A educação básica brasileira em disputa: doutrinação versus neutralidade

Ana Cláudia Rodrigues de Oliveira, Fabio Lanza, Letícia Jovelina Storto

Resumo


A partir da investigação sobre os principais fundamentos ideológicos e pressupostos da organização associativa Escola sem Partido (ESP), com sede na cidade de São Paulo, este trabalho busca analisar as implicações das perspectivas e pautas defendidas pela associação para a educação e à sociedade brasileira na última década, abrangendo, mais especificamente, seus desdobramentos no âmbito do ensino da Sociologia no nível médio da educação básica. A pesquisa documental ocorreu junto aos meios de comunicação, eletrônicos e impressos, websites e redes sociais vinculadas ao ESP e abordadas a partir de contribuições da análise crítica do discurso. Como resultado, destacamos os conceitos de doutrinação ideológica e neutralidade do ensino propostos pelo ESP, seus temas e pautas que recaem sobre a questão do cerceamento da prática docente e aos componentes curriculares da disciplina de Sociologia, admitida apenas, quando se aproxime dos padrões nomotéticos de um conhecimento sociológico positivista e cientificista, reprodutores do seu projeto societário conservador.


Palavras-chave


Escola sem Partido; Ensino de Sociologia; Currículo

Texto completo:

PDF/A

Referências


BERGER, P. L. Perspectivas sociológicas: uma visão humanística. 23. ed. Petrópolis: Vozes, 1986.

BORTOLOTI, M. Ideologia na cartilha. Veja, [S. l.], 31 mar. 2010. Disponível em: https://web.archive.org/web/20121024213638/http://veja.abril.com.br/310310/ideologia-cartilha-p-116.shtml. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei n° 867, de 2015. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, 2015. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=375C72096AFD87644868A98ED8436064.proposicoesWebExterno2?codteor=1317168&filename=Avulso+-PL+867/2015. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Decreto n° 16.782-A, de 13 de janeiro de 1925. Estabelece o concurso da União para a difusão do ensino primário, organiza o Departamento Nacional do Ensino, reforma o ensino secundário e o superior e dá outras providencias. Brasília, DF: Presidência da República, [1991]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1910-1929/D16782aimpressao.htm. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Lei n° 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Presidência da República, [2019a]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L4024.htm. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Lei n° 9.394, de 20 de dezembro 1996. Estabelece as diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Presidência da República, [2019b]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 31 jan. 2019.

BRASIL. Lei nº 11.684, de 02 de junho de 2008. Altera o art. 36 da Lei n° 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir a Filosofia e a Sociologia como disciplinas obrigatórias nos currículos do ensino médio. Brasília, DF: Presidência da República, [2008]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11684.htm. Acesso em: 31 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Parecer CNE/CEB nº 38 de 2006. Inclusão obrigatória das disciplinas de Filosofia e Sociologia no currículo do Ensino Médio. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/pceb038_06.pdf. Acesso em: 31 jan. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino médio: parte I – bases legais. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2000a. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/blegais.pdf. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CEB n. 2. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental. [Brasília, DF], 7 abr. 1998. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16261-rceb02-98&category_slug=agosto-2014-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Senado Federal. Projeto de Lei da Câmara PLC n° 9, de 2000. Altera o artigo 36 da Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário do Senado Federal, Brasília, DF, 18 abr. 2000b. Disponível em: https://legis.senado.leg.br/diarios/BuscaDiario?codDiario=6818&paginaDireta=07400. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei PL n° 6003/2013. Altera os arts. 9º, 35 e 36 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, de diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF, 17 jul. 2013. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/fichadetramitacao?idProposicao=585581. Acesso em: 12 jul. 2019.

BRASIL. Câmara dos Deputados. Projeto de Lei PL n° 867/2015. Inclui, entre as diretrizes e bases da educação nacional, o “Programa Escola sem Partido”. Brasília, DF, 23 mar. 2015. Disponível em: https://www.camara.leg.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra;jsessionid=375C72096AFD87644868A98ED8436064.proposicoesWebExterno2?codteor=1317168&filename=Avulso+-PL+867/2015. Acesso em: 12 jul. 2019.

CIGALES, M. P.; ARRIADA, E. Algumas considerações sobre o ensino da sociologia na educação brasileira 1882-1942. Perspectivas Sociais, Pelotas, ano 2, n. 1, p. 86-100, mar. 2013.

ESCOLA SEM PARTIDO. Doutrinação pelo mundo. Escola sem Partido, [S. l.], [200-?a]. Disponível em: http://www.escolasempartido.org/doutrinacao-pelo-mundo. Acesso em: 24 jul. 2019.

ESCOLA SEM PARTIDO. Entrevista de Miguel Nagib à revista Profissão Mestre. Escola sem Partido, [S. l.], [200-?b]. Disponível em: http://escolasempartido.org/midia/395-entrevista-de-miguel-nagib-a-revista-profissao-mestre. Acesso em 12 jul. 2019.

FAIRCLOUGH, N.; MELO, I. Análise crítica do discurso como método em pesquisa social científica. Linha d'Água, v. 25, n. 2, p. 307-329, 2012.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 4. ed. São Paulo: Loyola, 1998.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 24. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 2007.

