Impacto da qualificação stricto sensu no trabalho de servidores públicos: o caso de uma instituição federal de ensino superior brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1983-4535.2021.e74663

Palavras-chave:

impacto da capacitação no trabalho, stricto sensu, gestão universitária

Resumo

Este estudo objetiva avaliar o impacto de cursos stricto sensu no trabalho de servidores públicos universitários não vinculados ao exercício da docência. A partir de uma survey, foram coletadas 211 respostas válidas, submetidas à análise descritiva de dados, análise fatorial confirmatória, análise de correlação e regressão linear múltipla. Identificou-se que cursos stricto sensu contribuíram para o desenvolvimento de competências no trabalho e geraram impactos operacionais e comportamentais no trabalho. Associações significativas e positivas foram encontradas entre variáveis individuais, contextuais, de aprendizagem e de impacto no trabalho. Níveis de cursos e aplicabilidade das pesquisas ao trabalho influenciaram o desempenho dos construtos. O estudo contribui tanto para a compreensão dos efeitos de cursos stricto sensu no trabalho não vinculado à docência, quanto para sua importância na gestão universitária.

Biografia do Autor

Mateus Dalmoro, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

a) Titulação: Graduado em Administração UFRGS (2010) / Mestre em Engenharia de Produção UFRGS (2019)

b) Vínculo: Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

c) Setor de vínculo: Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Alejandro Germán Frank, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

a)  Graduação em Engenharia Industrial pela Universidad Nacional de Misiones, Argentina (2007), Mestrado (2009), Doutorado (2012) e Pós-doutorado (2013) em Engenharia de Produção pela UFRGS, Brasil e pós-doutorado (2019) pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT).

b) Vínculo: Professor Adjunto do Departamento de Engenharia de Produção e Transportes da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e Pesquisador Associado do Industrial Performance Center do Massachusetts Institute of Technology (MIT), nos Estados Unidos. É coordenador do Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção da UFRGS (CAPES 7) e Diretor do Núcleo de Engenharia Organizacional/NEO (www.ufrgs.br/neo) da UFRGS. É editor associado (Estratégia e Engenharia Organizacional) do Production Journal (ABEPRO) e membro do corpo editorial da European Journal of Innovation Management.

c) Setor de vínculo: Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção

Referências

ABBAD, G. et al. Impacto do treinamento no trabalho – medida em amplitude. Medidas de avaliação em treinamento, desenvolvimento e educação. Porto Alegre: Artmed. 2012a

ABBAD, G. et al. Suporte à transferência de treinamento e suporte à aprendizagem. Medidas de Avaliação em Treinamento, Desenvolvimento e Educação. Porto Alegre: Artmed. 2012b

ABBAD, G. et al. Modelos lógicos em avaliação de sistemas instrucionais: dois estudos de caso. Revista Psicologia, Organizações e Trabalho, 12(2), 185-201. 2012c

ANTONELLO, C. S. Contextos do saber: a aprendizagem informal. In: ANTONELLO, C.S.; GODOY. A. S. (org). Aprendizagem organizacional no Brasil. Porto Alegre: Bookman, 2011. p. 139-159.

BALDWIN, T.T.; FORD, J. K. Transfer of training: A review and directions for future research. Personnel psychology, v. 41, n. 1, p. 63-105, 1988.

BANDURA, A. Perceive self efficacy in the exercise agency: the psychologist. Bulletin of the British Psychological Society, v. 10, p. 411-424, 1989.

BENTLER, P.M. Comparative fit indexes in structural models. Psychological bulletin, v. 107, n. 2, p. 238, 1990.

BLUME, B.D. et al. Transfer of training: A meta-analytic review. Journal of management, v. 36, n. 4, p. 1065-1105, 2010.

BORGES-ANDRADE, J. E. Avaliação integrada e somativa em TD&E. In: BORGES-ANDRADE. J. E.; ABBAD.G.; MOURÃO. L. (org). Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 343-358.

BRANDÃO, H.P.; BAHRY, C.P. Gestão por competências: métodos e técnicas para mapeamento de competências. Revista do Serviço Público, v. 56, n. 2, p. 179-194, 2005.

BRANT, S.R.C. Impacto do treinamento no trabalho: O efeito mediador das estratégias de aplicação do aprendido. Revista Psicologia Organizações e Trabalho, v. 13, n. 3, p. 351-362, 2013.

BRASIL. Decreto n. 9.991, de 28 de agosto de 2019. Dispõe sobre a Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoas da administração pública federal direta, autárquica e fundacional, e regulamenta dispositivos da Lei nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, quanto a licenças e afastamentos para ações de desenvolvimento. Brasília, DF: Presidência da República, [2020]. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2019-2022/2019/Decreto/D9991.htm. Acesso em: 14 maio. 2020.

BURKE, L.A.; HUTCHINS, H.M. Training transfer: An integrative literature review. Human resource development review, v. 6, n. 3, p. 263-296, 2007.

CARBONE, P. P.; BRANDÃO, H. P.; LEITE, J. B. D. Gestão por competências e gestão do conhecimento. Fundação Getúlio Vargas, 2005.

CORREIA-LIMA, B.C. et al. Inventário de Suporte Organizacional à Aprendizagem: Desenvolvimento e Evidências de Validação. RAC- Revista de Administração Contemporânea, 21(5), 710-729, 2017.

