“Irrelevante”: a crítica de Nilson Lage à Teoria da Comunicação no ensino de Jornalismo

Autores

  • Luis Mauro Sa Martino Faculdade Cásper Líbero

DOI:

https://doi.org/10.5007/1984-6924.2022.e86322

Palavras-chave:

Jornalismo, Ensino, Teoria da comunicação

Resumo

Este artigo delineia algumas das críticas e propostas referentes à teoria e epistemologia da comunicação tal como propostas por Nilson Lage em seu texto A comunicação decepcionante, publicado na página do Observatório da Imprensa em 2003. Busca-se não apenas situar o artigo no contexto de sua publicação, quase duas décadas atrás, mas também indicar seu lugar nos debates contemporâneos sobre o tema. O argumento se desenvolve em três movimentos principais. Destaca-se (1) a crítica ao lugar da Teoria da Comunicação nos cursos universitários; (2) a discussão sobre a validade de um discurso teórico sobre Comunicação a partir de outras disciplinas; e (3) suas articulações didático-pedagógicas no contexto do ensino universitário. Esses aspectos são pensados no âmbito das discussões correntes sobre Teoria da Comunicação.

Biografia do Autor

Luis Mauro Sa Martino, Faculdade Cásper Líbero

Doutor em Ciências Sociais pela PUC-SP. Pesquisador-bolsista da Universidade de East Anglia, Inglaterra (2008). Professor do Programa de Mestrado em Comunicação na Contemporaneidade.

Referências

AGUIAR, Leonel. As diretrizes curriculares e a formação específica em jornalismo. Alceu, Vol. 14, no. 27, jul-dez. 2013, p. 162-175.

ALBUQUERQUE, Afonso de; ROXO, Marco A. As Diretrizes Curriculares de Jornalismo e o modelo cartorial de ensino universitário. Questões Transversais, Vol. 3, no. 5, jan-jun. 2015, p. 1-9.

ANDRADE, Tatiana C. O. O saber do jornalismo. Goiânia: Pontifícia Universidade Católica de Goiás, 2015 (Doutorado em Comunicação).

BAPTISTA, Maria L. C. Disciplinas Teóricas: de entulho de currículo a campo do desejo e autopoiesis. Trabalho apresentado no XXVI Congresso Anual da Intercom. Belo Horizonte/MG, 02 a 06 de setembro de 2003.

BARTHES, Roland. Crítica e verdade. São Paulo: Perspectiva, 2003.

BRAGA, J. L. O conhecimento comunicacional: entre a essência e o episódio. In: FRANÇA, V. Veiga; SIMÕES, P. (Orgs.), O modelo praxiológico e os desafios da pesquisa em Comunicação (p. 119-137). Porto Alegre: Sulina, 2018.

BUENO, Thaisa; GEHLEN, Marco A. Formação em jornalismo na perspectiva docente. Cadernos de Comunicação. Vol. 21, no. 3, set-dez. 2017, p. 66-81.

DÓRIA, F. Dossiê. In: Revista de Cultura Vozes, No. Especial “Escolas de Comunicação e Profissionalização”. Petrópolis: Vozes, Ano 66, Vol. 66, No. 8, Out. 1972.

ECO, Umberto. Apocalípticos e Integrados. São Paulo: Perspectiva, 1995.

GOMES, Pedro G. Tópicos de teoria da comunicação. São Leopoldo: Unisinos, 1997.

HIME, Gisely V. V. C. Reflexões sobre o ensino de Teoria do Jornalismo. XVIII INTERCOM SUDESTE. Bauru: Anais… Bauru, 3 a 5 de julho de 2013.

HOHFELDT, A.; MARTINO, L. C.; FRANÇA, V. V. (orgs). Teorias da Comunicação: conceitos, escolas e tendências. Petrópolis: Vozes, 2001.

LAGE, Nilson. A comunicação decepcionante. Observatório da Imprensa, 23 de abril de 2003b. Disponível em https://www.observatoriodaimprensa.com.br/primeiras-edicoes/a-comunicao-decepcionante/. Consulta em 02 de fevereiro de 2022.

LAGE, Nilson. A escola muda de perfil. Muda? Observatório da Imprensa, 9 de abril de 2003a. Originalmente disponível em https://www.observatoriodaimprensa.com.br/primeiras-edicoes/a-escola-muda-de-perfil-muda-2/. Menções feitas a partir de cópia em Word.

LIMA, Venício. Comunicação e Cultura: as ideias de Paulo Freire. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.

LIMA, Venício. Mídia - Teoria e Política. São Paulo: Perseu Abramo, 2001.

LIMA, Venício. Repensando as teorias da comunicação. In: MELO, J. M. Teoria e pesquisa em comunicação. São Paulo: Intercom: Cortez, 1983. p. 86-98.

LINS DA SILVA, Carlos E. Teoria da Comunicação. In. MELO, J. M. et alli (Orgs). Ideologia e Poder no Ensino de Comunicação. São Paulo, Cortez e Moraes, 1979.

MARTINO, Luiz C. (org.) Teoria da comunicação: muitas ou poucas? Cotia: Ateliê, 2007.

MARTINO, Luiz C. Os cursos de teoria da comunicação à luz do Jornalismo. Libero, ano 9, no. 17, 2006, p. 21-29.

MARTINO, Luis M. S. Genealogia dos Conceitos na Teoria da Comunicação: esboço de um panorama. Revista Alaic, v. 15, no. 1, 2018, p. 24-35.

MARTINO, Luiz C. Descontinuidades epistemológicas na Teoria da Comunicação: um estudo das taxonomias entre 1969 e 2011. Logos, v. 22, no. 1, 2015, p. 105-120.

MARTINO, Luiz C. A disciplinarização da epistemologia na(s) Teoria(s) da Comunicação. InTexto, v. 29, no. 1, 2013, p. 1-17.

MARTINO, Luiz C. A disciplina interdisciplinar. Logos, v. 19, no. 1, p. 17-28, 2012.

MARTINS, Juliane. Trajetória e tensionamentos da Área de Comunicação sob a ótica acadêmico-profissional. XX INTERCOM SUL. Anais… Porto Alegre: UFRGS, 20 a 22 de junho de 2019.

MEDITSCH, Eduardo. A aplicação das novas diretrizes curriculares: oportunidade para o reencontro do ensino de jornalismo com o que foi perdido em sua história. In: ALMEIDA, Fernando; SILVA, Robson B.; MELO, Marcelo B. M. O ensino de comunicação frente às diretrizes curriculares. São Paulo: Intercom, 2015.

MENEZES, Carlos. Apresentação. In: SÁ, Adísia (Org.). Fundamentos científicos da comunicação. Petrópolis: Vozes, 1971.

MORAES, Lilian S. S. As novas diretrizes curriculares para os cursos de jornalismo e o possível fortalecimento da ética profissional. REU, Vol. 43, no. 2, dez. 2017, p. 277-294.

PIGNATARI, Décio. Contracomunicação. São Paulo: Perspectiva, 1971.

TEMER, A. C. Teorizar é pensar a prática: uma reflexão sobre o ensino das Teorias da Comunicação nos Cursos de Jornalismo. 10º ENCONTRO NACIONAL DE PROFESSORES DE JORNALISMO. Anais... Goiânia: 27 a 30 de abril de 2007.

Downloads

Publicado

2022-06-29