Uma análise sistêmica sociotecnológica da engenharia de requisitos

Autores

  • Luís Augusto Machado Moretto Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
  • Alessandra Maria Ruiz Galdo Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)
  • Vinícius Medina Kern Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2010v15nesp2p26

Palavras-chave:

Sistemas de informação, Sistemas sociotecnológicos, Engenharia de requisitos, Compartilhamento do conhecimento, Visão sistêmica

Resumo

A engenharia de requisitos, etapa inicial da construção de sistemas de informação, requer intenso intercâmbio de informação entre profissionais de tecnologias da informação e comunicação, e peritos no negócio. A teoria e a prática comum da engenharia de requisitos, no entanto, são tecnocêntricas e caracterizadas por dificuldade de comunicação. A literatura recente aborda a concepção de sistemas sociotecnológicos, cujas propriedades emergem por meio da colaboração dinâmica entre pessoas e agentes artificiais. Este artigo apresenta um modelo sistêmico sociotecnológico da engenharia de requisitos com base no modelo CESM de Mario Bunge, segundo o qual todo sistema concreto pode ser representado segundo seus componentes, ambiente, estrutura e mecanismo. Entre os componentes, estão os peritos no negócio, profissionais de TIC, agentes artificiais e os objetos da colaboração dinâmica – modelo de domínio e requisitos. O mecanismo é essencialmente um processo de comunicação, com intercâmbio de informações e compartilhamento de conhecimento. Essa descrição presta-se à compreensão sistêmica da engenharia de requisitos, visando à intervenção para aliviar os problemas comunicacionais do processo e promover a emergência de requisitos que representem as reais necessidades do sistema.

Downloads

Publicado

2010-12-01

Como Citar

Moretto, L. A. M., Galdo, A. M. R., & Kern, V. M. (2010). Uma análise sistêmica sociotecnológica da engenharia de requisitos. Encontros Bibli: Revista eletrônica De Biblioteconomia E Ciência Da informação, (2. sem.), 26-40. https://doi.org/10.5007/1518-2924.2010v15nesp2p26