A materialidade da coleção mário aristides freire (maf) sob a ótica dos valores de monumento de Riegl

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2020.e74206

Resumo

Objetivo: Discutir a potencialidade da materialidade documentária da Coleção Mário Aristides Freire (Coleção MAF) sob a ótica dos valores de Riegl e sob a perspectiva de Frohmann em relação aos contextos institucional, tecnológico, político, econômico e cultural que configuram características da informação (públicas e sociais) contemporânea

Métodos: utiliza estudo exploratório como método e a pesquisa bibliográfica como um recurso de produção de dados.

Resultados: observa que, à luz da discussão proposta por Frohmann, a Coleção MAF enquanto documento (patrimônio) demanda análise de quatro características para reconhecimento de sua condição de informatividade: da sua materialidade, do local institucional que a acolhe, das estratégias que disciplinam a sua organização e a sua contingência histórica; sob o aspecto da sua materialidade, as práticas documentárias e rotinas institucionalizadas de organização da Coleção MAF definem o poder de inércia e resistência sobre a documentação dessa coleção definindo, por consequência, a vida documentária da Coleção MAF e os efeitos da sua institucionalização; em Riegl o valor de contemporaneidade (uso e arte) do monumento (patrimônio) pelo homem contemporâneo é essencial, nesse sentido propõe a discussão sobre ações de contextualização da Coleção MAF às novas funções e gosto pelo conhecimento do homem atual, mas ainda assim levando em conta aspectos do valor de rememoração (antiguidade e historicidade) nesse uso.

Conclusões: Recomenda a análise com mais acuidade dos valores de Riegl e respectiva aplicação como critério qualitativo para avaliação de obras raras e especiais, ou como recurso validador dos critérios já utilizados.

Objetivo: Discutir a potencialidade da materialidade documentária da Coleção Mário Aristides Freire (Coleção MAF) sob a ótica dos valores de Riegl e sob a perspectiva de Frohmann em relação aos contextos institucional, tecnológico, político, econômico e cultural que configuram características da informação (públicas e sociais) contemporânea

Métodos: utiliza estudo exploratório como método e a pesquisa bibliográfica como um recurso de produção de dados.

Resultados: observa que, à luz da discussão proposta por Frohmann, a Coleção MAF enquanto documento (patrimônio) demanda análise de quatro características para reconhecimento de sua condição de informatividade: da sua materialidade, do local institucional que a acolhe, das estratégias que disciplinam a sua organização e a sua contingência histórica; sob o aspecto da sua materialidade, as práticas documentárias e rotinas institucionalizadas de organização da Coleção MAF definem o poder de inércia e resistência sobre a documentação dessa coleção definindo, por consequência, a vida documentária da Coleção MAF e os efeitos da sua institucionalização; em Riegl o valor de contemporaneidade (uso e arte) do monumento (patrimônio) pelo homem contemporâneo é essencial, nesse sentido propõe a discussão sobre ações de contextualização da Coleção MAF às novas funções e gosto pelo conhecimento do homem atual, mas ainda assim levando em conta aspectos do valor de rememoração (antiguidade e historicidade) nesse uso.

Conclusões: Recomenda a análise com mais acuidade dos valores de Riegl e respectiva aplicação como critério qualitativo para avaliação de obras raras e especiais, ou como recurso validador dos critérios já utilizados.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Lucileide Andrade de Lima do Nascimento, Universidade Federal do Espírito Santo (UFES).

Doutora em Ciência da Informação pela Universidade de Brasília (UnB) Profª Adjunta do Departamento de Biblioteconomia da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) Coordenadora adjunta do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal do Espírito Santo (PPGCI/Ufes)

Janete Aparecida Ferreira Martins, Pesquisadora autônoma.

Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes).

Referências

ACHIAMÉ, F. A. de M. Mário Aristides Freire: biobibliografia. Vitória, 2005. Disponível em: http://www.estacaocapixaba.com.br/2016/01/mario-aristides-freire-biobibliografia.html. Acesso em: 26 nov. 2019.

