Jornalismo efêmero: o uso de stories do Instagram pela Folha de S.Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-6924.2021.e75484

Palavras-chave:

instagram, notícia efêmera, stories

Resumo

As transformações oriundas da nova morfologia social, mediada pela tecnologia, trouxeram alterações significativas no modo de consumir e produzir notícias. Na esteira da mobilidade, sites de redes sociais, como o Instagram, por meio dos Stories, trazem nova luz para as ideias de efemeridade e instantaneidade jornalísticas. Depois de refletir sobre a emergência do efêmero na produção ciberjornalística, este artigo faz uma análise da adaptação de conteúdos jornalísticos para o Instagram Story através do #nãodurmasemsaber, veiculado diariamente no perfil da Folha de S.Paulo no Instagram. Por meio de análise de conteúdo e observação simples, o artigo verifica de que forma o veículo se adapta à ferramenta nativa da rede social, verificando características da produção deste microformato jornalístico  considerando os seguintes aspectos: volume e frequência;  recursos e formas expressivas utilizadas. A conclusão mostra que, no caso em tela, ainda é tímida a exploração dos recursos entregues pelo microformato, embora este obedeça, em certa medida, à nova lógica de consumo informacional, que, por sua vez, responde a uma dialética temporal do presente. Desta forma, pode-se afirmar que o formato se insere na racionalidade contemporânea que reflete a efemeridade.

Biografia do Autor

Raquel Ritter Longhi, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Professora no programa de Pós-Graduação em Jornalismo e do Curso de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Pesquisadora nas áreas de narrativas ciberjornalísticas, jornalismo imersivo, em Realidade Virtual, Realidade Aumentada, ciberjornalismo (novos formatos expressivos como grande reportagem multimídia e narrativas imersivas), comunicação e novas tecnologias, com estudos também nas áreas de criação literária em hipertexto, video-arte e história do cinema e vídeo. Ministra disciplinas nas áreas de jornalismo online, jornalismo gráfico, narrativas ciberjornalísticas e gêneros e formatos jornalísticos. Em 2019, realizou pós-doutorado junto ao Departamento de Comunicação Audiovisual e Publicidade da Facultade de Ciências da Comunicação da Universidade Autônoma de Barcelona, sob supervisão do professor Josep María Català Domènech. De setembro de 2013 a agosto de 2014, realizou pós-doutorado junto ao CIMJ - Centro de Investigação em Mídia e Jornalismo da Universidade Nova de Lisboa. Vice-coordenadora da Rede de Pesquisa Aplicada Jornalismo e Tecnologias Digitais/Jortec, credenciada à SBPJor - Sociedade Brasileira de Pesquisadores em Jornalismo. Organizou os livros Jornalismo Convergente: reflexões, apropriações e experiências, em 2012 - co-autoria com o pesquisador Caros d'Andrea; Gêneros e Formatos no Ciberjornalismo, em 2016, co-autoria com a professora Rita Paulino, ambos pela Editora Insular e o livro Pensar em Rede, juntamente com Marcelo Träsel, Rodrigo Botelho-Francisco e Walter Lima Júnior, em 2017. Graduada em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1985), com mestrado em Comunicação e Informação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1998) e doutorado em Comunicação e Semiótica pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2004). Coordenadora do Nephi-Jor - Núcleo de Estudos e Produção em Hipermídia aplicados ao Jornalismo e líder do Grupo de Pesquisa Hipermídia e Linguagem/CNPq. 

Lia Gabriela Pagoto, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC)

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal da Fronteira Sul. Possui graduação em Comunicação Social pela Universidade do Contestado, pós-graduação em nível de especialização em Comunicação e Marketing - Ferramentas de Gestão pela Universidade do Oeste de Santa Catarina. Integrante do grupo do Núcleo de Estudos e Produção em Hipermídia aplicados ao Jornalismo (Nephi-Jor), inserido no Grupo de Pesquisa Hipermídia e Linguagem - CNPq

Referências

ALSINA, M. R. A construção da notícia. Petrópolis: Vozes, 2009.

ALVES, Y. M. Jornalismo em mídias sociais de imagens instantâneas: as narrativas jornalísticas em formato de stories no snapchat e instagram. 2018. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação Mestrado Acadêmico em Comunicação e Sociedade, Universidade Federal do Tocantins, Palmas, 2018.

