O uso do design thinking como ferramenta no processo de inovação em bibliotecas

Diana Marcela Bernal Ramírez, Thais Batista Zaninelli

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1518-2924.2017v22n49p59

Este artigo tem como finalidade apresentar estudos de casos de sucesso do uso da abordagem do Design Thinking (DT) em bibliotecas e teve como objetivo estudar o Design Thinking através da história, as fases que compõem esta abordagem de inovação, bem como a importância da fase da prototipagem, e a relevância do Design Thinking na Ciência da Informação. Para tanto, foi realizada uma pesquisa bibliográfica, na qual foram pesquisadas bases de dados para a coleta de informações pertinentes, como artigos de periódicos da Capes, livros e páginas de internet. Como resultado da análise das informações se conseguiu identificar a importância do DT na área da Ciência da Informação e as vantagens que pode representar esta nova abordagem no contexto acadêmico e de negócios.


Palavras-chave


Design Thinking; Bibliotecas; Origem do Design Thinking; Fases do Design Thinking; Ciência da Informação

Texto completo:

PDF/A

Referências


BEHARRY, A. K.; PUN, K. F. Managing Innovation Practices of SMEs in the Caribbean: An Exploratory Study. IEEE Int/l Technology Management Conference Managing Proceeding, 2011.

BIBLORED. Biblored Red Capital de Bibliotecas Públicas. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2015.

BOCCATO, V. R. C. Metodologia da pesquisa bibliográfica na área odontológica e o artigo científico como forma de comunicação. Rev. Odontol. Univ. Cidade São Paulo. São Paulo, v. 18, n. 3, p. 265-274, 2006.

BONINI, Luiz; ENDO, Gustavo. Bilbioteca Terra Forum Consultores. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2015.

BROWN, Tim. Design thinking. Harvard Business Review, v. 86, n. 6, p. 85-92, jun. 2008.

BROWN, Tim. Ideo. 2010. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2015.

BROWN, Tim. Uma metodologia poderosa para decretar o fim das velhas ideias design thinking. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010, 249 p.

CASTELLS, Manuel. Conferencia de UNRISD, publicado no periódico UNRISD News. Informational Capitalism and Social Exclusión, n. 19, outono – inverno, p. 4-6. (1998).

CASTELLS, Manuel. Informational Capitalism and Social Exclusión, Nº 19, outono – inverno, páginas 4-6, 1998

CRUZ-RIASCOS, Sonia. Inovação em serviços e produtos de informação para a sustentabilidade das bibliotecas das Instituições Federais de Ensino Superior brasileiras: de Gutenberg às redes virtuais. In: Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação, 25, 2013, Florianópolis, Anais... Florianópolis SC, Brasil, 2013, p. 1 – 13.

DUNE, David; MARTIN, Roger. Academy of Management Learning & Education, v. 5, n. 4, p. 512–523. 2006

DROEGE, H. D; HILDEBRAND, et al. Innovation in services: present findings, and future pathways. Journal of Service Management 20(2): 131-155. 2009.

FASCINE, Ligia. O que é o Design Thinking. 2014. Disponível em: . Acesso em: 06 abr. 2014

FIGUEIREDO, Nice. Estudos de uso e usuários da informação. Brasília: IBICT, 1994. 154 p.

GIL, Antonio. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HASEN, Morten; BIRKINSHAW, Julian. La cadena de valor de la innovación. Harvard Business Review, v. 85, n. 6, p. 106 – 116, jun. 2007.

HASSO – PLATTNER – INSTITUT. School of Design Thinking. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2015.

HOWELLS, J. Where to from here for services innovation? Paper presented at the Knowledge Intensive Services Activities (KISA) Conference, Sydney, 22 March 2006.

IDEO. Design thinking for libraries: A toolkit for patron-centered design. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2015.

JULIANI, Jordan; CAVAGLIERI, Marcelo; MACHADO, Raquel. Design Thinking como ferramenta para a geração de inovação: um estudo de caso da Biblioteca Universitária da UDESC. InCID: R. Ci, Inf. e Doc. Ribeirão Preto, v. 6, n. 2, p. 66 – 83, set. 2015.

