A motivação estrutural da palatalização

Elisa Battisti, Ben Hermans

Resumo


Este artigo trata da motivação estrutural da palatalização de consoantes plosivas coronais em português brasileiro (PB) e nas línguas do mundo. O objetivo é explicar por que (a) as plosivas coronais são o alvo típico do processo, (b) as plosivas coronais são o único alvo do processo em PB, (c) o gatilho típico da palatalização nas línguas do mundo é a vogal alta coronal  , (d) o único gatilho do processo em PB é a vogal alta coronal. Propomos uma estrutura interna dos segmentos com os elementos abstratos C e V (VAN DER HULST, 2005, 2011) e mostramos que a consonantalidade dos vocoides anteriores altos é a motivação estrutural da palatalização. O processo tende a afetar consoantes semelhantes ao gatilho em termos estruturais. A proposta permite distinguir estruturalmente a palatalização secundária e a palatalização plena (BATEMAN, 2007). Também explica a seleção de gatilhos e alvos de palatalização em PB, que resultam de palatalização plena, um tipo de palatalização que exige gatilhos e alvos maximamente idênticos.


Palavras-chave


Fonologia baseada em dependência; Estrutura interna dos segmentos; Palatalização das plosivas coronais; Português brasileiro

Texto completo:

PDF/A (English)

Referências


ABAURRE, M. B.; PAGOTTO, E. G. Palatalização das oclusivas dentais no português do Brasil. In: ABAURRE, M. B.; RODRIGUES, A.C.S. (org.). Gramática do português falado volume viii: novos estudos descritivos. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, 2002. p. 557-602.

ANDERSON, J. M.; EWEN, C. J. Principles of dependency phonology. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.

BATTISTI, E.; HERMANS, B. Palatalização no português brasileiro e nas línguas do mundo: Motivação estrutural, seleção de gatilhos e alvos. Lingüística, v.32, p. 61-75, 2016.

BATEMAN, N. A crosslinguistic investigation of palatalization. PhD dissertation, University of California, San Diego. Unpublished, 2007.

BERNS, J. Friction between phonetics and phonology: the status of affricates. PhD dissertation, Radboud Universiteit, Nijmegen. Published by LOT, Utrecht, 2013.

BISOL, L. Palatalization and its variable restriction. International Journal of the Sociology of Language, v.89, p.107-124, 1991.

BISOL, L; HORA, D. da. Palatalização da oclusiva dental e fonologia lexical. Actas do IX Encontro da Associação Portuguesa de Linguística, p. 61-80, 1993.

BOTMA, E. D. Phonological aspects of nasality: An element-based dependency approach. PhD dissertation, University of Amsterdam, Amsterdam. Published by LOT, Utrecht, 2004.

BRADLEY, T. G. Labialization and palatalization in Judeo-Spanish phonology. In: SMITH, J.; IHSANE, T. (ed.). Romance Linguistics 2012. Selected papers from the 42nd Linguistic Symposium on Romance Languages (LSRL). Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2015. p. 63-83.

BRAGANÇA, M. L. L.; AZEVEDO, L. K. A. de. Variação como espaço de investigação identitária: análise de uma pequena rede social familiar feminina de Florianópolis/SC. In: FREITAG, R. M. K.; SEVERO, C. G. (org.). Mulheres, linguagem e poder - Estudos de gênero na sociolinguística brasileira. São Paulo: Blucher, 2015. p.109-128.

CAGLIARI, L. C. Palatalização em português: Uma investigação palatográfica, Master’s Thesis, Universidade estadual de Campinas, Campinas/SP. Unpublished, 1974.

CARDOSO, S. A. M. da S. et al. Atlas linguístico do Brasil. Londrina: EDUEL, 2014.

CLEMENTS, G. N. The geometry of phonological features, Phonology Yearbook 2, p. 225-252, 1985.

