Índices de licenciamento e de comercialização de tecnologias para núcleos de inovação tecnológica baseados em boas práticas internacionais

Autores

  • Alexandre Bueno Universidade Federal de São Carlos - UFSCar http://orcid.org/0000-0002-2059-6505
  • Ana Lúcia Vitale Torkomian Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Departamento de Engenharia de Produção - DEP

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2018v23n51p95

Palavras-chave:

Índice de Licenciamento de Tecnologias, Índice de Comercialização de Tecnologias, Indicadores de Desempenho, Escritórios de Transferência de Tecnologia

Resumo

A utilização de índices e indicadores de desempenho pode contribuir na tomada de decisão, na definição de ações estratégicas, no planejamento, na visualização de cenários (atual e futuro) e nos resultados de atuação dos núcleos de inovação tecnológica (NIT). O presente artigo visa apresentar, caracterizar e descrever o índice de licenciamento de tecnologias e o índice de comercialização de tecnologias, baseado na experiência de sete universidades do exterior. Para isso, foi realizada uma extensa revisão de literatura sobre boas práticas internacionais em gestão da propriedade intelectual (PI) e transferência de tecnologia (TT) e entrevistas em duas universidades dos Estados Unidos, uma da Espanha, uma de Portugal, uma da Escócia e duas da Inglaterra, o que permitiu a identificação de diversos índices e indicadores de desempenho. A importância do tema justifica-se pela possibilidade de utilizá-los para entender, avaliar e acompanhar a evolução do processo de TT da universidade para a empresa. Além disso, o estudo tem grande valia para compreender as ações realizadas pelos NIT, contribuir com a formulação de políticas públicas (e internas das universidades), com a criação de um ambiente favorável de sinergia e cooperação com as empresas, e finalmente, como um processo de prestação de contas para a sociedade, demonstrando as realizações dos núcleos de inovação tecnológica. 

Biografia do Autor

Alexandre Bueno, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar

Doutorado (2016) e Mestrado (2011) em Engenharia de Produção pela UFSCar, na área de Gestão da Tecnologia e da Inovação, Especialização em Administração de Sistemas de Informação pela UFLA (2006) e Graduado em Ciência da Informação pela UFSCar (2003). Atuo como Gerente de Projetos da FAI.UFSCar, na gestão de projetos (consultorias; assessorias; prestação de serviços; pesquisa, desenvolvimento e inovação) de parceria e cooperação universidade-empresa. Atuei como Coordenador de Transferência de Tecnologia (TT) da Agência de Inovação da UFSCar, nas áreas de propriedade intelectual (PI); propriedade industrial (patentes, modelos de utilidade, marcas, cultivares); licenciamentos; negociação de contratos (royalties); comercialização de tecnologias e financiamentos à inovação tecnológica (reembolsáveis / não reembolsáveis / incentivos fiscais). Tive a oportunidade de conhecer práticas internacionais em PI e TT em universidades e fundações dos Estados Unidos, Espanha, Portugal e Reino Unido.

Ana Lúcia Vitale Torkomian, Universidade Federal de São Carlos - UFSCar Departamento de Engenharia de Produção - DEP

Possui graduação em Engenharia de Produção (1987) pela Universidade Federal de São Carlos e mestrado (1992) e doutorado (1997) em Administração, área de Gestão de Ciência e Tecnologia, pela Universidade de São Paulo. Desde 1993 é professora no Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal de São Carlos, atuando na área de Gestão de Tecnologia, principalmente nos seguintes temas: cooperação universidade-empresa, empreendedorismo, pólos e parques tecnológicos, inovação tecnológica e propriedade intelectual. De 1998 a 2006 foi coordenadora do Núcleo de Extensão UFSCar-Empresa, vinculado à Pró-reitoria de Extensão. De 2001 a 2009 foi Diretora da Fundação de Apoio Institucional ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico FAI.UFSCar e de 2002 a 2009 Assessora da Reitoria, especialmente em temas relacionados à Gestão de Tecnologia e Inovação. Foi eleita como membro da coordenação nacional do Fórum Nacional de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia - Fortec, em 2006 e reeleita em 2008. Em maio de 2008 assumiu a diretoria executiva da Agência de Inovação da UFSCar, onde permaneceu até outubro de 2009, quando foi cedida ao Ministério de Ciência e Tecnologia. De novembro daquele ano a julho de 2011 atuou como Secretária Adjunta da Secretaria de Desenvolvimento Tecnológico e Inovação SETEC/MCT. Em 2012 reassumiu suas atividades no Departamento de Engenharia de Produção e a Diretoria Executiva da Agência de Inovação da UFSCar, esta até outubro de 2016. Em 2014 foi eleita coordenadora da região sudeste do Fortec.

Referências

ABRAMS, I.; LEUNG, G.; STEVENS, A. J. How are U.S. technology transfer offices tasked and motivated: is it all about the money?. Research Management Review, v. 17, n. 1, p. 1-34, Fall/Winter, 2009.

ARUNDEL, A.; BORDOY, C. Developing internationally comparable indicators for the commercialization of publicly-funded research. Netherlands: UNU-MERIT (United Nations University, 2006, 18p.

