O Programa Nacional de Assistência Estudantil – PNAES na Universidade Federal de Viçosa (UFV): uma avaliação na percepção dos beneficiários

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1983-4535.2019v12n3p106

Palavras-chave:

Ensino superior, Programa Nacional de Assistência Estudantil, Avaliação de políticas públicas

Resumo

O presente estudo tem por objetivo geral avaliar o Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES) na Universidade Federal de Viçosa (UFV) na percepção de seus beneficiários. Para tanto, foi realizada uma pesquisa de caráter descritiva, de natureza quantitativa e do tipo levantamento. Os dados foram coletados por meio de questionários aplicados a uma amostra de 312 beneficiários do Programa. Como método de análise, utilizou-se de estatística descritiva. De forma geral, constatou-se que, referente às áreas de atuação do PNAES, os participantes da pesquisa estão satisfeitos com as suas condições atuais, sendo as áreas inclusão digital, transporte e moradia as melhores avaliadas, e as áreas de saúde, creche e acessibilidade, as piores. Quanto ao grau de influência dessas áreas no alcance dos objetivos do programa, constatou-se que: na dimensão “desempenho acadêmico” as áreas que exercem maior influência são moradia, alimentação e inclusão digital; na dimensão “decisão de continuar no curso” as mais influentes são moradia, apoio pedagógico e alimentação; e na dimensão “concluir o curso dentro do prazo previsto” as áreas com maior influência são moradia, apoio pedagógico e inclusão digital. Quanto às áreas que apresentam menor influência nas três dimensões têm-se as áreas creche, esporte e cultura. Assim, para que o PNAES atinja os seus objetivos, as áreas mapeadas precisam ser constantemente monitoradas e avaliadas, de forma que a UFV possa adequar as ações de assistência realizadas às necessidades e espectativas dos seus beneficiários.

Biografia do Autor

Sueli de Souza Santos Eloi, Universidade Federal de Viçosa

Mestranda no programa Mestrado Profissional em Administração Pública em Rede Nacional (Profiap)

Departamento de Administração e Contabilidade - Universidade Federal de Viçosa

Fernanda Cristina da Silva, Universidade Federal de Viçosa

Doutora em Administração Pública e Governo pela Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas - EAESP/FGV. Realizou estágio de Doutorado no exterior (Doutorado Sanduíche) no Institut de Govern i Politiques Publiques da UAB (Espanha). Professora do Departamento de Administração e Contabilidade da Universidade Federal de Viçosa.

Suely de Fátima Ramos Silveira, Universidade Federal de Viçosa

Doutora em Economia Aplicada pela ESALq/Universidade de São Paulo (USP). Professora do Programa de Pós-Graduação em Administração da Universidade Federal de Viçosa (UFV). Diretora do Instituto de Políticas Públicas e Desenvolvimento Sustentável – IPPDS/UFV. Membro da Rede de Avaliação e Monitoramento de Políticas Públicas. Membro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (ANPAD) e Líder de Tema da Divisão Acadêmica de APB da ANPAD no biênio 2015-2018.

Odemir Vieira Baêta, Universidade Federal de Viçosa

Doutor em Administração pela Universidade Federal de Lavras, UFLA, Brasil. Com período sanduíche em École des Hautes Études Commerciales de Montréal - Université de Montréal (UdeM). Diretor do Centro de Ciências Humanas - CCH da Universidade Federal de Viçosa. Coordenação Local do Mestrado Profissional em Administração Pública da UFV - Campus Viçosa. Professor do Departamento de Letras da Universidade Federal de Viçosa.

Referências

ANDRADE, Ana Maria Jung de. Desempenho acadêmico, permanência e desenvolvimento psicossocial de universitários: relação com indicadores de assistência estudantil. 2014. 57 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014

BAGGI, C. A.; LOPES, D.A. Evasão e avaliação institucional no ensino superior: uma discussão bibliográfica. Avaliação, v. 16, n. 2, p.355-374, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414- 40772011000200007. Acesso em 10 de setembro de 2017.

