Crítica de cobertura jornalística em um periódico científico espanhol e um periódico brasileiro

Gislene Silva

Resumo


Este artigo se insere no projeto de pesquisa "Contribuições teóricas e técnicas para uma crítica cultural das notícias". Como sequência da investigação realizada na Espanha, em 2016, esta etapa procura comparar graus e procedimentos de crítica de cobertura jornalística que aparecem em dois periódicos científicos especializados em jornalismo: Estudios Sobre el Mensaje Periodística (ESMP) da Universidad Complutense de Madrid e Estudos em Jornalismo e Mídia (EJM), publicado pelo Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Brasil. Com base nesse objeto empírico, circunscrito em cinco anos de cada publicação, de 2011 a 2015, foram selecionados artigos que analisam o tratamento jornalístico em diferentes coberturas, com especial atenção para as seguintes variáveis: tópicos de notícias; tipo de mídia; anos das coberturas em questão; gêneros jornalísticos dos materiais analisados; métodos de análise adotados; perspectivas ou enfoques; e o grau de criticidade. O objetivo geral é teorizar sobre "como criticam os que criticam" e sistematizar algumas formas de apreciação de diferentes objetos da mídia, em particular a mídia noticiosa. Entre as conclusões, é possível dizer que os autores dos artigos criticam as coberturas jornalísticas pelos enquadramentos adotados em sua ação de formação da opinião pública, não trabalhando contra preconceitos, estereótipos, discriminações e desigualdades sociais, mas sim para a manutenção do status quo; e também criticam as coberturas por suas omissões contra o poder hegemônico.



Palavras-chave


Cobertura jornalística; Crítica de notícia; Crítica de mídia; Periódicos científicos

Texto completo:

PDF/A (Español (España))


DOI: https://doi.org/10.5007/1984-6924.2018v15n2p84

(Est-s Jorn. Mid.), Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. ISSNe 1984-6924.

Licença Creative Commons