Sobre o estatuto e estrutura sintática das condicionais de se factuais do Português de Moçambique

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2019v16n1p3545

Palavras-chave:

Condicionais factuais, Estatuto sintático, Estrutura sintática, Português de Moçambique

Resumo

Este artigo discute o estatuto e a estrutura sintática das condicionais factuais de se do português de Moçambique. Os resultados da aplicação de testes sintáticos às factuais mostram que podem ser integradas ou periféricas. Deste modo, são distintas das factuais de outras línguas, como o inglês, que são consideradas apenas periféricas (HAEGEMAN, 2003; BHATT; PANCHEVA, 2006). Do ponto de vista estrutural, as integradas ocupam uma posição relativamente baixa que é a de adjunção a VP e as periféricas, pelo contrário, posições altas na frase, em adjunção a CP ou TP (HAEGEMAN, 2003; LOBO, 2003). Para darmos conta das integradas antepostas, com base em argumentos empíricos, defendemos que são geradas por Move do interior do TP da matriz, onde são geradas, para a posição de especificador de tópico, por topicalização da oração adverbial condicional, na linha de Duarte (1987, 1996) e Valmala (2009), contrariando a hipótese de que são geradas por Merge (LOBO, 2003; IATRIDOU, 1991).

Biografia do Autor

Víctor Mércia Justino, Universidade Eduardo Mondlane

Víctor Justino é Assistente na Faculdade de Letras e Ciências Sociais da Universidade Eduardo Mondlane, onde ensina Língua Portuguesa, Linguística Descritiva e Técnicas de Comunicação. É também Investigador integrado na Cátedra do Português Língua Segunda e Estrangeira e as suas áreas de interesse são a Sintaxe, a Mor-fosintaxe e Linguística Educacional. Mestre em Linguística pela Universidade de Lisboa, está neste momento a frequentar o Doutoramento em Linguística na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Referências

AMBAR, M. Para uma sintaxe da inversão sujeito verbo em português. Colibri: Lisboa, 1992a.

AMBAR, M. Temps et structure de la phrase en portugais. In: OBENAUER, H; ZRIBI-HERTZ, A. (ed.). Structure de la phrase et théorie du liage. Saint-Denis: Presses Universitaires de Vincennes, 1992b. p. 29-49.

BHATT, R; PANCHEVA, R. Conditionals. In: EVERAERT. M., van RIEMSDIJK, H. (ed.). The blackwell companion to syntax. Blackwell, Boston e Oxford, v.1, p. 638-687, 2006.

BISKUP, P. Adjunction, Condition C, and the Background Adjunct Coreference Principle. In: BAUMER, D., MONTERO, D., SCANLON, M. (ed.). WCCFL, 25., 2006, Somerville. Proceedings […]. Somerville, MA: Cascadilla Proceedings Project, 2006. p. 96-104.

BOSQUE, I; DEMONTE, V. Gramática descriptiva de la lengua española. Espasa Calpe: Madrid, 1999.

CANCEIRO, N. Relações referenciais entre sujeitos em estruturas coordenadas e subordinadas adverbiais em português europeu. 2016. 237f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2016.

CHIMBUTANE, F. Panorama linguístico de Moçambique: Análise dos dados do III Recenseamento Geral da População e Habitação de 2007. Maputo, Moçambique: INE, 2012.

DECLERK, R. Tense in English: Its structure and use in discourse. Londres e Nova

Iorque: Routledge, 1991.

DUARTE, I. A Construção de topicalização na gramática do português: regência, ligação e condições sobre movimento. 1987. Tese (Doutorado em Liguística) –Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 1987.

DUARTE, I. Topicalização em português europeu: uma análise comparativa. In: DUARTE, I; LEIRIA I. (ed.). CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE O PORTUGUÊS, 1., 1996, Lisboa. Actas do [...]. Lisboa: APL/Edições Colibri, 1996. p. 327-360.

DUARTE, I.; GONÇALVES, A.; SANTOS, A. L. Infinitivo flexionado, independência temporal e controlo. In: COSTA, A.; FLORES C.; ALEXANDRE, N. (ed.). Textos Selecionados do XXVII Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. Lisboa: APL, 2012. p. 217-23.

