Luz, Câmera, Alfabetização Científica! Compreendendo o protagonismo de Marie Curie pela obra cinematográfica Radioactive

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2021.e76549

Palavras-chave:

Alfabetização Científica e Tecnológica, Filme, Marie Curie, Democratização da Ciência

Resumo

Embora a indústria cultural se preocupe, muitas vezes, em concentrar esforços para proporcionar um simples divertimento, as obras cinematográficas podem ir além do entretenimento e oferecer possibilidades incomensuráveis de reflexão de temas no campo científico, tecnológico e social. Por isso, o objetivo deste artigo é analisar a obra cinematográfica Radioactive procurando compreender contribuições desse filme para a alfabetização científica e tecnológica da sociedade. Utiliza-se a técnica de Análise de Conteúdo de Bardin. O filme mostra que a compreensão sobre a estrutura do átomo estava em pleno desenvolvimento e revela um pouco da dificuldade para se entender, naquele momento, a natureza dos raios emitidos pelos átomos instáveis mencionados por Marie Curie. A obra cinematográfica permite refletir visões distorcidas da C&T como a ideia individualista e elitista que ignora o trabalho coletivo dos cientistas e que entremostra a ciência como sendo uma atividade de homens brancos que estariam aptos a decidir temas sociais que envolvem C&T. O filme parece nos deixar uma série de mensagens, mas podemos destacar aquela que valoriza a democratização da ciência e, principalmente, com a participação necessária da mulher como sujeito do processo.

Biografia do Autor

Marcos Gervânio de Azevedo Melo, Universidade Federal do Oeste do Pará - UFOPA

Graduado em Licenciatura Plena em Física pela UFPA (1997), Pós-Graduado em Ensino de Ciencias pela UFPA (2004), Mestrado em Ensino de Ciências Exatas pela UNIVATES-RS (2011) e Doutorado em Ensino de Ciências e Tecnologia pela UTFPR (2019). Atualmente, é Professor de Física do Instituto de Ciências da Educação da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA), atuando no Clube de Ciências da UFOPA(CCiUFOPA), vinculado ao Centro Pedagógico e Apoio ao Desenvolvimento Científico. Realiza estudos sobre Alfabetização Científica e Tecnológica no contexto do enfoque CTS.

Bettina Heerdt, Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG

Graduação em Ciências Biológicas (2001), Pós-Graduação (especialização) em Ecologia (2003) ambos pela Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO, mestrado em Educação (2009), área de concentração Ensino-Aprendizagem pela Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG e doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática no Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática (PECEM), da Universidade Estadual de Londrina - UEL. Professora adjunta do departamento de Biologia Geral na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), atuando no curso de graduação em Ciências Biológicas licenciatura, no Programa de Pós-Graduação em Educação e no Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática. Pesquisas nas seguintes temáticas: Epistemologias feministas e questões de gênero na Educação Científica.

Referências

AGUIA. Produção científica feminina cai devido à pandemia. AGUIA. Agência USP de gestão da informação acadêmica Universidade de São Paulo. 27 de jun. de 2020. Disponível em: https://www.aguia.usp.br/noticias/49310/?doing_wp_cron=1596666982.1948049068450927734375. Acesso em: 05 ago. 2020.

AKOTIRENE, C. Interseccionalidade. São Paulo: Editora Jandaíra, 2020.

ALVES, R. Filosofia da Ciência: introdução ao jogo e suas regras. São Paulo: Brasiliense, 1981.

AULER, D.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científico-tecnológica para quê? Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 3, n. 2, p. 122-134, 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/epec/v3n2/1983-2117-epec-3-02-00122.pdf. Acesso em: 10 ago. 2020.

AULER, D.; DELIZOICOV, D. Educação CTC: articulação entre pressupostos do educador Paulo Freire e referenciais ligados ao movimento CTS. In: LÓPES, A. B.; PEINADO, V-B.; LÓPES, M. J.; RUZ, M. T. P. (Org.). Las Relaciones CTS en la Educación Científica. Málaga: Editora da Universidade de Málaga, v. único, p. 01-07, 2006.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. 3. ed. São Paulo: Edições 70, 2011.

BATISTA, I. de L.; SALVI, R. F.; LUCAS, L. B. Modelos científicos e suas relações com a epistemologia da ciência e a educação científica. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 8, 2011, Campinas. Anais... Campinas: ENPEC, 2011.

CACHAPUZ, A. et al. (Org.). A necessária renovação do ensino de ciências. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

CHALMERS, A. F. O que é ciência afinal? 1. ed. São Paulo: Brasiliense. 1993.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: questões e desafios para a educação. 5. ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2011.

