As Infâncias na Ciência da Informação: onde a práxis é o esperançar mais vivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1518-2924.2024.e95195

Palavras-chave:

Infância, Ciência da Informação, Ideologia, Teoria crítica da informação, Competência Crítica em informação

Resumo

Objetivo: As pesquisas de usuários atestam que as crianças estão consumindo e produzindo conteúdos em ambientes informacionais digitais que ora desconsideram, ora exploram suas vulnerabilidades ou necessidades. São ambientes que operam um novo tipo de sistema econômico, que busca modular o comportamento das pessoas monetizando dados por meio de vigilância ininterrupta. Nesse sentido, o objetivo deste trabalho é apresentar fundamentos e propostas sobre por que e como as infâncias precisam ser tratadas pela Ciência da Informação.

Método: Este texto tem como método a pesquisa teórica em base bibliográfica. Parte-se aqui da crítica benjaminiana a abordagens metafísicas e instrumentais, e toma-se a criança como um ser social em construção, de linguagens, culturas e a saberes próprios. O tema é abordado baseando-se na visão da criança como um sujeito que desde os primeiros anos é determinante e determinado historicamente. Enxerga-se a infância como parte importante de um momento histórico.

Resultado: Como resultado de nossa análise teórica, explicitamos possibilidades de uso da teoria crítica da informação para composição de diagnósticos e propomos o caminho da competência crítica em informação que, de mãos dadas à pedagogia crítica, visa fornecer à criança uma consciência em prol de sua autonomia como indivíduo.

Conclusões: este estudo conclui que a Ciência da Informação possui importantes bases conceituais e suficiente ferramental de análise para constituir-se como suporte ao desenvolvimento de práticas emancipatórias para as infâncias contemporâneas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcia Azen, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) e Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) - PPGCI/IBICT-UFRJ. Mestra em Ciência da Informação pelo PPGCI/IBICT-UFRJ e graduada em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda pela UFRJ. Bolsista CAPES no doutorado e CNPq no mestrado, integra o Grupo de Pesquisa Escritos - Estudos Críticos em Informação, Tecnologia e Organização Social.

Talita Figueiredo, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI/IBICT/UFRJ). Mestre em Ciência da Informação (PPGCI/IBICT/UFRJ). Membro do grupo de pesquisa Escritos (Estudos Críticos em Informação, Tecnologia e Organização Social). Possui graduação em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Arthur Bezerra, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Pesquisador Titular do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), com bolsa de produtividade do CNPq e bolsa Jovem Cientista do Nosso Estado, da FAPERJ. Professor permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI/IBICT-UFRJ). Vice-presidente do International Center for Information Ethics (ICIE). Coordenador do grupo de pesquisa Estudos Críticos em Informação, Tecnologia e Organização Social (Escritos). Doutor em Ciências Humanas (Sociologia) pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com pós-doutorado também pela UFRJ. Mestre em Sociologia pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (IUPERJ) e bacharel em Produção Cultural pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

Referências

AZEN, Marcia. A infância convergente: um estudo crítico do regime de curadoria da informação para o público infantil no YouTube. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro; Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, RJ, 2022.

BENJAMIN, Walter. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e a educação. São Paulo: Duas Cidades, Editora 34, 2009.

BEZERRA, Arthur Coelho. Vigilância e cultura algorítmica no novo regime global de mediação da informação. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 22, n. 4, p. 68-81, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1981-5344/2936. Acesso em: 13 jan. 2023.

BEZERRA, Arthur. Coelho. Teoria crítica da informação: proposta teórico-metodológica de integração entre os conceitos de regime de informação e competência crítica em informação. In: BEZERRA, Arthur. Coelho. et al. iKRITIKA: estudos críticos em informação. Rio de Janeiro: Garamond, 2019. Disponível em: https://www.garamond.com.br/loja/ikritika-ebook. Acesso em: 13 mar. 2023.

BEZERRA, Arthur Coelho; SCHNEIDER, Marco. Posfácio. In: Competência crítica em informação: teoria, consciência e práxis. IBICT, 2022. Disponível em: https://ridi.ibict.br/handle/123456789/1200. Acesso em 13 mar. 2023.

