Soberania nacional e mundialização do capital: o Brasil sob a gerência de Fernando Henrique Cardoso

Marco Antônio Ribeiro Tura

Resumo


 


Este artigo, resultado de conferência proferida pelo autor, aborda as relações entre o processo de mundialização do capital e suas implicações para a soberania nacional, especialmente durante o período em que Fernando Henrique Cardoso esteve na presidência da República. A mundialização é vista como processo inscrito na lógica do capital desde o seu advento como sistema dominante. E a soberania, por sua vez, é concebida como qualificação do poder estatal, traduzido em uma relação entre classes sociais e suas frações. Estas idéias servem, ao final, para explicar a participação dos agentes estatais brasileiros em certo período, especialmente no período de Fernando Henrique Cardoso, como verdadeiros gerentes locais dos interesses do capital transnacional e, portanto, como formuladores e implementadores de ações, no interior do aparelho estatal, voltadas a submissão dos órgãos políticos da soberania política aos órgãos técnicos da burocracia econômica.


Palavras-chave


Capital; Soberania; Classes; Frações; Burocracia; Capital; Sovereignty; Classes; Fractions; Burocracy

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.1590/%25x

R. Katál. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil eISSN: 1982-0259  

Licença Creative Commons Adota a Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.