Assédio moral e sexual no serviço público: características e reflexos nos pedidos de remoção em uma instituição de ensino superior da região norte do Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1983-4535.2021.e79018

Palavras-chave:

Violência, Instituições de Ensino, Gestão de Pessoas, Poder

Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar a presença e as características do assédio moral e sexual em uma Instituição Federal de Ensino Superior da Região Norte do Brasil e, assim, mensurar seus reflexos nos pedidos de remoção. Para tanto, foi feita uma pesquisa de campo com a utilização de questionário. A amostra foi probabilística aleatória simples e resultou em 251 entrevistados. O tratamento de dados foi quantitativo e utilizou análise fatorial exploratória (AFE) e regressão linear múltipla (RLM). A análise fatorial captou a presença de quatro fatores, que explicaram 66,05% da variância. Os fatores foram induzir ao erro (19,52%), desqualificar (16,53%), isolar e recusar comunicação (16,50%) e agressão verbal, física e sexual (13,50%). A regressão linear múltipla revelou que 20% da variância dos pedidos de remoção eram explicados pelo assédio. A conclusão reforça a necessidade de políticas de esclarecimento e combate ao assédio moral e sexual na instituição.

 

Biografia do Autor

Dielly Débora Farias Farias Fonseca, Universidade Federal do Pará

Graduada em Secretariado Executivo pela Universidade do Estado do Pará (2005), cursou Pós-Graduação Lato Sensu em Gestão Pública na Universidade Rural da Amazônia (2013) e Mestrado em Gestão Pública no Núcleo de Altos Estudos Amazônicos da Universidade Federal do Pará (2017). Atualmente é servidora pública exercendo o cargo de secretária executiva na Universidade Federal do Pará. 

Carlos André Corrêa de Mattos, Universidade Federal do Pará

Doutor em Ciências Agrárias (2012) pela Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA) e Mestre em Gestão e Desenvolvimento Regional (2008) pela Universidade de Taubaté (Unitau). Cursou MBA em Gestão Empresarial (2004) e Gerenciamento de Projetos (2005) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). Bacharel em Administração (2002) pela Universidade da Amazônia (Unama), na trajetória profissional atuou em organizações públicas e privadas. Dentre as áreas de concentração, destacam-se: Gestão de Organizações Públicas, Competitividade, Agronegócio e Organização Agroindustrial. Atualmente é professor da Faculdade de Administração (FAAD) e do Programa de Mestrado em Gestão Pública para o Desenvolvimento (PPGGPD) da Universidade Federal do Pará (UFPa)

Alessandro de Castro Corrêa, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará

Possui graduação em Administração pela Universidade Federal do Pará (1993), mestrado em Administração pela Universidade Federal da Paraíba (1997) e doutorado em Administração pela Universidade de Trás Os Montes e Alto Douro (2004). Atualmente é Professor Titular do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará (IFPA), atuando como professor da disciplina Engenharia Econômica e Planejamento Estatístico e Experimental no Mestrado Profissional em Engenharia de Materiais (PPGEMAT/IFPA) e do Programa de Pós-Graduação em Engenharia Industrial (PPGEI/UFPA) e Gestão de Custos e Administração no Curso de Gestão Pública no IFPA. É Pesquisador associado do Curso de Doutorado do PPG - Bionorte. Tem experiência na área de Administração, com ênfase em Administração Financeira, principalmente nos seguintes temas: finanças, engenharia econômica, métodos quantitativos e modelos multicritérios de tomada de decisão

Referências

BARRETO, M. M. S. Assédio moral no trabalho: uma odisseia de sofrimento e incertezas. In: NUNES SOBRINHO, F. P.; NASSARALLA, I. (Org.). Pedagogia institucional: fatores humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Zit, 2004.

BARRETO, M. M. S. Uma jornada de humilhações. 2000. 266 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social), Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, 2000.

BARRETO, M. M. S. Violência, saúde e trabalho: uma jornada de humilhações. São Paulo: EDUC, 2003.

BENDIXEN, M.; KENNAIR, L. E. O. Advances in the understanding of same-sex and opposite-sex sexual harassment. Evolution and Human Behavior. Reino Unido, v. 38, n. 5, p. 583-591, set. 2017.

BRASIL. Decreto-lei, no. 2.848 de 7 de dezembro de 1940. Código Penal. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/Del2848.htm. Acesso em: 2 nov. 2018.

