“É um problema de todo mundo”: conceitos, métodos e práticas no ensino de português para refugiados

Autores

  • Bruno Deusdará UERJ Professor do Programa de Pós-graduação em Letras (ILE/UERJ) e do Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística (FFP/UERJ) http://orcid.org/0000-0003-0429-8580
  • Poliana Coeli Costa Arantes Universidade do Estado do Rio de Janeiro Professora do Programa de Pós-graduação em Letras (ILE/UERJ)
  • Ana Karina Brenner Universidade do Estado do Rio de Janeiro Professora do Programa de Pós-graduação em Educação (PROPEd/UERJ) http://orcid.org/0000-0002-0778-3525

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2018v15n3p3226

Palavras-chave:

Ensino de Línguas para refugiados, Refúgio, Direitos Humanos

Resumo

Neste artigo, problematizamos a rede conceitual e metodológica que sustentam nossas práticas de acolhimento a refugiados. A partir dos pressupostos que orientam nossas práticas iniciou-se produção de material didático próprio e supervisão das aulas ministradas por voluntários. Equipe multidisciplinar e interinstitucional foi constituída e problematiza as implicações conceituais, éticas e políticas do professor de línguas que atua na acolhida a refugiados. A equipe constituiu-se com o objetivo de garantir o espaço de discussão em torno da demanda concreta de atuação, supervisão da elaboração de materiais e avaliação permanente da aplicação do material e das demais ações relativas ao curso. A noção de direitos e garantia de acesso aos serviços públicos que os asseguram, a não linearidade de conteúdos, a participação ativa dos refugiados e professores voluntários no apontamento dos temas e conteúdos do material didático e das aulas constituem eixos fundamentais de nossa prática.

Biografia do Autor

Bruno Deusdará, UERJ Professor do Programa de Pós-graduação em Letras (ILE/UERJ) e do Programa de Pós-graduação em Letras e Linguística (FFP/UERJ)

Professor Adjunto de Linguística e da Pós-graduação em Letras e em Letras e Linguística UERJ. Bolsista dos
Programas Jovem Cientista do Nosso Estado (FAPERJ) e Prociência (UERJ/FAPERJ). Pesquisador da Cátedra
Sérgio Vieira de Mello (ACNUR/ONU) na UERJ.

Poliana Coeli Costa Arantes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro Professora do Programa de Pós-graduação em Letras (ILE/UERJ)

Professora Adjunta de Língua e Literatura Alemã e da Pós-graduação em Letras da UERJ. Bolsista do
Programa Prociência (UERJ/FAPERJ). Coordenadora da Cátedra Sérgio Vieira de Mello (ACNUR/ONU) na
UERJ. Vice-coordenadora do GT/ANPOLL Linguagem, Enunciação e Trabalho.

Ana Karina Brenner, Universidade do Estado do Rio de Janeiro Professora do Programa de Pós-graduação em Educação (PROPEd/UERJ)

Professora Adjunta de Educação de Jovens e Adultos e da Pós-graduação em Educação (ProPEd).
Pesquisadora do Observatório Jovem do Rio de Janeiro e da Cátedra Sérgio Vieira de Mello (ACNUR/ONU) na
UERJ.

Referências

ACNUR. Global Trends Forced Displacement 2016. Disponível em: <http://www.unhcr.org/globaltrends2017/>. Acesso em: 10 set. 2017.

AGAMBEN, G. Homo sacer: o poder soberano e a vida nua I. Trad. de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2002. APÓS fechamento de campo em Calais, crianças refugiadas ficam sem abrigo. Folha de S. Paulo, São Paulo, 27 out. 2016. Mundo. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2016/10/1826791-apos fechamento-de-campo-em-calais-criancasrefugiadas-ficam-sem abrigo.shtml>. Acesso em: 13 set. 2017.

