Gestão do conhecimento e inovação em startups Catarinenses

Autores

  • Mariana Pereira da Silva Departamento de Engenharia e Gestão do Conhecimento – UFSC.
  • Larissa Lara Gabiatti Arquivista – UFSC.
  • Marcelo Macedo Departamento de Engenharia e Gestão do Conhecimento – UFSC.
  • Nina Rosa Cruz Gerges Doutoranda na Engenharia e Gestão do Conhecimento – UFSC.

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2018v23nespp126

Palavras-chave:

Inovação, Startup, Gestão do Conhecimento, Conhecimento Crítico

Resumo

O objetivo deste artigo é identificar os conhecimentos críticos voltados para o incremento do processo de inovação em startups catarinenses. O procedimento metodológico adotado é um estudo de casos múltiplos. Os resultados mostram que nem todos os conhecimentos estudados nas empresas podem ser considerados como críticos para o incremento da inovação. Ainda foi possível constatar que nem sempre a prática organizacional está de acordo com a literatura.

Referências

BLANK, S. The for steps to the epiphany: successful strategies for products that wit. 2. ed. Cafepress, 2006.

CORMICAN, K.; O'SULLIVAN, D. Idea management for organisational Innovation. International Journal of Innovation Management. 2003.

DIHL, W. A Teoria da criação do conhecimento organizacional relacionada à elaboração de relatórios de sustentabilidade empresarial: um estudo exploratório em uma empresa geradora de energia. 2013. 119 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, 2013. Disponível em: <http://www.pg.utfpr.edu.br/dirppg/ppgep/dissertacoes/arquivos/223/Dissertacao.pdf>. Acesso em: 07 dez. 2016.

EUROPEAN COMMITE FOR STANDARDIZATION. European Guide to good Practice in Knowledge Management. Brussels, 2004.

ERMINE, J-L. Introduction au knowledge management. 2007. Disponível em: <https://www.researchgate.net/profile/JeanLouis_Ermine/publication/228007736_Introduction_to_Knowledge_Management/links/02e7e53ac6a9ea3b74000000.pdf>. Acesso em: 20 dez. 2016.

ERMINE, J-L. Valoriser les connaissances les connaissances critiques dune entreprise. Gestion dynamique des connaissances industrielles. Hermes Science publications: Lavoisier, 2004.

MIGUEZ, Viviane Brandão. Uma Abordagem de geração de ideias para o processo de inovação. 2012. 124 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012. Disponível em: <https://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/100942>. Acesso em: 07 dez. 2016.

MUNIZ, Suely. Investimento recente, capacitação tecnológica e competitividade. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 14, n. 3, p. 98-107, 2000. Disponível em: <http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v14n03/v14n03_14.pdf> Acesso em: 19 out. 2016.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 2. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

OCDE. Manual de Oslo: diretrizes para a coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica. 3. ed. FINEP, 2006.

PEREZ-FREIJE, J.; ENKEL, E. Creative tension in the innovation process: how to support the right capabilities. European Management Journal, v. 15, n. 1, p. 11-24, 2007. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1016/j.emj.2006.11.005>. Acesso em: 13 jan. 2017.

RUS, I.; LINDVALL, M.; SINHA, S. S. A State of the Art Report: knowledge management in software engineering. Fraunhofer Center for Experimental Software Engineering Maryland and The University of Maryland, 2001.

SILVA, F. A. DE M. Fatores que contribuem para o insucesso das Startups: O reverso da “medalha”. Portugual: Universidade do Minho, 2013.

Downloads

Publicado

2018-06-20