O Programa Nacional de Assistência Estudantil – PNAES na Universidade Federal de Viçosa (UFV): uma avaliação na percepção dos beneficiários

Sueli de Souza Santos Eloi, Fernanda Cristina da Silva, Suely de Fátima Ramos Silveira, Odemir Vieira Baêta

Resumo


O presente estudo tem por objetivo geral avaliar o Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES) na Universidade Federal de Viçosa (UFV) na percepção de seus beneficiários. Para tanto, foi realizada uma pesquisa de caráter descritiva, de natureza quantitativa e do tipo levantamento. Os dados foram coletados por meio de questionários aplicados a uma amostra de 312 beneficiários do Programa. Como método de análise, utilizou-se de estatística descritiva. De forma geral, constatou-se que, referente às áreas de atuação do PNAES, os participantes da pesquisa estão satisfeitos com as suas condições atuais, sendo as áreas inclusão digital, transporte e moradia as melhores avaliadas, e as áreas de saúde, creche e acessibilidade, as piores. Quanto ao grau de influência dessas áreas no alcance dos objetivos do programa, constatou-se que: na dimensão “desempenho acadêmico” as áreas que exercem maior influência são moradia, alimentação e inclusão digital; na dimensão “decisão de continuar no curso” as mais influentes são moradia, apoio pedagógico e alimentação; e na dimensão “concluir o curso dentro do prazo previsto” as áreas com maior influência são moradia, apoio pedagógico e inclusão digital. Quanto às áreas que apresentam menor influência nas três dimensões têm-se as áreas creche, esporte e cultura. Assim, para que o PNAES atinja os seus objetivos, as áreas mapeadas precisam ser constantemente monitoradas e avaliadas, de forma que a UFV possa adequar as ações de assistência realizadas às necessidades e espectativas dos seus beneficiários.

Palavras-chave


Ensino superior; Programa Nacional de Assistência Estudantil; Avaliação de políticas públicas

Texto completo:

PDF/A

Referências


ANDRADE, Ana Maria Jung de. Desempenho acadêmico, permanência e desenvolvimento psicossocial de universitários: relação com indicadores de assistência estudantil. 2014. 57 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014

BAGGI, C. A.; LOPES, D.A. Evasão e avaliação institucional no ensino superior: uma discussão bibliográfica. Avaliação, v. 16, n. 2, p.355-374, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414- 40772011000200007. Acesso em 10 de setembro de 2017.

BAMBERGER, Michael; TARSILLA, Michele; HESSE-BIBER, Sharlene. Why so many “rigorous” evaluations fail to identify unintended consequences of development programs: How mixed methods can contribute. Evaluation and Program Planning, v. 55, p. 155–162, 2016. Disponível . Acesso em 02 de maio de 2018.

BAMBERGER, Michael et al. American evaluation association professional development workshop real world e valuation and political constraints (extracted summary chapter). Jim Rugh, 2006.

BARROS, Silva Xavier. Expansão da educação superior no brasil: limites e possibilidades. Educ. Soc., Campinas v. 36, p. 361–390, 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/es/v36n131/1678-4626-es-36-131-00361.pdf>. Acesso em 16 de abril de 2017.

BOLFARINE, Heleno; BUSSAB, Wilton O.; Elementos de amostragem. Porto Alegre: Bookman, 2005. 269 p

BRASIL, Decreto nº 7.234, de 19 de Julho de 2010. Dispõe sobre o Programa Nacional de Assistência Estudantil - PNAES. Diário Oficial da União, Seção 1, 20/7/2010, página 5. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7234.htm>. Acesso em 20 de julho de 2017.

BRASIL, Ministério da Educação. Plano de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais. 2007.

COSTA, F. L.; CASTANHAR, J. C. Avaliação de programas públicos: desafios conceituais e metodológicos. Revista de Administração Pública, v. 37, n. 22, p. 969-992, 2005. Disponível em: . Acesso em 20 de julho de 2017.

CUNHA, C. G. S. Avaliação de políticas públicas e programas governamentais: tendências recentes e experiências no Brasil. George Washington University, 2006. p. 1-41. Disponível em: < http://www.ufpa.br/epdir/images/docs/paper29.pdf >. Acesso em 21 maio de 2017.

FARIA, Ana Lucia Cosenza; FEIJÓ, Carmem Aparecida; SILVA, Denise Britz do Nascimento. Focalização de políticas públicas: uma discussão sobre os métodos de avaliação Ensaios FEE, Porto Alegre. p. 287-309, 2007. Disponível em: https://revistas.fee.tche.br/index.php/ensaios/article/view/2137/2521. Acesso em 20 julho de 2017.

FERREIRA, Pedro Lopes. Estatística descritiva e inferencial. Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra p. 120, 2005. Disponível em: . Acesso em 20 setembro 2017.

FONAPRACE. Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assuntos Estudantis e Comunitários. Plano Nacional de Assistência Estudantil. 2007.

FOLHA DE SÃO PAULO. Ranking Universitário Folha (RUF). Disponível em: http://ruf.folha.uol.com.br/2017/ranking-de-universidades/. Acesso em 13 de julho de 2018.