ALVES, A. N. Os Valores dos Monumentos: a importância de Riegl no passado e no presente. In: FILIPE, Graça; VALE, José; CASTAÑO, Inês (Coord.). Patrimonialização e sustentabilidade do património: reflexão e prospectiva. Lisboa: Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa, 2018. Disponível em: https://ihc.fcsh.unl.pt/patrimonializacao-sustentabilidade/. Acesso em: 17 abr. 2020.

AMARO, L. Una revisión de las aportaciones teóricas de Alois Riegl. Conversaciones..., ano 4, n. 5, p. 273-293, jun. 2018. Disponível em: https://www.academia.edu/37404237/Conversaciones_con..._Georg_Gottfried_Dehio_Alois_Riegl_y_Max_Dvorak_No_5_. Acesso em: 13 dez. 2019.

AZEVEDO, F. C. de; LINO, L. A. S. O Inventário da Biblioteca Lélio Gama: recuperação da memória e relevância para estudos afins. Anais da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, v.128, p.219-230, 2008. [Volume publicado em 2010]. Disponível em: htpp://objdigital.bn.br/acervo_digital/anais/anais_128_2008.pdf. Acesso em: 28 set. 2019.

CERNE, T. Bibliotecas particulares: intimidade, intelecto e cultura. Revista Biblioo: cultura informacional, Rio de Janeiro, 19 set. 2013. Disponível em: htpp://biblioo.info/bibliotecas-particulares. Acesso em: 28 jun.2017.

CHOAY, F. A Alegoria do patrimônio. São Paulo: Edições 70, 2006.

DODEBEI, V. O sentido e o significado do documento para a memória digital. FREITAS, L. S. de; MARCONDES, C. H.; RODRIGUES, A. C. Documento: gênese e contextos de uso. Niterói: EdUFF, 2010. p. 81-96.

DUARTE, Z.; FARIAS, L. O espólio incomensurável de Godofredo Filho: resgate da memória e estudo arquivístico. Salvador: ICI, 2005.

FABRIS, A. Os valores do monumento. In: RIEGL, A. O culto moderno dos monumentos: a sua essência e a sua origem. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2014. p. 9-21.

FERRANDO, T. L.; FREITAS, L. S. de. Documento e dispositivo: entre Bernd Frohmann e Michel Foucault. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 18., 2017, Marília. Anais... Marília: Ancib, 2017. Disponível em: <https://www.brapci.inf.br/index.php/res/v/105326>. Acesso em: 19 mar. 2020.

FOCAULT, M. A arqueologia do saber. Trad. de Luiz Felipe Baeta Neves. 7.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das Ciências Humanas. Trad. Salma Tannus Muchail. 8. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

FROHMANN, B. A documentação rediviva: prolegômenos a uma (outra) filosofia da informação. Morpheus: Revista Eletrônica em Ciências Humanas, ano 9, v.8, n.14, p. 227-249, 2012. Disponível em: http://www.seer.unirio.br/index.php/morpheus/article/view/4828. Acesso em: 12 abr. 2020.

FROHMANN, B. O caráter social, material e público da informação. In: FUJITA, Mariangela Spotti Lope; MARTELETO, Regina Maria; LARA, Marilda Lopes Gines de (Org.). A dimensão epistemológica da Ciência da Informação e suas interfaces técnicas, políticas e institucionais nos processos de produção, acesso e disseminação da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica; Marília: Fundepe Ed., 2008. p. 19-34.

GUGLIOTTA, A. C. Pensando e repensando o documento. RICI: R.Ibero-amer. Ci. Inf., ISSN 1983-5213, Brasília, v. 10, n. 2, p. 314-331, jul./dez. 2017. Disponível em: https://periodicos.furg.br/biblos/article/view/7117/5265. Acesso em: 12 abr. 2020.

LARA, M. L. G. de. Documento e significação na trajetória epistemológica da Ciência da Informação. In: FREITAS, L. S. de; MARCONDES, C. H.; RODRIGUES, A. C. (Org.). Documento: gênese e contextos de uso. Niterói: EdUFF, 2010. p.35-56.

LE GOFF, J. História e memória. 3. ed. Campinas: Ed. da Unicamp, 1994.

