Uso de Tecnologias Móveis sob uma perspectiva investigativa em aulas de Física

Autores

  • Anaximandro Dalri Merizio Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, Itajaí, SC
  • Luiz Clement Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC https://orcid.org/0000-0002-4396-7735

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2021.e76703

Palavras-chave:

Ensino por Investigação, Tecnologias Móveis, Ondas Sonoras, Ensino de Física, Interesse e Autonomia

Resumo

Apoiados na ideia de que o processo de construção de conhecimento decorre da configuração e resolução de problemas, seja no cenário científico ou escolar, buscamos apoio no Ensino por Investigação para estruturar atividades didáticas, pois é uma perspectiva de ensino-aprendizagem em que o uso de situações-problemas é central. Nesse contexto, visa-se que o estudante, ao deparar-se com e apropriar-se de determinada situação-problema, emita hipóteses, elabore e implemente estratégias de resolução e comunique os resultados obtidos. Em outra frente, voltada ao uso de distintos recursos didático-pedagógicos, as Tecnologias Móveis, especificamente os smartphones e os tablets, encontram-se cada vez mais inseridos no cotidiano dos estudantes embora estejam distantes do uso didático nas escolas. Diante deste cenário, conduzimos uma pesquisa que procurou analisar as possibilidades da utilização das Tecnologias Móveis em aulas de Física sob uma perspectiva do Ensino por Investigação. Neste artigo, objetivamos apresentar um conjunto de resultados decorrentes desta pesquisa. Ao longo da pesquisa foram implementadas cinco Ações de Ensino Investigativas – AEI, abordando a temática das ondas sonoras. Os resultados apontam para a viabilidade do uso das Tecnologias Móveis na investigação de fenômenos físicos, considerando uma perspectiva educacional do Ensino por Investigação. Além disso, no decorrer das AEI, com a Escala de Medida de Interesse e Suportes a Autonomia (EMISA) e instrumentos complementares de coleta e análise de dados, constatou-se a permanência do interesse dos estudantes no decorrer das atividades, bem como o desenvolvimento de suportes para a promoção da autonomia.

Biografia do Autor

Anaximandro Dalri Merizio, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina, Itajaí, SC

Licenciado em Física pela Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC (2004). Especialista em Educação a Distância - SENAC (2007). Mestre em Ensino de Ciências, Matemática e Tecnologias pela Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC (2018). Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina – IFSC, Campus Itajaí.

Luiz Clement, Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC

Possui graduação em Licenciatura em Física pela Universidade Federal de Santa Maria (2002); mestrado em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria (2004) e doutorado em Educação Científica e Tecnológica pela Universidade Federal de Santa Catarina (2013). É Professor Associado do Departamento de Física da Universidade do Estado de Santa Catarina e Coordenador do Programa de Pós-graduação em Ensino de Ciências, Matemática e Tecnologias da UDESC. Pesquisador do Grupo de Estudo e Pesquisa em Ensino de Física e Tecnologia – GEPEFT. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino de Física, atuando principalmente nos seguintes temas: Ensino por Investigação; Motivação; Afetividade e cognição, interesse e Engajamento no processo de ensino e aprendizagem; Resolução de Problemas; Didática da Física (Materiais, Métodos, Estratégias e Avaliação) e elaboração e busca de evidências de validade de Produtos Educacionais no âmbito do mestrado profissional em Ensino de Ciências, Matemática e Tecnologias.

Referências

AZEVEDO, M. C. P. S. de. Ensino por investigação: problematizando as atividades em sala de aula. In: CARVALHO, A. M. P. de. (Org.). Ensino de ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Cengage Learning, 2009. cap. 2.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Secretaria Executiva. Câmara de Educação Básica. Resolução n˚ 2, de 30 de Janeiro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 22, 31 jan. 2012. Seção 1, p. 20-21.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Ensino Médio. 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 21 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006. (Orientações Curriculares para o ensino médio; volume 2).

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio: ciências da natureza, matemática e suas tecnologias / Ministério da Educação. Brasília: Ministério da Educação/Secretaria de Educação Média e Tecnológica, 1999.

