Indicadores Formativos para o Ensino de Física através do Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2021.e77046

Palavras-chave:

ENEM, Indicadores Formativos, Ensino de Física, Avaliação Formativa

Resumo

O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) apresenta grande importância no cenário educacional em nosso país, principalmente a partir do uso do exame como instrumento para a seleção de candidatos a cursos de nível superior das universidades federais. Esse trabalho tem como objetivo utilizar os dados do ENEM para redefinir o seu papel de processo seletivo, tornando-se uma avaliação também preocupada com a aprendizagem dos conteúdos trabalhados na escola. Para isso, desenvolvemos Indicadores Formativos, a saber: indicadores educacionais, sociais e econômico a partir dos microdados do ENEM. Através de uma metodologia estatística simples, analisamos os dados dos candidatos que se declararam concluintes do Ensino Médio, nos anos de 2009 a 2017 egressos das escolas públicas. Os dados foram analisados sob diferentes referenciais teóricos, tanto da área de Ensino de Física, como também da área da Sociologia da Educação. Nossos resultados sugerem que as diferenças de desempenho nos itens de Física estão correlacionadas com as condições socioeconômicas e com o sexo dos candidatos. Com relação ao desempenho observamos que aproximadamente 70% dos itens de Física são considerados difíceis para os candidatos. No que se refere à qualificação dos erros cometidos, identificamos erros de ordem conceitual e de ordem matemática. Deste modo, buscamos redefinir o papel do ENEM no cenário educacional o aproximando ainda mais das relações em sala de aula como mais uma avaliação formativa para o Ensino Médio.

Biografia do Autor

Guilherme Stecca Marcom, Secretaria de Educação do Estado de São Paulo, E.E. Prof. Luis Galhardo

Graduado em Licenciatura em Física pela Universidade Estadual de Campinas, no ano 2012. Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática pelo Programa de Pós Graduação Multiunidades em Ensino de Ciência e Matemática (PECIM), da UNICAMP, com projeto na área de avaliação em larga escala e psicometria. Doutor pelo PECIM com projeto na área de avaliação em larga escala tendo como objeto de estudos o ENEM. É Professor de Física do Ensino Médio na rede pública de ensino do Estado de São Paulo e foi professor de nível superior na Faculdade Anhanguera de Indaiatuba, no curso de Engenharia Mecânica. Realizou estágio de doutorado no Instituto Vasco de Evaluación y Investigación Educativa (Bilbao/País Basco/Espanha), atuando como colaborador do grupo de Avaliação e Rendimento na área de Ciências da Natureza na mesma instituição. Interessado na área de Educação, Ensino de Física, Avaliação e Psicometria.

Maurício Urban Kleinke, Instituto de Física "Gleb Wataghin", Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Bacharelado em Física (1981), mestrado em Física (1984) e doutorado em Física (1989), todos pela Universidade Estadual de Campinas. Atualmente, é professor livre-docente concursado da Universidade Estadual de Campinas. Já trabalhou nas áreas de eletroquímica, física da matéria condensada e física estatística, sempre com enfoque experimental. Na última década, tem se dedicado a pesquisar na área de Ensino, com ênfase em utilizar os resultados do Enem como informações para o Ensino de Ciências e Matemática e formação continuada de professores de Física/Ciências.

Referências

ANDERSON, L. W. et. al. A taxonomy for learning, teaching and assessing: a revision of Bloom’s Taxonomy of Educational Objectives. Nova York: Addison Wesley Longman, 2001.

AYALON, H.; LIVNEH, I. Educational standardization and gender diferences in mathematics achievement: A comparative study. Social Science Research, v. 42, p. 342-445, 2013.

BARROSO, M. F.; RUBINI, G.; SILVA, T. Dificuldades na aprendizagem de Física sob a ótica dos resultados do Enem. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 40, n. 4, e4402, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806 -11172018000400502&lng =en&nrm=iso. Acesso em: 24 abr. 2021.

BEICHNER, R. J. Testing student interpretation of kinematics graphs. American Journal of Physics, v. 62, n. 8, p. 750-762, 1994. Disponível em: https://www.ncsu.edu/per/Articles/TUGKArticle.pdf. Acesso em: 15 jun. 2015.

BLACK, P. J. Os professores podem usar a avaliação para melhorar o ensino. Práxis Educativa, v. 4, n. 2, p. 195-201, 2009.

BLOOM, B. S. Taxionomia de Objetivos Educacionais. Porto Alegre: Livraria do Globo, Editora da UFRGS, 1972.

