Da Xilogravura na matriz à digital

Autores

  • Karcia Lúcia Oliveira Dias Universidade Federal da Paraíba - Departamento de Ciência da Informação https://orcid.org/0000-0003-2434-7618
  • Bernardina Maria Juvenal Freire de Oliveira Universidade Federal da Paraíba
  • Maria Elizabeth Baltar Carneiro de Albuquerque Universidade Federal da Paraíba https://orcid.org/0000-0003-4934-5918

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2022.e87170

Palavras-chave:

Xilogravura digital, memória social, identidade cultural, fonte de informação

Resumo

Objetivo: Apresentar o processo de transição da xilogravura na matriz à digital, ou seja, iniciando pelo suporte físico (tradicional) à representação gráfica intermediada pelas mídias digitais. Método: Trata-se de uma pesquisa de caráter bibliográfico assentada em livros e artigos científicos, que serviram como norteador na produção do estudo. Diante disso, foi realizada uma revisão da literatura para contextualizar o tema abordado. Resultado: Verificaram-se as técnicas utilizadas no processo de xilogravura na matriz ao digital. É uma arte popular que contribui de forma significativa para o patrimônio cultural de um grupo social que determina a identidade cultural de um povo. Conclusões: A transição da xilogravura tradicional para a digital ocasionou tanto a disseminação quanto a produção destas, uma vez que os modelos digitais denotam a variedade de categorias de produção de gravuras inseridas no espectro das representações técnicas, o que viabiliza a preservação e o acesso dessa arte nos acervos online e proporciona o acesso à informação na sociedade do presente.

Biografia do Autor

Karcia Lúcia Oliveira Dias, Universidade Federal da Paraíba - Departamento de Ciência da Informação

Mestranda em Ciência da Informação (UFPB); Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Ciência da Informação, João Pessoa, Brasil.

Bernardina Maria Juvenal Freire de Oliveira, Universidade Federal da Paraíba

Doutora em Letras (UFPB); Professora Adjunta (DCI/UFPB); Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Ciência da Informação, João Pessoa, Brasil.

Maria Elizabeth Baltar Carneiro de Albuquerque, Universidade Federal da Paraíba

Pós-doutorado em Ciência da Informação (USP); Professora Titular (DCI/UFPB); Universidade Federal da Paraíba, Departamento de Ciência da Informação, João Pessoa, Brasil.

Referências

ALMEIDA, M. E. B. de. Educação a distância na internet: abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. Educação e Pesquisa, São Paulo, v.29, n.2, p. 327-340, jul./dez. 2003.

ALVES, C. A.; DUARTE, E. N. Cultura e informação: uma interface complexa e definidora na vida das organizações. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, São Paulo, v. 10, n. 1, p. 2-20, jul. 2014.

ASSIS, R. A. de; CALLEGARO, C. M.; CALLEGARO, T. Literatura de cordel como fonte de informação.CRB-8 Digital, São Paulo, v. 5, ed. 1, p. 3-21, 2012.

ASSMANN, H. A metamorfose do aprender na sociedade da informação. Ci. Inf., Brasília, v. 29, n. 2, p. 7-15, maio/ago. 2000.

BRASIL. Comunicação Para Efeito de Registro do Bem Cultural de Natureza Imaterial Denominado “Literatura de Cordel” Como Patrimônio Cultural do Brasil. Diário Oficial da União. Brasília, DF. 20 ago. 2018. Seção3, p. 12.

BRITO, G. M. G. de. O universo das imagens técnicas e a xilogravura na sociedade midiática: um estudo de caso na perspectiva teórica de Vilém Flusser. 2016. 102 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN, Natal-RN, 2016.

BURKE, P. Uma história social do conhecimento: de Gutemberg a Diderot. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

CANDAU, J. Memória e Identidade. Tradução: Maria Letícia Ferreira. São Paulo: Contexto, 2012.

CAPURRO, R.; HJORLAND, B. O conceito de informação. Perspectivas em Ciência da Informação. 2007, v. 12, n. 1, p. 148-207.

CARVALHO, G. de. A xilogravura de Juazeiro do Norte. Fortaleza: IPHAN, 2014.