BAMBERGER, Michael; TARSILLA, Michele; HESSE-BIBER, Sharlene. Why so many “rigorous” evaluations fail to identify unintended consequences of development programs: How mixed methods can contribute. Evaluation and Program Planning, v. 55, p. 155–162, 2016. Disponível <http://dx.doi.org/10.1016/j.evalprogplan.2016.01.001>. Acesso em 02 de maio de 2018.

BAMBERGER, Michael et al. American evaluation association professional development workshop real world e valuation and political constraints (extracted summary chapter). Jim Rugh, 2006.

BARROS, Silva Xavier. Expansão da educação superior no brasil: limites e possibilidades. Educ. Soc., Campinas v. 36, p. 361–390, 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/es/v36n131/1678-4626-es-36-131-00361.pdf>. Acesso em 16 de abril de 2017.

BOLFARINE, Heleno; BUSSAB, Wilton O.; Elementos de amostragem. Porto Alegre: Bookman, 2005. 269 p

BRASIL, Decreto nº 7.234, de 19 de Julho de 2010. Dispõe sobre o Programa Nacional de Assistência Estudantil - PNAES. Diário Oficial da União, Seção 1, 20/7/2010, página 5. Disponível em:< http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7234.htm>. Acesso em 20 de julho de 2017.

BRASIL, Ministério da Educação. Plano de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais. 2007.

COSTA, F. L.; CASTANHAR, J. C. Avaliação de programas públicos: desafios conceituais e metodológicos. Revista de Administração Pública, v. 37, n. 22, p. 969-992, 2005. Disponível em: <http://bibliotecadigital.fgv.br/ojs/index.php/rap/article/viewArticle/6509>. Acesso em 20 de julho de 2017.

CUNHA, C. G. S. Avaliação de políticas públicas e programas governamentais: tendências recentes e experiências no Brasil. George Washington University, 2006. p. 1-41. Disponível em: < http://www.ufpa.br/epdir/images/docs/paper29.pdf >. Acesso em 21 maio de 2017.

FARIA, Ana Lucia Cosenza; FEIJÓ, Carmem Aparecida; SILVA, Denise Britz do Nascimento. Focalização de políticas públicas: uma discussão sobre os métodos de avaliação Ensaios FEE, Porto Alegre. p. 287-309, 2007. Disponível em: https://revistas.fee.tche.br/index.php/ensaios/article/view/2137/2521. Acesso em 20 julho de 2017.

FERREIRA, Pedro Lopes. Estatística descritiva e inferencial. Faculdade de Economia, Universidade de Coimbra p. 120, 2005. Disponível em: <https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/9961/1/AP200501.pdf>. Acesso em 20 setembro 2017.

FONAPRACE. Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assuntos Estudantis e Comunitários. Plano Nacional de Assistência Estudantil. 2007.

FOLHA DE SÃO PAULO. Ranking Universitário Folha (RUF). Disponível em: http://ruf.folha.uol.com.br/2017/ranking-de-universidades/. Acesso em 13 de julho de 2018.

FREY, Klaus. Políticas públicas: um debate conceitual e reflexões referentes à prática da análise de políticas públicas no Brasil. Planejamento e Políticas Públicas, v. 21, p. 211–259, 2000.

Disponível em:< http://www.ipea.gov.br/ppp/index.php/PPP/article/view/89/158> Acesso em 20 de julho de 2017.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social.-6.ed.- São Paulo: Atlas, 2008.

GIÚDICE, Junia Zacour Azevedo Del. Programa de Assistência Estudantil da Universidade Federal de Viçosa, MG: repercussões nos indicadores acadêmicos e na vida pessoal, familiar e social dos beneficiários. Universidade Federal de Viçosa. Dissertação (mestrado), 2013.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Síntese de Indicadores Sociais, 2014. Disponível em: < https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv98965.pdf>. Acesso em 15 de agosto de 2017.

IMPERATORI, Kristosch. A trajetória da assistência estudantil na educação superior brasileira. Serv. Soc. Soc., São Paulo, p. 285–303, 2017.