KARLSSON, C.; AHLSTROM, P. Perspective: changing product development strategy-a managerical challenge. Journal of Product Innovation Management.n.14,v.6 p.473-484.

LOVELOOK,C.H. Developing and implementing new services. In: George, W.R and Marshal, C. E. (eds) Developing New Services, American Marketing Association, Chicago: IL p.44-64.

MCGREW, Anthony; LEWIS, Paul. Globalisation and the Nation States, Cambridge, Inglaterra, Polity Press, 1992. 352 p.

MCKIM, Robert. A. Experiences in visual thinking. Brooks/Cole Publishing Company, 1980.183 p.

NITZSCHE, Rique. Afinal o que é design thinking?. São Paulo: Rosari, 2012, 208 p.

NOSMUT(DOT)COM. Design thinking. Disponível em: . Acesso em: 28 nov. 2015.

OCDE. Manual de Oslo: Guía para la recogida e interpretación de datos sobre innovación. 3. ed. España: Grupo Traga. 2005. 194 p.

OSTROM, A.; BITNER, M. et al. Moving forward and making a difference: research priorities for the science of service. Journal of Service Research, v.13, n.1 p. 4, 2010.

PONTI, Franc. Avianca em revista. Bogotá, v. 2, n. 30, p. 176, nov. 2015.

PROGRAMA DE CIDADES SUSTENTÁVEIS. Bibliotecas em Bogotá. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2015.

ROWE, Peter G. Design Thinking. Cambridge, Massachuttes: The MIT Press. 1987. 229 p.

SCOZZI, GARAVELLI, C., CROWSTON, K., “Methods for modeling and supporting innovation processes in SMEs”, European Journal of Innovation Management, vol. 8, no. 1, pp. 120–137, 2005.

SIMON, Herbert A. The Sciences of the Artificial. MIT Press, Cambridge, Mass, 1969.

SPOHRER, J.; Maglio, P.P. Toward a science of service systems: Value and symbols. In: Maglio, P.P.; C. A. Kieliszewski and J. C. Spohrer (Eds.). Handbook of service science. New York: Springer. 2010.

STEINBECK, Reinhold. Revista científica de educomunicación, v. XIX, n. 37, p. 27-35. Out. 2011.

VASCONCELLOS, Luís; MARX, Roberto. Como ocorrem as inovações em serviços? Um estudo exploratório de empresas no Brasil. Gest. Prod., São Carlos, v. 18, n. 3, p. 443-460, 2011.

VERGARA, Sylvia. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2005.

BEHARRY, A. K.; PUN, K. F. Managing Innovation Practices of SMEs in the Caribbean: An Exploratory Study. IEEE Int/l Technology Management Conference Managing Proceeding, 2011.

BIBLORED. Biblored Red Capital de Bibliotecas Públicas. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2015.

BOCCATO, V. R. C. Metodologia da pesquisa bibliográfica na área odontológica e o artigo científico como forma de comunicação. Rev. Odontol. Univ. Cidade São Paulo. São Paulo, v. 18, n. 3, p. 265-274, 2006.

BONINI, Luiz; ENDO, Gustavo. Bilbioteca Terra Forum Consultores. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2015.

BROWN, Tim. Design thinking. Harvard Business Review, v. 86, n. 6, p. 85-92, jun. 2008.

BROWN, Tim. Ideo. 2010. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2015.

BROWN, Tim. Uma metodologia poderosa para decretar o fim das velhas ideias design thinking. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010, 249 p.

CASTELLS, Manuel. Conferencia de UNRISD, publicado no periódico UNRISD News. Informational Capitalism and Social Exclusión, n. 19, outono – inverno, p. 4-6. (1998).

CASTELLS, Manuel. Informational Capitalism and Social Exclusión, Nº 19, outono – inverno, páginas 4-6, 1998

CRUZ-RIASCOS, Sonia. Inovação em serviços e produtos de informação para a sustentabilidade das bibliotecas das Instituições Federais de Ensino Superior brasileiras: de Gutenberg às redes virtuais. In: Congresso Brasileiro de Biblioteconomia, Documentação e Ciência da Informação, 25, 2013, Florianópolis, Anais... Florianópolis SC, Brasil, 2013, p. 1 – 13.

