Práticas integrativas e complementares: o que diz a literatura da área em educação em ciências sobre essa questão sociocientífica?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1982-5153.2021.e72024

Palavras-chave:

Práticas integrativas e complementares, Medicina Integrativa, Educação em ciências, Revisão da literatura

Resumo

Dado o cenário da implantação das Práticas Integrativas e Complementares (PICs) no Sistema Único de Saúde e das reações negativas de instituições científicas e profissionais a essa medida, buscamos, no presente estudo, compreender como a literatura de Educação em Ciências tem tratado o tema das PICs a partir de quatro questões norteadoras: a) O tema das PICs é abordado na literatura em Ensino em Ciências? b) A controvérsia entre o modelo biomédico e o integrativo-complementar é refletida nas produções da área? C) São discutidas possíveis bases epistemológicas para as PICs? D) Há propostas didáticas de Ensino de Ciências que abordem explicitamente as PICs? Caso sim, quais são elas? Para isso, foi realizada uma revisão da literatura, sendo analisados 75 artigos sobre o tema. Na análise, os artigos foram separados em cinco categorias (implementação, percepção, ensino, considerações epistemológicas, historiografia), de acordo com sua abordagem.

Biografia do Autor

Leticia Glass, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Formada em Licenciatura em Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Atualmente cursando mestrado em Ensino de Física também pela UFRGS.

Nathan Willig Lima, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutor em Ensino de Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É professor adjunto do Departamento de Física da UFRGS, atuando na graduação e no Programa de Pós-graduação em Ensino de Física da UFRGS.

Matheus Monteiro Nascimento, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutor em Ensino de Física pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). É professor adjunto do Departamento de Física da UFRGS, atuando na graduação e no Programa de Pós-graduação em Ensino de Física da UFRGS.

Referências

ADENIYI, S. O.; OLUFEMI-ADENIYI, O. A.; ERINOSO, S. M. Traditional/Alternative Medicine: An Investigation into Identification, Knowledge and Consumption Practices of Herbal Medicine among Students with Hearing Impairment in Ibadan, South-Western Nigeria. Journal of Education and Practice, v. 6, n. 15, p. 143–149, 2015. Disponível em: https://www.iiste.org/Journals/index.php/JEP/article/view/22707. Acesso em Agosto de 2020.

ALMOUSA, H.; FATEN, R.; AWAD, S. A. Prevalence and predictors of using complementary and alternative medicine among diabetic patients in Taif city, Saudi Arabia. Journal of Family Medicine and Primary Care, v. 9, n. 4, p. 2092, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.4103/jfmpc.jfmpc_1222_19. Acesso em Agosto de 2020.

ANDRADE, J. T. de; COSTA, L. F. A. da. Medicina complementar no SUS: práticas integrativas sob a luz da antropologia médica. Saúde e Sociedade, v. 19, n. 3, p. 497–508, 2010. Disponível em: http://bases.bireme.br/cgi-bin/wxislind.exe/iah/online/?IsisScript=iah/iah.xis&src=google&base=LILACS&lang=p&nextAction=lnk&exprSearch=566388&indexSearch=ID . Acesso em Agosto de 2020.

ASABERE-AMEYAW, A.; SEFA DEI, G. J.; RAHEEM, K. Examination of traditional medicine and herbal pharmacology and the implications for teaching and education: A ghanaian case study. Alberta Journal of Educational Research, v. 55, n. 3, p. 298–318, 2009. Disponível em: http://ir.uew.edu.gh/handle/123456789/411. Acesso em Agosto de 2020.

BAILIN, S.; BATTERSBY, M. Beyond the boundaries: critical thinking and differing cultural perspectives. Ethics and Education, v. 4, n. 2, p. 189–200, 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1080/17449640903326805. Acesso em Agosto de 2020.

BRASIL. Escolas promotoras de saúde: experiências do Brasil. Brasília: 2007.

BROKAW, J. J.; TUNCLIFF, G.; RAESS, B. U.; SAXON D. W. The Teaching of Complementary and Alternative Medicine in U.S. Medical Schools. Academic Medicine, v. 77, n. 9, p. 876–881, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1097/00001888-200209000-00013. Acesso em Agosto de 2020.