GONÇALVES, A.; CUNHA, L. F.; SILVANO, P. Interpretação temporal dos domínios infinitivos na construção de reestruturação do português europeu. In: BRITO, A. M. et al. (ed.). Textos Selecionados do XXV Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. Lisbon: APL, 2010. p. 435-447.

GONÇALVES, A. et al. Sequências de tempos em completivas finitas: restrições semânticas e efeitos na aquisição. In: Textos Selecionados do XXVIII Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. Coimbra: APL, 2013. p. 433–452.

HAEGEMAN, L. Anchoring to speaker, adverbial clauses and the structure of CP. Georgetown University Working Papers in Theoretical Linguistics 2, 2002, p. 117-180.

HAEGEMAN, L. Conditional clauses: external and internal syntax. Mind and Language, v.4, n. 18, p. 317-339, 2003.

HAEGEMAN, L. The syntax of adverbial clauses and Its consequences for topicalisation. Antwerp Papers in Linguistics, n. 107, p. 61-90, 2004.

HAEGEMAN, L. The movement analysis of temporal adverbial clauses. English Language and Linguistics, n. 13, p. 385-408, 2009.

IATRIDOU, S. Topics in conditionals. 1991. 179 f. Tese (Doutorado) – PhD dissertation, M.I.T, Cambridge, 1991.

JUSTINO, V. A distribuição e a expressão gramatical do futuro do conjuntivo no Português de Moçambique. 2011. 178 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2011.

JUSTINO, V. Tipologia semântica das condicionais no português de Moçambique. Revista da Associação Portuguesa de Linguística, n. 4, 2018a, p. 98-116. Disponível em: https://doi.org/10.26334/2183-9077/rapln4ano2018a35. Acesso em: outubro 2018

JUSTINO, V. As Condicionais de ‘se´ no português de Moçambique e no português europeu. 2018b. Tese (Doutorado em Linguística Portuguesa) – Faculdade de Letras, Universidade de Lisboa, Lisboa, 2018b.

KAMP, H.; REYLE, U. From discourse to logic. Dordrecht: Kluwer Academic Publishers, 1993.

LANDAU, I. The scale of finiteness and the calculus of control. Natural Language and Linguistic Theory, n. 22, p. 811-877, 2004.

LOBO, M. Para uma sintaxe das orações causais do português. Actas do XVI Encontro Nacional da Associação Portuguesa de Linguística. Lisboa: APL, 2001, p. 291-306.

LOBO, M. Aspectos da sintaxe das orações adverbiais do português. 2003. 452f. Tese (Doutorado em Linguística Portuguesa) – Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, Lisboa, 2003.

LOBO, M. Dependências temporais: a sintaxe das orações subordinadas gerundivas do Português. Veredas, Juiz de Fora, v. 10, n. 1 e 2, 2006. Disponível em http://www.ufjf.br/revistaveredas/files/2009/12/artigo055.pdf. Acesso em: maio 2015.

LOBO, M. Subordinação adverbial. In: RAPOSO et al. (ed.). Gramática do Português. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2013. p. 1879¬-2057.

LOPES, C. M. Contributos para o estudo de construções condicionais não canónicas no PEC. Diacrítica, Universidade do Minho, v. 23, n. 1, p. 149-170, 2009.

MARQUES, R. et al. Sequence of tenses in complementation structures: lexical restrictions and effects on language acquisition. In: KLASSEN, R.; LICERAS, J. M.; VALEBZUELA, E. (ed.). Hispanic Lingustics at the crossroads. theoretical linguistics, language acquisition and language contact. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2015. p. 69-88. DOI: https://doi.org/10.1075/ihll.4.04mar.

QUIRK et al. A comprehensive grammar of the English language. London: Longman, 1985.

REINHART, T. Anaphora and semantic interpretation. Londres: Croom Helm, 1983.

RENZI, L; SALVI, G. (org.). Grande grammatica italiana di consultazione. II. I sintagmi verbale, aggettivale, avverbiale. Lasubordinazione. Bologna: il Mulino, 1991.

SILVANO, P. Sobre a semântica da sequência de tempos em português europeu. Análise das relações temporais em frases complexas com completivas. 2002. Dissertação (Mestrado) – Universidade do Minho, Braga, 2002.

VALMALA, V. On the position of central adverbial clauses. In: ASJU, 18., 2009, p. 951 970.

Downloads

Publicado

2019-04-22