Inventário lexical do português falado na região Norte do Brasil: estudo lexicográfico com base nos dados do projeto ALiB

Autores

  • Cemary Correia de Sousa Universidade Federal da Bahia

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2020.70024

Palavras-chave:

Lexicografia, Projeto ALiB, Contatos linguísticos, Léxico

Resumo

O presente trabalho buscou investigar de que maneira os contatos linguísticos e culturais com outros povos contribuíram para a formação do léxico do português brasileiro. Para tal, o corpus foi constituído a partir das diferentes denominações dadas como respostas pelos informantes a questões do Questionário Semântico-Lexical (QSL), instrumento metodológico utilizado pelo Projeto Atlas Linguístico do Brasil (ALiB), como a proposição: “Durante uma chuva podem cair bolinhas de gelo. Como chamam essa chuva?”. Para além da presença de elementos latinos, peculiares às línguas românicas, observam-se unidades lexicais no português afluentes de elementos autóctones, africanos e das línguas de imigração. Assim, propõe-se, neste artigo, uma análise, ainda que breve, das línguas que ajudaram na formação do magno edifício lexical do português brasileiro, com base nos pressupostos da Lexicografia variacional, para que assim se possa “amarrar” as narrativas históricas que compõem a história interna e externa do português brasileiro, em sua nuance vernácula.

 

Biografia do Autor

Cemary Correia de Sousa, Universidade Federal da Bahia

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura, da Universidade Federal da Bahia, onde fez graduação e mestrado.

Referências

ANDERSON, B. Comunidades imaginadas: reflexões sobre a origem e a difusão do nacionalismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

BIDERMAN, M. T. de C. Fundamentos da Lexicologia. In: BIDERMAN, M. T. de C. Teoria linguística. 2 ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001. p. 95-213.

BRASIL. Decreto no 30.643, de 20 de março de 1952. Institui o Centro de Pesquisas da Casa de Rui Barbosa e dispõe sobre o seu funcionamento. Coleção de Leis do Brasil, v. 2, p. 170, 1952.

CÂMARA JUNIOR, J. M. Estrutura da língua portuguesa. 15. ed. Petrópolis: Vozes, 1985.

CARDOSO, S. A. Geolinguística: tradição e modernidade. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

CARDOSO, S.. Reflexões sobre a Dialectologia. In: ISQUERDO, A. N. (org.). Estudos geolingüísticos e dialetais sobre o português. Campo Grande: Editora UFMS, 2008, p. 13-31.

COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALiB: Atlas Lingüístico do Brasil. Questionários. Londrina: UEL, 2001.

COSERIU, E. Sentido y tareas de la dialectología. Mexico: Instituto de Investigaciones Filológicas; Centro de Linguistica Hispanica, 1982. (Cadernos de Lingüística, n. 8)

DICK, M. V. de P. A. Inter-relação léxico e cultura na América Indígena. Estudo de Caso. Acta Semiótica et Lingüística (SBPL), São Paulo, v.8, p. 95-308, 2000.

FARACO, C. A. História sociopolítica da língua portuguesa. São Paulo: Parábola Editorial, 2016.

FERREIRA, C.; CARDOSO, S. A dialetologia no Brasil. São Paulo: Contexto, 1994.

GARCEZ, P.; ZILLES, A. M. Estrangeirismos. In: FARACO, C. A (org.). Estrangeirismos: guerra em torno da língua. São Paulo: Parábola, 2002. p. 15-36.

LUCCHESI, D. História do contato entre línguas no Brasil. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A.; RIBEIRO, I. (org.). O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009.

LUCCHESI, D. Norma linguística e realidade social. In: BAGNO, M. (org.). Linguística da norma. São Paulo: Edições Loyola, 2004. p. 63-92.

MACHADO FILHO, A. V. L. D. Um ponto de intersecção para a dialetologia e a lexicografia: a proposição de elaboração de um dicionário dialetal brasileiro com base nos dados do ALiB, Estudos Linguísticos e Literários, n. 41, p. 49-70, 2010.

MATTOS E SILVA, R. V. Ensaios para uma sócio-história do português brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

NEIVA, I. Vocabulário Dialetal Baiano. 2017. 270 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Língua e Cultura, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

PETTER, M. Línguas africanas no Brasil. África: Revista do Centro de Estudos Africanos. USP, S. Paulo, v.27-28, p. 63-89, 2006/2007.

PIEL, J. M. Origens e estruturação histórica do léxico português. In: CASTRO, I. et al. Curso de história da língua portuguesa: leituras complementares. Lisboa: Universidade Aberta, 1991. p. 233-242.

RAZKY, A.; SANCHES, R. D. Variação do item lexical “prostituta” no projeto atlas lingüístico do Amapá. Linguasagem, São Carlos, v. 23, 2015.

RODRIGUES, A. As outras línguas da colonização do Brasil. In: CARDOSO, S. A.; MOTA, J. A.; MATOS E SILVA, R. V. (org.). Quinhentos anos de história linguística do Brasil. Salvador: Secretaria da Cultura e do Turismo da Bahia, 2006. p. 148-150.

SAPIR, E. Linguística como ciência. Rio de Janeiro: Editora Livraria Acadêmica, 1969.

Downloads

Publicado

2020-11-20