BRUNNING, M. C. R.; MOSEGUI, G. B. G.; VIANNA, C. M. de M. A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu – Paraná: a visão dos profissionais de saúde. Clinica e Saúde, v. 17, n 10 p. 2675–2686, 2011. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001000017. Acesso em Agosto de 2020.

CAPRA, F. O Ponto de Mutação: A Ciência, A Sociedade E A Cultura Emergente. 25. ed. São Paulo: Cultrix, 1986.

CAVAGLIER, M. C. dos S.; MESSEDER, J. C. Plantas Medicinais no Ensino de Química e Biologia: Propostas Interdisciplinares na Educação de Jovens e Adultos. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 14, n. 1, p. 55–71, 2014. Disponível em: https://seer.ufmg.br/index.php/rbpec/article/viewFile/2486/1886

Acesso em Agosto de 2020.

CONTATORE, O. A.; BARROS, N. F.; DURVAL, M. R.; BARRIO, P. C. C. C.; COUTINHO, B. D.; SANTOS, J. A.; NASCIMENTO, J. L.; OLIVEIRA, S. L.; PERES, S. M. P. Uso, cuidado e política das práticas integrativas e complementares na Atenção Primária à Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n. 10, p. 3263–3273, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-812320152010.00312015. Acesso em Agosto de 2020.

COUTINHO, B. D.; DULCETTI, P. G. S. O movimento Yin Yáng na cosmologia da medicina chinesa. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, v. 22, n. 3, p. 797–811, 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/hcsm/v22n3/0104-5970-hcsm-22-3-0797.pdf . Acesso em Agosto de 2020.

DO NASCIMENTO, M. V. N.; DE OLIVEIRA, I. F. As práticas integrativas e complementares grupais e sua inserção nos serviços de saúde da atenção básica. Estudos de Psicologia, v. 21, n. 3, p. 272–281, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.5935/1678-4669.20160026. Acesso em Agosto de 2020.

EGLEM, E. Alternative medicine in Paris and Rio de Janeiro: a study on transformative health experiences. Saúde e Sociedade, v. 23, n. 2, p. 404–417, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-12902014000200005. Acesso em Agosto de 2020.

ESTÁCIO, M. M. de S.; AGUIAR, A. C. V. V.; SILVA, F. C. B. da. O curso técnico em práticas integrativas e complementares em saúde. Revista Ensino Interdisciplinar, p. 74–82, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.21920/recei72016257482. Acesso em Agosto de 2020.

FAQUETI, A.; TESSER, C. D. Utilização de Medicinas Alternativas e Complementares na atenção primária à saúde de Florianópolis/SC, Brasil: percepção de usuários. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, n. 8, p. 2621–2630, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-81232018238.22012016. Acesso em Agosto de 2020.

FERREIRA, L. O. A emergência da medicina tradicional indígena no campo das políticas públicas. História, ciências, saúde--Manguinhos, v. 20, n. 1, p. 203–219, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-59702013000100011. Acesso em Agosto de 2020.

FIGUEIREDO, T. A. M.; MACHADO, V. L. T.; ABREU, M. M. S. A saúde na escola: um breve resgate histórico. Ciência & Saúde Coletiva, v. 15, n. 2 p. 397–402, 2010. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000200015. Acesso em Agosto de 2020.

FRENKEL, M.; ARYE, E. Ben. The Growing Need to Teach about Complementary and Alternative Medicine. Academic Medicine, v. 76, n. 3, p. 251–254, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1097/00001888-200103000-00012. Acesso em Agosto de 2020.

FRYE, A. W.; SIERPINA, V. S.; BOUSAUBIN, E. V.; BULIK, R. J. Measuring what medical students think about complementary and alternative medicine (CAM): A pilot study of the complementary and alternative medicine survey. Advances in Health Sciences Education, v. 11, n. 1, p. 19–32, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s10459-005-1587-y. Acesso em Agosto de 2020.

