O currículo para o Ensino Médio em Goiás na perspectiva do Ciclo de Políticas: o lugar da Química

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/2175-7941.2021.e81149

Palavras-chave:

Bourdieu, Química, Ciclo de Políticas, Currículo

Resumo

A partir do resgate da história das políticas educacionais curriculares é possível discutir os contextos que deram origem aos currículos, bem como entender os fatores que influenciaram sua estruturação. Dessa forma, buscamos, nesta pesquisa, investigar as políticas de currículo para o Ensino Médio em Goiás por meio da análise de documentos curriculares e normativas referentes ao currículo de Química implementado no início dos anos 2000. Como método analítico, utilizamos a abordagem do ciclo de políticas de Stephen Ball e Richard Bowe (1992), que permite a análise crítica da trajetória dessas políticas desde sua formulação inicial até a sua atuação no contexto da prática e seus efeitos. A análise dos dados foi estruturada a partir de aproximações com a perspectiva de Bourdieu tendo em vista o caráter relacional das políticas educacionais e elementos como dissimulação, disputas e agentes do campo, que permeiam também as discussões sobre políticas e currículo. A partir da análise, alguns aspectos podem ser evidenciados como a interferência política na estruturação dos textos direcionadores da organização curricular do estado de Goiás no período em recorte. Isso denota que os políticos ou agentes desse campo detêm o poder de regular outros campos em diferentes dimensões evidenciando a autonomia relativa do campo educacional. Tendo em vista os resultados encontrados, reforçamos a importância de se conhecer e analisar os contextos que perpassam a elaboração de políticas educacionais, no caso específico, políticas curriculares, no sentido de refletirmos sobre a construção de novas e outras influências com vistas a discutir a qualidade da escola que temos para a construção da escola que queremos. 

Biografia do Autor

Luciene Pereira da Silva Gonçalves, Instituto Federal Goiano, Campos Belos, GO

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação de Química da Universidade Federal de Goiás na área de Ensino em Química, Mestre em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Goiás (2015), Especialista em Métodos e Técnicas de Ensino pela Universidade Salgado de Oliveira (2005) e em Cosmetologia pelo Centro de Pós-Graduação Oswaldo Cruz, São Paulo (2009), Licenciada e Bacharel em Química pela Universidade Federal de Goiás (2001). Atuou como Docente na Universidade Federal de Goiás (UFG-GO) e Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC-GO). Tem experiência na área de Química, com ênfase em Ensino de Química. Professora do Instituto Federal Goiano, Campos Belos, GO.

Nyuara Araújo da Silva Mesquita, Universidade Federal de Goiás

Licenciada, mestra e doutora em Química pela Universidade Federal de Goiás. Professora associada da área de Ensino de Química na Universidade Federal de Goiás, orientando no mestrado e doutorado do Programa de Pós-Graduação em Química do Instituto de Química e no Programa de Mestrado em Educação em Ciências e Matemática da UFG. Foi coordenadora de área do PIBID/Química UFG campus Goiânia, coordena o LEQUAL - Laboratório de Educação Química e Atividades Lúdicas. É pesquisadora do NUPEC - Núcleo de Pesquisa em Ensino de Ciências da UFG. Vice-diretora da Divisão de Ensino da Sociedade Brasileira de Química nas gestões 2016-2018 e 2018-2020. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Ensino de Química, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores de Química e Ciências, Educação Ambiental, políticas públicas e ensino de Química, jogos e atividades lúdicas voltadas para o ensino de ciências e mídias no ensino de ciências.

Referências

ABREU, R. G.; LOPES, A. C. Políticas de Currículo para o Ensino Médio no Rio de Janeiro: o Caso da Disciplina Química. Contexto e Educação, Editora Unijuí, Ano 21, n. 76, 2006.

ANDRADE, M. P. V. Concepção de história e ensino na proposta de reorientação curricular de goiás, mudança ou permanência. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, XXVI, 2011, São Paulo. Anais... p. 1-27.

ANDRADE, C. Y. Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social. Ensino Superior Unicamp, n. 6, 2012, p. 18-27. Disponível em: https://www.revistaensinosuperior.gr.unicamp.br/pdf/17. Acesso em: jan. 2017.

AVELAR, M. Entrevista com Stephen J. Ball: uma análise de sua contribuição para a pesquisa em política educacional. Archivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 24, n. 24, p. 1-8, 2016.

