Retrato dos Estudos Feministas, de Mulheres e de Gênero no Brasil (1971-2019): a consolidação do campo científico, aprendizados e desafios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2023.e92103

Palavras-chave:

Estudos Feministas, Estudos de Mulheres, Estudos de Gênero, Produção científica brasileira, Ciência brasileira, Cientometria

Resumo

Objetivo: Discutir a consolidação dos Estudos Feministas, de Mulheres e de Gênero (EF) como campo científico no Brasil; identificar intersecções sociais e acadêmicas entre o contexto histórico e político de lutas feministas e os avanços científicos que dele se desdobram; problematizar desafios a serem superados na produção do campo.

Método: Em abordagem quanti-qualitativa, parte-se de análises métricas de artigos brasileiros publicados entre 1971 e 2019 e indexados na base de dados 1Findr, dando ênfase às principais palavras-chave que tematizaram as pesquisas desenvolvidas no campo ao longo de cada década. Buscando complexificar a análise da ciência produzida nos EF, costuramos seus próprios saberes à discussão cientométrica.

Resultados: Constatou-se: (a) consonância dos movimentos científicos com aqueles de fora das universidades ao longo das décadas; (b) limitações dos feminismos liberais, brancos e eurocêntricos ainda hoje persistentes; (c) proeminência dos feminismos plurais – notadamente do feminismo negro – e das coalizões estratégicas possíveis; (d) relevância da inserção do movimento LGBTQIA+ no campo.

Conclusões: A produção acadêmica dos EF é uma conquista do próprio movimento social que lhes dá origem e reflete suas potencialidades e limitações em relação a seus sujeitos políticos. Destaca-se o caráter exponencial do crescimento da produção interdisciplinar interessada na perspectiva feminista, de mulheres e de gênero na ciência brasileira, embora ainda haja relevantes desafios e lacunas. Como tarefa urgente, indica-se a necessidade de incorporação de uma perspectiva plural, interseccional e relacional à pesquisa na área, que combata narrativas hegemônicas e homogeneizantes também dentro de um movimento social e científico de resistência.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natascha Helena Franz Hoppen, Federal University of Rio Grande do Sul

Doutora e mestra em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Bibliotecária na Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação da UFRGS, responsável pelos periódicos Em Questão e Intexto. Pesquisadora no Grupo de Pesquisa Comunicação Científica da UFRGS, editora associada da Em Questão e parecerista ad hoc de periódicos de Ciência da Informação e áreas afins. Militante feminista autônoma.

Bruna Dalmaso-Junqueira, Federal University of Rio Grande do Sul

Doutoranda e mestra em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, no Grupo de Pesquisas e Estudos em Sociologia da Educação, e militante feminista autônoma. Pesquisadora colaboradora dos projetos "A Aliança Conservadora, o Estado e as Políticas Educacionais no Brasil" e "Expatriamento, Trabalho e Histórias de Vida".

Referências

ALMEIDA, Gláucia; HEILBORN, Maria Luiza. Não somos mulheres gays: identidade lésbica na visão de ativistas brasileiras. Revista Gênero, Niterói, v. 9, n. 1, p. 225-249, 2008. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistagenero/article/view/30947. Acesso em: 26 jun. 2023.

ANDRADE, Sandra dos Santos; MEYER, Dagmar Elisabeth Estermann; BARZOTTO, Carlos Eduardo. Transversalidade de gênero em políticas públicas: uma revisão de literatura. Revista Prâksis, São Leopoldo, v. 16, n. 2, p. 80-106, 2019.

Disponível em: https://doi.org/10.25112/rpr.v2i0.1816. Acesso em: 26 jun. 2023.

ARCHAMBAULT, Éric. Acesso Aberto – rotas rumo à universalização: vias douradas, verdes, híbridas, outras. In: CONFERÊNCIA SCIELO 20 ANOS, 2018. São Paulo. [Painelistas...] São Paulo: SciELO, 2018. Palestra conferida no evento SciELO 20 anos, com lançamento da base de dados 1Findr 28 set. 2018. Disponível em: https://www.scielo20.org/painelistas/eric-archambault/index.html. Acesso em: 26 abr. 23.

