, p. 222-226, 2018.

BADEWI, A.; SHEHAB, E. The impact of organizational project benefits management governance on ERP project success: neo-institutional theory perspective. International Journal of Project Management, v. 34, n. 3, p. 412-428, 2016.

BALL, A.; CRAIG, R. Using neo-institutionalism to advance social and environmental accounting. Critical Perspectives on Accounting, v. 21, n. 4, p. 283-293, 2010.

BARBOSA, M. A. C. et al. Nem só de debates epistemológicos vive o pesquisador em administração: alguns apontamentos sobre disputas entre paradigmas e campo científico. Cadernos EBAPE.BR, v. 11, n. 4, p. 636-651, 2013.

BARNARD, C. The Functions of the Executive. Cambridge: Harvard University Press, 1938.

BENNIS, W. G.; O’TOOLE, J. How business schools lost their way. Harvard Business Review, v. 83, n. 5, p. 96-104, 2005.

BERTERO, C. O. Ensino e Pesquisa em Administração – Relatório GVPesquisa 11/2009. São Paulo: FGV, 2009.

BERTERO, C. O. et al. Os desafios da produção de conhecimento em administração no Brasil. Cadernos EBAPE.BR, v. 11, n. 1, p. 181-196, 2013a.

BERTERO, C. O. et al. Produção científica brasileira em Administração na década de 2000. Revista de Administração de Empresas, v. 53, n. 1, p. 12-20, 2013b.

BONDÍA, J. L. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, v. 19, p. 20-28, 2002.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: Por uma sociologia do campo científico. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

BRYDON-MILLER, M.; GREENWOOD, D.; MAGUIRE, P. Why action research? Action Research, v. 1, p. 9-28, 2003.

CARRIERI, A. P. et al. A gestão ordinária dos pequenos negócios: Outro olhar sobre a gestão em estudos organizacionais. Revista de Administração, v. 49, n. 4, p. 698-713, 2014.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO (CNE/CES). Resolução nº 4 de 13 de Julho de 2005. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Administração, bacharelado, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 19 de Julho de 2005.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 1998.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (Eds.). The Sage handbook of qualitative research. 4 ed. Thousand Oaks: Sage Publications, 2011.

DiMAGGIO, P. L.; POWELL, W. W. The iron case revisited: Institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. In DiMaggio, P. L., & Powell, W. W. The new institutionalism on organizational analysis (cap. 3). Londres: The University of Chicago Press, 1991.

ECO, U. Como se faz uma tese. São Paulo: Perspectiva, 1991.

HADLER, M. Institutionalism and Neo-institutionalism: history of the concepts. International Encyclopedia of the Social & Behavioral Sciences (Second Edition), 2015.

HALL, P. A.; TAYLOR, R. C. R. As três versões do Neo-Institucionalismo. Lua Nova, v. 58, p. 193-224, 2003.

HARDT, M.; NEGRI, A. Multidão. Rio de Janeiro: Record, 2005.

KAPLAN, A. A school is “a building that has four walls...with tomorrow inside”: toward the reinvention of the business school. Business Horizons, v. 61, n. 4, p. 599-608, 2018.

KIRSHBAUM, C.; PORTO, E. C.; FERREIRA, F. C. M. Neo-Institucionalismo na produção acadêmica em administração. Revista de Administração de Empresas, v. 3, n. 1, jan./jun., art. 12, 2004.

KOLB, M.; FROHLICH, L.; SCHMIDPETER, R. Implementing sustainability as the new normal: responsible management education - from a private business school’s perspective. International Journal of Management Education, v. 15, n. 2, p. 280-292, 2017.

LA ROCCA, A.; HOHOLM, T.; MORK, B. E. Practice theory and the study of interaction in business relationships: some methodological implications. Industrial Marketing Management, v. 60, p. 187-195, 2017.

LEAL-RODRÍGUEZ, A. L.; ALBORT-MORANT, G. Promoting innovative experiential learning practice to improve academic performance: empirical evidence from a Spanish Business School. Journal of Innovation & Knowledge, v. 4, n. 2, p. 97-103, Apr./Jun., 2019.

LEE, K.; HOPE, J.; ABDULGHANI, F. Planned approaches to business and school partnerships. Does it make a difference? The business perspective. Evaluation and Program Planning, v. 55, p. 35-45, 2016.

LIEBERMAN, R. C. Ideas, institutions, and political order: Explaining political change. American Political Science Review, v. 96, n. 4, p. 697-712, 2002.