FRIGOTTO, G. Imposição da Mordaça aos Educadores. e-Mosaicos, Rio de Janeiro v. 5, n. 9, p. 11-13, jun. 2016.

HABERMAS, J. A nova intransparência: a crise do estado de bem-estar social e o esgotamento das energias utópicas. Novos estudos Cebrap, São Paulo, n. 18, p. 103-114, set. 1987.

MILLS, C. W. A Imaginação Sociológica. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

MORAES, A. C. Ensino de Sociologia: periodização e campanha pela obrigatoriedade. Cadernos Cedes, Campinas, v. 31, n. 85, p. 359-382, set./dez. 2011.

MOREIRA, S. V. Análise documental como método e como técnica. In: BARROS, A.; DUARTE, J. (org.). Métodos e técnicas de pesquisa em comunicação. São Paulo: Atlas, 2005. p. 269-279.

NAGIB, M. Quem deve aprovar a BNCC? Gazeta do Povo, [S. l.], 16 jan. 2016. Disponível em: https://web.archive.org/web/20170103132225/http://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/artigos/quem-deve-aprovar-a-bncc-462lhgu7ev4ytnvq6r2vc0lio. Acesso em: 12 jul. 2019.

NAGIB, M. Quem somos. Escola sem Partido. [S. l.], [200-?]. Disponível em: http://www.escolasempartido.org/quem-somos. Acesso em: 12 jul. 2019.

NAGIB, M. Entrevista do coordenador do ESP ao site Portaberta (09.08.2008). [S. l.], [2008]. Escola sem Partido. Disponível em: http://www.escolasempartido.org/midia- categoria/291-entrevista-do-coordenador-do-esp-ao-site-portaberta-09-08-2008. Acesso em: 31 jan. 2019.

NUNES, N.; REZENDE, M. J. de. O ensino da educação moral e cívica durante a ditadura militar. In: SIMPÓSIO LUTAS SOCIAIS NA AMÉRICA LATINA TRABALHADORE(A)S EM MOVIMENTO: CONSTITUIÇÃO DE UM NOVO PROLETARIADO? 3., 2008, Londrina. Anais [...]. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2008. Disponível em: http://www.uel.br/grupo-pesquisa/gepal/terceirosimposio/natalynunes.pdf. Acesso em: 31 jan. 2019.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Educação do Paraná. Diretrizes Curriculares Estaduais da Educação Básica: Sociologia. Curitiba: Secretaria de Estado da Educação do Paraná, 2008. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/diretrizes/dce_socio.pdf. Acesso em: 12 jul. 2019.

PARANÁ. [Constituição (1989)]. Lei Ordinária nº 15.228, 25 de julho de 2006. Institui as disciplinas de filosofia e de sociologia como disciplinas obrigatórias na grade curricular do

ensino médio do estado do Paraná, conforme especifica. Curitiba: Assembleia Legislativa, [2006]. Disponível em: http://www.leisestaduais.com.br/pr/lei-ordinaria-n-15228-2006-parana-institui-as-disciplinas-de-filosofia-e-de-sociologia-como-disciplinas-obrigatorias-na-grade-curricular-do-ensino-medio-do-estado-do-parana-conforme-especifica. Acesso em: 31 jan. 2019.

RAMALHO, V. C. V. S. O discurso da imprensa brasileira sobre a invasão anglo-saxônica ao Iraque. 2005. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Letras, Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2005.

SALLES, M.; STAMPA, I. Ditadura militar e trabalho docente. Trabalho Necessário, ano 14, n. 23, p. 166-185, 2016.

SCHWARTZMAN, S. O currículo de sociologia para o ensino médio no Rio de Janeiro. Simon’s Site. [S. l.], 7 mar. 2010. Disponível em: http://www.schwartzman.org.br/sitesimon/?p=1587〈=pt-br. Acesso em: 12 jun. 2019.

SILVA, I. F. A sociologia no ensino médio: os desafios institucionais e epistemológicos para a consolidação da disciplina. Cronos, Natal, v. 8, n. 2, p. 403-427, jul./dez. 2007.

SILVA, I. F. O ensino das ciências sociais. Sociologia no Brasil: histórico e perspectivas. In: MORAES, A. C. de. (coord.). Coleção explorando o ensino: sociologia. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2010. v. 15, p. 15-44.

SCHNEIDER, C. M.; TAVARES, M. da S. Ciência em pauta: as estratégias discursivas das revistas superinteressante e galileu. Iniciacom, v. 5, n. 2, p. 1-19, out. 2013.

VARGAS, F. E. B. O ensino da Sociologia: dilemas de uma disciplina em busca de reconhecimento. [Pelotas]: Universidade Federal de Pelotas, [ca. 2010]. Disponível em: https://wp.ufpel.edu.br/franciscovargas/files/2011/10/ARTIGO-O-Ensino-da-Sociologia.pdf. Acesso em: 31 jan. 2019.




DOI: https://doi.org/10.1590/1982-02592019v22n3p468

R. Katál. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil eISSN: 1982-0259  

Licença Creative Commons Adota a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.