GALHARDI, W. M. P.; BARROS, N. F. de; LEITE-MOR, A. C. M. B. O conhecimento de gestores municipais de saúde sobre a Política Nacional de Prática Integrativa e Complementar e sua influência para a oferta de homeopatia no Sistema Único de Saúde local. Ciência & Saúde Coletiva, v. 18, n. 1, p. 213–220, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s1413-81232013000100022. Acesso em Agosto de 2020.

GANT, L.; BENN, R.; GIOIA, D.; SEABURY, B. Incorporating integrative health services in social work education. Journal of Social Work Education, v. 45, n. 3, p. 407–425, 2009. Disponível em: https://doi.org/10.5175/JSWE.2009.200600127. Acesso em Agosto de 2020.

GLASS, L.; LIMA, N. W.; NASCIMENTO, M. M. Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde do Brasil: Disputas Político-Epistemológicas. Saúde e Sociedade. No prelo. 2020.

GODIN, G.; BEAULIEU, D.; TOUCHETTE, JS.; LAMBERT, LD.; DODIN, S. Intention to encourage complementary and alternative medicine among general practitioners and medical students. Behavioral Medicine, v. 33, n. 2, p. 67–77, 2007. Disponível em: https://doi.org/10.3200/BMED.33.2.67-79. Acesso em Agosto de 2020.

GRAHAM-POLE, J. “Physician, heal thyself”: How teaching holistic medicine differs from teaching CAM. Academic Medicine, v. 76, n. 6, p. 662–664, 2001. Disponível em: https://doi.org/10.1097/00001888-200106000-00024. Acesso em Agosto de 2020.

HARTMANN, W. E.; GONE, J. P. Incorporating traditional healing into an urban american indian health organization: A case study of community member perspectives. Journal of Counseling Psychology, v. 59, n. 4, p. 542–554, 2012. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/22731113/. Acesso em Agosto de 2020.

HECK, R. M. Resgate histórico de um grupo rural de estudos das plantas medicinais: educação em saúde. Cadernos de Educação, p. 285–299, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/caduc/article/view/1537. Acesso em Agosto de 2020.

HEPBURN, S. J.; MCMAHON, M. Pranayama meditation (yoga breathing) for stress relief: Is it beneficial for teachers? Australian Journal of Teacher Education, v. 42, n. 9, p. 142–159, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.14221/ajte.2017v42n9.9. Acesso em Agosto de 2020.

HILL, F. Health promotion and complementary medicine: The extent and future of professional collaboration and integration. Health Education, v. 106, n. 4, p. 281–293, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.1108/09654280610673463. Acesso em Agosto de 2020.

HO, M. J.; GOSSELIN, K.; CHANDRATILAKE, M.; MONROUXE, L. V.; REES, C. E. Taiwanese medical students’ narratives of intercultural professionalism dilemmas: exploring tensions between Western medicine and Taiwanese culture. Advances in Health Sciences Education, v. 22, n. 2, p. 429–445, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s10459-016-9738-x. Acesso em Agosto de 2020.

JOHNSON, P.; PRIESTLEY, J.; PORTER, K. J.; PETRILLO, J. CAM: Attitudes and Uses among Health Educator in the U.S. American Journal of Health Education, v. 41, n. 3, p. 167–177, 2010. Disponível em: https://files.eric.ed.gov/fulltext/EJ887091.pdf. Acesso em Agosto de 2020.

JOHNSON, P.; PRIESTLEY, J. L.; JOHNSON, R. D. A survey of complementary and alternative medicine knowledge among health educators in the United States. American Journal of Health Education, v. 39, n. 2, p. 66–79, 2008. Disponível em: https://doi.org/10.1080/19325037.2008.10599018. Acesso em Agosto de 2020.

JOHNSON, S. K.; BLANCHARD, A. Alternative medicine and herbal use among university students. Journal of American College Health, v. 55, n. 3, p. 163–168, 2006. Disponível em: https://doi.org/10.3200/JACH.55.3.163-168. Acesso em Agosto de 2020.

KIM, M.; HAN, HR.; KIM, K. B.; DUONG, D. N. The use of traditional and western medincine among korean american elderly. Journal of Community Healt, v. 103, n. 3, p. 239–248, 2002. Disponível em: https://doi.org/10.1023/A. Acesso em Agosto de 2020.

