Emergência de dar pra/de no domínio funcional da auxiliarização modal deôntica

Autores

  • Edair Maria Görski UFSC - Florianópolis - Brasil

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2020v17n1p4342

Palavras-chave:

Gramaticalização, Domínio funcional, Variação, Modalidade deôntica, Auxiliarização

Resumo

O objetivo deste trabalho é buscar evidenciar, sincronicamente, o uso de dar pra/de como um “modal emergente” (KRUG, 2001) no domínio funcional da auxiliarização deôntica. Numa abordagem funcionalista da língua, são mobilizadas as noções: i) de gramaticalização (HOPPER; TRAUGOTT, 1993), considerando os princípios de camadas e de divergência (HOPPER, 1991) e o conceito de domínio funcional (GIVÓN, 1984, 2002); e ii) de modalidade (BYBEE et al., 1994; GIVÓN, 2001, 2005). Na descrição do funcionamento de dar pra/de INF, são consideradas tanto as alterações na configuração sintática da construção com reflexos no estatuto categorial do item, como o valor modal envolvido (possibilidade raiz, habilidade, manipulação). Dados de fala (Projeto VARSUL) sustentam a hipótese de surgimento de um “quasi-auxiliar” (HEINE, 1993) modal deôntico, bem como de variação com poder nesse domínio funcional, situando-se o fenômeno na interface gramaticalização-variação (POPLACK, 2011; GÖRSKI; TAVARES, 2017).  

PALAVRAS-CHAVE: Gramaticalização. Domínio funcional. Variação. Modalidade deôntica; Auxiliarização.

Referências

BYBEE, J.; PERKINS, R.; PAGLIUCA, W. The evolution of Grammar: tense, aspect, and modality in the languages of the world. London: The University of Chicago Press, 1994.

COATES, J. The expression of root and epistemic possibility in English. In: BYBEE, J,; FLEISCHMAN S. (ed.). Modality in grammar and discourse. Philadelphia: J. Benjamins, 1995. p. 56-66.

COELHO, S. M.; SILVA, S. E. de P. O continuum de gramaticalização do verbo dar: de predicador a auxiliar. SCRIPTA, Belo Horizonte, v. 18, n. 34, p. 23-40, 2. sem. 2014.

DIAS, A. E. S. Syntaxe histórica portuguesa. Lisboa: Livraria Clássica, 1970 [1918].

GIVÓN, T. Bio-linguistics. Philadelphia: John Benjamins, 2002.

GIVÓN, T. Context as other minds: the pragmatics of sociality, cognition and communication. Philadelphia: John Benjamins, 2005.

GIVÓN, T. English grammar: a functional-based introduction. v. I. Philadelphia: John Benjamins, 1993.

GIVÓN, T. Syntax: a functional-typological introduction. Philadelphia: John Benjamins, 1984.

GIVÓN, T. Syntax: an introduction. v. I-II. Philadelphia: John Benjamins, 2001.

GIVÓN, T. Typology and functional domains. Studies in Language, Amsterdam: John Benjamins, v.5, n.2, p. 163-193, 1981.

GÖRSKI, E. M. Combinação de orações: gramaticalização de fenômenos co-ocorrentes. Letras de Hoje, Porto Alegre, v. 35, n. 3, p. 19-33, set. 2000.

GÖRSKI, E. M. Reflexos da topicalização sobre o estatuto gramatical da oração. In: VOTRE, S.; RONCARATI, C. (org.). Anthony Julius Naro e a lingüística no Brasil: uma homenagem acadêmica. Rio de Janeiro: 7Letras, 2008. p. 169-185.

GÖRSKI et al. Fenômenos discursivos: resultados de análises variacionistas como indícios de gramaticalização. In: RONCARATI, C.; ABRAÇADO, J. (org.). Português brasileiro: contato lingüístico, heterogeneidade e história. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2003. p. 106-122.

GÖRSKI, E. M.; TAVARES, M. A. O objeto de estudo na interface variação-gramaticalização. In: BAGNO, M.; CASSEB-GALVÃO, V.;

REZENDE, T. F. (org.). Dinâmicas funcionais da mudança linguística. São Paulo: Parábola, 2017. p. 35-63.

HEINE, B. Auxiliaries: cognitive forces and grammaticalization. Oxford: Oxford Univ. Press, 1993.

HOPPER, P. On some principles of grammaticization. In: TRAUGOTT, E. C.; HEINE, B. (ed.). Approaches to grammaticalization. Philadelphia: John Benjamins, 1991. p. 17-35.

HOPPER, P.; TRAUGOTT, E. C. Grammaticalization. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

HOUAISS, A. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2001.

KRUG, M. Frequency, iconicity, categorization: evidence from emerging modals. In: BYBEE, J.; HOPPER, P. (ed.) Frequency and the emergence of linguistic structure. Philadelphia: J. Benjamins, 2001. p. 309-335.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. Tradução de M. Bagno; M. M. P. Scherre; C. R. Cardoso. São Paulo: Parábola, 2008 [1972].

PIRES DE OLIVEIRA, R. A expressão ‘dar para (de) INF’ em PB: uma análise formal. In: XLIX SEMINÁRIO DO GEL, 2001, Marília/SP. Anais... Marília: GEL, 2001, p. 01-07. [CD-Rom]

POPLACK, S. Grammaticalization and linguistic variation. In: NARROG, H.; HEINE, B. (ed.). The Oxford handbook of grammaticalization. Oxford: Oxford University Press, 2011. p. 209-224.

PRIBERAM. Dicionário Priberam da língua portuguesa. Disponível em: https://dicionario.priberam.org/. Acesso em: 01 maio 2019.

SILVA, S. E. de P. A construção verbal V1 dar + preposição + V2 Infinitivo: um estudo na interface sociolinguística e gramaticalização. 2018. 100 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos) ¬– Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2018.

TAVARES, M. A.; GÖRSKI, E. M. Variação e sociofuncionalismo. In: MARTINS, M. A.; ABRAÇADO, J. (org.). Mapeamento sociolinguístico do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015. p. 249-270.

TRAUGOTT, E. C.; DASHER, R. The development of modal verbs. In: TRAUGOTT, E. C.; DASHER, R. Regularity in semantic change. Cambridge: Cambridge Univ. Press, 2005. p. 105-151.

VARSUL. Projeto Variação linguística na Região Sul do Brasil. Disponível em: http://varsul.org.br/. Acesso em: 01 agosto 2018.

Downloads

Publicado

2020-04-29

Edição

Seção

Artigo