Neoliberalismo e proteção social na América Latina: salvando o capital e destruindo o social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02592020v23n2p235

Palavras-chave:

América latina, Capital, Estado, Neoliberalismo, Proteção social

Resumo

Conjecturar Estado, neoliberalismo, sistemas de proteção social e movimentos políticos e econômicos da América Latina no cenário atual, é um desafio provocador. Mesmo assim, o objetivo deste estudo é compreender o Estado de orientação neoliberal na América Latina e seus impactos nos sistemas de proteção social. Diante desse contexto de estudo, o problema de pesquisa é: quais são as perspectivas que devem ser consideradas para entender o Estado de orientação neoliberal na América Latina em relação aos impactos nos sistemas de proteção social? Para permitir a análise desse cenário, o artigo foi dividido em dois momentos: o primeiro responsável por compreender o Estado de orientação neoliberal na América Latina e o segundo por analisar os sistemas de proteção social e as influências do neoliberalismo em sua constituição. A metodologia aplicada na pesquisa está dividida em três eixos: a pesquisa exploratório-descritiva será utilizada para atingir os objetivos propostos inicialmente; para organizar e compilar os materiais para o estudo, será utilizada pesquisa bibliográfica quantitativa e qualitativa e; para o tratamento desses dados, o método a ser utilizado será o materialismo dialético.

Biografia do Autor

Rodrigo Cristiano Diehl, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doctorante y Máster en Derecho por la Universidad de Santa Cruz do Sul, ambos con beca de Capes. Máster en Política Social y Trabajo Social por la Universidad Federal de Rio Grande do Sul. Investiga temáticas centradas en América Latina. Abogado y profesor.

Jussara Maria Rosa Mendes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doctora en Trabajo Social; Profesora del Departamento de Trabajo Social de la Universidad Federal de Rio Grande do Sul. Coordinadora del Programa de Posgrado en Política Social y Trabajo Social, profesora permanente de PPG en Psicología Social e Institucional/UFRGS, representante de área en CNPq.

Referências

Alayón, Norberto (2016). Desafíos para el trabajo social en América Latina en los momentos decisivos de capital y el avance del conservadorismo. Revista Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 15, n. 1, p. 10-18.

Anderson, Perry (1995). Balanço do neoliberalismo. In: Sader, E. & Gentili, P. (Orgs.). Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o Estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, p. 9-23.

Aráoz, Horacio (2013). Orden neocolonial, extractivismo y ecología política de las emociones. Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, João Pessoa, v. 12, n. 34, p. 11-34.

Behring, Elaine Rossetti (2009). Acumulação capitalista, fundo público e Política Social. In: Boschetti, I. et al (Org.). Política social no capitalismo: tendências contemporâneas. 2. ed. São Paulo: Cortez, p. 13-34.

Behring, Elaine Rossetti (2008). Brasil em contrarreforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. 2. ed. São Paulo: Cortez.

Bizerra, F. A. & Gois, J. C. S. (2014). Estado e capital: uma ineliminável relação de complementariedade à base material. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 17, n. 1, p. 77-86.

Boschettu, Ivanete (2009). Seguridade social na América Latina. In: Boschetti, I et al. Política social no capitalismo: tendências contemporâneas. 2. ed. São Paulo: Cortez.

Burginski, Vanda Micheli (2017). A contrarreforma do Estado na ideologia neoestruturalista da Cepal. Revista Em Pauta, Rio de Janeiro, n. 40, v. 15, p. 280-295.

Carcanholo, Marcelo Dias (2004). Neoliberalismo e desenvolvimento em uma economia periférica. In: Xavier, C. L. (Org.). Desenvolvimento desigual. Uberlândia: EDUFU, p. 283-320.

Carcanholo, Marcelo Dias (2014). Desafios e perspectivas para a América Latina do século XXI. Revista Argumentum, Vitória, v. 6, n. 2.

Castelo, Rodrigo (2014). Estado, transformismo e supremacia rentista no capitalismo dependente brasileiro contemporâneo. Revista Ser Social, Brasília, v. 16, n. 35, p. 296-302.

Cepal (2019). Comissão Econômica para América Latina e Carine. Panorama social de América Latina 2018. Santiago do Chile: Cepal.