BRASIL. Lei no. 10.224, de 15 de maio de 2001. Altera o Decreto-Lei no 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal, para dispor sobre o crime de assédio sexual e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10224.htm. Acesso em: 2 nov. 2018.

BRITO, M. P. O assédio moral e o assédio sexual no âmbito da administração pública - competência material da Justiça do Trabalho. Rev. Trib. Reg. Trab. 3ª Reg., Belo Horizonte, v.54, n.84, p.219-236, jul./dez. 2011.

BRODOSKY, C. M. The harassed worker. Oxford England: Heath & Corporation, 1976.

BURGES, D.; BORGIDA, E. Refining sex-role spillover theory: The role of gender subtypes and harasser attributions. Social Cognition, v. 15, n. 4, p. 291-311, dec. 1997.

CARAN, V. C. S et al. Assédio moral entre docentes de instituição pública de ensino superior do Brasil. Acta Paul. Enferm. São Paulo, v. 23, n. 6, p. 737-744, nov./dez. 2010.

CHAMBERLAIN, L. J. et al. Sexual harassment in organizational context. Work and Occupations, v. 35, n. 3, p. 262-295, ago. 2008.

COSTA, I. C. P. et al. Produção científica acerca do assédio moral em dissertações e teses no cenário brasileiro. Revista da Escola de Enfermagem da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 49, n. 267-276, nov. 2015.

COSTA, S. O assédio sexual nos locais de trabalho: problemas e possíveis soluções através de estudo de casos. 1995. 149 f. Dissertação (Mestrado em Administração), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1995.

CUNHA, J. V. A.; COELHO, A. C. Regressão linear múltipla. In: CORRAR, L. J.; PAULO, E.; DIAS FILHO, J. M. Análise multivariada. São Paulo: Atlas, 2009.

DAHL. R. The concept of power. Systems Research Behavioral Science. v.2. n. 3, p. 201-2015, jul. 1957.

DEUTSCHMAN, A. Dealing with sexual harassment. Fortune, v. 124, n. 11, p. 93-94, nov. 1991.

DIAS, I. Violência contra as mulheres no trabalho: o caso do assédio sexual. Sociologia: problemas e práticas, n. 57, p. 11-23, maio. 2008.

DILLON, W. R.; GOLDSTEIN, M. Multivariate analysis: methods and applications. New York, John Wiley & Sons, 1984.

EINARSEN, S.; NIELSEN, M. B; GLASØ, L. Exposure to workplace harassment and the Five Factor Model of personality: a meta-analysis. Personality and Individual Differences, v. 104, p. 195-206, jan. 2017.

FITZGERALD, L. et al. Antecedents and Consequences of Sexual Harassment in Organizations: a Test of an Integrated Model. Journal of Applied Psychology, v. 82, n. 4, p. 578-589, 1997.

FITZGERALD, L.; ORMEROD, A. J. Perceptions of sexual harassment: The influence of gender and academic context. Psychology of Women Quarterly, v.15, n. 2, p. 281-294, aug. 1991.

FREITAS, M. E. Assédio moral e assédio sexual: faces do poder perverso nas organizações. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v.41, n.2, p.8-19, abr./jun., 2001.

FREITAS, M. E. Existe saúde moral nas organizações? Organizações & Sociedade, Salvador, v.12, n. 32, p. 13-27, jan-mar. 2005.

FREITAS, M. E. Quem paga a conta do assédio no trabalho? RAE, São Paulo, v. 6, n. 1, jan. /jun. 2007.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2014.

GUEDES, M. N. Terror psicológico no trabalho. São Paulo: LTr Editora, 2008.

GUIMARÃES, C. A.; CANÇADO, V. L.; LIMA, R. J. C. Workplace moral harassment and its consequences: a case study in a federal higher education institution. Revista de Administração. São Paulo, v. 51, n. 2, p. 151-164, abr./jun. 2016.

HAIR JR J. F. et al. Análise multivariada de dados. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HELOANI, J. R. M. Assédio moral: um ensaio sobre a expropriação da dignidade no trabalho. RAE, São Paulo, v 3. n.1, p. 1-8, jan. /jun. 2004.

HELOANI, J. R. M.; BARRETO, M. M. S. Assédio moral nas relações sociais no âmbito das instituições públicas. In: GEDIEL, J. A. P. et al. (Eds.). Estado, poder e assédio: relações de trabalho na administração pública. Curitiba: Kairós Edições, 2015.

