Efeitos de um ciclo de modelagem no contexto do ensino de Física

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2021.e73139

Palavras-chave:

Fatores Profícuos e Limitantes, Ciclo de Modelagem, Ensino de Física

Resumo

O objetivo deste artigo é compreender efeitos profícuos e percalços da modelagem matemática na visão de professores de física. Para isso, com fundamento em Hestenes (1987; 2010), Heidemann (2015), Souza (2018) foi desenvolvido um ciclo de modelagem sobre o tema Poluição Sonora organizado didaticamente em oito ações. A pesquisa de campo envolveu a metodologia mista com foco em interpretações quantitativas e qualitativas. Os colaboradores da pesquisa foram treze (n=13) professores de física em formação de um curso de licenciatura integrada em matemática e física de uma universidade pública no município de Almeirim, Pará, Brasil. Os resultados sugerem que os professores conceberam a modelagem como importante no contexto do ensino de física, especialmente para alcançar determinados conteúdos conforme a grade curricular da disciplina, para o uso de processos científicos durante a construção de modelos matemáticos e para a promoção de discussões e de debates em sala de aula. Por outro lado, eles relataram dificuldades para definir objetivos de pesquisa a partir de temas da realidade e para construir modelos matemáticos constituídos por múltiplas ferramentas de representação.

Biografia do Autor

Ednilson Sergio Ramalho de Souza, Instituto de Ciências da Educação, Universidade Federal do Oeste do Pará, Santarém, PA

Doutorado em Educação em Ciências e Matemática (2018) pela Universidade Federal de Mato Grosso, Mestrado em Educação em Ciências e Matemática (2010) pelo Instituto de Educação Matemática e Científica da UFPA, Especialização em Educação Matemática (2009) pelo mesmo instituto, Licenciatura Plena em Física (2007) pela Faculdade de Física da Universidade Federal do Pará (UFPA). É Professor Adjunto da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA) desde o ano de 2010, participando como Docente Permanente do Mestrado Nacional Profissional em Ensino de Física/UFOPA.

Referências

AMBRÓSIO, M. O uso do portfólio no ensino superior. Rio de Janeiro: Vozes, 2013 (Livro digital).

BATISTA, M. C. A utilização da experimentação no ensino de física: modelando um ambiente de aprendizagem. 85f. Dissertação (Metrado em Educação para a Ciência e a Matemática) – Universidade Estadual de Maringá, Maringá.

BREWE, E.; KRAMER, L.; O’BRIEN, G. Modeling instruction: positive attitudinal shifts in introductory physics measured with class. Physics Education Research, v. 5, n. 013102, p. 0131021-0131025, 2009.

BUNGE. M. Teoria e realidade. São Paulo: Editora Perspectiva, 1974.

BUNGE. M. Teoria e realidade. Tradução: Gita k. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2013.

CRESWELL, J. W.; CLARK, V. P. Pesquisa de métodos mistos. 2. ed. Porto Alegre: Penso, 2013.

DANTE, L. R. Formulação e resolução de problemas de matemática: teoria e prática. São Paulo: Ática, 2011. 217p.

DYE, J. et al. The impact of modeling instruction within the inverted curriculum on student achievement in science. Electronic Journal of Science Education, Texas, v. 17, n. 2, p. 1-19, 2013.

FLECK, L. Gênese e desenvolvimento de um fato científico. Tradução: Georg Otte; Mariana Oliveira. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2010. (Série Ciência, Teconologia, Sociedade).

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 46. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005. 213p.

GIERE, R. How models are used to represent reality. Philosophy of Science, v. 71, n. 5, Dec. p. 742-752, 2004.

HEIDEMANN, L. A. Ressignificação das atividades experimentais no ensino de física por meio do enfoque no processo de modelagem científica. 2015. 298f. Tese (Doutorado em Ensino de Física) - Instituto de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

HEIDEMANN, L. A; ARAUJO, I. S.; VEIT, E. A. Ciclos de modelagem: uma proposta para integrar atividades baseadas em simulações computacionais e atividades experimentais no ensino de física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 29, n. Especial 2, p. 965-1007, 2012.

HESTENES, D. Modeling theory for math and science education. In: LESH, R. et al. (Eds.) Modeling student’s mathematical modeling competencies. New York: Springer, 2010. p. 13-42.

HESTENES, D. Toward a modeling theory of physics instruction. American Journal of Physics, Melville, v. 55, n. 5, p. 440-454, may, 1987.

MEGOWAN-ROMANOWICS C. What is modeling instruction? NSTA Reports, p. 3, 2016. Disponível em: <http://www.nsta.org/publications/nstareports.aspx>. Acesso em: 19 out. 2017.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. C. Análise textual discursiva. 3. ed. Rio Grande do Sul: Unijui, 2016, 224p.

MOUTINHO, P. E. C. CTS e a modelagem matemática na formação de professores de física. 2007. 115 f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Núcleo Pedagógico de Apoio ao Desenvolvimento Científico, Universidade Federal do Pará, Belém.

SILVA NETO, M. J. Ensino de física pela comparação entre experimento e modelo teórico com uso da modelagem matemática. 2015. 131f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemáticas) - Instituto de Educação Matemática e Científica, Universidade Federal do Pará, Belém.

SKOVSMOSE, O. Cenários para investigação. Bolema, Rio Claro, v. 13, n. 14, p. 66-91, 2000.

SOUZA, E. S. R. Modelagem matemática gerando ambiente de alfabetização científica: discussões no ensino de física. 2018. 237f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemática) – Universidade Federal de Mato Grosso/Universidade Federal do Pará, Belém.

SOUZA, E. S. R. Uma experiência com modelagem matemática para a abordagem de conceitos de física. Acta Scientiae, v. 14, n. 02, p. 309-325, mai./ago. 2012.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2014. 325p.

WELLS, M.; HESTENES, D.; SWACKHAMER, G. A modeling method for high school physics instruction. American Journal of Physics, Melville, v. 63, n. 7, p. 606-619, july, 1995.

Downloads

Publicado

2021-03-25

Edição

Seção

Formação de Professores de Ciências/Física