Redes sociais virtuais na sociedade da informação e do conhecimento: economia, poder e competência informacional

Autores

  • Edna Angelo Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2016v21n46p71

Resumo

Este artigo tem como objetivo fazer um apanhado teórico a respeito das redes sociais virtuais a fim de contextualizar sua conjuntura na sociedade contemporânea. Conclui-se que por meio das redes sociais virtuais, certamente o usuário não será capaz de dominar o universo informacional tornando-se autônomo para designar habilidades ligadas ao uso da informação e criando soluções para seus problemas para se denominar competente informacional. No entanto, pode se apresentar como uma porta de entrada para interagir com a tecnologia e procurar novas fontes de informação, rumo à aquisição de novos conhecimentos. O mundo "business", por sua vez (empresas e marcas), caminha para encará-la de forma cada vez mais séria e profissional. É aí que está à comunicação da nova "era do conhecimento": será no mundo virtual que os consumidores e marcas dialogarão.

Biografia do Autor

Edna Angelo, Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais

MBA em Marketing. Bibliotecária do Conselho Regional de Medicina de Minas Gerais. E-mail: ednasangelo@yahoo.com.br

Referências

AGUIAR, Sonia. Redes sociais e tecnologias digitais de informação e comunicação: relatório final de pesquisa. Rio de Janeiro: Nupef/RITs, 2006. Disponível em: http://www.nupef.org.br/downloads/rel_nupef_redes_2006.pdf. Acesso em: 21 jun. 2007.

AUN, Marta Pinheiro; MOURA, Maria Aparecida. A construção de indicadores nacionais de acesso público aos meios digitais: princípios e perspectivas. In: AUN, Marta Pinheiro (org.) Observatório da Inclusão digital: descrição e avaliação dos indicadores adotados nos programas governamentais de infoinclusão. Belo Horizonte: Gráfica Orion, 2007. cap. 1.

BARRETO, Angela Maria. O fator humano e o desenvolvimento de competências nas unidades de informação. Perspectiva em Ciência Informação, Belo Horizonte, v.10, n.2, p.194-207. jul;dez. 2005.

BELLUZZO, Regina Célia Baptista. A competência em informação: um fator de integração entre a biblioteca e a escola. In: Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação CBBD, 21, Curitiba, 2005. Anais. Curitiba: CBBD, 2005. CDROM.

BRAMAN, Sandra. Information Technology, National Identity, & Social Cohesion – A Report of The Project on Technology Futures and Global Power, Wealth, and Conflict. Washington: The CSIS Press, 2005.

BRUCE, Christine. The seven faces of information literacy. Adelaide: Auslib Press, 1997. Disponível em: http://sky.fit.qut.edu.au/~bruce/inflit/faces/faces1.php. Acesso em: 13 mai. 2007.

CAPRA, Fritjot. Redes sociais. Wikipedia. Disponível em: http://pt.wikipedia.org/wiki/Redes_sociais. Acesso em: 01 mai. 2007.

CASTELLS, Manuel. Outro mundo: a era da intercomunicação. Le Monde Diplomatique. Ago. 2006. Disponível em: http://diplo.uol.com.br/2006-08,a1379. Acesso em: 22 mai. 2007.

DRUCKER, F. Peter. Sociedade Pós-Capitalista. 3 ed. São Paulo: Pioneira, 1993.

DUDZIAK, Elisabeth Adriana. Information literacy: princípios, filosofia e prática. Ciência da Informação, Brasília, v. 32, n. 1, p. 23-35, jan./abr. 2003.

DUDZIAK, Elisabeth Adriana. Information Literacy: uma revolução silenciosa, diferentes concepções para a competência em informação. 2002.

FERREIRA, Sueli Mara Soares Pinto. A biblioteca digital com foco no desenvolvimento das competências informacional e científica na comunidade. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE BIBLIOTECAS DIGITAIS, 3., 2005, São Paulo. Disponível em: http://hdl.handle.net/1904/19299. Acesso em: 16 mai. 2007.

FIALHO, Janaina Ferreira; MOURA, Maria Aparecida. A formação do pesquisador juvenil. Perspectiva em Ciência Informação, Belo Horizonte, v.10, n.2, p.194-207. jul;dez. 2005.

INFLANET International Federation of Library Associations and Institutions. Faróis da sociedade da informação: declaração de Alexandria sobre a competência informacional e aprendizado ao longo da vida. Alexandria: IFLA: UNESCO, 2008 Disponível em: http://www.ifla.org/III/wsis/BeaconInfSsoc-pt.html. Acesso em: 19 fev. 2016.

LASTRES, Helena M.M.; CASSIOLATO, José E; ARROIO, Ana. Conhecimento, sistema de inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro: UFRJ; Contraponto, 2005.

MIRANDA, Silvânia Vieira. Identificando competências informacionais. Ciência da Informação, Brasília, v.33, n.2, p.112-122, mai/ago. 2004.

SERRES, Michel. A comunicação contra a cultura: entre a Disneylândia e os ayatolás. Alceu 8. v.4, n.8, jan./jun, 2004. Disponível em: http://publique.rdc.puc-rio.br/revistaalceu/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=87&sid=17&tpl=printerviewas. Acesso em: 03 jun. 2007.

SILVA, Lídia Loureiro da. Globalização das Redes de Comunicação: uma reflexão sobre as implicações cognitivas e sociais. Biblioteca online de ciência da comunicação. 1999. Disponível em: http://www.bocc.ubi.pt/_esp/autor.php?codautor=63. Acesso em: 29 mai. 2007.

ZARIFIAN, Philippe. O modelo da competência: trajetória histórica, desafios atuais e propostas. São Paulo: Senac, 2003. 192 p.

Downloads

Publicado

2016-04-28

Como Citar

Angelo, E. (2016). Redes sociais virtuais na sociedade da informação e do conhecimento: economia, poder e competência informacional. ncontros ibli: vista eletrônica e iblioteconomia iência a informação, 21(46), 71–80. https://doi.org/10.5007/1518-2924.2016v21n46p71

Edição

Seção

Artigo