Neologismos na mídia em meio à pandemia da Covid-19

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-8412.2021.e73727

Palavras-chave:

Neologismo, Coronavírus, Covid-19

Resumo

Diante da pandemia provocada pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2), causador da doença denominada Covid-19, o mundo assiste a um cenário assustador. Nesse contexto, a sociedade é bombardeada de novas expressões e termos. O objetivo deste trabalho é analisar a renovação lexical relacionada à pandemia por meio dos neologismos divulgados na mídia. O trabalho, de caráter documental-bibliográfico, foi realizado em duas etapas. Primeiro, consultando matérias jornalísticas das mídias tradicional e alternativa, divulgadas entre os meses de janeiro e abril de 2020, que trataram do novo coronavírus. Em seguida, após o levantamento, confirmando ou não, pelo critério lexicográfico, o caráter neológico das unidades mono e poliléxicas selecionadas. Para corpus de exclusão, foram adotados os seguintes dicionários: Michaelis (2015), Houaiss (2009), Aulete (2020), Aurélio (FERREIRA, 2010), VOLP (ABL, 2009). Ao final, foram listados 70 neologismos relacionados ao novo coronavírus, tendo como principais processos a formação sintagmática (31), o empréstimo lexical (11) e a analogia (10).

Biografia do Autor

Fernando Moreno da Silva, Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP)

Pós-doutorado (FAPESP/2012) em Linguística pela UNESP/Araraquara. Atualmente, Pós-doutorando na UFRGS (CNPq/Sênior) e professor adjunto da Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP), onde atua no curso de Letras e no Mestrado Profissional em Letras. É editor da Revista Claraboia (ISSN 2357-9234) e líder do GruPEL-UENP (Grupo Paranaense de Estudos do Léxico).

Jorge Sobral da Silva Maia, Universidade Estadual do Norte do Paraná (UENP) e Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Pós-doutorado pelo Instituto de Biociências da UNESP/Botucatu-SP. Doutor em Educação para a Ciência pela Faculdade de Ciências da UNESP. Atualmente é Professor Associado do Programa de Pós-Graduação em Ciências Jurídicas e do Programa de Pós-graduação em Educação na Universidade Estadual do Norte do Paraná. Professor do Programa de Pós-graduação em Educação para a Ciências da UNESP. Coordenador do Laboratório de Ensino e Pesquisa em Educação para a Ciência (UENP). Pesquisador do Grupo de Pesquisa em Educação Ambiental ligado ao Programa de Pós-Graduação em Educação Para a Ciência da UNESP em Bauru/SP.

Referências

ABL - ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS. Vocabulário ortográfico da língua portuguesa. 5. ed. São Paulo: Global, 2009.

ARAÚJO, M. de. Composição sintagmática, por siglas e acrônimos. In: RODRIGUES, A.; ALVES, I. M.a (org.). A construção morfológica da palavra. São Paulo: Contexto, 2015. p. 123-142.

AULETE, C. Aulete digital: o dicionário da língua portuguesa. Lexikon Editora Digital. Disponível em: www.aulete.com.br. Acesso em: 17 maio 2020.

CARONE, F. de B. Morfossintaxe. 9. ed. São Paulo: Ática: 2003.

FERREIRA, A. B. de H. Dicionário Aurélio da língua portuguesa. Coordenação Marina Baird Ferreira e Margarida dos Anjos. 5. ed. Curitiba: Positivo, 2010.

GONÇALVES, C. A. Atuais tendências em formação de palavras. São Paulo: Contexto, 2016.

GONÇALVES, C. A. V.; ALMEIDA, M. L. L. de. Morfologia construcional: principais ideias, aplicação ao português e extensões necessárias. Alfa, São Paulo, v. 58, n. 1, p. 165-193, 2014.

GONÇALVES, C. A.; ANDRADE, K. E. A instabilidade categorial dos constituintes morfológicos: evidência a favor do continuum composição-derivação. DELTA, v. 32, n. 2, p. 261-294, 2016.

HARTMANN, R. R. K.; JAMES, G. Dictionary of Lexicography. London/New York: Routledge, 2001.

HOUAISS, A. Dicionário eletrônico Houaiss da língua portuguesa. Versão 3.0. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

KRIEGER, M. da G. Do ensino da terminologia para tradutores: diretrizes básicas. Cadernos de Tradução, Florianópolis, v. 17, p. 189-206, 2006.

KRIEGER, M. da G. Dicionários escolares e ensino de língua materna. Revista Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 41, n. 1, p. 169-180, jan./abr. 2012.

LINO, M. T. R. da F. Neologia e neonímia em língua portuguesa: critérios de identificação. Linha D’Água (Online), São Paulo, v. 32, n. 3, p. 9-23, set./dez. 2019.

MARQUES, A. Especialista alerta para efeito rebote após fim de isolamento e critica uso de máscaras. Leiagora, Cuiabá, 15 abr. 2020. Disponível em: https://www.leiagora.com.br/noticia/79304/especialista-alerta-para-efeito-rebote-apos-fim-de-isolamento-e-critica-uso-de-mascaras. Acesso em: 20 abr. 2020.

MICHAELIS. Dicionário brasileiro da língua portuguesa. São Paulo: Melhoramentos, 2015. Disponível em: https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/.

MONTEIRO-PLANTIN, R. S. Fraseologia: era uma vez um patinho feio no ensino de língua materna. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2014.

ROCHA, L. C. de A. Estruturas morfológicas do português. 2. ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2008.

RODRIGUES, A. S. Noções basilares sobre a morfologia e o léxico. In: RIO-TORTO, G. et al. (org.). Gramática derivacional do português. 2. ed. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra, 2016. p. 35-134.

SANTIAGO, M. S. Redes de palavras-chave para artigos de divulgação científica da medicina: uma proposta à luz da Terminologia. 2007. 151 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Programa de Pós-Graduação em Linguística Aplicada, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, 2007.

Downloads

Publicado

2021-09-10

Edição

Seção

Artigo