Taxonomia de distorções contábeis

José Humberto da Cruz Cunha, Rogério Henrique de Araújo Júnior

Resumo


http://dx.doi.org/10.5007/1518-2924.2017v22n49p127

Discute o uso de uma taxonomia de distorções contábeis provenientes de erros e fraudes, voltada para o uso dos auditores na análise dos riscos e escolha dos procedimentos de auditoria. Sua elaboração segue as orientações conceituais da classificação facetada, por meio de levantamento conceitual em pesquisa bibliográfica. A taxonomia apresentada possui como categorias fundamentais as fases da informação, aspectos essenciais, afirmações, ciclos de recursos, subciclos de recursos, distorções contábeis e afirmações (objetivos de auditoria). É apresentada a metodologia de elaboração da taxonomia, bem como a sua aplicabilidade na auditoria contábil como instrumento de organização da informação e do conhecimento. Conclui que, a partir dos exemplos utilizados, é possível afirmar que a taxonomia orienta a análise das distorções como uma trilha de auditoria, padronizando os conceitos identificados na linguagem natural em uma estrutura de classificação padronizada.


Palavras-chave


Gestão da Informação; Organização e Representação da Informação; Linguagem Documentária; Taxonomia; Auditoria Contábil; Gestão do Conhecimento

Texto completo:

PDF/A

Referências


ALBUQUERQUE, S. F. de; ARAÚJO JÚNIOR, R. H. de Morfologia para representação das necessidades de informação gerencial. Em Questão, Porto Alegre, v. 20, n.2, p. 166-187, jul./dez. 2014.

BAPTISTA, D. M.; ARAÚJO JÚNIOR, R. H. de; CARLAN, E. O escopo da análise da informação. In: ROBREDO, J.; BRÄSCHER M. (Orgs.). Passeios pelo bosque da informação: estudos sobre representação e organização da informação e do conhecimento EROIC. Brasília: IBICT, 2010, p. 115-119. Disponível em:

. Acesso em: 01 nov. 2016.

BRÄSCHER, M.; CARLAN, E. Sistemas de organização do conhecimento: antigas e novas linguagens. In: ROBREDO, J.; BRÄSCHER M. (Orgs.). Passeios pelo bosque da informação: estudos sobre representação e organização da informação e do conhecimento EROIC. Brasília: IBICT, 2010, p. 147-176. Disponível em:

. Acesso em: 03 nov. 2016.

BOYNTON, W. C.; JOHNSON, R. N.; KELL, W. G. Auditoria. 7 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

CAMPOS, M. L. A.; GOMES, H. E. Taxonomia e classificação: o princípio de categorização. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 9, n. 4, ago. 2008.

DAHLBERG, I. Teoria do conceito. Ciência da Informação, Brasília, v.7, n.2, p. 101-107, 1978. Disponível em: . Acesso em: 15

out. 2016.

GIESS, M.; McMAHON, C.; BOOKER, J. D.; STEWART, D. Application of faceted classification in the support of manufacturing process selection. Proceedings of the Institution of Mechanical Engineers, part B: Journal of Engineering Manufacture, v. 223, n. 6, p. 597-608, 2009.

GUEDES, W.; ARAÚJO JÚNIOR, R. H. de. Estudo das similaridades entre a teoria matemática da comunicação e o ciclo documentário. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 24, n. 2, p. 71-81, maio/ago. 2014. Disponível em:. Acesso em: 02 nov. 2016.

HSIAO, Y. L. An audit-based prediction model for aviation maintenance safety. Buffalo: Faculty of the Graduate School of the State University of New York at Buffalo, 2011. (Tese de Doutorado).

MILNE, C. (2007). Taxonomy development: assessing the merits of contextual classification. Records Management Journal, v. 17, n. 1, 7-16, 2007. Disponível em:. Acesso em: 03 nov. 2016.

SOUSA, R. T. B. de.; ARAÚJO JÚNIOR, R. H. de. A classificação e a taxonomia com instrumentos efetivos para a recuperação da informação arquivística. Ciência da Informação, Brasília, DF, v. 41, n. 1, p.148-160, jan./abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 02 nov. 2016.

VITAL, L. P.; CAFÉ, L. M. A. Práticas de elaboração de taxonomias: análise e recomendações. VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Salvador: VIII ENANCIB, 2007. Disponível em:

. Acesso em 14 out. 2016.

VOGEL, M. J. M. Taxonomia: produto ou processo? Biblioteca Terra Fórum Consultores, 2011. Disponível em:

. Acesso em: 11 out. 2016.

WALDEN, C. T. A taxonomy based assessment methodology for small and medium size manufacturers. Starkville: Faculty of Mississippi State University, Mississippi State University, 2007. (Tese de Doutorado).

YOSHITAKE, M. Auditoria contábil: metodologia de processo de auditoria. Curitiba: Juruá, 2009.




DOI: https://doi.org/10.5007/1518-2924.2017v22n49p127



Direitos autorais 2017 José Humberto da Cruz Cunha, Rogério Henrique de Araújo Júnior

Enc. Bibli: R. Eletr. Bibliotecon. Ci. Inf., Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSN 1518-2924.

Conteúdos do periódico licenciados sob uma Licença Creative Commons 4.0 By  (mais informação)