KONEFAL, J. The challenge of educating physicians about complementary and alternative medicine. Academic Medicine, v. 77, n. 9, p. 847–850, 2002. Disponível em: https://doi.org/10.1097/00001888-200209000-00002. Acesso em Agosto de 2020.

KUTESA, D. Epistemological validation methods in African philosophy: A case study of herbalism in Uganda. African Educational Research Journal, v. 6, n. 4, p. 269–272, 2018a. Disponível em: https://doi.org/10.30918/aerj.64.14.032. Acesso em Agosto de 2020.

KUTESA, D. Epistemological base of traditional herbal medicine: A case of Uganda. African Educational Research Journal, v. 6, n. 3, p. 197–202, 2018b. Disponível em: https://doi.org/10.30918/aerj.63.14.031. Acesso em Agosto de 2020.

LEES, J. Counselling and psychotherapy in dialogue with complementary and alternative medicine. British Journal of Guidance and Counselling, v. 39, n. 2, p. 117–130, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1080/03069885.2010.547051. Acesso em Agosto de 2020.

LEES, J.; TOVEY, P. Counselling and psychotherapy, complementary and alternative medicine and the future of healthcare. British Journal of Guidance and Counselling, v. 40, n. 1, p. 67–81, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.1080/03069885.2011.621520. Acesso em Agosto de 2020.

LIMA, K. M. S. V.; SILVA, K. L.; TESSER, C. D. Práticas integrativas e complementares e relação com promoção da saúde: Experiência de um serviço municipal de saúde. Interface: Communication, Health, Education, v. 18, n. 49, p. 261–272, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1807-57622013.0133. Acesso em Agosto de 2020.

LIMA, N. W.; NASCIMENTO, M. M. Terapias Integrativas: Uma Disputa Epistemológica e Política In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, XVII, 2018, Campos do Jordão, Atas... Campos do Jordão: SBF, 2018.

MAIZES, V.; SCHNEIDER, C.; BELL, I.; WEIL, A. Integrative Medical Education: Development and Implementation of a Comprehensive Curriculum at the University of Arizona. Academic Medicine, v. 77, n. 9, p. 851–860, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1097/00001888-200209000-00003. Acesso em Agosto de 2020.

MARCUS, D. M. How Should Alternative Medicine Be Taught to Medical Students and Physicians? Academic Medicine, v. 76, n. 3, p. 224–229, 2001. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/11242570/. Acesso em Agosto de 2020.

MARTINEZ, L. N. South Texas Mexican American use of traditional folk and mainstream alternative therapies. Hispanic Journal of Behavioral Sciences, v. 31, n. 1, p. 128–143, 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1177/0739986308328513. Acesso em Agosto de 2020.

MARTINS, L. Abordagens da Saúde em Livros Didáticos de Biologia: Análise Crítica e Proposta de Mudança. Tese de doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências - Universidade Federal da Bahia, 2017.

MARTINS, L.; SANTOS, G. S. dos; EL-HANI, C. N. Abordagens de Saúde em um Livro Didático de Biologia no Ensino Médio Brasileiro. Investigação em Ensino de Ciências, v. 17, n. 1, p. 249–283, 2012. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/215. Acesso em Agosto de 2020.

MATTOS, G.; CAMARGO, A.; SOUZA, C. A.; ZENI, A. L.B. Plantas medicinais e fitoterápicos na Atenção Primária em Saúde: percepção dos profissionais. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, n. 11, p. 3735–3744, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-812320182311.23572016. Acesso em Agosto de 2020.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: apresentação dos temas transversais. Brasília: 1998.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CULTURA. Lei no 5.692, de 11 de agosto de 1971. Brasília: 1971.

MOHR, A. A Saúde na Escola: Análise de Livros Didáticos de 1a a 4a séries. Caderno Pesquisa da Fundação Carlos Chagas, 1995. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/838. Acesso em Agosto de 2020.

MOHR, A. A natureza da educação em saúde no ensino fundamental e os professores de ciências. Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Educação – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2002.