BEZERRA, Arthur Coelho; SCHNEIDER, Marco; SALDANHA, Gustavo. Competência crítica em informação como crítica à competência em informação, Informação e Sociedade: estudos, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufpb.br/index.php/ies/article/view/47337. Acesso em 13 mar. 2023.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei 8.069/90. São Paulo, Atlas, 1991.

CAPURRO, Rafael. What is Information Science for? A philosophical reflection. In: VAKKARI, Pertti.; CRONIN, Blaise. (Eds.). Conceptions of Library and Information Science. Historical, empirical and theoretical perspectives. London: Taylor Graham. 1992. p. 82-98.

CETIC.br. Pesquisa sobre o uso da Internet por crianças e adolescentes no Brasil - TIC Kids Online Brasil 2021. Disponível em https://cetic.br/pesquisa/kids-online/publicacoes/ Acesso em 16 ago. 2022.

CHAUÍ, Marilena. O que é ideologia. São Paulo: Brasiliense, 2003.

DESLANDES, Suely; COUTINHO, Tiago. “Pesquisa social em ambientes digitais em tempos de COVID-19: notas teórico-metodológicas”. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, n. 11, 2020. Disponível em: https://doi.org/10.1590/0102-311x00223120. Acesso em 13 mar. 2023.

FEDERICI, Silvia. Calibã e a Bruxa: mulheres, corpo e acumulação primitiva. São Paulo: Elefante, 2017.

FERREIRA, Marcelo Santana. Por uma concepção crítica de infância. Psicologia & Sociedade [online]. 2015, v. 27, n. 2 pp. 394-403. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1807-03102015v27n2p394. Acesso em 9 Ago. 2022.

FIGUEIREDO, Talita. Meu primeiro celular: competência crítica em informação para crianças. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – Escola de Comunicação, Universidade Federal do Rio de Janeiro; Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia, Rio de Janeiro, RJ, 2021. Disponível em: https://ridi.ibict.br/handle/123456789/1234. Acesso em 13 mar. 2023.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2020.

FROHMANN, Bernard. Taking information policy beyond information science: applying the actor network theory. 23rd Annual Conference of the Canadian Association For Information Science, 7–10 de Junho, 1995, Edmonton, Alberta. Disponível em: https://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download?doi=10.1.1.521.6657&rep=rep1&type=pdf. Acesso em 13 mar. 2023.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, Maria Nélida. Regime de Informação: construção de um conceito. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 22, n. 3, p. 43-60, 2012.

HORKHEIMER, Max. Teoria Tradicional e Teoria Crítica. In: BENJAMIN, Walter, HORKHEIMER, Max, ADORNO, Theodor W., HABERMAS, Jürgen. Textos escolhidos (Coleção Os Pensadores). São Paulo: Abril Cultural, 1980.

MARCUSE, Herbert O homem unidimensional: estudos da ideologia da sociedade industrial avançada. São Paulo: EDIPRO, 2015.

MÉSZÁROS, István. Filosofia, ideologia e ciência social. São Paulo: Boitempo, 2008. https://pt.br1lib.org/book/21599994/cfdd85

NOBRE, Marcos. Teoria crítica. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração Universal dos Direitos Humanos, 1948. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/declaracao-universal-dos-direitos-humanos. Acesso em 13 mar. 2023.

SIBILIA, Paula. O show do eu: a intimidade como espetáculo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

SODRÉ, Muniz. Estratégias sensíveis: afeto, mídia e política. Rio de Janeiro: Mauad X, 2016.

TEWELL, Eamon. A decade of critical information literacy. Communications in Information Literacy, v. 9, n. 1, 2015.

ZUBOFF, Shoshana. A era do capitalismo de vigilância: a luta por um futuro humano na nova fronteira do poder. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2020.

Publicado

2023-12-13

Como Citar

AZEN, Marcia; SOARES FIGUEIREDO, Talita; COELHO BEZERRA, Arthur. As Infâncias na Ciência da Informação: onde a práxis é o esperançar mais vivo. Encontros Bibli: revista eletrônica de biblioteconomia e ciência da informação, [S. l.], v. 29, p. 1–19, 2023. DOI: 10.5007/1518-2924.2024.e95195. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/eb/article/view/95195. Acesso em: 3 mar. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.