Proposição de um índice-h para a produção científica da construção civil nacional

Autores

  • Cinthia Luana Simioni Universidade Comunitária da Região de Chapecó
  • Caroline Dallacorte Universidade Comunitária da Região de Chapecó
  • Claudio Alcides Jacoski Universidade Comunitária da Região de Chapecó

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2016v21n46p137

Palavras-chave:

Produção Científica, Índice h, InfoHab

Resumo

Nos últimos anos, o país vem obtendo um crescente desempenho na produção científica, portanto, é necessário utilizar metodologias para medir a atuação de pesquisadores. A construção civil nacional desempenha um importante papel no desenvolvimento do país e carece de mecanismos de qualificação das ações de P&D utilizando-se de um dos principais Centros de Referência do Brasil - o infoHab, que possui mais de trinta mil documentos em sua base. Para propor uma metodologia de estruturação do índice-h, testaram-se diversas ferramentas tendo como resultado a criação de um índice-h específico para a construção civil nacional. Esta solução permite um controle da qualidade da produção e volume de citações referenciadas.

Biografia do Autor

Cinthia Luana Simioni, Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Graduação em andamento em Engenharia de Produção - UNOCHAPECÓ

 

Bolsista de Iniciação científica do CNPq na Unochapecó

Caroline Dallacorte, Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Graduação em Engenharia de Alimentos pela Unochapecó (2009 - 2014)

Bolsista de Iniciação Científica nas áreas de Competitividade Empresarial e Inovação Tecnológica (2010 - 2013)

Pesquisadora Voluntária na área de Microbiologia de Alimentos - Universitat Rovira i Virgili, Espanha (2013 - 2013)

Controladora de produção Aurora Alimentos (2014 - 2014)

Mestrado em andamento em Tecnologia e Gestão da Inovação pela Unochapecó (2015 - 2017)

Bolsista-Pesquisadora de Desenvolvimento Tecnológico e Industrial - CNPq (Atualmente)

Claudio Alcides Jacoski, Universidade Comunitária da Região de Chapecó

Doutor em Engenharia de Produção

Referências

ALISSON, E. A expansão das bibliotecas digitais e virtuais. 2015. Disponível em: <http://agencia.fapesp.br/a_expansao_das_bibliotecas_digitais_e_virtuais/21753/>. Acesso em: 27 ago. 2015.

ALTMETRIC. Who is Altmetric for?. 2015. Disponível em: <http://www.altmetric.com>. Acesso em: 09 jun. 2015.

ANPAD. Spell – Scientific Periodicals Electronic Library. 2012. Disponível em: . Acesso em: 31 jul. 2015.

ARAÚJO, C. Bibliometria: evolução histórica e questões atuais. Em Questão, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 11-32, jan./jun. 2006. Disponível em: <http://www.revistas .univerciencia.org/index.php/revistaemquestao/article/viewFile/3707/349>. Acesso em: 8 jan. 2015.

BEATTY, S. New Scopus Article Metrics: a better way to benchmark articles, 2015. Disponível em: <http://blog.scopus.com/posts/new-scopus-article-metrics-a-better-way-to- benchmark-articles#VboiW7naxC0.gmail>. Acesso em: 6 ago. 2015.

CNPQ. Currículo Lattes. 2015. Disponível em: < http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual /busca.do>. Acesso em: 17 out. 2015.

COLLEGE, L. Snowball Metrics Recipe Book. 2014. Disponível em: <http://www.snow ballmetrics.com/wp-content/uploads/snowball-recipe-book_HR.pdf>. Acesso em: 6 ago. 2015.

COSTA, A. F. et al. Hipermídia, interface e o novo leitor no contexto digital. 2009. Disponível em: <http://www.revistatxt.teiadetextos.com.br/10/artigo_3_hiermedia_inter face_e_novo_leitor_no_contexto_digital.html>. Acesso em: 3 ago. 2015.

COSTA, R. Scopus base de dados. 2012. Disponível em: <http://www.ufrgs.br/gpat/discipl inas/Scopus.pdf>. Acesso em: 9 jul. 2015.