BORG, W. R.; GALL, M. D. Educational Research: An Introduction. 5. ed. New York: Longman, 1989. 939 p.

BOURDIEU, P. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. Escritos de Educação. 4. ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2002. p. 39-64.

BOURDIEU, P. A Distinção: crítica social do julgamento. São Paulo: Edusp, 2007. 560p.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. A. Reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Petrópolis: Editora Vozes, 2008. 275p.

BURGOA ETXABURU, M. B. La transferencia de contenidos matemáticos a contextos científicos con perspectiva de género: El concepto de función. 2017. 332p. Tese (Doutorado em Educação) – Universidad del País Vasco/Euskal Herriko Unibertsitatea, Bilbao.

CALDERÓN, A. I.; POLTRONIERI, H. Avaliação da aprendizagem na Educação Básica: as pesquisas do estado da arte em questão (1980-2007). Revista Diálogo Educacional, v. 13, n. 40, p. 873-893, 2013. Disponível em: https://periodicos.pucpr.br/index.php/ dialogoeducacional/article/view/14808. Acesso em: 25 abr. 2021.

CASAGRANDE, L. S; CARVALHO, M. G. Quem Apresenta Melhor Rendimento Escolar, Meninas ou Meninos? In: VII CONGRESSO IBEROAMERICANO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E GÊNERO, VII, 2010, Curitiba. Anais...

CHI, M. T. H.; FELTOVICH, P. J.; GLASER, R. Categorization and representation of physics problems by experts and novices. Cognitive science, v. 5, n.2, p.121-152, 1981. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1207/s15516709cog0502_2/epdf. Acesso em: 10 jun. 2015.

CHI, M. T. H.; GLASER, R.; REES, E. Expertise in Problem Solving. In: STERNBERG, R. J. (Org.) Advances in the psychology of human intelligence. v. 1. New Jersey: Erlbaum, 1982. p. 7-75.

CHUERI, M. S. F. Concepções sobre avaliação escolar. Revista Estudos em Avaliação Educacional, v. 19, n. 39, 2008. Disponível em: https://www.fcc.org.br/pesquisa/publicacoes/eae/arquivos/1418/1418.pdf. Acesso em: 25 abr. 2021.

COELHO, M. I. M. Vinte anos de avaliação da educação básica no Brasil: aprendizagens e desafios. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, Rio de Janeiro, v. 16, n. 59, p. 229-258, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ensaio/v16n59/v16n59a05.pdf. Acesso em: 25 abr. 2021.

COHEN, J. Statistical power analysis for the behavioral sciences. 2.ed. Hillsdale: L. Erlbaum Associates, 1988.

COMVEST Comissão Permanente para Vestibulares. Análise e caracterização estatística das provas Vestibular Unicamp 2012. Disponível em: http://www.comvest.unicamp.br/estatisticas/2012/distrib_notas/pdf/estatisticas2012.pdf. Acesso em: 14 jul. 2018.

DA SILVA, V. A.; MARTINS, M. I. Análise de questões de Física do ENEM pela taxonomia de Bloom revisada. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, v. 16, n. 3, 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/epec/v16n3/1983-2117-epec-16-03-00189.pdf. Acesso em: 25 abr. 2021.

FERGUSON, G. A. Statistical Analysis in Psychology and Education. New York: McGraww-Hill. International Editions. Psychology Series, 1981. 587p.

FERNANDES, D. Avaliar para Aprender: Fundamentos, práticas e políticas. São Paulo: Unesp, 2009. 222 p.

GATTI, B. A Avaliação de sistemas educacionais no Brasil. Revista de Ciências da Educação, v. 9, p. 7-18, 2009. Disponível em: http://professor.ufop.br/sites/default/files/danielmatos/files/gatti_2009_avaliacao_de_sistemas_educacionais_no_brasil.pdf. Acesso em: 25 abr. 2021.

GONÇALVES JUNIOR, W. P. Avaliação de Larga Escala e o Professor de Física. 2012. 227 p. Dissertação (Mestrado em Ensino de Física) – Instituto de Física, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

GONÇALVES JR, W. P.; BARROSO, M. F. Os itens de física e o desempenho dos estudantes no ENEM. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 36, n. 1, p. 1-11, jan./mar. 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid =S1806-11172014000100017. Acesso em: 25 abr. 2021

HALE, P. Kinematics and Graphs: Students’ Difficulties and CBLs. Connecting Research to Teaching, v. 93, n. 5, p. 414-417. 2000. Disponível em: http://math.buffalostate.edu/~ mcmillen/Hale.pdf. Acesso em: 10 jun. 2014.

