Caminhos para elaboração do currículo de Física no Ensino Médio Integrado: uma proposição a partir da realidade do curso técnico em Edificações do Instituto Federal da Bahia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2021.e72707

Palavras-chave:

Ensino de Física, Ensino Médio Integrado, Currículo

Resumo

Este artigo apresenta uma discussão sobre o ensino de Física nos espaços de educação profissional tecnológica e tem como objetivo apontar caminhos para elaboração do currículo de Física em cursos de Ensino Médio Integrado (EMI) a partir da concepção de escola unitária e educação politécnica. A pesquisa é de natureza qualitativa e se desenvolve com base no entendimento de como é desenvolvido o ensino de Física no curso Técnico Integrado em Edificações no Instituto Federal da Bahia, partindo da análise dos Projetos Pedagógicos de Curso (PPC) nos campi de Barreiras, Eunápolis, Feira de Santana, Ilhéus e Salvador, e de dados decorrentes da aplicação de um questionário para docentes de vínculo permanente que exerceram suas atividades no EMI em algum desses campi entre os anos de 2017 e 2019. O que está apresentado no PPC, junto ao que os docentes pensam para a Física no EMI, à luz dos nossos referenciais teóricos, conduziu a definição de parâmetros a serem utilizados para a elaboração do currículo de Física. Nossa proposição se baseia em: repensar os conteúdos da Física, a partir de currículos menos engessados, mantido a mesma ou maior capacidade de formação; incentivar o trabalho interdisciplinar como forma de proporcionar a integração curricular; e fomentar o diálogo entre os professores integrantes dos diferentes núcleos de formação. Este trabalho contribui para uma discussão ainda escassa no âmbito do ensino de Física, ao trazer um debate denso e ampliado sobre esta disciplina no EMI, rompendo a linha de apenas apontar experiências de abordagens e metodologias de ensino nas quais a educação profissional figura apenas enquanto cenário. No âmbito político, atua na defesa do EMI na Rede Federal, como uma das ações de maior êxito quando se pensa em educação pública no Brasil.

Biografia do Autor

Danilo Almeida Souza, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia, Campus Ilhéus

Professor do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Bahia (IFBA), no campus Ilhéus. Doutor em Ensino, Filosofia e História das Ciências pela Universidade Federal da Bahia/ Universidade Estadual de Feira de Santana - UFBA/UEFS. Tem experiência na área de Física com ênfase em ensino de Ciências/Física. Dialoga com temas ligados a Educação Profissional Tecnológica (sobretudo, Ensino Médio Integrado), Divulgação e Popularização da Ciência e tópicos de educação no Ensino Médio.

Maria Cristina Martins Penido, Instituto de Física, Universidade Federal da Bahia

Professora Titular da Universidade Federal da Bahia (UFBA) no Instituto de Física (Departamento de Física Geral). Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Tem experiência na área de Física, com ênfase em Ensino de Física, atuando principalmente nos seguintes temas: Fundamentos de Física, Formação de Professores, Divulgação Científica, Atividades Experimentais no Ensino da Física.

Referências

AIRES, J. A. Integração Curricular e Interdisciplinaridade: sinônimos? Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 36, n.1, p. 215-230, jan./abr., 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Decreto nº 7.566, de 23 de setembro de 1909. Créa nas capitais dos Estados das Escolas de Aprendizes Artífices, para o ensino profissional primário e gratuito. Diário Official - 26/9/1909, Página 6975 (Publicação Original). Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1900-1909/decreto-7566-23-setembro-1909-525411-publicacaooriginal-1-pe.html>. Acesso em: 01 abr. 2018.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Disponível em: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html>. Acesso em: 30 mar. 2018.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Este texto não substitui o publicado no DOU de 23.12.1996. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/Ccivil_03/leis/L9394.htm>. Acesso em: 30 mar. 2018.

BRASIL. Decreto nº 2.208, de 17 de abril de 1997. Regulamenta o § 2 º do art. 36 e os arts. 39 a 42 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. DOU de 18.4.1997. Disponível em:

<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d2208.htm>. Acesso em: 30 mar. 2018.

BRASIL. Decreto nº 5.154 de 23 de julho de 2004. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências. 26.7.2004. 2004. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5154.htm>. Acesso em: 30 mar. 2018.

BRASIL. Lei nº 11.982, de 28 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. DOU de 30 de dezembro de 2008. Pág. 01. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm>. Acesso em: 10 mai. 2017.

CIAVATTA, M. A formação integrada: a escola e o trabalho como lugares de memória e de identidade. In: FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (Org.). Ensino Médio Integrado: Concepção e Contradições. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2012. p. 83-106.

FRANCA, F. H. P. Uma sequência didática para o de conceitos de mecânica quântica utilizando os raios X sob a perspectiva sociocultural. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA, XXIII, 2019, Salvador, Bahia. Anais [...]. Salvador, 2019.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (org.). Ensino Médio Integrado: Concepção e Contradições. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

GARCIA, N. M. D. A Física no Ensino Técnico Industrial Federal: um retrato em formato A4. 1995. 195 f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências - Modalidades Física e Química) - Universidade de São Paulo, São Paulo.

GARCIA, N. M. D. Física Escolar, Ciência e Novas Tecnologias de Produção: o desafio da aproximação. 2000. 276 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade de São Paulo, São Paulo.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

Instituto Federal da Bahia. IFBA. Projeto Pedagógico do Curso Técnico Integrado de Edificações Campus Eunápolis, 2011.

Instituto Federal da Bahia. IFBA. Projeto Pedagógico do Curso Técnico Integrado de Edificações Campus Feira de Santana, 2011.