CHASSOT, A. Alfabetização científica: uma possibilidade para a inclusão social. Revista Brasileira de Educação, ANPED, n. 22, p. 89-100, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782003000100009&lng=en. Acesso em: 10 ago. 2020.

COLLINS, H.; PINCH T. O Golem à solta: o que você deveria saber sobre tecnologia. Belo Horizonte: Fabrefactum. 2010.

CORDEIRO, M. D. Dos Curie a Rutherford: aspectos históricos e epistemológicos da radioatividade na formação científica. 2011. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Educação Científica e Tecnológica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

CORDEIRO, M. D.; PEDUZZI, L. O. Q. M. S. Aspectos da natureza da ciência e do trabalho científico no período inicial de desenvolvimento da radioatividade. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 33, n. 3, p. 3601-11, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbef/v33n3/19.pdf. Acesso em: 22 fev. 2021.

CUNHA, R. B. Alfabetização científica ou letramento científico? Interesses envolvidos nas interpretações da noção de scientific literacy. Revista Brasileira de Educação, v. 22, n. 68, p. 169-186, 2017. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/cWsmkrWxxvcm9RFvvQBWm5s/?lang=pt. Acesso em: 22 jun. 2021.

CURIE, M. S. Rayons émis par les composés de l’uranium et du thorium. Comptes Rendus de l’Académie des Sciences de Paris, v. 126, p. 1101-3, 1898. Disponível em: https://www.academie-sciences.fr/pdf/dossiers/Curie/Curie_pdf/CR1898_p1101.pdf. Acesso em: 22 fev. 2021.

FAUSTO-STERLING, A. Sexing the Body: Gender Politics and the Construction of Sexuality. New York: Basic Books. 2000.

FREIRE, P. Conscientização teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire. 3. ed. São Paulo: Moraes, 1980.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

HOOKS, B. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2013.

KELLER, E. F. Qual foi o impacto do feminismo na ciência? Tradução: Maria Luiza Lara. Cadernos Pagu, Campinas, n. 27, p. 13-34, 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-83332006000200003&script=sci_ abstract&tlng=pt. Acesso em: 10 ago. 2020.

GALVÃO, T.; FELICIO, C. M.; NOLL, M. O jornalismo científico no contexto educacional: práticas dialógicas informacionais para a divulgação científica. In: FALEIRO, W.; BARROS, M. V.; ANDREATA, M. A. (Org). A docência e a divulgação científica no ensino de ciências. Goiânia: Kelps, p. 155-186, 2020.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HEERDT, B; BATISTA, I, d. L. Questões de gênero e da natureza da ciência na formação docente. Investigações em Ensino de Ciências, v. 21, n. 2, p. 30-51, 2016. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/7. Acesso em: 03 jul. 2021.

HIRATA, H. Gênero, classe e raça - Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social, v. 26, n. 1, São Paulo: USP, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ts/a/LhNLNH6YJB5HVJ6vnGpLgHz/?lang=pt. Acesso em: 03 jul. 2021.

JAPIASSU, H. O mito da neutralidade científica. 2. ed. Rio de janeiro: Imago, 1981.

LICIO, J. G.; SILVA, C. C. O que Richard Feynman tem a nos ensinar sobre natureza da ciência? Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 37, n. 1, p. 146-172, 2020. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/2175-7941.2020v37n1p146. Acesso em: 10 ago. 2020.

LUJÁN LÓPES, J. L. et al. Ciencia, Tecnología y Sociedad: Una introducción al estudio social de la ciencia y la tecnología. Madrid: TECNOS. 1996.

MAFFÍA, D. Epistemología Feminista: la subversión semiótica de las mujeres en la ciencia. Revista feminismos, v. 2, n. 3, Set. - Dez. 2014. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/feminismos/article/view/30037. Acesso em: 10 ago. 2020.

MARQUES, A. C. T. L.; MARANDINO, M. Alfabetização científica, criança e espaços de educação não formal: diálogos possíveis. Educação e Pesquisa [online], v. 44, p. 1-19, e170831. 2018. Disponível em: https://doi.org/10.1590/S1678-4634201712170831. Acesso em: 22 jun. 2021.

MARTINS, A. M.; JUNIOR, P. L. Identidade e desenvolvimento profissional de professoras de ciências como uma questão de gênero: o caso de Natália Flores. Investigações em Ensino de Ciências, v. 25, n. 3, p. 616-629. 2020. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/2173. Acesso em: 22 jun. 2021.

MARTINS, R. A. As primeiras investigações de Marie Curie sobre elementos radioativos. Rev. SBHC, n. 1, p. 29-41, 2003. Disponível em: https://www.sbhc.org.br/revistahistoria/view?ID_REVISTA_HISTORIA=21. Acesso em: 22 fev. 2021.

