Transição, plasticidade de fronteiras e identidade científica: presença e fluidez conceitual de um campo disciplinar em expansão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2021.e75448

Palavras-chave:

Transitoriedade, Grupos de Pesquisa, Bolsistas de Produtividade, Trocas Simbólicas, Conceitos

Resumo

Objetivo: Ressaltando a identidade primária dos agentes inscritos no campo disciplinar da Ciência da Informação (CI), o estudo investiga a participação e movimentos transitórios de bolsistas de produtividade em CI, participantes da modalidade PQ, entre 2001 e 2017, em grupos de pesquisa registrados no Diretório de Pesquisa do CNPq.

Método: A pesquisa pauta a busca exploratória de informações concernentes ao objeto de estudo, visando, com isso, compreender elementos relacionados ou consequentes a ele. A dialética materialista auxilia na percepção sociológica do objeto de estudo proposto e no desvelamento dos movimentos envolvidos a ele. Para a análise da presença e dos movimentos transitórios, investiga: 83 bolsistas PQ; 133 grupos de pesquisas registrados no Diretório de Grupos de Pesquisa no Brasil; 233 linhas de pesquisa; 5 grandes áreas do conhecimento e 16 áreas do conhecimento. Em relação às 233 linhas de pesquisa, realiza um tratamento conceitual no intuito de apreender as temáticas de investigação realizadas nesses grupos e linhas de pesquisa.

Resultado: Percebe movimentações de transitoriedade dentro da mesma grande área do conhecimento (endógena) e em outras grandes áreas (exógena). Verifica movimentações exógenos em 14 dos 83 bolsistas PQ em Ciência da Informação nas seguintes Grandes Áreas do Conhecimento: Ciências da Saúde; Ciências Exatas e da Terra; Ciências Humanas; Linguísticas, Letras e Artes. Afere movimentos transitórios endógenos em 13 dos 83 bolsistas PQ selecionados para o estudo nas áreas de Administração, Comunicação, Economia, Museologia, Planejamento Urbano e Regional, e Serviço Social.  O léxico conceitual da CI foi verificado e percebido nos registros dos dois movimentos analisados.

Conclusões: A presença e a movimentação transitória configuram-se como um sistema de trocas simbólicas, promotor de expansões dos campos disciplinares envolvidos. Os bolsistas PQ em CI mantêm pulsante esse regime. São pesquisadores sensíveis e insistentes na busca, adaptação e promoção de novos conhecimentos.

Biografia do Autor

Willian Lima Melo, Universidade Federal de Alagoas

Professor do curso de Biblioteconomia da Universidade Federal de Alagoas, mestre em Ciência da Informação pela UFPE e doutorando em Ciência da Informação pela UFPE

Leilah Santiago Bufrem, Universidade Federal de Pernambuco

Professora Visitante Sênior da
Universidade Federal de Pernambuco, Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Recife, Brasil.

Anna Elizabeth Galvão Coutinho Correia, Universidade Federal de Pernambuco

Professora da Universidade Federal de Pernambuco, atua do Departamento de Ciência da Informação e no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. 

Referências

BARROS, J. D’A. Os conceitos: seus usos nas ciências humanas. Petrópolis: Vozes, 2016.

BOURDIEU, P. O campo científico. In: ORTIZ, R. (Org.). Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, 1983a. cap. 4, p. 122-155.

BUFREM, L. S. A prática da pesquisa e os quadros teóricos concorrentes no campo de produção científica em Ciência da Informação. P2P & Inovação, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 35-58, set./fev., 2018. Disponível em: http://revista.ibict.br/p2p/article/view/3983/3314. Acesso em: 14 mar. 2019.

BUFREM, L. S.; FREITAS, J. L. Interdomínios na literatura periódica científica da Ciência da Informação. Datagramazero, v. 16, n. 3, ago., 2015. Disponível em: http://www.brapci.inf.br/index.php/article/download/50746. Acesso em: 13 jan. 2019.

COELHO NETTO, J. T. Semiótica, informação e comunicação. 7 ed. São Paulo: Perspectiva, 2014.

GIDDENS, A.; SUTTON, P. W. Conceitos essenciais da Sociologia. São Paulo: Editora Unesp, 2017.

GREIMAS, A. J. Semiótica e ciências sociais. São Paulo: Cultrix, 1981.

OLIVEIRA, E. F. T. Estudos métricos da informação no Brasil: indicadores de produção, colaboração, impacto e visibilidade. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2018.

SAUSSURE, F. Linguística da língua e linguística da fala. In: In: BALLY, C.; SECHEHAYE, A.; RIEDLINGER, A. (Org.). Curso de linguística geral. 27 ed. São Paulo: Cultrix, 2006. cap. 4, p. 26-28.

SHINN, T. Regimes de produção e difusão de ciência: rumo a uma organização transversal do conhecimento. Scientiae Studia, São Paulo, v.6, n.1, p. 11-42, 2008b. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-31662008000100002&lng=en&nrm=iso&tlng=pt.Acesso em: 5 dez 2018.

SHINN, T.; RAGOUET, P. Controvérsias sobre a ciência: por uma sociologia transversalista da atividade científica. São Paulo: Associação Filosófica Scientiae Studia: Editora 34, 2008.

Downloads

Publicado

2021-04-21

Como Citar

Melo, W. L., Bufrem, L. S., & Correia, A. E. G. C. (2021). Transição, plasticidade de fronteiras e identidade científica: presença e fluidez conceitual de um campo disciplinar em expansão. Encontros Bibli: Revista eletrônica De Biblioteconomia E Ciência Da informação, 26, 01-21. https://doi.org/10.5007/1518-2924.2021.e75448

Edição

Seção

Artigo