DÂMASO, L. Como usar o Google Acadêmico para encontrar artigos científicos online. 2014. Disponível em: <http://www.techtudo.com.br/dicas-e-tutoriais/ noticia/2014/03/como-usar-o-google-academico-para-encontrar-artigos-cientificos-online.html> Acesso em: 14 out. 2014.

D’ALAMA, L. Rede social para cientistas passa de 1 milhão de seguidores no mundo. São Paulo, 2012. Disponível em: <http://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2012/01/ rede-social-para-cientistas-passa-de-1-milhao-de-seguidores-no-mundo.html>. Acesso em: 22 out. 2014.

DEVMEDIA, Full Text Search no Oracle. 2015. Disponível em: <http://www.dev media.com.br/full-text-search-no-oracle-parte-01/7793>. Acesso em: 13 maio 2015.

FAUSTO, S.; COSTA, F. M. M. O índice h sob a perspectiva da referência em bibliotecas universitárias: o que os bibliotecários devem saber. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS, 15, 2008, São Paulo. Anais... São Paulo: CRUESP, 2008.

GOOGLE ACADÊMICO. Índice de citações. 2015. Disponível em: < https://scholar.google. com.br/citations?user=AlRdbasAAAAJ&hl=pt-BR>. Acesso em: 16 out. 2015.

IBM DEVELOPERWORKS. Usando o Apache Lucene para Procura de Texto. 2015. Disponível em: <http://www.ibm.com/developerworks/br/java/library/os-apache-lucen esearch/#icomments>. Acesso em: 13 maio 2015.

LIMA, R. A. de; VELHO, L. M. L. S.; FARIA, L. I. L. de. Bibliometria e "avaliação" da atividade científica: um estudo sobre o índice h. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 17, n. 3, p. 3-17, jul/set. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_a rttext&pid=S1413-99362012000300002>. Acesso em: 16 ago. 2015.

MACIAS-CHAPULA, C. A. O papel da informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ciência da Informação, v. 27, n. 2, p. 134-140, maio/ago. 1998. Disponível em: <http://www.tce.sc.gov.br/files/file/biblioteca/o_papel_da_infometria.pdf>. Acesso em: 26 jul. 2015.

MARQUES, F. Os limites do índice-h: supervalorização do indicador que combina quantidade e qualidade da produção científica gera controvérsias. 207 ed., maio 2013. Disponível em: <http://revistapesquisa.fapesp.br/2013/05/14/os-limites-do-indice-h/> Acesso em: 6 jan. 2015.

MÜLLER, M. Métricas para a ciência e tecnologia e o financiamento da pesquisa: algumas reflexões. Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 20, n. 42, p. 24-35, abr. 2008. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/ 1518-2924.2008v13nesp1p24>. Acesso em: 09 abr. 2015.

NORONHA, D. Análise das citações das dissertações de mestrado e teses de doutorado em saúde pública (1990-1994): estudo exploratório. Ciência da Informação, Brasília, v. 27, n. 1, p. 66-75, jan./abr. 1998. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ci/v27n1/09.pdf>. Acesso em: 22 out. 2014.

OLIVEIRA, E.; GRACIO, M. Indicadores bibliométricos em ciência da informação: análise dos pesquisadores mais produtivos no tema estudos métricos na base Scopus. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 16, n. 4, p. 16-28, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-99362011000400003&script=sci_arttext>. Acesso em: 9 jan. 2015.

ORACLE. Oracle SQL Developer. 2015. Disponível em: <http://www.oracle.com/technetwo rk/developer-tools/sql-developer/overview/index.html>. Acesso em: 28 jul. 2015.

PEREIRA, M. de L. dos S. Manual de Utilização do Mendeley. 2014. Disponível em: <http://www.miluzinha.com/wp-content/uploads/2011/12/Manual-deInstru%C3%A7%C3 %B5es-para-a-Utiliza%C3%A7%C3%A3o-do-Mendeley.pdf >. Acesso em: 8 jul. 2015.