MARTINS, R. A. Como Becquerel não descobriu a radiatividade. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v. 7, número especial, p. 27-45, 1990. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/275832998_Como_Becquerel_nao_descobriu_a_radioatividade. Acesso em: 22 fev. 2021.

MEDEIROS, C. Entrevista com Mariluce Moura. In: VOGT, C.; GOMES, M.; MUNIZ, R. (Org). ComCiência e divulgação científica. Campinas: BCCL/UNICAMP, p. 143-150, 2018.

MELO, M. G. de A. Luz, Câmera, Alfabetização Científica! Possibilidades epistemológicas no antagonismo ciência-pseudociência da série Cosmos de Carl Sagan. Amazônia: Revista de Educação em Ciências e Matemáticas, v. 17, n. 38, p. 173-190, 2021. Disponível em: https://www.periodicos.ufpa.br/index.php/revistaamazonia/article/view/9737. Acesso em: 03 de jul. de 2021.

MELO, M. G. de A.; SILVA, J. A. P. Luz, Câmera, Alfabetização Científica! Uma conversa entre Arte e Ciência na Viagem à Lua de Georges Méliès. Revista Valore, v. 4, n. (edição especial), p. 8-18. 2019. Disponível em: https://revistavalore.emnuvens.com.br/valore/article/view/526. Acesso em: 03 jul. 2021.

MORIN, E. Ciência com consciência. 11. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.

MOZZER, N. B.; JUSTI, R. da S. Modelagem analógica no ensino de ciências. Investigações em Ensino de Ciências, v. 23, n. 1, p. 155-182, 2018. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/883. Acesso em: 26 fev. 2021.

PEDUZZI, L. O. Q. Do átomo grego ao átomo de Bohr. Publicação interna. Florianópolis: Departamento de Física, Universidade Federal de Santa Catarina, 2015 (revisado em julho de 2019). 205 p. Disponível em: www.evolucaodosconceitosdafisica.ufsc.br. Acesso em: 22 fev. 2021.

PIZZATO, M. C. et al. O que são atitudes investigativa e científica, afinal? Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 18, n. 2, p. 342-360, 2019. Disponível em: http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen18/REEC_18_2_3_ex1408.pdf. Acesso em: 10 ago. 2020.

PUGLIESE, G. O Nobel e alguns "contos de fada". ComCiência, Campinas, n. 164, dez. 2014. Disponível em: http://comciencia.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-76542014001000011 &lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 23 jun. 2021.

PUGLIESE, G. Sobre o “Caso Marie Curie”: A Radioatividade e a Subversão do Gênero. 2009. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação de Antropologia Social da Universidade de São Paulo, São Paulo.

PUGLIESE, G. Um sobrevoo no “Caso Marie Curie”: um experimento de antropologia, gênero e ciência. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, v. 50, n. 1, 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ra/a/xZy55p7Sk9BZPYBNnYjZmWC/?format=html. Acesso em: 24 jun. 2021.

ROSA, K.; MARTINS, M. C. O que é alfabetização científica, afinal? In: SIMPÓSIO NACIONAL DE ENSINO DE FÍSICA, XVII, 2007, São Luís, Maranhão. Anais... Disponível em: http://www.sbf1.sbfisica.org.br/eventos/snef/xvii/sys/resumos/T0011-1.pdf. Acesso em: 24 jul. 2020.

SAGAN, C. O mundo assombrado pelos demônios: a ciência vista como uma vela no escuro. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, P. B. Metodologia de pesquisa. 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2006.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. de. Alfabetização científica: uma revisão bibliográfica. Investigações em ensino de ciências, v. 16, n. 1, p. 59-77, mar. 2011. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/246. Acesso em: 10 ago. 2020.

SCHIEBINGER, L. Mais mulheres na ciência: questões de conhecimento. Apresentação de Maria Margaret Lopes. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 15, supl., jun., p. 269-281, 2008.

SCHIENBINGER, L. O feminismo mudou a ciência? Bauru: Edusc, 2001.

SILVA, F. F. da; RIBEIRO, P. R. C. A inserção das mulheres na ciência: narrativas de mulheres cientistas sobre a escolha profissional. Linhas Críticas, v. 18, n. 35, p. 171-191, 2012. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/article/view/3846. Acesso em: 17 ago. 2020.

SOUZA, L. P.; GUEDES D. R. A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estudos avançados, v. 30, n. 87, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ea/a/PPDVW47HsgMgGQQCgYYfWgp/?lang=pt. Acesso em: 03 jul. 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-15

Edição

Seção

História, Filosofia e Sociologia da Ciência e Ensino de Ciências/Física