Transição, plasticidade de fronteiras e identidade científica: presença e fluidez conceitual de um campo disciplinar em expansão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2021.e75448

Resumo

Objetivo: Ressaltando a identidade primária dos agentes inscritos no campo disciplinar da Ciência da Informação (CI), o estudo investiga a participação e movimentos transitórios de bolsistas de produtividade em CI, participantes da modalidade PQ, entre 2001 e 2017, em grupos de pesquisa registrados no Diretório de Pesquisa do CNPq.

Método: A pesquisa pauta a busca exploratória de informações concernentes ao objeto de estudo, visando, com isso, compreender elementos relacionados ou consequentes a ele. A dialética materialista auxilia na percepção sociológica do objeto de estudo proposto e no desvelamento dos movimentos envolvidos a ele. Para a análise da presença e dos movimentos transitórios, investiga: 83 bolsistas PQ; 133 grupos de pesquisas registrados no Diretório de Grupos de Pesquisa no Brasil; 233 linhas de pesquisa; 5 grandes áreas do conhecimento e 16 áreas do conhecimento. Em relação às 233 linhas de pesquisa, realiza um tratamento conceitual no intuito de apreender as temáticas de investigação realizadas nesses grupos e linhas de pesquisa.

Resultado: Percebe movimentações de transitoriedade dentro da mesma grande área do conhecimento (endógena) e em outras grandes áreas (exógena). Verifica movimentações exógenos em 14 dos 83 bolsistas PQ em Ciência da Informação nas seguintes Grandes Áreas do Conhecimento: Ciências da Saúde; Ciências Exatas e da Terra; Ciências Humanas; Linguísticas, Letras e Artes. Afere movimentos transitórios endógenos em 13 dos 83 bolsistas PQ selecionados para o estudo nas áreas de Administração, Comunicação, Economia, Museologia, Planejamento Urbano e Regional, e Serviço Social.  O léxico conceitual da CI foi verificado e percebido nos registros dos dois movimentos analisados.

Conclusões: A presença e a movimentação transitória configuram-se como um sistema de trocas simbólicas, promotor de expansões dos campos disciplinares envolvidos. Os bolsistas PQ em CI mantêm pulsante esse regime. São pesquisadores sensíveis e insistentes na busca, adaptação e promoção de novos conhecimentos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Willian Lima Melo, Universidade Federal de Alagoas

Professor do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Alagoas, mestre em Ciência da Informação pela UFPE e doutorando em Ciência da Informação pela UFPE

Leilah Santiago Bufrem, Universidade Federal de Pernambuco

Professora Visitante Sênior da
Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Recife, Brasil.

Anna Elizabeth Galvão Coutinho Correia, Universidade Federal de Pernambuco

Professora da Universidade Federal de Pernambuco, atua do Departamento de Ciência da Informação e no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. 

Referências

BARROS, J. D’A. Os conceitos: seus usos nas ciências humanas. Petrópolis: Vozes, 2016.

BOURDIEU, P. O campo científico. In: ORTIZ, R. (Org.). Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, 1983a. cap. 4, p. 122-155.

BUFREM, L. S. A prática da pesquisa e os quadros teóricos concorrentes no campo de produção científica em Ciência da Informação. P2P & Inovação, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 35-58, set./fev., 2018. Disponível em: http://revista.ibict.br/p2p/article/view/3983/3314. Acesso em: 14 mar. 2019.

BUFREM, L. S.; FREITAS, J. L. Interdomínios na literatura periódica científica da Ciência da Informação. Datagramazero, v. 16, n. 3, ago., 2015. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/download/50746. Acesso em: 13 jan. 2019.

COELHO NETTO, J. T. Semiótica, informação e comunicação. 7 ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

GIDDENS, A.; SUTTON, P. W. Conceitos essenciais da Sociologia. São Paulo: Editora Unesp, 2017.

GREIMAS, A. J. Semiótica e ciências sociais. São Paulo: Cultrix, 1981.

OLIVEIRA, E. F. T. Estudos métricos da informação no Brasil: indicadores de produção, colaboração, impacto e visibilidade. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2018.

SAUSSURE, F. Linguística da língua e linguística da fala. In: In: BALLY, C.; SECHEHAYE, A.; RIEDLINGER, A. (Org.). Curso de linguística geral. 27 ed. São Paulo: Cultrix, 2006. cap. 4, p. 26-28.

SHINN, T. Regimes de produção e difusão de ciência: rumo a uma organização transversal do conhecimento. Scientiae Studia, São Paulo, v.6, n.1, p. 11-42, 2008b. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-31662008000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=pt.Acesso em: 5 dez 2018.

SHINN, T.; RAGOUET, P. Controvérsias sobre a ciência: por uma sociologia transversalista da atividade científica. São Paulo: Associação Filosófica Scientiae Studia: Editora 34, 2008.

Downloads

Publicado

2021-04-21

Como Citar

Melo, W. L., Bufrem, L. S., & Correia, A. E. G. C. (2021). Transição, plasticidade de fronteiras e identidade científica: presença e fluidez conceitual de um campo disciplinar em expansão. Encontros Bibli: Revista eletrônica De Biblioteconomia E Ciência Da informação, 26, 01-21. https://doi.org/10.5007/1518-2924.2021.e75448

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>