KOWALSKI, Aline Viero. Os (des)caminhos da política de assistência estudantil e o desafio na garantia de direitos. 2012. 179 f. Tese (Doutorado em Serviço Social) – Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2012.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 28. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. 108 p.

MPOG/SIOP – Site do Sistema Integrado de Planejamento e Orçamento do Governo Federal. Disponível em: https://www1.siop.planejamento.gov.br/QvAJAXZfc/opendoc.htm?document=IAS%2FExecucao_Orcamentaria.qvw&host=QVS%40pqlk04&anonymous=true>.Acesso em 20 de janeiro 2018.

PATTON, Michael Quinn. The challenges of making evaluation useful. Ensaio: avaliação e políticas públicas em Educação, v. 13, n. 46, p. 67-78, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ensaio/v13n46/v13n46a04.pdf. Acesso em 20 de julho de 2017.

PATTON, Michael Quinn. Utilization-focused evaluation: the new century text. 3rd ed. Thousand Oaks, Calif.: Sage Publications, 1997.

PATTON, Michael Quinn. Utilization-focused evaluation checklist. The evaluation center Western Michigan University, n. January, p. 1-19, 2013. Disponível em: <http://www.wmich.edu/evalctr/wp-content/uploads/2010/05/UFE.pdf>. Acesso em: Acesso em 20 de julho de 2017.

PENHA, Joicy Barbalho Pires. Monitoramento e avaliação do Programa Nacional de Assistência Estudantil (PNAES) no âmbito da UFPE - Campus Vitória de Santo Antão. 2015. 185 f. Dissertação (Mestrado em Gestão Pública) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2015

RISTOFF, Dilvo. O Novo Perfil do Campus Brasileiro: Uma Análise do Perfil Socioeconômico. Avaliacao, Campinas, Sorocaba p.723–747, 2014.

RUA, Maria das Graças. Avaliaçao de politicas públicas. Políticas públicas. – 2. ed. reimp. – Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração / UFSC, 2012. 128 p.

SANTOS, Glauber Eduardo de Oliveira. Cálculo amostral: calculadora on-line. Disponível em: <http://www.calculoamostral.vai.la>. Acesso em 18 de abril de 2018.

SECCHI, Leonardo. Políticas Públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. São Paulo Cengage Learning, 2012.

SERAPIONI, Mauro. Conceitos e métodos para a avaliação de programas sociais e políticas públicas. Sociologia, Revista da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, v. 31, p. 59-80, 2016. Disponível em< http://ojs.letras.up.pt/index.php/Sociologia/article/view/1461/1251 >. Acesso em 22 agosto de 2017.

SILVA, Maria Gabriela Queiroz da; EHRENBERG, Mônica Caldas. Atividades culturais e esportivas extracurriculares: influência sobre a vida escolar do discente. Pro-Posições, vol.28, n.1, pp.15-32, 2017. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/pp/v28n1/1980-6248-pp-28-01-00015.pdf>. Acesso em 10 de junho de 2018.

SIMÕES, Armando A. Avaliação de programas e políticas públicas. ENAP, 2015. Disponível em:< file:///C:/Users/cleiton/Downloads/AVALIACAO-DE-PROGRAMAS-E-POLITICAS-PUBLICAS-003.pdf>. Acesso em 22 de agosto de 2017.

SOUZA, Celina. Políticas Públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, ano 8, nº 16, jul/dez 2006, p. 20-45. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/soc/n16/a03n16>. Acesso em 15 de abril de 2017.

WEISS, Carol. Evaluation: methods for studying programs and policies. 2. ed. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall, 1998. 372 p.

WESKA, A.R.; SILVA, A. S.; ILIESCU, D. et al. Análise sobre a Expansão das Universidades Federais 2003 a 2012. Relatório da Comissão Constituiída pela Portaria nº 126/2012. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=12386-analise-expansao-universidade-federais-2003-2012-pdf&Itemid=30192>. Acesso em 20 de abril de 2017.

WU, Xun et al. Guia de políticas públicas: gerenciando processos. Traduzido por Ricardo Avelar de Souza. Brasília: Enap, 2014.

Downloads

Publicado

2019-09-02

Edição

Seção

Artigos