BARROS, L. S. Narrativas efêmeras do cotidiano: um estudo das Stories no Snapchat e no Instagram. 2017. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2017.

BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. São Paulo: Zahar, 2001.

CAMILLO, M. FERRARI, P. (Org.) Nós: tecnoconsequências sobre o humano (recurso eletrônico). Porto Alegre: Editora Fi, 2020. Disponível em: https://www.editorafi.org/771nos. Acesso em: 04 jun. 2020.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. São Paulo: Paz e Terra, 2003.

ERBOLATO, M. L. Técnica de codificação em jornalismo: redação, captação e edição do jornal diário. Petrópolis: Vozes, 1979.

FIDALGO, A. Jornalismo Online segundo o modelo de Otto Groth. Biblioteca Online de Ciências da Comunicação/BOCC. Covilhã: Universidade de Beira Interior 2004. Disponível em: https://bit.ly/2CtoazW. Acesso em: 04 abr. 2020.

FLETCHER, R. e NIELSEN, R. K. Are people incidentally exposed to news on social media? A comparative analysis. New Media & Society, 20(7), 2450–2468, 2018.

GROTH, O. O Poder Cultural Desconhecido. Fundamentos da Ciência dos Jornais. Petrópolis: Vozes, 2011.

GRAINGE, P. (Ed.). Ephemeral Media. London: BFI, 2011, p.138-155.

KANNENBERG, V.; SOUSA, M. E. O fantasmagórico site de rede social: como o Snapchat está sendo apropriado para a circulação de conteúdo jornalístico. In: Revista Brasileira de Ciências da Comunicação, [s.l.], v. 40, n. 3, p.151-167, dez. São Paulo, Intercom, 2017.

KANNENBERG, V. Senta que lá vem Stories: a apropriação do espaço efêmero do Instagram pelo jornalismo. In Congresso Internacional de Ciberjornalismo, 2017.

LEMOS, A. Cibercultura. Tecnologia e Vida Social na Cultura Contemporânea. Porto Alegre: Sulina, 2005.

NEWMAN, N. The rise of social media and its impact on mainstream journalism: A study of how newspapers and broadcasters in the UK and US are responding to a wave of participatory social media, and a historic shift in con- trol towards individual consumers [Report]. 2009. Reuters Institute for the Study of Journalism. Disponível em: https://bit.ly/2BwJmV1 Acesso em: 20 abr. 2020.

NEWMAN, N. Journalism, Media, And Technology Trends and Predictions 2016. Reuters Institute for the Study of Journalism, 2016. Disponível em: https://bit.ly/2Nj3iO8 Acesso em: 04 abr. 2020.

NEWMAN, N. Journalism, Media, And Technology Trends and Predictions 2019. Reuters Institute for the Study of Journalism, 2019. Disponível em: https://bit.ly/310BDJK Acesso em: 04 abr. 2020.

RECUERO, R. Redes Sociais na Internet, Difusão de Informação e Jornalismo: Elementos para discussão, 2012. Disponível em: https://bit.ly/2BtGoAC.Acesso em: 16 jan. 2020.

SOCIAL MEDIA TRENDS FOR 2020 AND BEYOND. Influencers Marketing Hub, 2019. Disponível em: https://bit.ly/2YklPQ6. Acesso em: 20 abr. 2020.

GLOBAL SOCIAL MEDIA RANKING 2017. Statista, 2017. Disponível em https://bit.ly/3hQhtIb. Acesso em: 20 abr. 2020.

VÁZQUEZ-HERRERO, J. DIREITO-REBOLLAL, S.; and LÓPEZ-GARCÍA, X. Ephemeral Journalism: News Distribution Through Instagram Stories. Social Media + Society. October-December 2019: 1–13.

VASCONCELOS, E. L. Do impresso ao Snapchat: a efemeridade enquanto característica essencial do jornalismo. Revista Comunicação Cultura e Sociedade. A. 07, Vol. 7, ed. 007, Dez. 2016/Dez. 2017, Ano 2016-17. Disponível em: https://bit.ly/2zOFJJE Acesso em: 15 jan. 2020.

BITTERLY, M.; FEE, M.; MITCHELL, T. Looking Forward to 2020, Here are 10 Themes for News. New York Times. Disponível em: https://nyti.ms/2YpMM5j. Acesso em: 04 abr. 2020.

Downloads

Publicado

2022-01-03