BARRA, Claudia Cabral M. Moro. Interdisciplinaridade: desafios para pesquisa e publicação. Fisioterapia Movimento, Curitiba, v. 26, n. 4, p. 711-712, set./dez. 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0103-51502013000400001. Acesso em: 26 jun. 2023.

BEARTH, Joice. Empoderamento. São Paulo: Sueli Carneiro; Editora Pólen, 2019.

BIROLI, Flávia; VAGGIONE, Juan Marco; MACHADO, Maria das Dores Campos. Gênero, Neoconservadorismo e Democracia: disputas e retrocessos na América Latina. São Paulo: Boitempo, 2020.

BRABO, Tânia Suely Antonelli Marcelino. Educação e democracia: o papel do movimento feminista para a igualdade de gênero na escola. Ex aequo, [S. l.], n. 17, p. 155-165, 2008. Disponível em: https://scielo.pt/pdf/aeq/n17/n17a10.pdf. Acesso em: 27 abr. 2023.

BRASIL. Lei 11.340, de 7 de agosto de 2006. Cria mecanismos para coibir a violência doméstica e familiar contra a mulher, nos termos do § 8o do art. 226 da Constituição Federal, da Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra as Mulheres e da Convenção Interamericana para Prevenir, Punir e Erradicar a Violência contra a Mulher; dispõe sobre a criação dos Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher; altera o Código de Processo Penal, o Código Penal e a Lei de Execução Penal; e dá outras providências. Diário Oficial [da] União, Brasília, 8 ago. 2006.

BRILHANTE, Aline Veras Morais et al. Um estudo bibliométrico sobre a violência de gênero. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 25, n. 3, p. 703-715, 2016. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-12902016148937. Acesso em: 26 jun. 2023.

BRUM, Eliane. As mulheres que dizem não. El País, 25 dez. 2017. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/12/25/opinion/1514215938_126857.html. Acesso em: 9 set. 2022.

BRUSCHINI, Cristina; ARDAILLON, Danielle; UNBEHAUM, Sandra Gouretti. Tesauro para estudos de gênero e sobre mulheres. São Paulo: Editora 34, 1998. Disponível em: https://www.fcc.org.br/conteudosespeciais/tesauro/arquivos/TPEDGESM.pdf. Acesso em: 26 jun. 2023.

BUFREM, Leilah Santiago; NASCIMENTO, Bruna Silva. A questão do gênero na literatura em Ciência da Informação. Em Questão, Porto Alegre, v. 18, n. esp., p. 199-214, 2012. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/33285. Acesso em: 26 jun. 2023.

CARNEIRO, Sueli. Sueli Carneiro. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (org.). Explosão Feminista: arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p.439-446.

CORRÊA, Mariza. Do feminismo aos estudos de gênero no Brasil: um exemplo pessoal. Cadernos Pagu, Campinas, n. 16, p. 13–30, 2001. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-83332001000100002. Acesso em: 26 jun. 2023.

COSTA, Ana Alice Alcantara. O movimento feminista no Brasil: dinâmicas de uma intervenção política. Revista Gênero, Niterói, v. 5, n. 2, p. 1-20, 2013. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistagenero/article/view/31137. Acesso em: 26 jun. 2023.

DEVIDE, Fabiano Pries et al. Estudos de gênero na Educação Física Brasileira. Motriz, Rio Claro, v. 17, n. 1, p. 93-103, 2011.

DINIZ, Débora; FOLTRAN, Paula. Gênero e feminismo no Brasil: uma análise da Revista Estudos Feministas. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, p. 245-253, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2004000300026. Acesso em: 26 jun. 2023.

DINIZ, Debora; GERBARA, Ivone. Esperança Feminista. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2022.

ESPÍRITO SANTO, Patrícia. Os estudos de gênero na Ciência da Informação. Em Questão, Porto Alegre, v. 14, n. 2, p. 317-332, 2008. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/EmQuestao/article/view/6389. Acesso em: 26 jun. 2023.

