Miopia em Informação

Nadi Helena Presser, Daniel Cunha Santana Quirino

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1518-2924.2016v21n46p59

Este artigo reflete sobre os modos de apropriação de informação nas organizações. A analogia com a noção de Miopia em Informação se caracteriza pelo desconhecimento das potencialidades informacionais disponibilizadas nas organizações, revelando uma visão restrita do ambiente informacional. As análises têm como objeto o processo de renovação de contratos de licenças de softwares de um grupo multinacional de grande porte, em sua iniciativa de gerenciar, com base em informações, os ativos organizacionais em tecnologia da informação. As informações coletadas, explicitadas e justificadas embasaram uma proposta de ação, se constituindo na criação de um novo conhecimento organizacional. Na sua dimensão teórica, o valor da informação se materializou pelo seu uso, num processo coletivo de aprendizagem organizacional.


Palavras-chave


Miopia em Informação; Valor da Informação; Gestão da Informação; Tomada de decisão

Texto completo:

PDF-A

Referências


BAUMAN, Z. Ensaios sobre o conceito de cultura. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

CAPURRO, R. Epistemologia e ciência da informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5., 2003, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação e Biblioteconomia, 2003

DAVENPORT, T. H. Ecologia da informação: por que só a tecnologia não basta para o sucesso na era da informação. Tradução Bernadette Siqueira Abrão. São Paulo: Futura, 1998.

ELIOT, T. S. Choruses from 'The Rock.' In Collected Poems. London: Faber and Faber, 1937.

FRANCO, M. A. Pedagogia da pesquisa-ação. Revista Educação e Pesquisa. São Paulo, v. 31, n. 3, p. 483-502.

KING, D. W.; GRIFFITHS, J.-M.; RODERER, N. K.; WIEDERKEHR, R. R. V. Value of the Energy Data Base. Oak Ridge, Tennessee: Technical Information Center United States Department of Energy; 1982.

LE COADIC, Yves-François. A ciência da informação. Brasília: Briquet de Lemos Livros, 1996.

LEVITT, T. Marketing myopia. Harvard Business Review. v. 38, p. 45-56, jul/ago, 1960.

LEWIN, K. Teoria de Campo em Ciência Social. Trad Carolina M. São Paulo: Pioneira, 1965.

MEADOW, C. T.; YUAN, W. Measuring the impact of information: defining the concepts. Information Processing and Management, Elmsford, v. 33, n. 6, p. 697-714, Nov. 1997.

RICH, R. F. The Use of Information as an Indicator of Value. In: Government Information Management: A Counter-Report of the Commission on Federal Paperwork. Colorado: Westview Press, 1980.

SARACEVIC, T. KANTOR, P. B. Studying the value of library and information services: establishing a theoretical framework. Parte I. Journal of the American Society for Information Science, v. 48, n. 6, p. 527–542, 1997.

TARAPANOFF, K. Inteligência Organizacional e Competitiva. Brasília: Editora UnB, 2001.

THILOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez Ed., 1985.

VAKKARI, P. Task complexity, problem structure and information actions - Integrating studies on information seeking and retrieval, Information Processing & Management, 35, 6, pp 819-837, 1999.




DOI: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2016v21n46p59



Direitos autorais 2016 Nadi Helena Presser, Daniel Cunha Santana Quirino

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1518-2924.

Conteúdos do periódico licenciados sob uma Licença Creative Commons 4.0 By  (mais informação)