NAGAI, S. C.; QUEIROZ, M. de S. Medicina complementar e alternativa na rede básica de serviços de saúde: uma aproximação qualitativa. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n. 3, p. 1793–1800, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s1413-81232011000300015. Acesso em Agosto de 2020.

NOWAK, A. L. V.; DEGISE, J.; DAUGHERTY, A.; O’KEEFE, R.; SEWARD, S.; SETTY S.; TANG, F. Prevalence and Predictors of Complementary and Alternative Medicine (CAM) Use among Ivy League College Students: Implications for Student Health Services. Journal of American College Health, v. 63, n. 6, p. 362–372, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1080/07448481.2015.1042878. Acesso em Agosto de 2020.

NOWAK, A. L. V.; DORMAN, S. M. Social-cognitive predictors of college student use of complementary and alternative medicine. American Journal of Health Education, v. 39, n. 2, p. 80–90, 2008 a. Disponível em: https://doi.org/10.1080/19325037.2008.10599019. Acesso em Agosto de 2020.

NOWAK, A. L. V.; DORMAN, S. M. Social-cognitive predictors of college student use of complementary and alternative medicine. American Journal of Health Education, v. 39, n. 2, p. 80–90, 2008b. Disponível em: https://doi.org/10.1080/19325037.2008.10599019. Acesso em Agosto de 2020.

NOWAK. A. L. V.; HALE, H. M. Prevalence of Complementary and Alternative Medicine use Among U.S. College Students: A Systematic Review. American Journal of Health Education, v. 43, n. 2, p. 668–677, 2015.

NUNES, M. F.; JUNGES, J. R.; GONÇALVEZ, T. R.; MOTTA, M. A. A acupuntura vai além da agulha: Trajetórias de formação e atuação de acupunturistas. Saúde e Sociedade, v. 26, n. 1, p. 300–311, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-12902017157679. Acesso em Agosto de 2020.

OTANI, M. A. P; BARROS, N. F. A Medicina Integrativa e a construção de um novo modelo na saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 16, n 3, p. 1801–1811, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1413-81232011000300016. Acesso em Agosto de 2020.

PATTERSON, S. M.; GRAF, H. M. Integrating Complementary and Alternative Medicine into the Health Education Curriculum. Journal of Health Education, v. 31, n. 6, p. 346–351, 2000. Disponível em: https://doi.org/10.1080/10556699.2000.10603442. Acesso em Agosto de 2020.

PETTERSEN, S.; OLSEN, R. V. Exploring predictors of health sciences students’ attitudes towards complementary-alternative medicine. Advances in Health Sciences Education, v. 12, n. 1, p. 35–53, 2007. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s10459-005-3054-1. Acesso em Agosto de 2020.

QUEIROZ, M. S. O itinerário rumo às medicinas alternativas: uma análise em representações sociais de profissionais da saúde. Cadernos de Saúde Pública, v. 16, n. 2, p. 363–375, 2005. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0102-311x2000000200007. Acesso em Agosto de 2020.

RANDOW, R.; CAMPOS, K. F. C.; ROQUETE, F. F.; SILVA, L. T. H.; DUARTE, V. E. S.; GUERRA, V. A. Periferização das práticas integrativas e complementares na atenção primária à saúde: desafios da implantação do Lian Gong como prática de promoção à saúde. Revista Brasileira em promoção da Saúde, v. 29, n. sup, p. 111–117, 2017a. Disponível em: https://doi.org/10.5020/18061230.2016.sup.p111. Acesso em Agosto de 2020.

RANDOW, R.; MENDES, N. C.; SILVA, L. T. H.; CAMPOS, K. F. C.; GUERRA, V. A. Lian Gong em 18 terapias como estratégia de promoção da saúde. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 30, n. 4, p. 1–10, 2017 b. Disponível em: https://doi.org/10.5020/18061230.2017.6365. Acesso em Agosto de 2020.