FERREIRA, Márcia Ondina Vieira. O campo do gênero na Anped: hipóteses em construção. In: DAL'IGNA, Maria Cláudia; POCAHY, Fernando (orgs.). Produção de Conhecimento em Gênero, Sexualidade e Educação: subversões, resistências e reexistências. São Paulo: Pimenta Cultural, 2021.

FORATTINI, Oswaldo Paulo. A língua franca da ciência. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 31, n. 1, p. 3-8, 1997. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-89101997000100002. Acesso em: 26 jun. 2023.

GONZÁLEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, São Paulo, p. 223-244, 1984.

GONZÁLEZ, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano. In: CÍRCULO PALMARINO. AfroLatinoAmérica: caderno de formação política n.1: batalha de ideias. São Paulo: Círculo Palmarino, 2011.

GREGORI, Maria Filomena. Estudos de gênero no Brasil (comentário crítico). In: MICELI, Sérgio (org.). O que ler na ciência social Brasileira (1970-1995). São Paulo: Sumaré, 1999. p. 223–235.

GROSSI, Miriam Pillar. A Revista Estudos Feministas faz 10 anos: uma breve história do feminismo no Brasil. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 12, p. 211-221, 2004. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2004000300023. Acesso em: 26 jun. 2023.

HEILBORN, Maria Luiza; SORJ, Bila. Estudos de gênero no Brasil. In: MICELI, Sérgio (org.). O que ler na ciência social brasileira (1970-1995). São Paulo: Sumaré, 1999. p. 183-221/1-28.

HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Explosão Feminista: arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

hooks, bell. O Feminismo é para Todo Mundo: políticas arrebatadoras. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 2019a.

hooks, bell. Teoria Feminista: da margem ao centro. São Paulo: Perspectiva, 2019b.

hooks, bell. Erguer a Voz: pensar como feminista, pensar como negra. São Paulo: Elefante, 2019c.

IMPRENSA internacional destaca negacionismo de Bolsonaro ao noticiar contaminação. O Globo, Rio de Janeiro, 7 jul. 2020. Disponível em: https://oglobo.globo.com/politica/imprensa-internacional-destaca-negacionismo-de-bolsonaro-ao-noticiar-contaminacao-24519864. Acesso em: 18 mar. 2022.

LACERDA, Marina Basso. O Novo Conservadorismo Brasileiro: de Reagan a Bolsonaro. Porto Alegre: Zouk, 2019.

LEVY, Maria Stella et al. O registro de nascimento e sua importância em planejamento materno-infantil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 41-46, 1971. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-89101971000100004. Acesso em: 26 jun. 2023.

LOPES, Fernanda Tarabal; COSTA, Alessandra de Sá Mello da. Political exile in the post-2019 Brazilian context: history of exile and work-existence/resistance of a Brazilian intellectual. Cadernos EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 19, n. 2, p. 307-324, abr. 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1679-395120200038. Acesso em: 25 mar. 2023.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, história e educação: construção e desconstrução. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 101-132, 1995. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/71722. Acesso em: 26 jun. 2023.

LÖWY, Ilana. Ciências e gênero. In: HIRATA, Helena et al (org.). Dicionário Crítico do Feminismo. São Paulo: Editora Unesp, 2009. p. 40-44.

MATOS, Marlise. Movimento e teoria feminista: é possível reconstruir a teoria feminista a partir do Sul Global. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, v. 18, n. 36, p. 67-92, 2010. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-44782010000200006. Acesso em: 26 jun. 2023.

MATOS, Gislaine Imaculada de. Estudos de gênero e feminismos: uma análise bibliométrica da Revista Estudos Feministas. 2018. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Marília, 2018. Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/152680. Acesso em: 26 jun. 2023.

MCMANUS, Concepta; NEVES, Abilio Afonso Baeta. Production profiles in Brazilian Science, with special attention to social sciences and humanities. Scientometrics, Hoboken, v. 126, p. 2413-2435, 2021. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s11192-020-03452-2. Acesso em: 26 jun. 2023.

MEADOWS, Arthur Jack. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos, 1999.

