A institucionalização da educação a distância nas universidades públicas federais: o caso da Universidade Federal de Santa Catarina

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1983-4535.2020v13n3p186

Palavras-chave:

Gestão universitária. institucionalização. ensino à distância

Resumo

Esta pesquisa tem como propósito estudar o cenário atual do EaD na Universidade Federal de Santa Catarina. Suas possíveis contribuições estão no fato de que se buscou fornecer informações importantes para o aprimoramento desta modalidade de ensino. Consiste em uma pesquisa qualitativa, que utilizou como técnica de coleta de dados a entrevista semiestruturada e a análise de conteúdo como ferramenta de análise de dados. Para tal foram entrevistados seis coordenadores de cursos em EaD na UFSC, dois gestores e um técnico administrativo. Como resultados foi possível identificar um cenário caracterizado por um temor quanto à possibilidade de fracasso do EaD nas IFES, além da ausência de acordo em algumas questões entre os entrevistados. Mas, por outro lado, como um consenso, a necessidade extrema de mudança da visão do EaD na Universidade por parte da gestão tanto da UFSC quanto do MEC/CAPES, baseada na institucionalização dessa modalidade de ensino de modo que essa passe a integrar formalmente e estruturalmente a Universidade. Dificuldades nas relações entre os agentes deste processo – polos – IFES – CAPES/MEC também foram bastante citadas.

 

Biografia do Autor

Roberta Souza Matos, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestranda em Administração (PPGA) pela Universidade Federal de Santa Catarina.

Gabriela Guichard de Lima Beck, Universidade Federal de Santa Catarina

Administradora na Universidade Federal de Santa Catarina; Mestre em Administração (PPGA) pela UFSC; Doutoranda em Administração (PPGA) pela UFSC.

Irineu Manoel de Souza, Universidade Federal de Santa Catarina

Diretor do Centro Socioeconômico - UFSC; Doutor em Engenharia e Gestão do Conhecimento (UFSC)

Referências

ABED- Associação Brasileira de Educação a Distância. Grupos que pesquisam EAD no Brasil. 2017. Disponível em: http://abed.org.br/congresso2017/Grupos_que_pesquisam_EAD_no_Brasil.pdf. Acesso em 28 jul. 2018.

ALONSO, Kátia Morosov. A expansão do ensino superior no Brasil e a EaD: dinâmicas e lugares. Educação & Sociedade, v. 31, n. 113, p. 1319-1335, 2010.

ARRUDA, Eucidio Pimenta; ARRUDA, Durcelina Ereni Pimenta. Educação à distância no Brasil: políticas públicas e democratização do acesso ao ensino superior. Educação em Revista, v. 31, n. 3, 2015.

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL (Brasília). Ministério da Educação (Org.). MEC atualiza regulamentação de EaD e amplia a oferta de cursos. 2017. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/busca-geral/212-noticias/educacao-superior 1690610854/50451- mec-atualiza-regulamentacao-de-ead-e-amplia-a-oferta-de-cursos. Acesso em: 01 ago. 2018.

BARDACH, Eugene. The implementation game; what happens after a bill beeames a law. Cambridge, Mass., The MIT Press, 1977.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições Setenta, 1994. 226 p.

BELLONI, Maria Luiza. Ensaio sobre a educação a distância no Brasil. Educação & sociedade, v. 23, n. 78, p. 117-142, 2002.

BRASIL. Decreto no 5.800 de 8 de junho de 2006. Dispõe sobre o Sistema Universidade Aberta do Brasil – UAB. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004- 2006/2006/Decreto/D5800.htm. Acesso em: 13 ago. 2018.

BRASIL. Decreto n° 9.057, de 25 de maio de 2017. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2017/decreto-9057-25-maio-2017- 784941-publicacaooriginal-152832-pe.html. Acesso em 01/09/2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Referenciais de qualidade de EaD de cursos de graduação a distância, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/legislacao/refead1.pdf. Acesso em: 09 set. 2018.

CARDOSO GOMES, Maria Helena Scalabrin; BRESCIANI, Luis Paulo; AMORIM, Wilson Aparecido. Políticas sociais, educação e desenvolvimento econômico: busca por evidências correlacionais a partir das avaliações do Ideb de três municípios paulistas. Gestão & Regionalidade, v. 32, n. 94, 2016.