MARCONDES, C. H. Linguagem e documento: externalização, autonomia e permanência. In: FREITAS, L. S. de; MARCONDES, C. H.; RODRIGUES, A. C. (Org.). Documento: gênese e contextos de uso. Niterói: EdUFF, 2010. p.97-110.

MATTOS, L. O encontro da conservação de bens culturais e a psicanálise: uma metáfora possível. Conversaciones..., ano 4, n. 5, p. 365-377, jun. 2018. Disponível em: https://www.academia.edu/37404237/Conversaciones_con..._Georg_Gottfried_Dehio_Alois_Riegl_y_Max_Dvorak_No_5_. Acesso em: 13 dez. 2019.

MAZIVIERO, M. C. Influência e atualidade do pensamento riegliano. In: ENCONTRO DE HISTÓRIA DA ARTE, 5., 2009, Campinas. Anais... Campinas: IFCH/UNICAMP, 2009. p. 286-291. Disponível em: https://www.ifch.unicamp.br/eha/ atas/2009/MAZIVIERO,%20Maria%20Carolina%20-%20VEHA.pdf. Acesso em: 12 fev. 2020.

MURGUIA, E. I. Documento e instituição: produção, diversidade e verdade. In: FREITAS, L. S. de; MARCONDES, C. H.; RODRIGUES, A. C. (Org.). Documento: gênese e contextos de uso. Niterói: EdUFF, 2010. p.123-140.

ORTEGA, C. D. Sobre a configuração histórica da noção de documento em Ciência da Informação. In: FREITAS, L. S. de; MARCONDES, C. H.; RODRIGUES, A. C. (Org.). Documento: gênese e contextos de uso. Niterói: EdUFF, 2010. p.57-80.

RIEGL, A. El culto moderno a los monumentos: caracteres y origen. Madrid: Visor, 1987.

RIEGL, A. O culto moderno dos monumentos: a sua essência e a sua origem. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2014.

SALDANHA, G. Briet, antílope e linguagem: uma leitura da análise e da crítica da análise neodocumentalista. In: RENDÓN ROJAS, Miguel Ángel (Coord.). El ser, conocer y hacer en Bibliotecología/ Ciencia de la Información/ Documentación. México: UNAM, Instituto de Investigaciones Bibliotecológicas y de la Información, 2014. p. 3-26.

SALDANHA, G. O documento e a “via simbólica”: sob a tensão da “neodocumentação”. Informação Arquivística, v. 2, n.1, p. 65-88, jan./jun. 2013. Disponível em: http://www.aaerj.org.br/ojs/index.php/informacaoarquivistica/ article/view/17/13. Acesso em: 23 abr. 2020.

SALVO, S. Más que moderno, contemporáneo. Riegl y la protección del patrimonio cultural en la última década. Conversaciones..., ano 4, n. 5, p. 328-335, jun. 2018. Disponível em: https://www.academia.edu/37404237/Conversaciones_con..._Georg_Gottfried_Dehio_Alois_Riegl_y_Max_Dvorak_No_5_. Acesso em: 13 dez. 2019.

SANTOS, Paulo R. E. Arquivo pessoal, ciência e saúde pública: o arquivo Rostan Soares entre o laboratório, o campo e o gabinete. In: SILVA, M. C. S. M.; SANTOS, Paulo R. E. Arquivos pessoais: história, preservação e memória da ciência. Rio de Janeiro: Associação dos Arquivistas Brasileiros, 2012, p. 21-50.

SCHNEIDER, M. Competência crítica em informação (em 7 níveis) como dispositivo de combate à pós-verdade. In: BEZERRA, A. C. et al. iKritika: estudos críticos em informação. Rio de Janeiro: Garamond, 2019. p. 73-116.

Downloads

Publicado

2020-11-30

Como Citar

Nascimento, L. A. de L. do, & Martins, J. A. F. (2020). A materialidade da coleção mário aristides freire (maf) sob a ótica dos valores de monumento de Riegl. Encontros Bibli: Revista eletrônica De Biblioteconomia E Ciência Da informação, 25(Especial), 01-22. https://doi.org/10.5007/1518-2924.2020.e74206