HERZBERG, F. I. Maximizing work and minimizing labor. Industry Week, v. 206, n. 8, p. 61-64, oct. 1980.

HERZBERG, F. I. Les quatre questions existentielles: leur effet sur la motivation humaine et le comportement organisationnel. In: PAUCHANT, T. C. et al. (Coord.). La quête du sens: gérer nos organisations pour la santé des personnes, de nos sociétés et de la nature. Québec: Éditions de l’organisation, 1996. .

HERZBERG, F. I. Work and the nature of man. Cleveland: World Publishing Co., 1966.

HIRIGOYEN, M. Assédio moral. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000.

HIRIGOYEN, M. Mal-estar no trabalho: redefinindo o assédio moral. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

HULIN, C. L.; FITZGERALD, L. F.; DRASGOW, F. Organizational influences on sexual harassment. In: STOCKDALE, M. S. (Ed.). Sexual harassment in the workplace: Perspectives, frontiers and response strategies. Thousand Oaks, CA: Sage, 1996.

JORNAL DA UNIÃO EUROPÉIA. 21.12.2004. L373/37-43. DIRECTIVA 2004/113/CE DO CONSELHO de 13 de dezembro de 2004 que aplica o princípio de igualdade de tratamento entre homens e mulheres no acesso a bens e serviços e seu fornecimento. Disponível em: http://www.cite.gov.pt/imgs/directivas/Directiva%202004-113.pdf. Accesso em: 12 de out. 2018.

KLINE, R. B. Principles and practice of structural equation modeling. New York: The Guilford Press, 1998.

LEYMANN, H. Mobbing and psychological terror at workplace. Violence and Victims, v. 5, n.2, p. 119-126, 1990.

LEYMANN, H. The content and development of Mobbing at work. European Journal of Work and Organizational Psychology, v. 5, n. 2, p. 165-84, jan.1996.

MATTOS, C. A. C. et al. O assédio moral no serviço público estadual: uma investigação no Estado do Pará. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional. São Paulo, v. 6, n. 3. p. 50-71, set./dez. 2010.

MEJÍAS GARCIA, A. M. El acoso sexual en el trabajo: análisis y propuestas para su prevención. Espanha: Valência, 2001.

MORAIS, T.; MÚRIAS, C.; MAGALHÃES, M. J. Assédio sexual no trabalho: uma reflexão a partir de ordenamentos jurídicos. International journal on working conditions, Porto, n. 7, jun., 2014.

NÓBREGA. M. F. S. As percepções de assédio sexual. 2016. 67 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) - Universidade do Porto, Portugal, 2016.

NUNES, T. S.; TOLFO, S. R. Assédio moral no trabalho em universidade sob a perspectiva dos observadores da violência. RECAPE: Revista de Carreira e Pessoas, v. 4, n. 2, p. 166-176, mar./ago. 2014.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO. Discriminação no Trabalho: Mecanismos de Combate à Discriminação e Promoção de Igualdade de Oportunidades: Repertório de recomendações práticas da OIT sobre HIV/AIDS e o mundo do trabalho. Oficina Internacional del Trabajo. Brasília: Secretaria Internacional do Trabalho, 2001.

PIERUCCI, S. et al. Creating shared reality about ambiguous sexual harassment: The role of stimulus ambiguity in audience-tuning effects on memory. Journal of Applied Research in Memory and Cognition. Reino Unido, v. 3, n.4, p. 300-306, dec. 2014.

PINA, A.; PAGE, T. E. Moral disengagement as a self-regulatory process in sexual harassment perpetration at work: A preliminary conceptualization. Aggression and Violent Behavior, Reino Unido, v. 21, p. 73-84, jan 2015.

PRYOR, J. B.; MEYERS, A. B. Men who sexually harass women. In: SCHLESINGER, L. B. (Ed.). Serial offenders: Current thought, recent findings, unusual syndromes Florida: CRC Press, 2000.

WILLNESS, C. R.; STEEL, P.; LEE, K. A meta-analysis of the antecedents and consequences of workplace sexual harassment. Personnel Psychology, n. 60, n. 1, p. 127-162. feb. 2007.

ZABALA. I. P. Mobbing: como sobreviver ao assédio psicológico no trabalho. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

Publicado

2021-08-30

Edição

Seção

Artigos