Proposta de Sequência Didática para Hidrostática: Aprendizagem Ativa em Destaque no Ensino de Física

Autores

  • Alberto Silva Cid Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Valença, RJ https://orcid.org/0000-0001-7690-0054
  • Márcio Pizzi Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Valença, RJ
  • Thiago Corrêa Lacerda Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia, Niterói, RJ
  • Erichardson Tarocco de Oliveira Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Valença, RJ

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2021.e73263

Palavras-chave:

Aprendizagem Ativa, Sequência Didática, Hidrostática

Resumo

O ensino de Ciências, por vezes, é considerado pouco estimulante pela ausência de atividades interativas, capazes de explorar aspectos experimentais e investigativos dos conteúdos. Neste sentido, este artigo propõe uma sequência didática para o ensino de Hidrostática que é norteada por três metodologias de aprendizagem ativa: Predizer-Observar-Explicar, Instrução por Pares e Ensino sob Medida. A sequência foi aplicada em duas turmas do ensino médio da rede federal. Além disso, foram aplicados testes de leitura e testes conceituais a fim de verificar assimilação dos conteúdos. Para uma aferição quantitativa dos resultados, fez-se uma análise dos índices de acertos destes testes, através de relatórios gerados pelo Plickers. Por fim, os alunos ficaram mais engajados e os resultados estatísticos mostram que as três metodologias integradas permitem assimilação melhor dos conceitos e definições de Hidrostática.

Biografia do Autor

Alberto Silva Cid, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Valença, RJ

Possui doutorado (2015), mestrado (2011), Licenciatura (2010) e bacharelado (2010) em Física pela Universidade Federal Fluminense. Atualmente integra o quadro de professores permanente do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca do Rio de Janeiro (CEFET/RJ), onde leciona para turmas de ensino médio integrado e graduação em Engenharia de Alimentos. Está vinculado à pós-graduação em ensino: Temas e Perspectivas Contemporâneas em Educação e Ensino. Tem experiência em Física Nuclear aplicada a Ciências Ambientais e da Vida. Na área de ensino, trabalha e realiza pesquisa sobre metodologias de aprendizagem ativa tais como o POE, o PEER INSTRUCTION e o Ensino sob Medida. 

Márcio Pizzi, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Valença, RJ

Doutor pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) na área de Música e Educação. Realizou o Bacharelado em Música Popular Brasileira e a Licenciatura em Música, ambos pela Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Atuou por quatro anos no departamento de Propaganda e Marketing como professor concursado da Fundação de Apoio à Escola Técnica (FAETEC). É atualmente professor EBTT do quadro permanente do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, na unidade Valença. Tem experiências nas áreas de produção musical, tecnologias digitais e recursos na área de educação musical. Tem por interesse de pesquisa metodologias de aprendizagem, interdisciplinaridade e mercado musical.

Thiago Corrêa Lacerda, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia, Niterói, RJ

Doutor em Física pela Universidade Federal Fluminense. Adquiriu grau de mestre, bacharel e licenciado pela mesma universidade.  Tem experiência em aplicações de Física das Radiações, Ensino de Ciência e Educação Inclusiva. Em Física das Radiações, trabalha com espectrometria de radiação gama e no uso de radionuclídeos como rastreadores, enquanto que, na área de ensino, dedica-se ao desenvolvimento de práticas experimentais e o uso de tecnologias. Atualmente, é professor do quadro permanente do Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Rio de Janeiro, campus Niterói. Está credenciado ao Curso de Mestrado Profissional de Diversidade e Inclusão da UFF, com ênfase em ambientes inclusivos e altas habilidades e notório saber. Também é colaborador do Laboratório de Radioecologia e Alterações Ambientais.

Erichardson Tarocco de Oliveira, Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, Valença, RJ

Doutor em Física-Matemática pela Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF). Adquiriu grau de licenciado também pela UFJF. Tem experiência em educação à distância como tutor pela Universidade Federal de Itajubá no curso de Física e como coordenador dos cursos técnicos à distância ofertados pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sudeste de Minas (IFSUDESTEMG). Atualmente, é professor EBTT do quadro permanente do Centro Federal de Educação Tecnológica Celso Suckow da Fonseca, na unidade Valença e possui interesse em temas relacionados ao Ensino de Física e Física Matemática.

Referências

ALVARADO, M. S. A.; MORA, C.; REYES, C. B. C. Peer Instruction to adress alternative conceptions in Einstein´s special relativity. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 41, n. 4, p. 1-14, 2019.

ARAÚJO, A.V. R. et al. Uma associação do método Peer Instruction com circuitos elétricos em contextos de aprendizagem ativa. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 39, n. 2, p. 1-6, 2017.