BRASIL. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. PCN+ Ensino Médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Média e Tecnológica, 2002.

BRICCIA, V. Sobre a natureza da Ciência e o ensino. In: CARVALHO, A. M. P. de. (Org.). Ensino de ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2016. p. 111-128.

CLEMENT, L. Autodeterminação e ensino por investigação: construindo elementos para promoção da autonomia em aulas de física. 2013. 334 f. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

FERNANDES, M. M.; SILVA, M. H. S. O trabalho experimental de investigação: das expectativas dos alunos às potencialidades no desenvolvimento de competências. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 4, n. 1, p. 45-58, jan./abr. 2004.

FERNANDES, A. C. P.; AULER, L. T. S.; HUGUENIN, J. A. O.; BALTHAZAR, W. F. Efeito doppler com tablet e smartphone. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 38, n. 3, p. e3504-e3504-8, 2016.

GARCÍA, J. E.; GARCÍA, F. F. Aprender investigando: una proposta metodológica basada em la investigación. 7. ed. Sevilla/ES: Díada Editora, 2000. 93 p. (Série Práctica, n. 2. Colección Investigación e Enseñanza).

GUEDES, A. G. Estudo das ondas estacionárias em um corda com a utilização de um aplicativo gratuito para smartphones. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 37, n. 2, p. 2502-2502-5, 2015.

HIRTH, M.; KUHN; J.; MÜLLER, A. Measurement of sound velocity made easy using harmonic resonant frequencies with everyday mobile technology. The Physics Teacher, v. 53, p. 120-121, fev. 2015.

JESUS, V. L. B. de; SASAKI, D. G. G. Uma visão diferenciada sobre o ensino de forças impulsivas usando um smartphone. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 38, n. 1, p. 1303-1303-6, 2016.

KASPER, L.; VOGT, P.; STROHMEYER, C. Stationary waves in tubes and the speed of sound. The Physics Teacher, v. 53, p. 52-53, jan. 2015.

KUHN, J.; VOGT, P. Smartphones as experimental tool: different methods to determine the gravitational acceleration in classroom by using everyday devices. European Journal of Physics Education. v. 4, n. 1, p. 16-27, 2013.

MONTEIRO, M.; STARI, C.; CABEZA, C.; MARTÍ, A. C. The polarization of light and malu’s law using smartphones. The Physics Teacher, v. 55, p. 264-266, mai. 2017.

MONTEIRO, M.; STARI, C.; CABEZA, C.; MARTÍ, A. C. The atwood machine revisited using smartphones. The Physics Teacher, v. 53, p. 373-374, set. 2015.

PAROLIN, S. O.; PEZZI, G. Kundt’s tube experiment using smartphones. Physics Education, v. 50, n. 4, p. 443-447, jul. 2015.

UNESCO. Diretrizes de política da UNESCO para a aprendizagem móvel. 2013.

VIEIRA, L. P. Experimentos de física com Tablets e Smartphones. 2013. 107 f. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

VIEIRA, L. P.; AMARAL, D. F.; LARA, V. O. M. Ondas sonoras estacionárias em um tubo: análise de problemas e sugestões. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 36, n. 1, p. 1504-1504-5, 2014.

VIEIRA, L. P.; LARA, V. O. M.; AMARAL, D. F. Demonstração da lei do inverso do quadrado com o auxílio de um tablet/smartphone. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 36, n. 3, p. 3505-3505-3, 2014.

VOGT; P.; KUHN, J. Analyzing free fall with a smartphone acceleration sensor. The Physics Teacher, v. 50, p. 182-183, mar. 2012.

WHITE, H. E.; WHITE, D. H. Physics and Music: The Science of Musical Sound. Mineola: Dover Publications, 2014.

ZOMPERO, A. de F.; LABURÚ, C. E. Atividades investigativas para as aulas de ciências: um diálogo com a teoria da aprendizagem significativa. 1. ed. Curitiba: Appris, 2016.

Downloads

Publicado

2021-12-15

Edição

Seção

Desenvolvimento de materiais educativos