MICELI, Sérgio. A Fundação Ford e os cientistas sociais no Brasil, 1962-1992. In: MICELI, Sérgio (org.). Histórias das Ciências Sociais no Brasil. São Paulo: Sumaré, 1995. v. 2, p. 341–396.

MINELLA, Luzinete Simões. Temáticas prioritárias no campo de gênero e ciências no Brasil: raça/etnia, uma lacuna? Cadernos Pagu, Campinas, n. 40, p. 95-140, 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0104-83332013000100003. Acesso em: 26 jun. 2023.

NARVAZ, Martha Giudice. A (in)visibilidade do gênero na psicologia acadêmica: onde os discursos fazem(se) política. 2009. Tese (Doutorado em Psicologia) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/18884. Acesso em: 26 jun. 2023.

OLIVEIRA, Denise Cristina et al. Interdisciplinaridade e avaliação Capes: um estudo de caso de um programa indisciplinado. Revista Scientiarum Historia, Rio de Janeiro, v. 1, e227, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.51919/revista_sh.v1i1.227. Acesso em: 26 jun. 2023.

PHILLIPS, Dom. New generation of political exiles leave Bolsonaro's Brazil 'to stay alive'. The Guardian, 11 jul. 2019. Disponível em: https://www.theguardian.com/world/2019/jul/11/brazil-political-exiles-bolsonaro. Acesso em: 9 set. 2022.

PINHEIRO-MACHADO, Rosana. Amanhã Vai Ser Maior: o que aconteceu com o Brasil e possíveis rotas de fuga. São Paulo: Planeta do Brasil, 2019.

PINTO, Céli Regina Jardim. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003.

PITANGUY, Jacqueline. Jacqueline Pitanguy. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (org.).. Explosão Feminista: arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p. 447-465.

QUINALHA, Renan. O significado da epidemia de HIV/Aids para a comunidade LGBTI+. Diadorim, 3 jan. 2021. Disponível em: https://www.adiadorim.org/post/o-que-significou-a-epidemia-do-hiv-aids-para-a-comunidade-lgbti. Acesso em 12 nov. 2021.

RAGO, Margareth. Descobrindo historicamente o gênero. Cadernos Pagu, Campinas, n. 11, p. 89-98, 1998. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/8634465. Acesso em: 26 jun. 2023.

RELLER, Tom. Elsevier acquires Science-Metrix Inc., provider of research analytics services and data. Elsevier [press release], New York, Dec. 19, 2018. Disponivel em: https://www.elsevier.com/about/press-releases/corporate/elsevier-acquires-science-metrix-inc-provider-of-research-analytics-services-and-data. Acesso em: 26 abr. 23.

RIOS, Flávia. Por um feminismo radical. In: VERGÈS, François. Um Feminismo Decolonial. São Paulo: Ubu Editora, 2020. p. 7-11.

SANTIN, Dirce Maria. Ciência mainstream e periférica da América Latina e Caribe: configurações e padrões de especialização. 2019. Tese (Doutorado em Comunicação e Informação) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2019. Disponível em: http://hdl.handle.net/10183/193701. Acesso em: 26 jun. 2023.

SARDENBERG, Cecilia Maria Bacellar; COSTA, Ana Alice Alcântara. Feminismos no Brasil: enunciando e canalizando demandas das mulheres em sua diversidade. Labrys: estudos feministas, [S. l.], v. 20/21, 2011.

SCHUCK, Elena de Oliveira. Conhecimento e espaços de poder: trajetórias da pesquisa acadêmica feminista no Brasil. Inclusão Social, Brasília, v. 11, n. 2, p. 30-43, 2018. Dosponível em: https://revista.ibict.br/inclu

sao/article/view/4107. Acesso em: 26 jun. 2023

SCIENCE-METRIX. 1Findr. Monstréal: Science-Metrix, 2018. Disponível em: https://science-metrix.com/. Acesso em: 26 jun. 2023.

