CRIAÇÃO DO CONHECIMENTO EM CURSOS DE ADMINISTRAÇÃO: UMA PROPOSIÇÃO A PARTIR DA NARRATIVA SOBRE OS RESULTADOS DO CPC A PROPOSAL FROM THE NARRATIVE ON THE RESULTS OF THE CPC

Conteúdo do artigo principal

Thiago Henrique Almino Francisco
Pedro Antonio de Melo

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar, por meio de um esquema teórico-conceitual, uma proposta de criação de conhecimento para cursos de Administração, a partir dos resultados dos indicadores que compõem o Conceito Preliminar de Curso (CPC). Por meio da uma investigação qualitativa, de abordagem narrativa, foi possível entrevistar cinco coordenadores de curso para identificar as formas pelas quais o ENADE e o CPC estão proporcionando a criação do conhecimento em seus espaços. Os resultados demonstram que não ocorre a criação do conhecimento a partir destes indicadores, permitindo inferências relacionadas ao fato de que ENADE e CPC ainda não são elementos de governança em cursos de graduação em Administração.


Referências


 


Bardin, L. (1977). Content analysis. São Paulo: Livraria Martins Fontes, 1977.


Botelho, L. L. R., De Almeida Cunha, C. C., & Macedo, M. (2011). O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e sociedade, 5(11), 121-136.


Brasil. (2017). Decreto No. 9.235, de 15 de dezembro de 2017. Dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação das instituições de educação superior e dos cursos superiores de graduação e de pós-graduação no sistema federal de ensino. Casa Civil. Brasília.


Brasil. (2008). Portaria No. 4, de 05 de agosto de 2008. Regulamenta a aplicação do conceito preliminar de cursos superiores, para fins dos processos de renovação de reconhecimento respectivos, no âmbito do ciclo avaliativo do SINAES instaurado pela Portaria Normativa nº 1, de 2007. Casa Civil. Brasília


Bruner, J. (2002). Atos de significação. 2. ed. Trad. Sandra Costa. São Paulo: Artmed.


Corbin, J., & Strauss, A. (2008). Strategies for qualitative data analysis. Basics of Qualitative Research, 3(10.4135), 9781452230153.


Creswell, J. W. (2014). Investigação Qualitativa e Projeto de Pesquisa-: Escolhendo entre Cinco Abordagens. Penso Editora.


Crossan, M. M., Lane, H. W., & White, R. E. (1999). An organizational learning framework: From intuition to institution. Academy of management review, 24(3), 522-537.


Dalkir, K. (2013). Knowledge management in theory and practice. Routledge.


Datta, P. P. (2018). Developing competencies to lead innovation in Indian manufacturing: an education model. International Journal of Innovation Science, 10(4),  475-494.


Francisco, T. H. A., Nakayama, M. K., Souza, I. R. D., & Zilli, J. C. D. F. (2015). Os indicadores de qualidade como instrumentos de governança: iniciando a experiência em um curso de Administração. ANAIS do Encontro Nacional dos Cursos de Graduação em Administração–Administração e Sustentabilidade.(ENANGRAD). Foz do Iguaçu.


Fuller, D., & Pickernell, D. (2018). Identifying groups of entrepreneurial activities at universities. International Journal of Entrepreneurial Behavior & Research, 24(1), 171-190.


Gunawan, W., Gerardus, P., Tji, B. J., & Rochard, K. (2017). The Use of Absorptive Capacity in Improving the New Product Development (NPD). Journal of Physics: Conference Series, 801(1), 012092.


Gupta, P., Mehrotra, D., & Sharma, T. K. (2018). Role of decision tree in supplementing tacit knowledge for Hypothetico-Deduction in higher education. International Journal of System Assurance Engineering and Management, 9(1), 82-90.


INEP. (2017). Sinopses estatísticas do Conceito Preliminar de Curso de 2015. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/conceito-preliminar-de-curso-cpc-. Acesso em 20 mar. 2019.