CLEMENTS, G. N.; HUME, E. V. The internal organization of speech sounds. In: GOLDSMITH, J. A. (ed.). The handbook of phonological theory. Cambridge, Massachusetts/Oxford, Blackwell: 1995. p. 245-306.

CRISTÓFARO-SILVA, T. Palatalization in Brazilian Portuguese. In: PLOCH, S. (ed.). Living on the edge: 28 papers in honour of Jonathan Kaye. Studies in Generative Grammar 62. Berlin/New York: Mouton de Gruyter, 2003. p.243-257.

CRISTÓFARO-SILVA, T. et al. 2012. Revisitando a palatalização no português brasileiro. Revista de estudos linguísticos, v.20, n.2, p.59-89, 2012.

DIAS, E. C. O. Uso variável das oclusivas alveolares /t, d/ em Florianópolis. Working Papers wm Linguística, número especial, p. 01-19, 2010.

FREITAG, R. M. K.; SOUZA, G. G. A. O caráter gradiente vs. discreto na palatalização de oclusivas em Sergipe. Revista Tabuleiro de Letras, v.10, n.2, p.78-89, 2016.

HORA, D. da; HENRIQUE, P. F. de L. Processos de assimilação envolvendo as consoantes oclusivas dentais /t, d/ no português brasileiro. Signum: Estudos da linguagem, v.18, n.1, p. 206-230, 2015.

KAYE, J. D.; LOWENSTAMM, J.; VERGNAUD, J. R. The internal structure of phonological elements: A theory of charm and government, Phonology 2, p.305-328, 1985.

KAGER, R. Optimality theory. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.

KOCHETOV, A. Palatalization. In: van OOSTENDORP, M.; EWEN, C. J.; HUME, E. V.; RICE, K. (ed.). The Blackwell companion to phonology. Malden/Oxford/West Sussex: Blackwell, 2011. p.1666-1690.

McCARTHY, J. Doing optimality theory: Applying theory to data. Malden/Oxford/Carlton: Blackwell, 2008.

MONARETTO, V. N. de O. QUEDNAU, L.; HORA, D. da. As consoantes do português. In: BISOL, L. (org.). Introdução a estudos de fonologia do português brasileiro. 4th ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2005. p. 207-238.

MORÉN, B. The parallel structures model of feature geometry. Working papers of the Cornell Phonetics Laboratory, 15, p. 194-270, 2003.

OLIVEIRA, A. A. de. Processos de palatalização das oclusivas alveolares em Maceió, PhD dissertation, Universidade Federal de Alagoas, Maceió. Unpublished, 2017.

PAGOTTO, E. G. Variação é identidade. PhD dissertation. Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. Unpublished, 2001.

PRINCE, A.; SMOLENSKY, P. Optimality theory: Constraint interaction in generative grammar. Technical report submitted to Rutgers University and University of Colorado-Boulder, later reviewed and published by Blackwell, 1993/2004. Available at Rutgers Optimality Archive, 537.

SOUZA, G. G. A. Palatalização de oclusivas alveolares em Sergipe, Master’s Thesis, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão/SE. Unpublished, 2016.

VAN DER HULST, H. The molecular structure of phonological segments. In: CARR, P.; DURAND, J.; EWEN, C. J. (ed.). Headhood, elements, specification and contrastivity: phonological papers in honour of John Anderson. Amsterdam/Philadelphia: John Benjamins, 2005. p.193-234.

VAN DER HULST, H. Dependency-based phonologies. In: GOLDSMITH, J.; RIGGLE, J. YU, A. C. L. (ed.). The handbook of phonological theory. 2. ed. Malden/Oxford, Wiley-Blackwell, 2011. p.533-570.




DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8412.2020v17nespp4596

Direitos autorais 2020 Fórum Linguístico

Creative Commons License

Esta publicação está regida por uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Fórum Linguístico, ISSNe 1984-8412, Florianópolis (Santa Catarina), Brasil