Instituto Federal da Bahia. IFBA. Projeto Pedagógico do Curso Técnico Integrado de Edificações Campus Salvador, 2011.

Instituto Federal da Bahia. IFBA. Projeto Pedagógico do Curso Técnico Integrado de Edificações Campus Barreiras, 2016.

Instituto Federal da Bahia. IFBA. Projeto Pedagógico do Curso Técnico Integrado de Edificações Campus Ilhéus, 2016.

Instituto Federal da Bahia. IFBA. Resolução CONSUP, nº 30/CONSUP, de 24/05/2016. Instrução Normativa Pedagógica para Reformulação Curricular dos Cursos da Educação Profissional Técnica de Nível Médio, Forma Integrada. Disponível em: <http://portal.ifba.edu.br/menu-institucional/consup/resolucoes-2016/resol-no-30-2016-anexo.pdf>. Acesso em: 31 ago. 2018.

Instituto Federal da Bahia. IFBA. Instituto Federal da Bahia - Processo Seletivo IFBA 2018. 2018. Disponível em: <http://portal.ifba.edu.br/menu-campi/escolha-o-campus>. Acesso em: 02 abr. 2018.

KUENZER, A. Exclusão includente e inclusão excludente: a nova forma de dualidade estrutural que objetiva as novas relações entre educação e trabalho. In: LOMBARDI, J.; SAVIANI, D.; SANFELICE, J. (org.). Capitalismo, trabalho e educação. 3. ed. São Paulo: Autores Associados, 2005. p. 77-96.

Ministério da Educação-Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. MEC-SETEC. Os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia – IFET (Bases). 2012. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/setec-secretaria-de-educacao-profissional-e-tecnologica/>.

MOURA, D. H. Educação básica e educação profissional e tecnológica: dualidade histórica e perspectivas de integração. HOLOS, v. 2, p. 4 -30, mar. 2007.

MOURA, D. H. A organização curricular do ensino médio integrado a partir do eixo estruturante: trabalho, ciência, tecnologia e cultura. Revista Labor, v. 1, n. 7, 2012.

MOURA, D. H.; GARCIA, S. R. de O.; RAMOS, M. N. Educação Profissional Técnica de Nível Médio Integrada ao Ensino Médio: Documento Base. Ministério da Educação: Brasília, 2007.

MOURA, D. H.; LIMA FILHO, D. L.; SILVA, M. R. Politecnia e formação integrada: confrontos conceituais, projetos políticos e contradições históricas da educação brasileira. Revista Brasileira de Educação, v. 20, n. 63, p. 1057-1080, 2015.

PACHECO, E. (Org.). Perspectivas da educação Profissional técnica de nível médio: Proposta de Diretrizes Curriculares Nacionais. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica do Ministério da Educação – SETEC/MEC: Brasília, 2012.

RAMOS, M. Concepção do Ensino Médio Integrado. In: Seminário sobre Ensino Médio, 2008. Secretaria de Educação do Pará. Disponível em: <https://tecnicadmiwj.files.wordpress.com/2008/09/texto-concepcao-do-ensino-medio-integrado-marise-ramos1.pdf>.

RAMOS, M. Possibilidades e desafios na organização do currículo integrado. In: FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M.; RAMOS, M. (Org.). Ensino Médio Integrado: Concepção e Contradições. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2012. p. 107-128.

ROCHA, J. M. B. da; MELO, C. A. de S. Uso de material paradidático para a montagem de dispositivos térmicos caseiros no ensino profissionalizante para o estudo da calorimetria. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA, XXIII, 2019, Salvador, Bahia. Anais [...]. Salvador, 2019.

SAMPAIO, R. L.; ALMEIDA, A. R. S. Da Escola de Aprendizes Artífices ao Instituto Federal da Bahia: uma visão histórica da educação profissional. In: FARTES, V. L. B.; MOREIRA, V. C. (org.). Cem anos de educação profissional no Brasil: História e memória do Instituto Federal da Bahia: (1909-2009). Salvador: EDUFBA, 2009. p. 15-27.

SAVIANI, D. Sobre a concepção de politecnia. Rio de Janeiro: FIOCRUZ. Politécnico da Saúde Joaquim Venâncio, 1989.

SAVIANI, D. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 34, p. 152-165, 2007.

SOUZA, D. A. A Física no Ensino Médio Integrado: Dimensões Curriculares e Concepções Docentes. 2019. 218 f. Tese (Doutorado em Ensino, Filosofia e História das Ciências) - Universidade Federal da Bahia e Universidade Estadual de Feira de Santana, Salvador.

SOUZA, D. A.; PENIDO, M. C. M. O ensino de Física na educação tecnológica integrada de nível médio: reflexões a partir do plano de curso de uma instituição da rede federal de educação profissional tecnológica. In: CONGRESSO NACIONAL DE PESQUISA E ENSINO EM CIÊNCIAS, 2018, Campina Grande, Paraíba. Anais [...]. Campina Grande, 2018.

SOUZA, D. A.; PENIDO, M. C. M. O currículo de Física na educação profissional técnica de nível médio: quais elementos do plano de curso favorecem a integração In: SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA, XXIII, 2019, Salvador, Bahia. Anais [...]. Salvador, 2019.

SOUZA, D. A.; PENIDO, M. C. M. A Física no Ensino Médio Técnico Integrado em Edificações no Instituto Federal da Bahia: uma análise a partir do Projeto Pedagógico do Curso. Revista Brasileira da Educação Profissional e Tecnológica, v. 1, n. 18, 2020.

YIN, R. K. Pesquisa qualitativa do início ao fim. Porto Alegre: Penso, 2016.

Downloads

Publicado

2021-03-25

Edição

Seção

Ensino e aprendizagem de Ciências/Física