Intensão e extensão na descrição de cenários do futebol

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2020.e70832

Palavras-chave:

Lexicografia, Dicionários eletrônicos, Definição Intensional, Definição extensional

Resumo

A discussão sobre intensão e extensão remete a postulados clássicos sobre filosofia da linguagem e ocupa lugar importante na história da lexicografia. Apesar da constante presença do tópico na literatura sobre definição, pouco se tem estabelecido sobre a aplicabilidade da técnica intensional ou extensional na prática definitória. O presente trabalho apresenta algumas reflexões que surgiram sobre esses dois modos de descrição do significado durante a revisão do dicionário Field, um dicionário de termos do futebol baseado em frames, elaborado para a Copa de 2014 e posteriormente revisado para a Copa de 2018. Na presente discussão, são exploradas peculiaridades das definições intensionais e extensionais, bem como a aproximação de cada uma delas com teorias semânticas – com especial atenção à relação intrínseca entre definições extensionais e semântica cognitiva. Além disso, demonstra-se como a associação dessas duas estratégias de descrição do significado pode ser útil na elaboração de glosas voltadas para dicionários eletrônicos. futebol baseado em frames, elaborado para a Copa de 2014 e posteriormente revisado para a Copa de 2018. Na presente discussão, são exploradas peculiaridades das definições intensionais e extensionais, bem como a aproximação de cada uma delas com teorias semânticas – com especial atenção à relação intrínseca entre definições extensionais e semântica cognitiva. Além disso, demonstra-se como a associação dessas duas estratégias de descrição do significado pode ser útil na elaboração de glosas voltadas para dicionários eletrônicos.

Biografia do Autor

Larissa Moreira Brangel, Unisinos

Doutora em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grade do Sul. Pesquisadora de pós-doutorado no Progrmaa de Pós-graduação em Linguística Aplicada da Universidade do Vale do Rio dos Sinos.

Rove Chishman, Unisinos

Professora Titular da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS)

Referências

ARISTÓTELES. Categorias. In: ARISTÓTELES. Órganon. Tradução do grego, textos adicionais e notas de Edson Bini. Bauru: Edipro, 2005. p. 39-80.

BUGUEÑO MIRANDA, F. V. Balanço e perspectivas da lexicografia. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 2, n. 32, p. 15-37, 2013.

CARNAP, R. Meaning and necessity: a study in Semantics and Modal Logic. The University of Chicago Press: Chicago, 1948.

DE SCHRYVER, G. M.; CHISHMAN, R. L. de O.; SILVA, B. An overview of Digital Lexicography and directions for its future: An interview with Gilles-Maurice de Schryver. Calidoscópio, São Leopoldo, v. 17, n. 3, p.659-683, 2019.

DO. Dicionário Olímpico. São Leopoldo: Unisinos, 2016. Disponível em: http://www.dicionarioolimpico.com.br. Acesso em: 17 dez. 2019.

EVANS, V.; GREEN, M. Cognitive linguistics: an introduction. Edinburgh: Edinburgh University Press, 2006.

FARIAS, V. S. Desenho de um dicionário escolar de língua portuguesa. 2009. 285f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

FARIAS, V. S. Sobre a definição lexicográfica e seus problemas: fundamentos para uma teoria geral dos mecanismos explanatórios em dicionários semasiológicos. 2013. 398f. Tese (Doutorado em Letras) – Instituto de Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2013.

FAUCONNIER, G. Mental spaces. Cambridge, Mass.: The MIT Press, 1985.

FIELD. Field: Dicionário de expressões do futebol. São Leopoldo: Unisinos, 2014.

FIELD. Field: Dicionário de expressões do futebol. 2. ed. São Leopoldo: Unisinos, 2018. Disponível em: http://dicionariofield.com.br/. Acesso em: 17 dez. 2019.

FILLMORE, C. Scenes-and-frames semantics. In: ZAMPOLLI, A. (ed.). Linguistic structures processing. Amsterdam: North Holland, 1977. p. 55-82.

FILLMORE, C. Frame semantics. In: The Linguistic Society of Korea (ed.). Linguistics in the Morning Calm. Seoul: Hanshin, 1982. p. 111-137.

FREGE, G. Sobre o sentido e a referência. In: FREGE, G. Lógica e filosofia da linguagem. Seleção, introdução, tradução e notas de P. Alcofrado. São Paulo: EDUSP, 2009. p. 129-158.

GEERAERTS, D. Meaning and definition. In: STERKENBURG, P. V. A practical guide to lexicography. Amsterdam: John Benjamins Publishing Company, 2003a. p. 83-93.

GEERAERTS, D. Decontextualising and recontextualising tendencies in 20th century Linguistics and Literary Theory. In: MENGEL, E.; SCHMID, H.-J; STEPPAT, M. (ed.). Anglistentag 2002 Bayreuth. Trier: Wissenschaftlicher Verlag, 2003b. p. 369-379.

HARTMANN, R. R. K.; JAMES, G. Dictionary of lexicography. London: Routledge, 2002.

LAKOFF, G. Women, fire, and dangerous things: What categories reveal about the mind. Chicago: Chicago University Press, 1987.

LAKOFF, G.; JOHNSON, M. Philosophy in the flesh. New York: Basic Books, 1999.

LANDAU, S. Dictionaries: the art and craft of lexicography. 2. ed. Cambridge:

Cambridge University Press, 2001.

LANGACKER, R. W. Foundations of cognitive grammar. V. 1: Theoretical Prerequisites. Stanford: Stanford University Press, 1987.

MARTÍNEZ DE SOUZA, J. Diccionario de lexicografía práctica. Barcelona: Bibliograf, 1995.

MpDH. Meu Primeiro Dicionário Houaiss. Rio de Janeiro: Objetiva, 2005.

SECO, M. Estudios de Lexicografía Española. 2. ed. Madrid: Gredos, 2003.

SILVA, A. S. da. Significado, conceptualização e experiência: sobre a natureza do significado linguístico. Revista Portuguesa de Humanidades, Braga, v.10, n.1, p. 01-25, 2006.

SPADER, D. Entre conceitos e conce(p)tos: uma proposta teórico-metodológica na interface entre a onomasiologia, Lexicografia e Linguística Cognitiva. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada). Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2019.

SVÉNSEN, B. O. A handbook of lexicography: the theory and practice of dictionary-making. Cambridge: Cambridge University Press, 2009.

Downloads

Publicado

2020-12-30