LIMA, G. M. R.; WOOD JR., T. The Social Impact of research in Business and Public Administration. Revista de Administração de Empresas, v. 54, n. 4, p. 458-463, 2014.

MARCH, J. G.; OLSEN, J. P. Elaborating the New-Institutionalism. In: RHODES, R. A. W.; BINDER, S. A.; ROCKMAN, B. A. The Oxford Handbooks of Political Science. New York: Oxford Press, 2006, p. 3-20.

MARTÍNEZ-FERRERO, J.; GARCÍA-SÁNCHEZ, I. M. Coercive, normative and mimetic isomorphism as determinants of the voluntary assurance of sustainability reports. International Business Review, v. 26, n. 1, p. 102-118, 2017.

MARTINS, G. A.; THEÓPHILO, C. R. Metodologia da investigação cientifica para ciências sociais aplicadas. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MATTOS, P. L. C. L. O que diria Popper à literatura administrativa de mercado? Revista de Administração de Empresas, v. 43, n. 1, jan./mar., p. 60-69, 2003a.

MATTOS, P. L. C. L. Teoria administrativa e pragmática da linguagem: perspectivas para problemas que afligem as relações entre acadêmicos e consultores, educadores e educandos. Revista de Administração Contemporânea, v. 7, n. 2, abr./jun., p. 35-55, 2003b.

MCMILLAN, C.; OVERALL, J. Management relevance in a business school setting: a research note on an empirical investigation. International Journal of Management Education, v. 14, n. 2, p. 187-197, 2016.

MINOCHA, S.; REYNOLDS, M.; HRISTOV, D. Developing imaginators not managers: how to flip the business school model. International Journal of Management Education, v. 15, n. 3, p. 481-489, 2017.

MINTZBERG, H. The nature of managerial work. New York: Harper & Eow, 1973.

MINTZBERG, H.; GOSLING, J. Educando administradores além das fronteiras. Revista de Administração de Empresas, v. 43, n. 2, abr./jun., p. 29-43, 2003.

NASCIMENTO, E. O. Os novos institucionalismos na ciência política contemporânea e o problema da integração teórica. Revista Brasileira de Ciência Política, v. 1, p. 95-121, 2009.

NICOLINI, A. Qual será o futuro das fábricas de administradores? Revista de Administração de Empresas, v. 43, n. 2, p. 44-54, 2003.

ORTENBLAD, A. et al. Business school output: a conceptualisation of business school graduates. International Journal of Management Education, v. 11, n. 2, p. 85-92, 2013.

PAULA, A. P. P. Tragtenberg e a resistência da crítica: Pesquisa e ensino na administração hoje. Revista de Administração de Empresas, v. 41, n. 3, p. 77-81, 2001.

PITELIS, C. N.; WAGNER, J. D. Strategic Shared Leadership and Organizational Dynamic Capabilities. The Leadership Quarterly, v 30, n. 2, apr., p. 233-242, 2019.

ROBSON, C.; MCCARTAN, K. Real world research. John Wiley & Sons, 2016.

SANDERS, E. Historical Institutionalism. In: RHODES, R. A. W.; BINDER, S. A.; ROCKMAN, B. A. The Oxford Handbooks of Political Science. New York: Oxford Press, 2006, p. 39-55.

SARLO, B. Cenas da Vida Pós-Moderna: Intelectuais, arte e videocultura na Argentina. 3 ed. Rio de Janeiro (RJ): Editora UFRJ, 2004.

SERRA, F. A. R.; FIATES, G. G.; FERREIRA, M. P. Publicar é difícil ou faltam competências? O desafio de pesquisar e publicar em revistas cientificas na visão de editores e revisores internacionais. Revista de Administração do Mackenzie, v. 9, n. 4, p. 32-55, 2008.

THIOLLENT, M. Pesquisa-ação nas organizações. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2009.

TOARNICZKY, A.; MATOLAY, R.; GASPAR, J. Responsive higher education through transformational practices: the case of a Hungarian business school. Futures, (in press), 2019.

WALSH, J. P.; MEYER, A. D.; SCHOONHOVEN, C. B. A future for Organizational Theory: Living in and Living with Changing Organizations. Organization Science, v. 17, n. 5, p. 657-671, 2006.

WILLIAMS, J. Pós-estruturalismo. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

WITTGENSTEIN, L. Investigações filosóficas. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

Downloads

Publicado

2021-02-24