Danani, Claudia (2010). El espacio publico en su laberinto: las políticas sociales y las confontaciones del universalismo. In: Gluz, N. & Salgado, J. A. (Comp.). Particularismo y universalismo en las políticas sociales: el caso de la educación. Buenos Aires: UNGS.

Fleury, Sônia (1994). Estado sem cidadãos: seguridade social na América Latina. Rio de Janeiro: Fiocruz.

Gershenson, B. & Scherer, G. A. (2016). Uma promessa civilizatória perversa: as políticas públicas e juventudes na era neodesenvolvimentista. Revista Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 15, n. 1, p. 160-170.

Harvey, David (2011). O enigma do capital: e as crises do capitalismo. São Paulo: Boitempo.

Harvey, David (2008). O neoliberalismo: história e implicações. São Paulo: Loyola.

Jessop, Bob (2013). Política social, Estado e “sociedade”. Revista Ser Social, Brasília, v. 15, n. 33, p. 261-384.

Kliksberg, Bernardo (2002). Repensando o estado para o desenvolvimento social: superando dogmas e convencionalismos. 2. ed. São Paulo: Cortez.

Marx, Karl (2006). El capital. 7. ed. México: Fondo de Cultura Económica.

Marx, Karl (1975). Prefácio à contribuição à crítica da economia política. In: Marx, K. & Engels, F. Textos 3. São Paulo: Sociais.

Marx, K. & Engels, F. (2009). A ideologia alemã. São Paulo: Expressão Popular.

Melo, L. V. & Paese, C. R. (2013). As políticas sociais e o combate à exclusão: repensando o papel do Estado na contemporaneidade. Revista Argumentum, Vitória, v. 5, n. 1, p. 102-119.

Mészáros, István (2003). O século XXI: socialismo ou barbárie? São Paulo: Boitempo.

Mészáros, István (2011). Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo.

Moraes, Reginaldo C. (2001). Neoliberalismo: de onde vem, para onde vai? São Paulo: Senac.

Morás, L. E. (2010). Los dilemas y desafíos de las políticas progresistas de seguridad. Revista Encuentros Uruguayos, Montevideo, n. 3, p. 6-21.

Paiva, B. A. & Ouriques, N. (2006). Uma perspectiva latino-americana para as políticas sociais: quão distante está o horizonte? Revista Katálysis, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 166-175.

Pastorini, A. & Martínez, I. (2014). Tendências das mudanças da proteção social no Brasil e no Uruguai: a centralidade das redes mínimas na América Latina. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 17, n. 1, p. 59-67.

Pereira, Camila Potyara (2017). A proteção social em tempos sem brios. Revista Argumetum, Vitória, v. 9, n. 3, p. 24-29.

Pereira, V. S. & Araújo, M. A. (2018). Rupturas, neogolpismo e América Latina: uma análise sobre Honduras, Paraguai e Brasil. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 21, n. 1, p. 125-136.

Raichelis, Raquel (2013). Proteção social e trabalho do assistente social. Tendências e disputas na conjuntura de crise mundial. Revista Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 116, p. 609-635.

Rojas, G. A. & Gomes, C. M. C. (2017). Crise orgânica, governos e seus impactos na América Latina. Revista Em Pauta, Rio de Janeiro, n. 39, v. 15, p. 17-32.

Sampaio, S. S. & Oliveira, R. (2016). Estado-Providência: chega de odes e críticas neoliberais. Revista Serviço Social e Sociedade, São Paulo, n. 126, p. 302-317.

Simionatto, I. & Costa, C. R. (2014). Estado e políticas sociais: a hegemonia burguesa e as formas contemporâneas de dominação. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 17, n. 1, p. 68-76.

Sorj, Bernardo (2001). A nova sociedade brasileira. Rio de Janeiro; Jorge Zahar.

Therborn, Göran (2012). Do marxismo ao pós-marxismo? São Paulo: Boitempo.

Valencia, Adrián Sotelo (2016). Dependência, precariedade laboral e fratura social na América Latina com as reformas neoliberais. Revista Argumentum, Vitória, v. 8, n. 2, p. 140-152.

Wood, Ellen Meiskins (2014). O império do capital. São Paulo: Boitempo.

Xiberras, Martine (1996). As teorias da exclusão: para a construção do imaginário do desvio. Lisboa: Instituto Piaget.

Publicado

2020-05-15