Taxonomia de distorções contábeis

José Humberto da Cruz Cunha, Rogério Henrique de Araújo Júnior

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1518-2924.2017v22n49p127

Discute o uso de uma taxonomia de distorções contábeis provenientes de erros e fraudes, voltada para o uso dos auditores na análise dos riscos e escolha dos procedimentos de auditoria. Sua elaboração segue as orientações conceituais da classificação facetada, por meio de levantamento conceitual em pesquisa bibliográfica. A taxonomia apresentada possui como categorias fundamentais as fases da informação, aspectos essenciais, afirmações, ciclos de recursos, subciclos de recursos, distorções contábeis e afirmações (objetivos de auditoria). É apresentada a metodologia de elaboração da taxonomia, bem como a sua aplicabilidade na auditoria contábil como instrumento de organização da informação e do conhecimento. Conclui que, a partir dos exemplos utilizados, é possível afirmar que a taxonomia orienta a análise das distorções como uma trilha de auditoria, padronizando os conceitos identificados na linguagem natural em uma estrutura de classificação padronizada.


Palavras-chave


Gestão da Informação; Organização e Representação da Informação; Linguagem Documentária; Taxonomia; Auditoria Contábil; Gestão do Conhecimento

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2017v22n49p127



Direitos autorais 2017 José Humberto da Cruz Cunha, Rogério Henrique de Araújo Júnior

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1518-2924.

Conteúdos do periódico licenciados sob uma Licença Creative Commons 4.0 By  (mais informação)