Kaba, A., & Ramaiah, C. K. (2017). Demographic differences in using knowledge creation tools among faculty members. Journal of Knowledge Management, 21(4), 857-871.


Löfsten, H. (2016). From practice to structures: The link between project-level knowledge creation and firm-level systematic information structures. Journal of General Management, 42(1), 79-100.


 


Shannak, R., Maqableh, M., & Tarhini, A. (2017). The impact of knowledge management on job performance in higher education: The case of the University of Jordan. Journal of Enterprise Information Management, 30(2), 244-262.


Mcculloch, S. (2017). Hobson’s choice: the effects of research evaluation on academics’ writing practices in England. Aslib Journal of Information Management, 69(5), 503-515.


Morgan, G. (1980). Paradigms, metaphors, and puzzle solving in organization theory. Administrative science quarterly, 605-622.


Natek, S., & Zwilling, M. (2016). Knowledge Management Systems Support SECI Model of Knowledge-Creating Process. In: Joint International Conference.


Nonaka, I., & Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. 10. ed. Rio de Janeiro: Editora Campus.


Nonaka, I., & Konno, N. (1998). The concept of “Ba”: Building a foundation for knowledge creation. California management review, 40(3), 40-54.


Nonaka, I., & Toyama, R. (2015). The knowledge-creating theory revisited: knowledge creation as a synthesizing process. In: The essentials of knowledge management. Palgrave Macmillan, London.


Nonaka. I. (1994). A Dynamic theory of organizational knowledge creation. Organization Science, Linthicum, 5(1), 14-37.


Palacios-Callender, M., & Roberts, S. A. (2018). Scientific collaboration of Cuban researchers working in Europe: understanding relations between origin and destination countries. Scientometrics, 117(2), 745-769.


Panikarova, S., Vlasov, M., & Boyko, I. (2017). Assessing Research Productivity in University Environment: Institutional Approach. Journal of Information & Knowledge Management, 16(2), 1750016.


Pennbrant, S., & Svensson, L. (2018). Nursing and learning–healthcare pedagogics and work-integrated learning. Higher Education, Skills and Work-Based Learning, 8(2), 179-194.


Perissé, A. R., Gomes, M. D. M., Nogueira, S. A., & Gomes, M. D. M. (2001). Revisões sistemáticas (inclusive metanálises) e diretrizes clínicas. Medicina baseada em evidências: princípios e práticas. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso, 131-48.


Rupčić, N. (2018). Complexities of learning organizations–addressing key methodological and content issues. The Learning Organization, 25(6), 443-454.


Singh, A. B., & Mørch, A. I. (2018). An Analysis of Participants’ Experiences from the First International MOOC Offered at the University of Oslo. Nordic Journal of Digital Literacy, 13(1), 40-64.


Thani, F. N., & Mirkamali, S. M. (2018). Factors that enable knowledge creation in higher education: a structural model. Data Technologies and Applications, 52(3), 424-444.


Tyagi, S. (2016). An improved fuzzy-AHP (IFAHP) approach to compare SECI modes. International Journal of Production Research, 54(15), 4520-4536.


Veer Ramjeawon, P., & Rowley, J. (2017). Knowledge management in higher education institutions: enablers and barriers in Mauritius. The Learning Organization, 24(5), 366-377.

Detalhes do artigo

Seção
Artigos
Biografia do Autor

Thiago Henrique Almino Francisco, Universidade do Extremo Sul Catarinense - UNESC

Doutor pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento da Universidade Federal de Santa Catarina (EGC/UFSC).  Coordenador do Setor de Avaliação Institucional, do Grupo de Estudos em Metodologias Ativas e Professor do Departamento de Administração, ambos vinculados a Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC). Pesquisador, atualmente vinculado ao Instituto de Estudos e Pesquisas em Administração Universitária (INPEAU) e ao Núcleo de Observação em Gestão, Aprendizagem e Pessoas (NEOGAP), ambos vinculados à Universidade Federal de Santa Catarina. Também é pesquisador do Grupo de Estudos sobre Universidades (GEU), vinculado a Universidade do Extremo Sul Catarinense. 

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)