FREY, Klaus. Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e Políticas Públicas, v. 21, p. 211–259, 2000.

Disponível em:< http://www.ipea.gov.br/ppp/index.php/PPP/article/view/89/158> Acesso em 20 de julho de 2017.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social.-6.ed.- São Paulo: Atlas, 2008.

GIÚDICE, Junia Zacour Azevedo Del. Programa de Assistência Estudantil da Universidade Federal de Viçosa, MG: repercussões nos indicadores acadêmicos e na vida pessoal, familiar e social dos beneficiários. Universidade Federal de Viçosa. Dissertação (mestrado), 2013.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de Indicadores Sociais, 2014. Disponível em: < https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98965.pdf>. Acesso em 15 de agosto de 2017.

IMPERATORI, Kristosch. A trajetória da assistência estudantil na educação superior brasileira. Serv. Soc. Soc., São Paulo, p. 285–303, 2017.

KOWALSKI, Aline Viero. Os (des)caminhos da política de assistência estudantil e o desafio na garantia de direitos. 2012. 179 f. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 28. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. 108 p.

MPOG/SIOP – Site do Sistema Integrado de Planejamento e Orçamento do Governo Federal. Disponível em: https://www1.siop.planejamento.gov.br/QvAJAXZfc/opendoc.htm?document=IAS%2FExecucao_Orcamentaria.qvw&host=QVS%40pqlk04&anonymous=true>.Acesso em 20 de janeiro 2018.

PATTON, Michael Quinn. The challenges of making evaluation useful. Ensaio: avaliação e políticas públicas em Educação, v. 13, n. 46, p. 67-78, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v13n46/v13n46a04.pdf. Acesso em 20 de julho de 2017.

PATTON, Michael Quinn. Utilization-focused evaluation: the new century text. 3rd ed. Thousand Oaks, Calif.: Sage Publications, 1997.

PATTON, Michael Quinn. Utilization-focused evaluation checklist. The evaluation center Western Michigan University, n. January, p. 1-19, 2013. Disponível em: . Acesso em: Acesso em 20 de julho de 2017.

PENHA, Joicy Barbalho Pires. Monitoramento e avaliação do Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES) no âmbito da UFPE - Campus Vitória de Santo Antão. 2015. 185 f. Dissertação (Mestrado em Gestão Pública) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2015

RISTOFF, Dilvo. O Novo Perfil do Campus Brasileiro: Uma Análise do Perfil Socioeconômico. Avaliacao, Campinas, Sorocaba p.723–747, 2014.

RUA, Maria das Graças. Avaliaçao de politicas públicas. Políticas públicas. – 2. ed. reimp. – Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração / UFSC, 2012. 128 p.

SANTOS, Glauber Eduardo de Oliveira. Cálculo amostral: calculadora on-line. Disponível em: . Acesso em 18 de abril de 2018.

SECCHI, Leonardo. Políticas Públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. São Paulo Cengage Learning, 2012.

SERAPIONI, Mauro. Conceitos e métodos para a avaliação de programas sociais e políticas públicas. Sociologia, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, v. 31, p. 59-80, 2016. Disponível em< http://ojs.letras.up.pt/index.php/Sociologia/article/view/1461/1251 >. Acesso em 22 agosto de 2017.

SILVA, Maria Gabriela Queiroz da; EHRENBERG, Mônica Caldas. Atividades culturais e esportivas extracurriculares: influência sobre a vida escolar do discente. Pro-Posições, vol.28, n.1, pp.15-32, 2017. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/pp/v28n1/1980-6248-pp-28-01-00015.pdf>. Acesso em 10 de junho de 2018.

SIMÕES, Armando A. Avaliação de programas e políticas públicas. ENAP, 2015. Disponível em:< file:///C:/Users/cleiton/Downloads/AVALIACAO-DE-PROGRAMAS-E-POLITICAS-PUBLICAS-003.pdf>. Acesso em 22 de agosto de 2017.

SOUZA, Celina. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, nº 16, jul/dez 2006, p. 20-45. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/soc/n16/a03n16>. Acesso em 15 de abril de 2017.

WEISS, Carol. Evaluation: methods for studying programs and policies. 2. ed. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall, 1998. 372 p.

WESKA, A.R.; SILVA, A. S.; ILIESCU, D. et al. Análise sobre a Expansão das Universidades Federais 2003 a 2012. Relatório da Comissão Constituiída pela Portaria nº 126/2012. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=12386-analise-expansao-universidade-federais-2003-2012-pdf&Itemid=30192>. Acesso em 20 de abril de 2017.

WU, Xun et al. Guia de políticas públicas: gerenciando processos. Traduzido por Ricardo Avelar de Souza. Brasília: Enap, 2014.




DOI: https://doi.org/10.5007/1983-4535.2019v12n3p106

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 

Revista Gestão Universitária na América Latina - GUAL, ISSN 1983-4535, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

Para entrar em contato com a equipe editorial da Revista GUAL, encaminhe um e-mail para revistagual@gmail.com.

 This obra is licensed under a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.