Dicionários em sala de aula: análises do material de apoio destinado ao ensino médio das escolas públicas do estado de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2020.71077

Palavras-chave:

Ensino/aprendizagem, Língua materna, Dicionário, Sala de aula

Resumo

A virada do século XX para o século XXI no contexto brasileiro é acompanhada por uma nova leitura sobre o conceito de formação linguística do indivíduo. Nesse cenário, a atenção volta-se para as tecnologias que atuam como instrumentos de apropriação das línguas, bem como para a sua eficácia. O presente trabalho segue uma orientação lexicográfica a partir de uma perspectiva multidisciplinar e tem como objetivo provocar a reflexão sobre o uso do dicionário em sala de aula. Expomos um breve panorama sobre as políticas linguísticas no Brasil (BAGNO;  RANGEL, 2005; TORQUATO, 2010; OLIVEIRA, 2013), em especial as tentativas de reinserção do dicionário no cotidiano do cidadão brasileiro (BOLZAN; DURÃO, 2011; KRIEGER, 2005; 2012; PONTES; SANTIAGO, 2009; PONTES, 2009, 2014). Em segundo lugar, analisamos a forma como isso vem sendo estimulado pelo Estado no dia a dia em sala de aula. Para tanto, tomamos como base o material de apoio para o Ensino Médio fornecido para as escolas públicas pela Secretaria de Educação do Estado de São Paulo. Apesar dos esforços tanto por parte do Governo Federal quanto do Estado de São Paulo para nortear a aprendizagem, observa-se a falta de direcionamento da manipulação de dicionários, glossários e enciclopédias, além da falta de estímulo quanto ao uso das obras de referência em sala de aula.

 

Biografia do Autor

Sabrina de Cássia Martins, UNESP/IBILCE

Doutora pelo Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (IBILCE/SJRP), atuando na área de Lexicologia, Terminologia e Lexicografia. Graduada em Letras-Bacharelado com habilitação em tradutor (inglês/italiano) e mestre pela mesma instituição.

Claudia Zavaglia, UNESP/IBILCE

É Livre-Docente em Lexicografia e Lexicologia desde 2009. Possui graduação em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1988), mestrado em Língua e Literatura Italiana pela Universidade de São Paulo (1997) e doutorado em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2002). Atualmente é professor adjunto da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Campus de São José do Rio Preto - SP - IBILCE. Desde 2003, atua na Pós-graduação em Estudos Linguísticos da UNESP/IBILCE, na linha Lexicologia e Lexicografia, direcionando suas pesquisas, substancialmente, para os estudos lexicográficos, lexicológicos e tradutológicos.

Referências

AUROUX, S. A revolução tecnológica da gramatização. Trad. Eni Puccinelli Orlandi. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

BAGNO, M.; RANGEL, E.O. Tarefas da educação linguística no Brasil. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 5, n. 1, p. 63-81, 2005.

BÉJOINT, H. The Lexicography of English: from origins to present. New York: Oxford University Press, 2010.

BECERRA HIRALDO, J.M. Teoría de la práctica lexicológica. Porta Linguarum,, n. 18, p. 43-59, junio 2012.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. Com direito à palavra: dicionários em sala de aula. Elaboração Egon Rangel. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2012.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. Com direito à palavra: dicionários em sala de aula. Elaboração Egon Rangel. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.

CARSTENS, A. Language teaching and dictionary use: an overview. Lexikos, AFRILEX-reeks/series, 5B, p. 105-116, 1995.

CASTILHO, A.T. Políticas lingüísticas no Brasil: o caso do portugues brasileiro. Lexis XXV, n. 1-2, p. 271-297, 2001.

CIRO, L.A. El diccionario como objeto de estudio y herramienta didáctica en la enseñanza de la lengua. EL ÁGORA USB, v. 7, n. 1, p. 57-64, enero-junio 2007.

COROA, M. L. Para que serve um dicionário? In: CARVALHO, O.; BAGNO, M. (org.). Dicionários escolares: políticas, formas e usos. São Paulo: Parábola, 2011. p. 61-72.

DURÃO, A. B. A. B.; BOLZAN, R. M. A formação docente em lexicografia e a realidade sobre o trabalho com dicionários em sala de aula. Eutomia, Recife, v. 4, p. 323-345, 2011.