HERNANDES, J. S.; MARTINS, M. I. Categorização de questões de Física do Novo ENEM. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 30, n. 1, p. 58-83, 2013. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/fisica/article/view/2175-7941.2013v30 n1p58/24486. Acesso em: 25 abr. 2021.

HYDE, J. S.; LINN, M. C. Gender Similarities in Mathematics and Science. Science, v. 314, p. 599-600, 2009.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Guia de Elaboração e Revisão de itens. Brasília, 2010.

KLEINKE, M. U. Influência do status socioeconômico no desempenho dos estudantes nos itens de física do Enem 2012. Revista Brasileira de Ensino de Física, v. 39, n. 2, 2017. Disponivel em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-11172017000200502&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 24 abr. 2021.

KOHL, P. B.; FINKELSTEIN, N. D. Effects of representation on students solving physics problems: A fine-grained characterization. Physical Review Special Topics. Physics Education Research, v. 2, n. 1, p. 010106-1-010106-12, 2006. Disponível em: http://journals.aps.org/prper/abstract/10.1103/PhysRevSTPER.2.010106. Acesso em: 20 ago. 2015.

KOU, E. et al. How Students Blend Conceptual and Formal Mathematical Reasoning in Solving Physics Problems. Science Education. v. 97, n. 1, p. 32-57, 2013. Disponível em: http://onlinelibrary.wiley.com/doi/10.1002/sce.21043/full. Acesso em: 20 ago. 2015.

LARKIN, J. et al. Expert and novice performance in solving physics problems. Science, v. 208, n. 4450, p. 1335-1342, jun. 1980. Disponível em: http://science.sciencemag.org/content/208/4450/1335.abstract. Acesso em: 20 ago. 2015.

MALONEY, D. P. An overview of Physics Education Research on Problem Solving. Physic Educational Research, v. 2, n. 2, p. 1-33. 2011. Disponível em: http://opus.ipfw.edu/physics_facpubs/49/. Acesso em: 10 jan. 2014.

MARCOM, G. S. O ENEM, indicadores formativos e ensino de física. 2019. 130 p. Tese (Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Física Gleb Wataghin, Campinas, SP.

MARCOM, G. S.; KLEINKE, M. U. Análises dos distratores das questões de Física em Exames de Larga Escala. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v. 33, n. 1, p. 72-91, abr. 2016. ISSN 2175-7941. Disponível em: https://antigo.periodicos. ufsc.br/index.php/fisica/article/view/2175-7941.2016v33n1p72. Acesso em: 24 abr. 2021.

MARCOM, G. S.; KLEINKE, M. U. Gênero e status socioeconômico: reflexões sobre o desempenho dos candidatos na prova de ciências da natureza do ENEM 2014. Perspectiva Sociológica: A Revista de Professores de Sociologia, n. 19, p. 44-52, 2017. Disponível em: https://cp2.g12.br/ojs/index.php/PS/article/view/1174. Acesso em: 25 abr. 2021.

NASCIMENTO, M. M.; CAVALCANTI, C.; OSTERMANN, F. Uma busca por questões de Física do ENEM potencialmente não reprodutoras das desigualdades socioeconômicas. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 40, n. 3, e3402, 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-11172018000300501&lng =en&nrm=iso. Acesso em: 24 abr. 2021.

NISSEN, J. M.; SHEMWELL, J. T. Gender, experience, and self-efficacy in introductory physics. Physical Review Physics Education Research, v. 12, n. 2, p. 020105, 2016. Disponível em: https://journals.aps.org/prper/abstract/10.1103/PhysRevPhysEducRes.12. 020105. Acesso em: 25 abr. 2021.

O’NEILL, G.; MURPHY, F. Assessment: Guide to Taxonomies of Learnign. UCD Teaching and Learning/Resources. Dublin. 2010.

OLIVEIRA, C. F. Os contextos na prova de Ciências da Natureza do ENEM: Uma medida do seu impacto no desempenho dos estudantes. 2014. 129p. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências de Matemática) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

PASQUALI, L. Validade dos Testes Psicológicos: Será Possível Reencontrar o Caminho? Psicologia: teoria e Pesquisa, Brasília, v. 23, n. especial, p. 99-107, 2007.