SILVA, Susana Veleda da. Os estudos de gênero no Brasil: algumas considerações. Biblio 3W: revista bibliográfica de geografía y ciencias sociales, Barcelona, v. 5, n. 262, 2000. Disponível em: http://repositorio.furg.br/handle/1/1212. Acesso em: 26 jun. 2023.

SILVA, Cidinha da. Feminismo negro: de onde viemos: aproximações de uma memória. In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de (org.). Explosão Feminista: arte, cultura, política e universidade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. p. 252-260.

SÖDERLUND, Therese; MADISON, Guy. Characteristics of gender studies publications: a bibliometric analysis based on a Swedish population database. Scientometrics, Dordrecht, v. 105, n. 3, p. 1347-1387, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s11192-015-1702-7. Acesso em: 26 jun. 2023.

SORJ, Bila. O cuidado na nova agenda de combate à violência no Brasil. In: ABREU, Alice Rangel; HIRATA, Helena; LOMBARDI, Maria Rosa (org.). Gênero e Trabalho no Brasil e na França: perspectivas interseccionais. São Paulo: Boitempo, 2016. p. 257-265.

SOUZA, Cecilia de Mello e. Dos estudos populacionais à saúde reprodutiva. In: BROOKE, Nigel; WITOSHYNSKY, Mary (org.). Os 40 anos da Fundação Ford no Brasil: uma parceria para a mudança social. São Paulo: USP, 2002. p. 131-165.

TARGINO, Maria das Graças. Comunicação científica: uma revisão dos seus elementos básicos. Informação & Sociedade, João Pessoa, v. 10, n. 2, pp. 37-85, 2000. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/326. Acesso em: 26 jun. 2023.

TOMAZ, Renata. Feminismo, maternidade e mídia: relações historicamente estreitas em revisão. Galáxia, São Paulo, n. 29, p. 155-166, 2015. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1982-25542015120031. Acesso em: 26 jun. 2023.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Grupo de Estudos de Gênero Educação e Cultura Sexual. Ariadne: democratizando o conhecimento: a construção de uma base de dados sobre gênero, sexualidade e educação formal como subsídio para a formação de agendas e ações de políticas governamentais e não governamentais [base de dados]. São Paulo, 2008.

Disponível em: http://www2.fe.usp.br/~ariadne/. Acesso em: 26 jun. 2023.

VELHO, Léa Maria Leme Strini. A avaliação do desempenho científico. Cadernos USP, São Paulo, n. 1, p. 22-40, 1986.

VELHO, Léa Maria Leme Strini. A ciência e seu público. Transinformação, Campinas, v. 9, n. 3, p. 15-32, 1997. Disponível em: https://periodicos.puc-campinas.edu.br/transinfo/article/view/1575. Acesso em: 26 jun. 2023.

VIEIRA, Ana Sara et al. Faces de Eva: uma análise bibliométrica. Faces de Eva: estudos sobre a mulher, Lisboa, n. 36, p. 34-60, 2016. Disponível em: https://scielo.pt/pdf/eva/n36/n36a05.pdf. Acesso em: 26 jun. 2023.

WEINER, Gaby. Feminisms in Education: an introduction. Buckingham; Philadelphia: Open University Press, 1994.

WITT, Aracy. Alguns conhecimentos sôbre nutrição ligados à gestação e ao puerpério. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 97-102, 1971. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S0034-89101971000100012. Acesso em: 26 jun. 2023.

ZIRBEL, Ilze. Estudos feministas e estudos de gênero no Brasil: um debate. 2007. Dissertação (Mestrado em Sociologia Política) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2007. Disponível em: http://repositorio.ufsc.br/xmlui/handle/123456789/90380. Acesso em: 26 jun. 2023.

Arquivos adicionais

Publicado

2023-08-15

Como Citar

HOPPEN, Natascha Helena Franz; DALMASO-JUNQUEIRA, Bruna. Retrato dos Estudos Feministas, de Mulheres e de Gênero no Brasil (1971-2019): a consolidação do campo científico, aprendizados e desafios . Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, [S. l.], v. 28, p. 1–37, 2023. DOI: 10.5007/1518-2924.2023.e92103. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/92103. Acesso em: 22 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.