CENSO EAD.BR. Relatório analítico da aprendizagem a distância no Brasil 2016. Curitiba: Ibpex, 2017. Disponível em: http://abed.org.br/censoead2016/Censo_EAD_2016_portugues.pdf. Acesso em: 09/08/2018.

Censo 2014. Disponível em: http://www.abed.org.br/censoead2014/CensoEAD2014_portugues.pdf Acesso em: 01/08/2018.

CHAUÍ, Marilena. A universidade pública sob nova perspectiva. Revista brasileira de educação, v. 24, p. 5-15, 2003.

DAVID, Célia Maria et al., orgs. Desafios contemporâneos da educação [online]. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015. Desafios contemporâneos collection, 370 p. ISBN 978-85-7983-622-0.

DIAS SOBRINHO, José. Educação superior, globalização e democratização: qual universidade? Revista brasileira de educação, n. 28, p. 164-173, 2005.

FARAH, Marta Ferreira Santos. Análise de políticas públicas no Brasil: de uma prática não nomeada à institucionalização do "campo de públicas". Revista de Administração Pública, v. 50, n. 6, p. 959-979, 2016.

FERREIRA, Marcello; CARNEIRO, Teresa Cristina Janes. A institucionalização da educação a distância no ensino superior público brasileiro: análise do Sistema Universidade Aberta do Brasil. Educação Unisinos, v. 19, n. 2, p. 228-242, 2015.

GIDDENS, Anthony. Sociologia. 6ª ed. Porto Alegre: Penso, 2012.

HEIDEMANN, Francisco Gabriel. Do sonho do progresso às políticas de desenvolvimento. Políticas públicas e desenvolvimento: bases epistemológicas e modelos de análise. Brasília: UNB, p. 23-39, 2009.

HERNANDES, Paulo Romualdo. A Universidade Aberta do Brasil e a democratização do ensino superior público. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 25, n. 95, p. 283-307, 2017.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Políticas Sociais: acompanhamento e análise. Brasília: Ipea, 2015. (Relatório de pesquisa). Disponível em: http://repositorio.ipea.gov.br/bitstream/11058/4118/1/bps_23_14072015.pdf. Acesso em 01/08/2018.

JÚNIOR, Victor Meyer; LOPES, Maria Cecilia Barbosa. Administrando o imensurável: uma crítica às organizações acadêmicas. Cadernos Ebape. BR, v. 13, n. 1, p. 40-51, 2015.

LAKATOS, Eva Maria e MARCONI, Marina de Andrade. Técnicas de pesquisa: planejamento e execução de pesquisas, amostragens e técnicas de pesquisas, elaboração, análise e interpretação de dados. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1996.

NASCIMENTO, João Paulo Rodrigues do; VIEIRA, Maria das Graças. Os desafios da institucionalização do ensino superior na modalidade a distância: a visão dos gestores de uma universidade federal. Ensaio: Avaliação e Políticas Públicas em Educação, v. 24, n. 91, p. 308-336, 2016.

PEREIRA, Maria de Fátima Rodrigues; MORAES, Raquel de Almeida; TERUYA, Teresa Kazuko. Educação a distância (EAD): reflexões críticas e práticas. 2017. Disponível em: https://www.ead.unb.br/arquivos/livros/ead_reflexoes_critica_praticas.pdf>. Acesso em: 01 jul. 2017.

RIBEIRO, Darcy. A universidade necessária. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1969.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A universidade no século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade. 2004.

SECCHI, Leonardo. Políticas Públicas: conceitos, esquemas de análise, casos práticos. 2° Ed. São Paulo: Cengage Learning. 2014.

UFSC. (2017). Estatuto da UFSC. Florianópolis, SC, Brasil.

UFSC, Universidade Federal de Santa Catarina. Plano de Desenvolvimento Institucional 2015-2019. Florianópolis: UFSC, 2015. Acesso em: 17 junh. 2018. Disponível em: http://pdi.ufsc.br/files/2015/05/PDI-2015-2019-1.pdf.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2013.

VIANA, Ana Luiza. Abordagens metodológicas em políticas públicas. Revista de administração pública, v. 30, n. 2, p. 5-43, 1996.

Publicado

2020-09-01

Edição

Seção

Artigos