PIZZANI, L. et al. A arte da pesquisa bibliográfica na busca do conhecimento. Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Campinas, v. 10, n. 1, p. 53-66, jul./dez. 2012. Disponível em: <http://www.sbu.unicamp.br/seer/ojs/index.php/rbci/article/v iew/522/pdf_28>. Acesso em: 13 maio 2015.

RESEARCHGATE. Publication downloads. 2015. Disponível em: < http://www.research gate.net/>. Acesso: 16 out. 2015.

RODRIGUES, M. P. Estudo das citações constantes das dissertações de mestrado em ciência da informação do IBICT/UFRJ. 1981. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Curso de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1981.

SANTOS, H. M.; FLORES, D. Repositórios digitais confiáveis para documentos arquivísticos: ponderações sobre a preservação em longo prazo. Perspectivas em Ciência da Informação, Belo Horizonte, v. 20, n. 2, p. 198-218, abr./jun. 2015. Disponível em: . Acesso em: 6 ago. 2015.

SCHWARTZMAN, S. A Pesquisa Científica e o Interesse Público. Revista Brasileira de Inovação, v. 1, n. 2, p. 361-395, jul./dez. 2009. Disponível em: <http://ocs.ige.unicamp.br /ojs/rbi/article/view/248>. Acesso em: 27 maio 2015.

SCOPUS. 2015. Disponível em:< www.scopus.com>. Acesso em: 15 set. 2015.

TARGINO, M. G.; GARCIA J. C. R. Ciência brasileira na base de dados do Institute for Scientific Information(ISI). Ciência da Informação, v. 29, n. 1, p. 103-117, jan./abr. 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100- 19652000000100011>. Acesso em: 26 maio 2015.

TESTA, J.; A base de dados ISI e seu processo de seleção de revistas. Ciência da Informação, v. 27, n. 2, p. 233-235, maio/ago. 1998. Disponível em: <http://www.scielo.br /pdf/ci/v27n2/testa.pdf >. Acesso em: 6 jul. 2015.

THIS, R. Academia.edu: uma rede social para acadêmicos. 2014. Disponível em: <https://bibliotecadafeaacs.wordpress.com/2014/11/03/academia-edu-uma-rede-social-para-academicos/>. Acesso em: 10 ago. 2015

THOMSON REUTERS. Journal citation reports: suportado pelo ISI web of knowledge. 2009. Disponível em: <https://www.periodicos.capes.gov.br/images/documents/jcr_qrc_ pt_20 101026.pdf>. Acesso em: 11 fev. 2015.

THOMSON REUTERS. Journal citation reports: Streamlined. Integrated. Authoritative, 2015. Disponível em: <http://about.jcr.incites.thomsonreuters.com/> Acesso em: 6 jul. 2015.

THOMAZ, P. G.; ASSAD, R.; MOREIRA, L. F. P. Uso do Fator de impacto e do índice h para avaliar pesquisadores e publicações. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, São Paulo, v. 96, n. 2, p. 90-93, fev. 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_ arttext&pid=S0066-782X2011000200001&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em 15 nov. 2014.

UFSCAR. ResearchGate: uma rede social para cientistas. 2014. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2014.

VANZ, S.; CAREGNATO, S. Estudo de citações: uma ferramenta para entender a comunicação. Em Questão, Porto Alegre, v. 9, n. 2, p. 295-307, jul./dez. 2003. Disponível em: <http://seer.ufrgs.br/index.php/EmQuestao/article/view/75/35>. Acesso em: 11 out. 2014.

YAMAKAWA, E. K. et al. Comparativo dos softwares de gerenciamento de referências bibliográficas: Mendeley, EndNote e Zotero. Transinformação, Campinas, v. 26, n. 2, p. 167- 176, maio/ago. 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/tinf/v26n2/0103-3786-tinf-26-02-00167.pdf>. Acesso em: 8 jul. 2015.

Downloads

Publicado

2016-04-28

Edição

Seção

Relato de experiência