ARAÚJO, I. S.; MAZUR, E. Instrução pelos colegas e ensino sob medida: uma proposta para o engajamento dos alunos no processo de ensino aprendizagem de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 30, n. 2, p. 362-384, 2013.

BALEN, O.; NETZ, P. A. Aplicação da modelagem e simulação no ensino de modelos de sistemas gasosos. Acta Scientiae, v. 7, n. 2, p. 29-39, 2005.

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR. Disponível em:

<http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em: 29 jun. 2020.

BORGES, A. T. Novos Rumos para o Laboratório Escolar de Ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 19, n. 3, p. 291-313, 2002.

CACHAPUZ, A; PRAIA, J; JORGE, M. Da educação em ciência às orientações para o ensino das ciências: um repensar epistemológico. Ciência & Educação, v. 10, n. 3, p. 363-381, 2004.

CHIQUETTO, M; KRAPAS, S. Livros didáticos baseados em apostilas: como surgiram e por que foram amplamente adotados. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 12, n. 3, p. 173-191, 2012.

CID, A. S; CORREA, T. Venturino: análise da variação de pressão em um tubo de Venturi utilizando o Arduino e sensor de pressão. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 41, n. 3, p. 1-7, 2019.

CUPITA, L. A. L. Just in time teaching: a strategy to encourage student´s engagement. HOW, v. 23, n. 2, p. 89-105, 2016.

DEMERCI, C. Constructing a philosophy: prospective teacher´s opinions about constructivism. Procedia Social and Behavorial Sciences, v. 9, p. 278-285, 2010.

De PAULA, J; FIGUEIREDO, N; FERRAZ, D. P. A. Peer Instruction e Vygotsky: uma aproximação a partir de uma disciplina de astronomia no ensino superior. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 37, n. 1, p. 127-145, 2020.

HAYSOM, J.; BOWEN, M. Predict, Observe, Explain: Activities Enhancing Scientific Understanding. Arlington: NSTA Press, 2010.

LIEW, C. W. Effectiveness of Predict-Observe-Explain Technique. Düsseldorf: Lambert Academic Publishing, 2009.

HENDERSON, C; DANCY, M; BUGAJ, M. Use of research-based instructional strategies in introductory physics: Where do faculty leave the innovation-decision process? Physical Review Physics Education Research, v. 8, n. 2, p. 1-15, 2012.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. Disponível em:

<http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=estacoes/estacoesautomaticas>. Acesso em: 13 abr. 2020.

KIBIRIGE, I; OSODO, J; TLALA, K. The effect of predict-explain-strategy on learners misconceptions about dissolved salts. Mediterranean Journal of Social Sciences, v. 5, n. 4, p. 300-310, 2014.

KIELT, E. D.; da SILVA, S. C. R.; MIQUELIN, A. F. Implementação de um aplicativo para smarphones como sistema de votação em aulas de Física com PEER INSTRUCTION. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 39, n. 4, p. 1-8, 2017.

LEAL, E. L. C. et al. Implementation of Just in Time Teaching metohodology in mathematics and natural sciences study in high school instituitions of Colombia northeast. Journal of Physics: Conference Series. 1161 012016, 2019.

LOVATO, F; MICHELOTTI, A.; da SILVA , C.; LORETTO, E. Metodologias ativas de aprendizagem: uma breve revisão. Acta Scientiae , v. 20, n. 2, p. 154-171, 2018.

MAZUR, E. Peer Instruction: a revolução da aprendizagem ativa. Porto Alegre, 2015.

MÜLLER, M. et al. Uma revisão da literatura acerca da implementação da metodologia interativa de ensino PEER INSTRUCTION (1991 A 2015). Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 39, n. 3, p. 1-20, 2017.

SANTOS, R. J.; SASAKI, D. G. G. Uma metodologia de aprendizagem ativa para o ensino de mecânica em educação de jovens e adultos. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 37, n. 3, p. 1-9, 2015.

SASAKI, D. G. G.; JESUS, V. L. B. Avaliação de uma metodologia de aprendizagem ativa em óptica geométrica através da investigação das reações dos alunos. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 39, n. 2, p. 1-10, 2017.

SANTOS, M. B. Uma sequência didática com os métodos instrução por colegas (Peer Instruction) e ensino sob medida (Just-in-time teaching) para o estudo de ondulatória no ensino médio. 2016. Dissertação (Mestrado em Ensino de Física) – Instituto de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

TAO, P. K.; GUNSTONE, R. F. A process of conceptual change in force and motion during computer-supported Physics instruction. Journal of Research in Science Teaching, v. 36, p. 859-882, 1999.

WHITE, R.; GUNSTONE, R. Probing understanding. New York: Routledge, 1992.

Downloads

Publicado

2021-03-25

Edição

Seção

Desenvolvimento de materiais educativos