AUTM - Association of University Technology Managers. Licensing Income on University Technology Transfer. 2007. Disponível em: <http://www.autm.net>. Acesso em: 14 fev. 2012.

AUTM - Association of University Technology Managers. Manual prático de transferência de tecnologia. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2010, v.1 e v.2, 264p.

BALDINI, N. University patenting and licensing activity: a review of the literature. In.: Research Evaluation, v.15, n.3, p.197-207, 2006.

BRAY, M. J.; LEE, J. N. University revenues from technology transfer: licensing fees vs. equity positions. Journal of Business Venturing, v. 15, n. 5-6, p.385–392, 2000.

BUENO, A. A gestão de núcleos de inovação tecnológica baseada em índices e indicadores de desempenho a partir de boas práticas internacionais e estudos de casos nacionais. 2016. 227f. Tese. Doutorado apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção da Universidade Federal de São Carlos. São Carlos-SP: UFSCar, 2016.

CHAPPLE, W. et al. Assessing the relative performance of U.K. university technology transfer offices: parametric and non-parametric evidence. Research Policy, v. 34, n. 3, p. 369-384, 2005.

COLOMBO, D.; D’ADDA, D.; PIVA, E. The contribution of university research to the growth of academic start-ups: An empirical analysis. The Journal of Technology Transfer, v.35, n.1, p.113–140, 2010.

CYSNE, F. P. Transferência de tecnologia entre universidade e indústria. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 10, n. 20, 2. sem., 2005.

GARCIA, R. L.M. Eficiência em órgãos públicos: uma proposta de indicadores. Rifo de Janeiro: FGV, 2008.

JENSEN, R.; THURSBY, M. Proofs and prototypes for sale: the tale of university licensing. American Economic Review, v. 91, n. 1, p. 240-259, 2001.

LINK, A. N., SCOTT, J. T. Opening the ivory tower's door: An analysis of the determinants of the formation of U.S. university spin-off companies. Research Policy, v. 34, n. 7, p. 1106-1112, 2005.

Mazzucato, M. O estado empreendedor: desmascarando o mito do setor público vs. setor privado. São Paulo: Portfolio-Penguin, 2014.

MUSTAR, P.; WRIGHT, M.; CLARYSSE, B. University spin-offs firms: lessons from the ten years of experience in Europe, Science and Public Policy. Research Policy, v. 35, n. 2, p. 67-80, 2008.

RASMUSSEN, E.; MOEN, O.; GULBRANDSEN, M. Initiatives to promote commercialization of university knowledge. Technovation, v. 26, n. 4, p. 518–533, 2006.

ROGERS, E. M., TAKEGAMI, S., YIN, J.; Lessons learned about technology transfer. Technovation, v. 21, n. 4, p. 253-261, 2001.

SANTOS, M.E.R.; SOLLEIRO, J.L. Boas práticas de gestão em escritórios de transferência de tecnologia. In: Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, 23, 2004. Curitiba, Anais... São Paulo: USP/PGT, 2004. p.785-800.

SICHE, R. et al. Índices versus indicadores: precisões conceituais na discussão da sustentabilidade de países. Ambiente & Sociedade, v. 10, n. 2, p. 137-148, 2007.

SIEGEL, D.S.; VEUGELERS, R.; WRIGHT, M. Technology transfer offices and commercialization of university intellecutal property: performance and policy implications. Oxford Review of Economic Policy, v. 23, n. 4, p.640–660, 2007.

TAKASHINA, N. T.; FLORES, M. C. X. Indicadores da qualidade e do desempenho: como estabelecer metas e medir resultados. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1996.

TERRA, B. A transferência de tecnologia em universidades empreendedoras: um caminho para a inovação tecnológica. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2001.

THOMSON REUTERS. The World University Rankings 2011-2012. 2012. Disponível em: <http://www.timeshighereducation.co.uk/world-universityrankings/2011-2012/top-400.html>. Acesso em: 04 fev. 2012.

TORKOMIAN, A. L. V. Transferência de tecnologia, inovação tecnológica e desenvolvimento. In: AZEVEDO, A. M. M.; SILVEIRA, M. A. (Org.). Gestão da sustentabilidade organizacional: desenvolvimento de ecossistemas colaborativos. Campinas: CTI, 2011. p. 101-114.

VINIG, T.; RIJSBERGEN, P. Determinants of University Technology Transfer: comparative study of US, Europe and Australian Universities. SSRN: 2009. Disponível em: <http://ssrn.com/abstract=1324601>. Acesso em: 28 abr. 2015.

VINIG, T.; LIPS, D. Measuring the performance of university technology transfer using meta data approach: the case of Dutch Universities. The Journal of Technology Transfer, v. 40, n. 6, p. 1034-1049, 2015.

VINIG, T.; RIJSBERGEN, P. Determinants of University Technology Transfer: comparative study of US, Europe and Australian Universities. SSRN: 2009. Disponível em: <http://ssrn.com/abstract=1324601>. Acesso em: 28 abr. 2015.

YIN, R. K. Estudo de Caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

Downloads

Publicado

2018-01-01