DURAND, Thomas. L'alchimie de la compétence. Revue française de gestion, n. 1, p. 261-292, 2006.

FELIX, R.; DO PRADO FELIX, P.; TIMÓTEO, R. Balanced Scorecard: adequação para a gestão estratégica nas organizações públicas. Revista do Serviço Público, v. 62, n. 1, p. 51-74, 2011.

FIELD, A. Descobrindo a Estatística Usando o SPSS. Penso Editora, 2009.

FLEURY, M.T.L.; FLEURY, A.C.C. Construindo o conceito de competência. Revista de administração contemporânea, v. 5, n. SPE, p. 183-196, 2001.

FLEURY, M.T.L.; FLEURY, A.C.C. Alinhando estratégia e competências. Revista de administração de empresas, v. 44, n. 1, p. 44-57, 2004.

FORTUNA, A. D. M. C. Avaliação do impacto da pós-graduação no trabalho em uma instituição pública federal-CNPq. 2016. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016.

FREITAS, I. A.; BRANDÃO, H. P. Trilhas de aprendizagem como estratégia de TD&E. In: BORGES-ANDRADE. J. E.; ABBAD.G.; MOURÃO. L. (org). Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas. Porto Alegre: Artmed, 2006. p. 97-113.

GEGENFURTNER, A. Motivation and transfer in professional training: A meta-analysis of the moderating effects of knowledge type, instruction, and assessment conditions. Educational Research Review, v. 6, n. 3, p. 153-168, 2011.

GEGENFURTNER, A. et al. Voluntary or mandatory training participation as a moderator in the relationship between goal orientations and transfer of training. International journal of training and development, v. 20, n. 4, p. 290-301, 2016.

GONCZI, A. Understanding Learning at Work. Routledge, 1999.

GROSSMAN, R.; SALAS, E. The transfer of training: what really matters. International Journal of Training and Development, v. 15, n. 2, p. 103-120, 2011.

HAIR, J. F. et al. Análise multivariada de dados. Bookman Editora, 2009.

HAMBLIN, A. C. Avaliação e controle do treinamento. McGraw-Hill do Brasil, 1978.

HU, L; BENTLER, P. M. Cutoff criteria for fit indexes in covariance structure analysis: Conventional criteria versus new alternatives. Structural equation modeling: a multidisciplinary journal, v. 6, n. 1, p. 1-55, 1999.

KIRKPATRICK, D. L. Evaluation of training. In: CRAIG. R.L. (Org). Training and development handbook. New York: MCGraw-Hill, 1976. p. 1-27.

LE BOTERF, G. Desenvolvendo a competência dos profissionais. Artmed, 2003.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: Uma Orientação Aplicada. Bookman Editora, 2001.

MOURÃO, L.; ABBAD, G.; ZERBINI, T. Avaliação da efetividade e dos preditores de um treinamento a distância em uma instituição bancária de grande porte. Revista de Administração (São Paulo), v. 49, n. 3, p. 534-548, 2014.

MUNCK, L.; GALLELI, B. Avanços e desafios da conceituação e operacionalização das competências organizacionais em 15 anos de produção científica internacional. REGE-Revista de Gestão, v. 22, n. 4, p. 525-544, 2015.

PANORAMA do Treinamento no Brasil. 2018. Disponível em https://www.integracao.com.br/pesquisa-panorama-do-treinamento-no-brasil-2018.pdf. Acesso em: 14 maio. 2020.

PANORAMA do Treinamento no Brasil. 2019. Disponível em https://www.integracao.com.br/pesquisa-panorama-do-treinamento-no-brasil-2019.pdf. Acesso em: 14 maio. 2020.

PILATI, R.; ABBAD, G. Análise fatorial confirmatória da escala de impacto do treinamento no trabalho. Psicologia: teoria e pesquisa, v. 21, n. 1, p. 043-051, 2005.

RUAS, Roberto et al. Gestão por competências: uma contribuição à estratégia das organizações. Os novos horizontes da gestão: aprendizagem organizacional e competências. Porto Alegre: Bookman, 2005. p. 34-54.

SANT'ANNA, A.S. et al. Competências individuais e modernidade organizacional: um estudo comparativo entre profissionais de organizações mineiras e baianas. Gestão & Produção, v. 23, n. 2, p. 308-319, 2016.

SILVA, N. S. O.; MOURÃO, L. A influência dos estilos de liderança sobre os resultados de treinamento. Estudos e Pesquisas em Psicologia, v. 15, n. 1, p. 260-283, 2015.

TONHÄUSER, C.; BÜKER, L. Determinants of transfer of training: A comprehensive literature review. International journal for research in vocational education and training, v. 3, n. 2, p. 127-165, 2016.

TRAINING Industry Report 2019. 2019. Disponível em https://trainingmag.com/sites/default/files/2019_industry_report.pdf. Acesso em: 14 maio. 2020.

ZARIFIAN, P. Objetivo competência: por uma nova lógica. São Paulo: Atlas, 2001.

ZARIFIAN, P. O modelo da competência: trajetória histórica, desafios atuais e propostas. São Paulo: SENAC, 2003.

Downloads

Publicado

2021-05-01

Edição

Seção

Artigos