PASQUALI, L. Psicometria. Revista da Escola de Enfermagem, São Paulo, v. 43, n. especial, p. 992-999, 2009.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens. Porto Alegre: Artmed, 1999. 184 p.

POZO, J.; GÓMEZ CRESPO, M. A. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. Porto Alegre: Artmed, 2009. 294p.

RAMAPRASAD, A. On the definition of feedback. Behavioural Science, v. 28, p. 4-13, 1983. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1002/bs.3830280103. Acesso em: 25 abr. 2021

RYAN, J. M; DeMARK, S. Variation in achievement scores related to gender, item format, and content area tested. In: TINDAL, G.; HALADYNA, T. M. (Org). Large-scale assessment programs for all studensts: Validity, technical adequacy, and implementation. Mahwah, New Jersey: Erlbaum, 2002. p. 67-88.

SABELLA, M. S.; REDISH, E. F. Knowledge organization and activation in physics problem solving. American Journal of Physics, v. 75, n. 11, p. 1017-1029, 2007. Disponível em: http://scitation.aip.org/content/aapt/journal/ajp/75/11/10.1119/1.2746359. Acesso em: 10 ago. 2015.

SADLER, D. R. Formative assessment and the design of instructional systems. Instructional Science, v. 18, p. 145-165, 1989. Disponível em: https://link.springer.com/article/ 10.1007/BF00117714. Acesso em: 25 abr. 2021.

SILVEIRA, F. L.; BARBOSA, M. C. B.; SILVA, R. Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM): Uma análise crítica. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 37, n. 1, p. 1101, mar. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbef/v37n1/1806-1117-rbef-S1806-11173710001.pdf. Acesso em: 24 abr. 2021.

SMITH, K. C.; NAKHLEHB, M. B.; BRETZC, S. L. An expanded framework for analyzing general chemistry exams. Chemistry Education Research and Practice, v. 11, p. 147-153, 2010. Disponível em: https://pubs.rsc.org/en/content/articlelanding/2010/rp/c005463c#!divAbstract. Acesso em: 25 abr. 2021.

SOUSA, C. P. Descrição de uma trajetória na/da Avaliação Educacional. Idéias, v. 30, 1998. Disponível em: http://www.crmariocovas.sp.gov.br/pdf/ideias_30_p161-174_c.pdf. Acesso em: 25 abr. 2021.

SPAZZIANI, G. P. Devolutivas pedagógicas construídas a partir das escolhas das alternativas pelos candidatos nos itens de física do ENEM. 2019. 258 p. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Física Gleb Wataghin, Campinas, SP.

TARAS, M. Assessment – Summative and Formative – some theoretical reflections. British Journal of Educational Studies, v. 53, n. 3, p. 466-478, 2005. Disponível em: https://www.tandfonline.com/doi/abs/10.1111/j.1467-8527.2005.00307.x. Acesso em: 25 abr. 2021.

TARAS, M. Do unto others or not? Lecturers use expert feedback on research articles, why not likewise undergraduates on assessed work? Assessment and Evaluation in Higher Education, v. 31, n. 3, p. 363-375, 2006. Disponível em: https://www.tandfonline.com/ doi/abs/10.1080/02602930500353038. Acesso em: 25 abr. 2021.

TARAS, M. De Volta ao Básico: definições e processos de avaliação. Práxis Educativa, v. 5, n. 2, p. 123-130, 2010. Disponível em: http://www.revistas2.uepg.br/index.php/ praxiseducativa/article/viewFile/1828/1385. Acesso em: 10 ago. 2015.

TARAS, M. Assessing assessment theories. Online Educational Research Journal, v. 3, n. 12, 2012. Disponível em: https://sure.sunderland.ac.uk/id/eprint/3321/1/Assessing_ Assessment_Theories.pdf. Acesso em: 24 abr. 2021.

TRAVITZKI, R. ENEM: limites e possibilidades do Exame Nacional do Ensino Médio enquanto indicador de qualidade escolar. 2013. 277f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

VALLE SILVA, G. O. Capital Cultural, Classe e Gênero em Bourdieu. Cadernos do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, v. 1, n. 2, p. 24-36, 1995.

WILSON, K. et al. Differences in gender performance on competitive physics selection tests. Physical Review Physics Education Research, v. 12, n. 2, p. 020111, 2016. Disponível em: https://journals.aps.org/prper/abstract/10.1103/PhysRevPhysEducRes.12.020111. Acesso em: 25 abr. 2021.

Downloads

Publicado

2021-12-15

Edição

Seção

Ensino e aprendizagem de Ciências/Física