ROWELL, D. M.; KROLL, D. J. Complementary and alternative medicine education in United States Pharmacy Schools. American Journal of Pharmaceutical Education, v. 62, n. 4, p. 412–419, 1998. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/a9a2/419c0c30ecfb92191e9f8917da1633ac0a1f.pdf. Acesso em Agosto de 2020.

RUELA, L. de O.; MOURA, C. C.; GRADIM, C. V. C.; STEFANELLO, J.; IUNES, D. H.; PADRO, R. R. Implementação, acesso e uso das práticas integrativas no Sistema Único de Saúde: revisão da literatura. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, n. 11, p. 4239 – 4250, 2019.

SÁ, K. M.; LIMA, A. S.; BANDEIRA, M. A. M.; ANDRIOLA, W. B.; NOJOSA, R. T. Avaliando o impacto da política brasileira de plantas medicinais e fitoterápicos na formação superior da área de saúde. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 13, n. 3, p. 1106–1131, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.21723/riaee.v13.n3.2018.11160. Acesso em Agosto de 2020.

SAMPSON, W. The Need for Educational Reform in Teaching about Alternative Therapies. Academic Medicine, v. 76, n. 3 p. 248–250, 2001. Disponível em: https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/11242574/. Acesso em Agosto de 2020.

SANTOS, F. S. D. dos. Tradições populares de uso de plantas medicinais na Amazonia. História, ciências, saúde—Manguinhos, v. VI (suplemento) p. 919–939, 2000. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-59702000000500009. Acesso em Agosto de 2020.

SANTOS, M. C.; TESSER, C. D. Um método para a implantação e promoção de acesso as Práticas Integrativas e Complementares na atenção primária a saúde. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 11, p. 3011–3024, 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232012001100018. Acesso em Agosto de 2020.

ŞENEL, H. G. Parents’ views and experiences about complementary and alternative medicine treatments for their children with autistic spectrum disorder. Journal of Autism and Developmental Disorders, v. 40, n. 4, p. 494–503, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s10803-009-0891-4. Acesso em Agosto de 2020.

SIGOLO, R. P. Ensino médico e legitimação: a presença da homeopatia na Faculdade de Medicina do Paraná nos anos 1910. Educar em Revista, n. 54, p. 19–35, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0104-4060.37812. Acesso em Agosto de 2020.

SILVA, N. C. M.; IUNES, D. H.; RESCK, Z. M. A.; SOARES, M. I.; SOUZA JUNIOR, D. I.; VIEIRA, N. F. Estratégias de ensino das terapias alternativas e complementares na graduação em Enfermagem: revisão integrativa. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 15, n. 4, p. 1061–1067, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.5216/ree.v15i4.20568. Acesso em Agosto de 2020.

SOUSA, I. M. C.; BODSTEIN, R. C. A.; TESSER, C. D.; SANTOS, F. A. S.; HORTALE, V. A. Práticas integrativas e complementares: oferta e produção de atendimentos no SUS e em municípios selecionados. Cadernos de Saúde Pública, v. 28, n. 11, p. 2143–2154, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0102-311x2012001100014. Acesso em Agosto de 2020.

SOUSA, I. M. C. de; HORTALE, V. A.; BODSTEIN, R. C. de A. Medicina Tradicional Complementar e Integrativa: desafios para construir um modelo de avaliação do cuidado. Ciência & Saúde Coletiva, v. 23, n. 10, p. 3403–3412, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-812320182310.23792016. Acesso em Agosto de 2020.

SOUSA, I. M. C. de; TESSER, C. D. Medicina Tradicional e Complementar no Brasil: inserção no Sistema Único de Saúde e integração com a atenção primária. Cadernos de Saúde Pública, v. 33, n. 1, p. 1–15, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311x00150215. Acesso em Agosto de 2020.

SOUSA, M. C. De; GUIMARÃES, A. P. M. O ensino da saúde na educação básica: desafios e possibilidades. In: 2017, XI Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. p. 1–8.

SOUSA, P. S.; GEHLEN, S. T.. Questões Sociocientíficas no Ensino de Ciências: algumas características das pesquisas brasileiras. Ensaio Pesquisa Educação Ciências. (Belo Horizonte), Belo Horizonte , v. 19, e2569, 2017.