BALL, S.J.; BOWE, R. Subject departments and the “implementation” of National Curriculum policy: an overview of the issues. Journal of Curriculum Studies, London, v. 24, n. 2, p. 97-115, 1992. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/248986176. Acesso em: 12 nov. 2018.

BALL, S. J. Performatividade, privatização e o pós-estado do bem-estar. Educação & Sociedade, v. 25, n. 89, p. 1105-1126, 2004.

BALL, S. J.; MAGUIRE, M.; BRAUN, A. Como as escolas fazem as políticas: atuação em escolas secundárias. Tradução: Janete Bridon. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2016. 230 p.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto editora, 1994.

BOURDIEU, P. Introdução a uma sociologia reflexiva. In: BOURDIEU, P (Ed.) O poder simbólico. Tradução: Fernando Tomaz. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989. p. 17-58.

BOURDIEU, P. Razões Práticas: sobre a teoria da ação. Tradução: Mariza Corrêa. 3. ed. Campinas: Papirus, 1996.

BOURDIEU, P. Contrafogos: táticas para enfrentar a invasão neoliberal. Tradução: Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1998. 151 p.

BOURDIEU, P. A escola conservadora: as desigualdades frente à escola e à cultura. In: NOGUEIRA, M. A.; CATANI, A. (Orgs). Escritos de educação. Petrópolis - Rio de Janeiro: Vozes, 2007. p. 39-64.

BOURDIEU, P. Sobre o Estado: cursos no College de France (1989-92). Tradução: Rosa Freire d’Aguiar. 1. ed. São Paulo: Companhia das letras, 2014.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. Os herdeiros: os estudantes e a cultura. Tradução: Ione Ribeiro Valle, Nilton Valle. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2014.

BOWE, R.; BALL, S.; GOLD, A. Reforming Education and Changing Schools: case studies in policy sociology. London and New York: Routledge, 1992. 191 p.

BRASIL. LEI n. 9394, de 20 de Dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br. Acesso em: abr. 2020.

BRASIL. CNE. Resolução CEB Nº 3, DE 26 de Junho de 1998. DCN para o Ensino Médio.

BRASIL. MEC. Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnologia, 2000. (Parte I - Bases Legais)

BRASIL. MEC. Parâmetros em ação: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília: MEC, 2001.

CHIEFFI M. V.; REGINATO M. J; VIEIRA A. Uma reorientação curricular em três movimentos. In: GOIÁS. Secretaria de Educação. Currículo, Construção e Participação, 2010.

DIAS, R. E.; ABREU, R. G. Discursos do mundo do trabalho nos livros didáticos do ensino médio. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 32, maio/ago. 2006.

DOMINGUES, J. L. Currículo em debate: secretaria de estado da educação de goiás. Currículo, Construção e Participação, 2010.

FREITAS, L. C. Prefácio. In: UCHOA, A. M. da C; LIMA, A. de M.; SENA, I. P. F. de S. (Orgs.) Diálogos críticos, volume 2: reformas educacionais: avanço ou precarização da educação pública? [recurso eletrônico] Porto Alegre, RS: Editora Fi, 2020.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. Educação básica no Brasil na década de 1990: subordinação ativa e consentida à lógica do mercado. Educação e Sociedade, Campinas, v. 24, n. 82, 2003.

GOIÁS, SEDUC. Referenciais Curriculares do Ensino Médio do Estado de Goiás (versão preliminar). Série: diálogos sobre o Ensino Médio. Goiânia: SEDUC, 2009.

GOIÁS, SEDUC. Referencial curricular de Química para o ensino médio do estado de Goiás. Goiânia: SEDUC, 2010.

GOIÁS, SEDUC. Currículo bimestralizado de Química. Goiânia: SEDUC, 2012.

GOIÁS, SEDUC. Currículo referência da rede estadual de Goiás. Goiânia: SEDUC, 2013.

GONÇALVES, L. P. S. Currículo para o Ensino Médio em Goiás (1961-2013) na perspectiva do Ciclo de Políticas: o lugar da Química. 2021. 239 f. Tese (Doutorado em Química) - Instituto de Química, UFG, Goiânia.

GUIA DE LIVROS DIDÁTICOS: PNLD 2012: Química. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2011.

