O futebol de mulheres na revista Placar: da objetificação à redenção

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-6924.2021.75638

Palavras-chave:

Noticiabilidade, Futebol de Mulheres, Revista Placar

Resumo

Este artigo tem como objetivo analisar as mudanças ocorridas nos critérios de noticiabilidade adotados pela Placar para a produção de reportagens sobre o futebol de mulheres. Trata-se da mais antiga e tradicional revista esportiva em circulação no Brasil. Olhar para as mudanças na produção da notícia possibilita observar as transformações pelas quais o periódico atravessou, em uma única década, passando de um produto que flertava com o passado de objetificação da mulher, para dar voz à modalidade, e dedicar, pela primeira vez na história, uma edição especial exclusiva ao futebol de mulheres. Este artigo é um fragmento de uma pesquisa maior sobre a Placar, que inclui a análise dos critérios de noticiabilidade, desde a década de 1990 até 2019. Para este artigo, realizamos uma análise de conteúdo qualitativa e quantitativa de 84 edições do periódico, entre 2011 e 2019, anos que envolvem as três últimas Copas do Mundo Feminina. Além de analisar as revistas, nossa pesquisa também optou por entrevistas com jornalis- tas que passaram pela Placar, como Juca Kfouri e Ricardo Corrêa.

Biografia do Autor

Daniel Felipe de Oliveira Leal, UFPE

Doutorando em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco e membro do ReNEme - Rede Nordestina de Estudos em Mídia e Esporte.

Giovana Borges Mesquita, Universidade Federal de Pernambuco

Professora adjunta do curso de Comunicação do CAA-UFPE e do Programa de Pós-graduação em Comunicação da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE).

Referências

ALSINA, M. A construção da Notícia. Petrópolis: Vozes, 2009.

BARRETO JANUÁRIO, S. Mulheres no campo: o ethos da torcedora pernambucana. São Paulo: Fontenele, 2019.

BARRETO JANUÁRIO, S.; VELOSO, A. Gênero, mídia e futebol: a cobertura midiática genderificada no Brasil. In: C. LIMA, C.; BRAINER, L.; BARRETO JANUÁRIO, S. (orgs.). Elas e o futebol. João Pessoa: Xeroca!, 2019.

BARRETO JANUÁRIO, S.; LIMA, C.; LEAL, D. Futebol de mulheres na agenda da grande mídia: uma análise temática da cobertura da Copa do Mundo de 2019. Observatório, v. 14, n. 4, 2020.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

CORRÊA, R. Ricardo Corrêa: depoimento [set. 2019]. Entrevistadores: G. B. Mesquita e D. F. O. Leal. São Paulo, 2019.

COSTA, L. Maria-chuteiras x torcedoras “autênticas”. Identidade feminina e futebol. XII ENCONTRO REGIONAL DE HISTÓRIA ANPUH-RJ. Usos do passado. Anais... Rio de Janeiro, 2006. p. 1-11.

COSTA, L. O futebol feminino nas décadas de 1940 a 1980. Revista do Arquivo Geral da Cidade do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, n. 13, p. 493-507, 2017.

DUARTE, J. Entrevista em Profundidade. In: DUARTE, J.; BARROS, A. Métodos e Técnicas de Pesquisa em Comunicação. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

FIGUEIREDO, C. D. #martamelhorqueneymar: uma proposta de análise do uso de uma hashtag como indício de silenciamento da mídia tradicional. In: LIMA, C. A. R.; BRAINER, L.; JANUÁRIO, S. B. (orgs.). Elas e o futebol. João Pessoa: Xeroca!, 2019.

FONSECA JUNIOR, W. C. Análise de Conteúdo. In: Duarte, J.; Barros, A (Org). Métodos e Técnicas de pesquisa em comunicação. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

GOELLNER, S. V. Bela, maternal e feminina: imagens da mulher na “Revista Educação Physica”. Ijuí: Editora Unijuí, 2003.

