Aprendizagem flexível como o novo princípio educativo para a classe trabalhadora

Autores

Palavras-chave:

Tecnologias da Informação e Comunicação, Educação, `Aprendizagem Flexivel, Classe trabalhadora

Resumo

O artigo analisa o desenvolvimento e uso das Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs) na sociedade capitalista, a partir do segundo decênio dos anos 2000, com objetivo de revelar o projeto de formação profissional para a classe trabalhadora. Amparado em uma perspectiva socio-histórica, recorreu à análise bibliográfica e documental para identificar, nos principais aparelhos privados de hegemonia, as diretrizes das políticas educacionais contemporâneas e evidenciar os mecanismos político-ideológicos que reconfiguram as experiências de formação mediadas pelas TICs. Os resultados expõem o contexto de expansão do uso das tecnologias de informação e comunicação nos marcos do desemprego, da flexibilização, desregulamentação do trabalho e do fenômeno da “uberização”. Revelam as estratégias de adequação do trabalhador à sociabilidade capitalista, com destaque para a formação de habilidades genéricas e competências socioemocionais, as quais incidem no campo didático-pedagógico, conformando- o em espaço de acumulação e reprodução do capital.

Biografia do Autor

Taise Cristina Gomes Clementino de Negreiros, Universidade de Brasília

Doutora em Serviço Social pela Universidade Federal de Pernambuco 

Professora Adjunto I do Departamento de Serviço Social da Universidade de Brasília 

Universidade de Brasília, Campus Universitário Darcy Ribeiro, Instituto Central de Ciências (ICC NORTE - Asa Norte, Brasília - DF, 70910-900

Angela Santana do Amaral, UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

Doutora em Serviço Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro;

Pós-doutorado em Sociologia do Trabalho na Universidade Complutense de Madrid- Espanha; 

Professora Associada IV do Departamento de Serviço Social da Universidade Federal de Pernambuco 

Universidade Federal de Pernambuco, Av. Prof. Moraes Rego, 1235 - Cidade Universitária, Recife - PE, 50670-901

Referências

ANTUNES, Ricardo. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. 1ªed. São Paulo: Boitempo, 2018a.

ANTUNES, Ricardo. A vigência (e a vingança) de Marx: o novo proletariado de serviços, valor e intermitência. In: Revista Margem Esquerda, n. 31, 2º semestre, 2018b.

BANCO MUNDIAL. Aprendizagem para todos: investir nos conhecimentos e competências das pessoas para promover o desenvolvimento. Banco Mundial: 2011. [sumário executivo].

CARCANHOLO, Marcelo Dias. Conteúdo e forma da crise atual do capitalismo: lógica, contradições e possibilidades. In: Crítica e Sociedade: revista de cultura política. v.1, n. 3, Edição Especial - Dossiê: A crise atual do capitalismo, dez. 2011.

CHRISTENSEN, Clayton M. Ensino híbrido: uma nova inovação disruptiva?. Clayton Christensen Institute [sumário executivo], 2013.

CHRISTENSEN, Clayton M.; EYRING, Henry J. A universidade inovadora: mudando o DNA do ensino superior de fora para dentro. Tradução de Ayresnede Casarin da Rocha. Porto Alegre: Bookman, 2014.

COSTA, José Eduardo. EDTECHS: a educação reinventada. In: EDTECHS: O futuro da educação. São Paulo: StartSe, 2018 [Ebook].

FRIGOTTO, Gaudêncio. Educação Profissional e capitalismo dependente: o enigma da falta e da sobra de profissionais qualificados. In: Revista Trabalho, Educação e Saúde, v. 5, n. 3, p. 521-536, nov. 2007/fev. 2008.

FREITAS, Tainá. EDTECHS: as tecnologias que prometem revolucionar 2019. In: EDTECHS: O futuro da educação. São Paulo: StartSe, 2018 [Ebook].

HARVEY, David. A condição Pós-Moderna. 17. Ed. São Paulo: Edições Loyola, 2017.

KRAUSZ, Rosa R. Trabalhabilidade. São Paulo: Nobel, 1999.

LIMA, Kátia. Contra-reforma na educação superior: de FHC a Lula. São Paulo: Xamã, 2007.

MÉSZÁROS, István. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2011.

SAVIANI, Dermeval. Escola e Democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. 30 ed. Campinas, SP: Autores Associados, 1995. (Coleção polêmicas do nosso tempo, v. 5).

UNESCO. La enseñanza superior frente a las conmociones de la época. In: Investigación y Prospectiva em Educación UNESCO, Pais. 2013. [Documentos de Trabajo ERF, n. 6].

UNESCO. Volver a interpretar el aprendizaje. Investigacíons y Prospectiva en Educación UNESCO, Paris, 2014a. [Documentos de Trabajo ERF, n. 10].

UNESCO. Um currículo para el siglo XXI: Desafíos, tensiones y cuestiones abiertas. In: Investigacíons y Prospectiva en Educación UNESCO, Paris, 2014b [Documentos de Trabajo ERF, n. 9].

UNESCO. El futuro del aprendizaje (i) Por qué deben cambiar el contenido y los métodos de aprendizaje en el siglo XXI? In: Investigación y Prospectiva en Educación UNESCO, Paris, 2015. [Documentos de Trabajo ERF, n. 13].

UNESCO. Repensar a educação: rumo a um bem comum mundial?. Brasília: UNESCO Brasil, 2016.

Downloads

Publicado

2021-09-28