FUERTES-OLIVERA, P. A.; TARP, S. La teoría funcional de la lexicografía y sus consecuencias para los diccionarios de economía del español. Revista de Lexicografía, A Coruña, n. 14, p. 75-95, 2008.

GUMARÃES, E. Política de línguas na América Latina. Relatos, HIL/UNICAMP, n. 7, p. 5-11, jun. 2001.

JACKSON, H. Lexicography: an Introduction. London: Routledge, 2002.

KRIEGER, M.G. Dicionários escolares e ensino de língua materna. Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 41, n. 1, p. 169-180, 2012.

KRIEGER, M.G. Questões de lexicografia pedagógica. In: XATARA, C.; BEVILACQUA, C. R.; HUMBLÉ, P. R. M. (org.). Dicionários na teoria e na prática: como e para quem são feitos. São Paulo: Parábola Editorial, 2011. p. 103-113.

KRIEGER, M.G. Dicionários para o ensino de língua materna: princípios e critérios de escolha. Revista Língua e Literatura, v. 6-7, n. 10-11, p.101-112, 2004-2005.

MADEIRA, F. Crenças de professores de português sobre o papel da gramática no ensino de língua portuguesa. Linguagem e ensino, v. 8, n. 2, p. 17-38, 2005.

NADIN, O. L. ; FUENTES MORÁN, M. T. Las instrucciones de uso en diccionarios bilingües de español para escolares brasileños. Suplemento Signos ELE, v. 1, p. 1-13, 2015.

OLIVEIRA, G. M. de. Políticas linguísticas como políticas públicas. 2013. Disponível em: http://e-ipol.org/wp-content/uploads/2013/06Politicas_linguisticas_e_Politicas_publicas. pdf. Acesso em: 20 ago. 2019.

ORLANDI, E.P. Ética e política linguística. línguas e instrumentos linguísticos. Campinas: Pontes, 1998.

PONTES, A.L. O dicionário escolar como ferramenta pedagógica. In: VIDAL, R. M. B.; BERNARDINO, R. A. S.; PONTES, A. L. (org.). Produção e ensino de texto em diferentes perspectivas. Mossoró: Edições UERN, 2014. p. 12-25.

PONTES, A.L. Dicionário para uso escolar: o que é e como se lê. Fortaleza: EDUECE, 2009.

PONTES, A.L.; SANTIAGO, M. S. Crenças de professores sobre o papel do dicionário no ensino de língua portuguesa. In: COSTA DOS SANTOS, F. J. (org.). Letras plurais: crenças e metodologias do ensino de línguas. Rio de Janeiro: Câmara Brasileira de Jovens Escritores, 2009. p. 105-123.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria de Educação. Caderno do Aluno. Língua portuguesa e literatura: ensino médio. 1a série. São Paulo: SEE, 2014. 2 v.

SÃO PAULO (Estado). Caderno do Aluno. Língua portuguesa e literatura: ensino médio. 2a série. São Paulo: SEE, 2014. 2 v.

SÃO PAULO (Estado). Caderno do Aluno. Língua portuguesa e literatura: ensino médio. 3a série. São Paulo: SEE, 2014. 2 v.

SÃO PAULO (Estado). Caderno do Professor. Língua portuguesa e literatura: ensino médio. 1a série. São Paulo: SEE, 2014. 2 v.

SÃO PAULO (Estado). Caderno do Professor. Língua portuguesa e literatura: ensino médio. 2a série. São Paulo: SEE, 2014. 2 v.

SÃO PAULO (Estado). Caderno do Professor. Língua portuguesa e literatura: ensino médio. 3a série. São Paulo: SEE, 2014. 2 v.

SÃO PAULO (Estado). Matriz de avaliação processual: língua portuguesa, linguagens. São Paulo: SEE, 2016.

SANTOS, H. L. G.; SOUSA, A. G. F. PNLD e dicionários escolares: impactos pedagógicos e acadêmicos. In: XXII Semana de Educação, 2015, Fortaleza. Anais … Fortaleza, 2015.

TORQUATO, C.P. Políticas linguísticas, linguagem e interação social. Revista escrita, n. 11, p. 1-28, 2010.

Downloads

Publicado

2020-11-20