GOELLNER, S. V. Mulher e esporte no Brasil: entre incentivos e interdições elas fazem a história. Pensar a prática. v.8, n.1, revisada. p. 65, 2005.

JORGE, T. de M. Mutação no jornalismo: como a notícia chega à internet. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2013.

KFOURI, J. Juca Kfouri: depoimento [set. 2019]. Entrevistadores: G. B. Mesquita e D. F. O. Leal. São Paulo, 2019a.

KFOURI, J. A correta autocrítica da revista Placar. São Paulo: Portal UOL, 2019b. Disponível em: https://bit.ly/35a5hgN. Acesso em: 5 mai. 2020.

KNIJNIK, J. D.; SOUZA, J. S. S. Diferentes e desiguais: Relações de gênero na mí- dia esportiva brasileira; In. SIMÕES, A. C.; KNIJNIK, J. D. (orgs). O mundo psicossocial da mulher no esporte: comportamento, gênero, desempenho. São Paulo, Aleph, 2004, p. 191-212.

MESQUITA, G. Interfiro, logo existo: a audiência potente e as novas relações no jornalismo. (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil, 2014.

MOURÃO, L.; MOREL, M. As narrativas sobre o futebol feminino: o discurso da mídia impressa em campo. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, v. 26, n. 2, p. 73-86, 2005.

PLACAR. São Paulo: Editora Abril, edição 1106, ago., 1995.

PLACAR. São Paulo: Editora Abril, edição 1355, jun., 2011a.

PLACAR. São Paulo: Editora Abril, edição 1356, jul., 2011b.

PLACAR. São Paulo: Editora Abril, edição 1357, ago., 2011c.

PLACAR. São Paulo: Editora Abril, edição 1371, nov., 2012.

PLACAR. São Paulo: Editora Caras, edição 1408, nov., 2015.

PLACAR. São Paulo: Editora Caras, edição 1409, dez., 2015.

PLACAR. São Paulo: Editora Caras, edição 1418, ago., 2016.

PLACAR. São Paulo: Editora Abril, edição 1444, out., 2018.

PLACAR. São Paulo: Editora Abril, edição 1453, jul., 2019.

PLACAR. São Paulo: Editora Abril, edição 1457, nov., 2019.

RIBEIRO, A. Os donos do espetáculo: histórias da imprensa esportiva do Brasil. São Paulo: Terceiro Nome, 2007.

SALVINI, L.; MARCHI JÚNIOR, W. Registros do futebol feminino na Revista Placar: 30 anos de história. Motrivivência (Florianópolis); v. 28, n. 49, p. 99-113, dez. 2016.

SILVA, G. Para pensar critérios de noticiabilidade. In: SILVA, G.; SILVA, M. P.; FERNANDES, M. L. (orgs.). Critérios de noticiabilidade: problemas conceituais e aplicações. Florianópolis: Insular, 2014.

TRAQUINA, N. Teorias do Jornalismo, Volume II: A tribo jornalística – uma comunidade interpretativa transnacional, 2. ed. Florianópolis: Insular, 2005.

TUCHMAN, G. La producción de la noticia. Estudo sobre la construcción de la realidad. Barcelona: Gili, 1983.

UNZELTE, C. Celso Unzelte: depoimento [set. 2019]. Entrevistadores: G. B. Mesquita e D. F. O. Leal. São Paulo, 2019a.

VEIGA DA SILVA, M. Masculino, o gênero do jornalismo: modos de produção das notícias. Florianópolis: Insular, 2014.

VEIGA DA SILVA, M. O Encontro entre a subjetividade e alteridade crítica das práticas jornalísticas: aproximações de pesquisa. Revista Observatório, Palmas, v. 4, n. 1, p. 398-417, jan./mar. 2018.

WOLF, M. Teorias da comunicação. Lisboa: Editorial Presença, 2003.

Downloads

Publicado

2021-07-05