Prática spammer e semiose: implicações nos processos de organização e circulação da informação em ambientes colaborativos

Priscila Oliveira da Mata, Maria Aparecida Moura

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1518-2924.2017v22n49p19

No contexto da web, os spammers são sujeitos e ou procedimentos automáticos que engajam práticas de atribuição de metadados e comportamento linguageiro disseminando spams acoplados aos conteúdos de maior popularidade, com o propósito de ampliar a visibilidade de seus conteúdos. O estudo realizado partiu do pressuposto de que, a prática spammer, carrega aspectos que ensejam uma articulação semiósica entre o vídeo principal e a ideia que os spammers intentam transmitir. Buscou-se, com o aporte teórico da Semiótica Peirceana, estabelecer uma aproximação entre a prática spammer e o conceito de semiose, procurando compreender a lógica informacional e sociocomunicacional que caracteriza os spammers no YouTube. Como resultados obtiveram-se uma descrição e uma tipologia da prática spammer e a análise da sua repercussão na organização e recuperação de informação em ambientes colaborativos digitais de compartilhamento de vídeos.


Palavras-chave


Representação e Organização da Informação; Indexação; Web Colaborativa; Prática Spammer; Semiose

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALMEIDA, C. C.; GUIMARÃES, J. A. C. Peirce e a ciência da informação: considerações preliminares sobre as relações entre a obra peirceana e a organização da informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 8., 2007, Salvador. Anais... Salvador: PPGCI/UFBA, 2007.

ALZAMORA, Geane; ZILLER, Joana. A dinâmica associativa das mídias sociais: semiose e convergência. São Paulo, TECCOGS, n.8, p. 166, jun-dez 2013. Disponível em < http://www4.pucsp.br/pos/tidd/teccogs/dossies/2013/edicao_8/2-dinamica_associativa_midias_sociais-semiose_convergencia.pdf > Acesso em 01 de jun 2014.

ALZAMORA, Geane. Da semiose midiática à semiose hipermidiática: jornalismo emergentes. In.: Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 29, 2007, Brasília. Anais... São Paulo: Intercom, 2006. Disponível em < http://www2.intercom.org.br/navegacaoDetalhe.php?option=trabalho&id=45042 > Acesso em 01 jun de 2014.

AQUINO, M. C. Hipertexto 2.0, folksonomia e memória coletiva: um estudo das tags na organização da web. E-Compós, Brasília, v.9, ago. 2007. Disponível em:

Acesso em: 1 abr. 2014

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011

BARROS, Camila Monteiro de; CAFÈ, Lígia Maria Arruda. Estudos de semiótica na Ciência da Informação: relatos de interdisciplinaridades. Perspect. Cienc. Inf., v. 17, n. 3, 2012. Disponível em < http://portaldeperiodicos.eci.ufmg.br/index.php/pci/article/view/1501> Acesso em: 01 jun 2014.

BERGMAN, Mats. Reflections on the role of the communicative sign in semeiotic. In: Transactions of gthe Charles S. Peirce Society: A Quartely Journal. In: American Philosophy XXXVI, n. 3, p. 225-254, 2000. Disponível em < http://www.helsinki.fi/science/commens/papers/refrole.html > Acesso em: 01 jun 2014.

BRUNS, Axel. Blogs, Wikipedia, second life, and beyond: from production to produsage. NovaIorque: Peter LangPublishing, 2008.

BURGESS, J.; GREEN, J. Youtube e a revolução digital: como o maior fenômeno da cultura participativa está transformando a mídia e a sociedade. São Paulo: Aleph, 2009

COLAPIETRO, V., The Routes of Significance: Reflections on Peirce’s Theory of Interpretants. Cognitio, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 11-27, jan./jun. 2004.