COSTELLA, A. F. Xilogravuras: manual prático. Campos do Jordão, SP: Mantiqueira, 2003.

COSTELA, A. F. Introdução à gravura e a sua história. Campos do Jordão: Mantiqueira, 2006.

FRANCASTEL, P. Realidade Figurativa. Traduzido por Mary Amazonas Leite de Barros. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2011.

GABRIEL, A. L. Xilografia como expressão da cultura popular. 2012. 56 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Artes Visuais) - Universidade Aberta do Brasil (UAB)/Instituto de Artes (IdA)/Universidade de Brasília (UnB), Posse-Go, 2012.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GOMBRICH, E. H. A história da arte. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1993.

FRANKLIN, J. Xilogravura popular na literatura de cordel. Brasília: LGE, 2007.

MELO, R. A. de. Arcanos do verso: trajetórias da literatura de cordel. Fortaleza: 7 Letras, 2010.

MELLO, B. A. A. Tradições discursivas do Exempla: da idade média aos folhetos de cordel. Revista do GELNE, Natal, RN, v.18, n.2, p.247-275, 2016.

PASSOS, E.; BARROS, L. V. Fontes de informação para pesquisa em direito. Brasília: Briquet de Lemos, 2009.

PERNIOLA, M. Pensando o ritual: sexualidade, morte, mundo. São Paulo: Estúdio Nobel, 2000.

RODRIGUES, D. Patrimônio cultural, memória social e identidade: uma abordagem antropológica. Revista Ubimuseum, v. 1, p. 45-52, 2012.

SANTOS, R. F. Indexação de xilogravuras à luz da Semântica Discursiva. Informação & Sociedade: Estudos, v. 30, n. 2, 2020.

SANTOS, R. F. dos. Indexação de xilogravuras em versos: a representação entre o real e o imaginário coletivo. 2019. 245 f. Tese (Doutorado do Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação), Universidade Federal da Paraíba (PPGCI/UFPB), João Pessoa – PB, 2019.

SARLO, P. As interfaces da gravura digital. Revista do Colóquio de Arte e Pesquisa do PPGA-UFES, Vitória, n. 5, p. 271-282, dez. 2013.

SEBASTIÁN, M. C.; RODRÍGUES, E. M. M.; MATEOS, D. R. La necesidad de políticas de información ante la nueva sociedad globalizada. El caso español. Ci. Inf., Brasília, v. 29, n. 2, p. 22-36, maio/ago. 2000.

SILVA, W. R. da. Xilogravura digital colorida: passado e presente em permuta. Palíndromo, v. 12, ed. 26, p. 296-302, jan-abr. 2020.

SILVA, W. R. da; SANTOS, L. C. dos. Processos de permuta entre Xilogravura e Gravura Digital. [Anais...] V Seminário de Iniciação Cientifica: talentos da ciência e tecnologia em ação. UNIFESSPA, set. 2019.

SILVA, W. R. da; SANTOS FILHO, A. S. dos; OLIVEIRA, A. D. de. Por que introduzir o processo de Xilogravura Histórica e Digital no sudeste do Pará?. Revista do Colóquio, v. 1, n. 17, p. 2358-3169, dez. 2019.

SILVA JÚNIOR, J. E. da; OLIVEIRA, A. L. T. de. Patrimônio cultural, identidade e memória social: suas interfaces com a sociedade. Ci. Inf. Rev., Maceió, v. 5, n. 1, p. 3-10, jan./abr. 2018.

SOARES, M. Curso-oficina de iniciação à xilogravura. Timbaúba, 2006.

TEMÓTEO, J. A xilogravura de Walderêdo Gonçalves no contexto da cultura popular do Cariri. Crato: A Província, 2002.

YATES, F. A arte da memória. Campinas: Unicamp, 2007.

Downloads

Publicado

2022-09-09

Como Citar

DIAS, . L. O.; MARIA JUVENAL FREIRE DE OLIVEIRA, .; BALTAR CARNEIRO DE ALBUQUERQUE, . E. Da Xilogravura na matriz à digital . Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, [S. l.], v. 27, n. 1, p. 1–21, 2022. DOI: 10.5007/1518-2924.2022.e87170. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/87170. Acesso em: 8 dez. 2022.