Produção acadêmica em estudos eslavos no Brasil: balanços e perspectivas para o fomento de novas propostas de cooperação internacional

Autores

  • Milan Puh Universidade de São Paulo
  • Cibele Krause-Lemke Universidade do Centro-Oeste do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2021.e70280

Palavras-chave:

Produção de conhecimento, Universidade, Ensino de línguas, Eslavos

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar e discutir o campo de estudos eslavos na universidade brasileira, enfocando a produção docente de um programa de pós-graduação (mestrado) e um núcleo de estudos em uma região com população eslava significativa. A produção foi inicialmente catalogada e categorizada na forma de um mapeamento temático, seguido da análise discursiva e conceitual inédita, definida como dezescrita (BARZOTTO; RIOLFI, 2014). A pesquisa resultou em um inventário bibliométrico e cienciométrico em que se mapeou a produção docente do programa e do núcleo; identificou áreas correlatas da produção acadêmica local, nacional e internacional com as quais as linhas de pesquisa do programa e do núcleo mais se articulam. A partir dessa trajetória reforçamos a hipótese da necessidade de criação de balanços acadêmicos internos que possibilitariam uma melhor formação discente, maior valorização e divulgação do conhecimento produzido e, a partir daí, a criação de novas propostas de internacionalização de universidades brasileiras.

 

Biografia do Autor

Milan Puh, Universidade de São Paulo

Graduado em História pela Universidade de São Paulo (2019). Pós-doutor pela Universidade Estadual do Centro-Oeste do Paraná (2018). Doutor em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo (2017), orientado pelo prof.dr Valdir Heitor Barzotto. Mestre em Filologia e Língua Portuguesa pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (2012), com o mesmo orientador. Graduado em Antropologia e Língua e Literatura Portuguesa - Universidade de Zagreb (2008). Tem experiência na área de História, Educação, Letras e Linguística, com ênfase em Análise do Discurso. Atualmente estuda Políticas linguísticas e Educação, enfocando as comunidades eslavas tanto no Brasil como no exterior, bem como outras comunidades de imigração

Cibele Krause-Lemke, Universidade do Centro-Oeste do Paraná

Possui graduação em Letras - habilitação em Língua Espanhola e Literaturas de Língua Espanhola pela Universidade Federal de Pelotas (2000); Mestrado em Linguística Aplicada pela Universidade Católica de Pelotas (2004) e Doutorado em Educação pela Universidade de São Paulo (2010). Em 2008 e 2009 realizou doutorado sanduíche na Universitat Autònoma de Barcelona, Espanha, com bolsa do Banco Santander/USP. É Professora Associada A da Universidade Estadual do Centro-Oeste - UNICENTRO. Lidera o grupo de pesquisa Língua, Imigração e Identidade e atua na linha de pesquisa Ensino e aprendizagem de línguas em contextos linguisticamente complexos. Também, participa do grupo de pesquisa Interfaces Língua e Literatura (PPGL), do grupo de pesquisa em Estudos Eslavos e atua nas linhas de pesquisa de Questões de bilinguismo e Políticas linguísticas e culturais. É docente do Curso de Letras, do Programa de Pós-Graduação em Letras (PPGL) e do Programa de Pós-Graduação em Educação da UNICENTRO (PPGE). Foi presidente da Associação de Professores de Espanhol do Paraná (APEEPR) - 2013-2014. É membro da ALFAL ( Asociación de Linguística y Filología de América Latina) e da ABRALIN (Associação Brasileira de Linguística). Foi Vice-Diretora do Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes - SEHLA/ I (2010 - 2018). Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Espanhola, atuando nos seguintes temas: prática pedagógica, ensino em contextos multilíngues, políticas linguísticas e formação de professores de línguas.

Referências

AMORIM, G. B.; FINARDI, K. R. Internacionalização do ensino superior e línguas estrangeiras: evidências de um estudo de caso nos níveis micro, meso e macro. Avaliação (Campinas), Sorocaba, v. 22, n. 3, p. 614-632, dec. 2017.

BARZOTTO, V. H.; RIOLFI, C. R. Apresentação. In: BARZOTTO, V. H.; RIOLFI, C. R. (org.). Dezescrita. São Paulo: Paulistana, 2014. (Coleção Sobrescrita).

BOURDIEU, P. Les conditions sociales de la circulation internationale des idées. Actes de la recherche en sciences sociales, v. 5, n.145, p. 3-8, 2002.

BOURN, D. From Internationalization to Global Perspectives. Higher Education Research & Development, v.30, n. 5, p. 559-571, 2011.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Nacionalismo no centro e na periferia do capitalismo. Estud. av., São Paulo, v. 22, n. 62, p. 171-193, Apr. 2008.

BOHUNOVSKY, R. (org.). Ensinar alemão no Brasil: Contextos e Conteúdos. Curitiba: Editora UFPR, 2011.

CHAUÍ, M. A universidade operacional. Revista da ADUNICAMP, Campinas, ano 1, n. 1, jun. 1999.

CROSS, D.; THOMSON, S.; SIBCLAIR, A. Research in Brazil: A report for CAPES. Clarivate Analytics. Clarivate Analytics, 2018.

FERREIRA, N. S. A. Pesquisa em leitura: Um estudo dos resumos de dissertações de mestrado e teses de doutorado defendidas no Brasil, de 1980 a 1995. Tese (Doutorado) Programa de Pós-Graduação em Educação. Faculdade de Educação. Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, 1999.

FERREIRA, N. S.A. As pesquisas denominadas "estado da arte". Educ. Soc., Campinas, v. 23, n. 79, p. 257-272, aug. 2002.

LEASK, B. Using Formal and Informal Curricula to Improve Interactions Between Home and International Students. Journal of Studies in International Education, v. 13, n. 2, p. 205-221, 2009.

LOURENÇO, C. A. Automação em bibliotecas: análise da produção via Biblioinfo (1986/1994). In: WITTER, G. P. (org.). Produção científica. Campinas: Átomo, 1997. p. 25-40.

MUKAI, Y.; JOKO, A. T.; PEREIRA, F. P. (org.) A Língua Japonesa no Brasil: reflexões e experiências de ensino e aprendizagem. Campinas (SP): Pontes Editores, 2012.

PACKER, A.. A visibilidade dos Periódicos do Brasil [online]. SciELO em Perspectiva, 2014. Disponível em: https://blog.scielo.org/blog/2014/11/05/a-visibilidade-dos-periodicos-do-brasil/ Acesso em: 10 fev. 2019.

POPPER, K. R. A miséria do historicismo. São Paulo: Cultrix/Edusp, 1980.

SIDONE, O. J. G.; HADDAD, E. A.; MENA-CHALCO, J. P. A ciência nas regiões brasileiras: evolução da produção e das redes de colaboração científica. Transinformação, Campinas, v. 28, n. 1, p. 15-32, apr. 2016 . Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010337862016000100015&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 10 fev. 2019.

SPERA BARALDI, H.. Avaliação da produção científica em Ciências Sociais e Humanas: revisão da literatura recuperada em base de dados e rede de autores. Dissertação (Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação. Universidade de São Paulo (USP). São Paulo, 2017.

SPINAK, E. Diccionario enciclopedico de bibliometría, cienciometria e informetria. Caracas: Unesco, 1996.

TEIXEIRA, F; OLIVEIRA, M. (org.) Neoliberalismo e reestruturação produtiva: as novas determinações do mundo do trabalho. São Paulo: Cortez, 1998.

Downloads

Publicado

2021-04-06