O processamento da anáfora “se” em português brasileiro e a influência da variação dialetal

Maria Cláudia Mesquita Lacerda, Rosana Costa de Oliveira, Márcio Martins Leitão

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi investigar se diferentes tipos de retomada [se, Ø, ele(a)] podem influenciar o processamento correferencial de estruturas reflexivas, relacionando a estas a semântica do predicado verbal. Para verificar se a variação dialetal do uso da anáfora se (uso, supressão, e substituição) poderia influenciar o processamento destas estruturas, foi realizado um experimento de leitura automonitorada em Minas Gerais e Paraíba. Os resultados evidenciaram um efeito significativo do tipo de retomada, indicando a possibilidade da influência de tipo de verbo. Acredita-se que as restrições sintáticas da teoria da ligação (CHOMSKY, 1981) foram ativadas em estágios iniciais de processamento (NICOL; SWINNEY, 1989), entretanto a interpretabilidade a partir da semântica verbal e a questão discursiva relacionada a fatores de uso (variação) fez com que houvesse uma reanálise pelo parser.


Palavras-chave


Processamento linguístico; Teoria da Ligação; Anáfora; Variação dialetal

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-8412.2014v11n3p243

Direitos autorais 2015 Fórum Linguístico

Creative Commons License

Esta publicação está regida por uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Fórum Linguístico, ISSNe 1984-8412, Florianópolis (Santa Catarina), Brasil