SVEDHOLM, A. M.; LINDEMAN, M. Healing, Mental Energy in the Physics Classroom: Energy Conceptions and Trust in Complementary and Alternative Medicine in Grade 10-12 Students. Science and Education, v. 22, n. 3, p. 677–694, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s11191-012-9529-6. Acesso em Agosto de 2020.

TEIXEIRA, M. Z.; LIN, C. A.; DE ARRUDA MARTINS, M. Homeopathy and acupuncture teaching at Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo: The undergraduates’ attitudes. São Paulo Medical Journal, v. 123, n. 2, p. 77–82, 2005. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-31802005000200009. Acesso em Agosto de 2020.

TESSER, C. D.; SOUSA, I. M. C. de. Atenção Primária, Atenção Psicossocial, Práticas Integrativas e Complementares e suas Afinidades Eletivas. Saúde e Sociedade, p. 336–350, 2012. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902012000200008. Acesso em Agosto de 2020.

TINOCO, M. M. TERAPIA ATRAVÉS DO MOVIMENTO COMO DISPOSITIVO DE CUIDADO NO SUS. Polêm!ca, v. 15 n. 2, p. 1–14, 2015. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/polemica/article/view/17954/13291. Acesso em Agosto de 2020.

TROVÓ, M. M.; DA SILVA, M. J. P. Terapias Alternativas/Complementares a Visão Do Graduando De Enfermagem. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 36, n. 1, p. 80–87, 2002. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-62342002000100012

TROVO, M. M.; DA SILVA, M. J. P.; LEÃO, E. R. Terapias Alternativas/Complementares No Ensino Público E Privado: Análise do conhecimento dos acadêmicos de enfermagem. Revista Latino-americana de Enfermagem, v. 11, n. 4, p. 483–489, 2003. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692003000400011. Acesso em Agosto de 2020.

WALDRAM, J. B. The persistence of traditional medicine in urban areas: the case of Canada’s Indians. American Indian and Alaska Native Mental Health Research, v. 4, n. 1, p. 9–29, 1990. Disponível em: https://europepmc.org/article/med/2098168. Acesso em Agosto de 2020.

WARDLE, J.; LUI, C. W.; ADAMS, J. Complementary and Alternative Medicine in Rural Communities: Current Research and Future Directions. Journal of Rural Health, v. 28, n. 1, p. 101–112, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.1111/j.1748-0361.2010.00348.x. Acesso em Agosto de 2020.

WEBER, B. T. “Um enorme hospital” práticas de cura no Rio Grande do Sul no início do século XX. Vydia, v. 19, n. 34, p. 199–205, 2000. Disponível em: https://enade.unifra.br/index.php/VIDYA/article/viewFile/524/514. Acesso em Agosto de 2020.

WHO. Constitution. Geneva: 1948.

WHO. The Ottawa Charter for Health Promotion. 1986. Disponível em: https://www.who.int/healthpromotion/conferences/previous/ottawa/en/. Acesso em Agosto de 2020.

WHO. Traditional Medicine Strategy 2002-2005. Geneva 2005.

WHO. Traditional Medicine Strategy 2014-2023. Geneva: 2013.

WILKER, N. A. Curandeirismo: um outro olhar sobre as práricas de cura no Brasil no século XIX. Vydia,v. 19, n. 34, p. 183–197, 2000. Disponível em: https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/VIDYA/article/view/523. Acesso em Agosto de 2020.

WITTER, N. A.; FARINATTI, L. A. E. Curanderismo no Século XIX: as escolhas do povo. Educação (UFSM), v. 25, p. 4, 2000. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/reveducacao/article/view/4773. Acesso em Agosto de 2020.

ZHOU, L.; NUNES, M. B. Identifying knowledge sharing barriers in the collaboration of traditional and western medicine professionals in Chinese hospitals: A case study. Journal of Librarianship and Information Science, v. 44, n. 4, p. 238–248, 2012. Disponível em: https://doi.org/10.1177/0961000611434758. Acesso em Agosto de 2020.

Arquivos adicionais

Publicado

2021-05-21

Edição

Seção

Artigos