ARANTES, P. C. C.; DEUSDARA, B.; BRENNER, A. K. . Língua e alteridade na acolhida a refugiados: por uma micropolítica da linguagem. Fórum Linguístico (Online), v. 13, p. 1196-1207, 2016. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/forum/article/view/1984-8412.2016v13n2p1196>. Acesso em: 8 out. 2017.

ARANTES, P. C. C.; DEUSDARA, B. Português para refugiados: aliando pragmática e discurso em resposta a uma demanda

concreta. Letrônica, v. 8, p. 45-59, 2015. Disponível em:

<http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/letronica/article/view/19621>. Acesso em: 6 out. 2017.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Trad. de Paulo Bezerra. 6. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente. Lei federal nº 8069, de 13 de julho de 1990. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial, 2002.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Brasil abriga 8.863 refugiados de 79 nacionalidades. 2016. Disponível em: <http://www.brasil.gov.br/cidadania-ejustica/2016/05/brasil-abriga-8-863-refugiados-de-79-nacionalidades>.

Acesso em: 12 set. 2017.

BUTLER, J. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto? Trad. de Sérgio Tadeu de Niemeyer Lamarão e Arnaldo Marques da Cunha. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. 20 de novembro de 1923 – Postulados da Linguística. In: ______. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. Trad. de Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo: 34, 1997. p. 11-59.

DUARTE, D. A. A supervisão enquanto dispositivo: narrativa docente do estágio profissional em psicologia do trabalho. Interface: comunicação, saúde, educação, v. 19, n. 52, p. 133-44, 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832015000100133>. Acesso em: 10 out. 2017.

DUCROT, O. Esboço de uma teoria polifônica da linguagem. In:______. O dizer e o dito. Rev. da trad. de Eduardo Guimarães. Campinas: Pontes, 1987. p. 161-218.

FEITOSA, J. et al. Pode entrar: português do Brasil para refugiadas e refugiados. São Paulo: Edição dos autores, 2015. Disponível em: <http://www.acnur.org/portugues/wp content/uploads/2018/02/Pode_Entrar_ACNUR-2015.pdf>. Acesso em: 01 out. 2017.

FERNANDES, C. Crise dos refugiados na Europa. UOL, 6 jun. 2016. Disponível em: <http://vestibular.brasilescola.uol.com.br/atualidades/crise-dos refugiados-na-europa.htm>. Acesso em: 12 set. 2017.

FRANÇA começa a transferir 1.500 crianças e jovens do campo de Calais. Folha de S. Paulo, São Paulo, 02 nov. 2016. Mundo. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/mundo/2016/11/1828705-franca-comeca-a-transferir-1500-criancas-e-jovensdo-campo-de-calais.shtml>. Acesso em: 13 set. 2017.

GROSSO, M. J. dos R. Língua de acolhimento, língua de integração. Horizontes de Linguística Aplicada, v. 9, n.2, p. 61-77, 2010. Disponível em: <https://www.academia.edu/6956350/L%C3%ADngua_de_acolhimento_l%C3%ADngua_de_integra%C3%A7%C3%A3o?auto=download >. Acesso em: 15 jan. 2018.

ONU. Convenção Relativa ao Estatuto dos Refugiados. Disponível em:

<http://www.acnur.org/fileadmin/Documentos/portugues/BDL/Convencao_relativa_ao_Estatuto_dos_Refugiados.pdf>. Acesso em: 10 set. 2017.

PASCHE, D. F.; PASSOS, E. Inclusão como método de apoio para a produção de mudanças na saúde – aposta da Política de Humanização da Saúde. Saúde em Debate, v. 34, n. 86, p. 423-432, jul./set., 2010. Disponível em: <http://www.redalyc.org/pdf/4063/406341769003.pdf>. Acesso em: 10 set. 2017.

ROCHA, M. L. da; AGUIAR, K. F. Pesquisa-intervenção e a produção de novas análises. Psicologia, ciência e profissão. v. 23, n, 4, p.64-73, 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pcp/v23n4/v23n4a10.pdf>. Acesso em: 10 set. 2017.

Publicado

2018-10-23

Edição

Seção

Ensaio