CROCKER, D. Challenges in anti-spam efforts. The Internet Protocol Journal, v.8, n.4, 2006

ECO, Umberto. Tratado geral de semiótica. 3. Ed. São Paulo: Perspectiva, 1991.(Estudos; 73)

FAZZION, E.; et al. SpamBands: uma metodologia para identificacão de fontes de spam agindo de forma orquestrada. In: XIV SIMPÓSIO BRASILEIRO EM SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DE SISTEMAS COMPUTACIONAIS, 2014, Belo Horizonte, MG. Anais... Sociedade Brasileira de Computação. Belo Horizonte, MG: Universidade Federal de Minas Gerais, 2014. p.265 - 78. Disponível em: . Acesso em: 05 jun. 2015

HEYMANN, P.; KOUTRIKA, G.; GARCIA-MOLINA, H. Fighting spam on social web sites: a survey of approaches and future challenges. IEEE Internet Comput, v.11, n.6, p.36-45, nov. 2007. Disponível em Acesso em: 1 jan. 2015

JOHANSEN, Jorgen. Dialogic semeiosis: an essay on signs and meaning. Bloomington & Indianapolis: Indiana University Press, 1993.

KOZINETS, R. V. The field behind the screen: using netnography for marketing research in online communities. Journal of Marketing Research, v.39, n.1, fev. 2002. Disponível em: . Acesso em: 5 abr. 2014

KRAUSE, B et al. The anti-social tagger: detecting spam in social bookmarking systems. In: IV International Workshop on Adversarial Information Retrieval on The Web- AIRWeb,2008. Proceedings.... ACM AIRWeb, 2008. Disponível em: < http://airweb.cse.lehigh.edu/2008/submissions/krause_2008_anti_social_tagger.pdf> Acesso em: 01 jun 2014.

MINAYO, M. C. de S.; ASSIS, S. G. de; SOUZA, E. R. de. (Orgs.). Avaliação por triangulação de métodos: abordagem de programas sociais. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2005. 243p

PEIRCE, Charles Sanders. Semiótica. 3. Ed. São Paulo: Perspectiva, 2003. (Estudos; 46)

QUEIROZ, João. Semiose segundo C.S. Peirce. São Paulo: Educ.

QUEIROZ, João; LOULA, Ângelo; GUDWIN, Ricardo (orgs.). Computação, cognição, semiose. Salvador: EDUFBA, 2007, 284 p. Disponível em https://www.academia.edu/3507544/Computacao_Cognicao_Semiose Acesso em 01 jun 2014.

SANTAELLA, L. A assinatura das coisas. São Paulo: Imago, 1992

_________________. O método anticartesiano de C. S. Peirce. São Paulo: Editora UNESP, 2004.

_________________. O que é semiótica? 3. ed. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1985. (Primeiros Passos)

_________________. Semiótica aplicada. São Paulo: Cengage Learning, 2002.

_________________. Teoria Geral dos Signos: como as linguagens significam as coisas. São Paulo: Cengae Learning, 2000.

SANTAELLA, Lúcia; NÖTH, Winfried. Comunicação e semiótica. São Paulo: Hacker, 2004, p.189-227).

TAVEIRA, D. M. Análise de técnicas de defesa contra spam. 2006. Rio de Janeiro

ZILLER, Joana. Expressões antropofágicas: apropriação e recriação de vídeos no Youtube. Contemporânea. Comunicação e Cultura, Salvador, v. 10, n. 3, set-dez 2012, p. 741-758. Disponível em < http://www.portalseer.ufba.br/index.php/contemporaneaposcom/article/viewFile/6436/4687> Acesso em 01 jun. 2014.

ZILLER, Joana; MOURA, Maria Aparecida. Semiose e fluxos informacionais: os agenciamentos coletivos e a condição de usuário em ambientes digitais. Liinc em Revista, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 324-340, jun. 2010. Disponível em: < http://revista.ibict.br/liinc/index.php/liinc/article/view/369 > Acesso em: 20 maio 2014.




DOI: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2017v22n49p19



Direitos autorais 2017 Priscila Oliveira da Mata, Maria Aparecida Moura

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1518-2924.

Conteúdos do periódico licenciados sob uma Licença Creative Commons 4.0 By  (mais informação)