DUNE, David; MARTIN, Roger. Academy of Management Learning & Education, v. 5, n. 4, p. 512–523. 2006

DROEGE, H. D; HILDEBRAND, et al. Innovation in services: present findings, and future pathways. Journal of Service Management 20(2): 131-155. 2009.

FASCINE, Ligia. O que é o Design Thinking. 2014. Disponível em: . Acesso em: 06 abr. 2014

FIGUEIREDO, Nice. Estudos de uso e usuários da informação. Brasília: IBICT, 1994. 154 p.

GIL, Antonio. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 6 ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HASEN, Morten; BIRKINSHAW, Julian. La cadena de valor de la innovación. Harvard Business Review, v. 85, n. 6, p. 106 – 116, jun. 2007.

HASSO – PLATTNER – INSTITUT. School of Design Thinking. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. 2015.

HOWELLS, J. Where to from here for services innovation? Paper presented at the Knowledge Intensive Services Activities (KISA) Conference, Sydney, 22 March 2006.

IDEO. Design thinking for libraries: A toolkit for patron-centered design. Disponível em: . Acesso em: 30 nov. 2015.

JULIANI, Jordan; CAVAGLIERI, Marcelo; MACHADO, Raquel. Design Thinking como ferramenta para a geração de inovação: um estudo de caso da Biblioteca Universitária da UDESC. InCID: R. Ci, Inf. e Doc. Ribeirão Preto, v. 6, n. 2, p. 66 – 83, set. 2015.

KARLSSON, C.; AHLSTROM, P. Perspective: changing product development strategy-a managerical challenge. Journal of Product Innovation Management.n.14,v.6 p.473-484.

LOVELOOK,C.H. Developing and implementing new services. In: George, W.R and Marshal, C. E. (eds) Developing New Services, American Marketing Association, Chicago: IL p.44-64.

MCGREW, Anthony; LEWIS, Paul. Globalisation and the Nation States, Cambridge, Inglaterra, Polity Press, 1992. 352 p.

MCKIM, Robert. A. Experiences in visual thinking. Brooks/Cole Publishing Company, 1980.183 p.

NITZSCHE, Rique. Afinal o que é design thinking?. São Paulo: Rosari, 2012, 208 p.

NOSMUT(DOT)COM. Design thinking. Disponível em: . Acesso em: 28 nov. 2015.

OCDE. Manual de Oslo: Guía para la recogida e interpretación de datos sobre innovación. 3. ed. España: Grupo Traga. 2005. 194 p.

OSTROM, A.; BITNER, M. et al. Moving forward and making a difference: research priorities for the science of service. Journal of Service Research, v.13, n.1 p. 4, 2010.

PONTI, Franc. Avianca em revista. Bogotá, v. 2, n. 30, p. 176, nov. 2015.

PROGRAMA DE CIDADES SUSTENTÁVEIS. Bibliotecas em Bogotá. Disponível em: . Acesso em: 01 dez. 2015.

ROWE, Peter G. Design Thinking. Cambridge, Massachuttes: The MIT Press. 1987. 229 p.

SCOZZI, GARAVELLI, C., CROWSTON, K., “Methods for modeling and supporting innovation processes in SMEs”, European Journal of Innovation Management, vol. 8, no. 1, pp. 120–137, 2005.

SIMON, Herbert A. The Sciences of the Artificial. MIT Press, Cambridge, Mass, 1969.

SPOHRER, J.; Maglio, P.P. Toward a science of service systems: Value and symbols. In: Maglio, P.P.; C. A. Kieliszewski and J. C. Spohrer (Eds.). Handbook of service science. New York: Springer. 2010.

STEINBECK, Reinhold. Revista científica de educomunicación, v. XIX, n. 37, p. 27-35. Out. 2011.

VASCONCELLOS, Luís; MARX, Roberto. Como ocorrem as inovações em serviços? Um estudo exploratório de empresas no Brasil. Gest. Prod., São Carlos, v. 18, n. 3, p. 443-460, 2011.

VERGARA, Sylvia. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2005.




DOI: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2017v22n49p59



Direitos autorais 2017 Diana Marcela Bernal Ramírez, Thais Zaninelli

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1518-2924.

Conteúdos do periódico licenciados sob uma Licença Creative Commons 4.0 By  (mais informação)