LOPES, A. C. Discursos curriculares na disciplina escolar Química. Ciência & Educação, v. 11, n. 2, p. 263-278, 2005.

LOPES, A. R.C. Currículo e Epistemologia. Ijuí: Unijuí, 2007. 259 p.

LOPES, A. C. Teorias pós críticas, política e currículo. Educação, sociedade e culturas, n. 39, p. 7-23, 2013.

LOPES A. C. Os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Médio e a submissão ao mundo produtivo: o caso do conceito de contextualização. Educ. Soc., Campinas, v. 23, n. 80, p. 386-400, 2002.

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação & Sociedade, v. 27, n. 94, p. 47-69, 2006.

MAINARDES, J.; MARCONDES, M. I. Entrevista com Stephen J. Ball: um diálogo sobre justiça social, pesquisa e política educacional. Educação & Sociedade, v. 30, n. 106, p. 303-318, 2009. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 05 abr. 2019.

MAINARDES, J.; FERREIRA, M. Dos S.; TELLO, C. Análise de políticas: fundamentos e principais debates teórico-metodológicos. In: BALL, S. J.; MAINARDES, J. (Org). Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011. p. 143-172.

MAINARDES, J.; GANDIN, L. A. A abordagem do ciclo de políticas como epistemetodologia: usos no Brasil e contribuições para a pesquisa sobre políticas educacionais. In: TELLO, C.; ALMEIDA, M. L. P. (Orgs). Estudos epistemológicos no campo da pesquisa em política educacional. Campinas: Mercado de Letras, 2013. p. 143-167.

MAINARDES, J. Entrevista com o Professor Stephen J. Ball. Olhares. Revista do Departamento de Educação da Unifesp, v. 3, n. 2, p. 161-171, 2015. Disponível em: https://periodicos.unifesp.br/index.php/olhares/article/view/432/163. Acesso em: 19 fev. 2019.

MORTIMER, E. F.; MACHADO, A. H.; ROMANELLI, L. I. A Proposta Curricular de Química do Estado de Minas Gerais: Fundamentos e Pressupostos. Química Nova, v. 23, n. 2, p. 273-283, 2000.

NICOLODI, E. Políticas públicas de reestruturação do Ensino Médio: as reformas implantadas pela secretaria de estado da educação de Goiás no período 2000-2010. 2013. 282 f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, UFG, Goiânia.

PAVEZI, M.; MAINARDES, J. Políticas de Educação Especial no Estado de Alagoas. Revista Brasileira de Educação Especial, Bauru, v. 25, n. 4, p.747-764, 2019.

PERONI, V. M.; CAETANO, M. R. Relações entre o público e o privado na educação: o Projeto Jovem de Futuro do Instituto Unibanco. Educação: Teoria e Prática, v. 25, n. 50, p. 520-533, 2015.

SAVIANI, D. Escola e democracia – Polêmicas do nosso tempo. Ed. Campinas, SP: Autores associados, 1999.

SAVIANI, D. Da LDB (1996) ao novo PNE (2014-2024): por uma outra política educacional. 5. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2016.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016.

SIQUEIRA, R. M.; MORADILLO, E. F. Breve análise histórico-crítica do currículo de Química para o Ensino Médio no Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, XI, 2017, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC.

SHIROMA, E. O.; CAMPOS, R. F.; GARCIA, R. M. C. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos. Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 427-446, 2005.

SHIROMA, E. O.; CAMPOS, R. F.; GARCIA, R. M. C. Conversão das “almas” pela liturgia da palavra: uma análise do discurso do movimento Todos pela Educação. In: BALL, S. J.; MAINARDES, J. (Orgs.). Políticas Educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011. p. 222-247.

TORRES, R.M. Educação para todos: a tarefa por fazer. Porto Alegre, ArtMed, 2001.

UNESCO. Educação para Todos: o compromisso de Dakar. Brasília: UNESCO, CONSED, Ação Educativa, 2001. 70 p. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001275/127509porb.pdf. Acesso em: fev. 2020.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação para Todos. Plano de Ação para Satisfazer as Necessidades Básicas de Aprendizagem. Aprovada pela Conferência Mundial sobre Educação para todos. Jomtien, Tailândia, 5 a 9 de março de 1990. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf. Acesso em: fev. 2020.

Downloads

Publicado

2021-12-15

Edição

Seção

Currículo de Ciências/Física